Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

Amadores substituem a imprensa na cobertura da narcoviolência no México

Por Carlos Castilho em 22/09/2010 | comentários

Há quase dois meses a imprensa nos estados mexicanos de Michoacan, Guerrero, Sinaloa e Zacatecas, vive um virtual blackout informativo em conseqüência da violenta disputa entre grupos do narcotráfico por pontos de passagem de drogas ao longo da fronteira com os Estados Unidos.


Mas ameaças feitas a jornalistas e a rotina dos seqüestros de repórteres de jornais, revistas e emissoras de televisão não conseguiram impedir o fluxo de informações produzido por um número cada vez maior de blogs, mensagens via torpedo, Twitter e até vídeos no YouTube.


São informantes amadores que passaram a ocupar o lugar dos profissionais na busca e disseminação de informações, como é o caso do Mexablog, um blog fundado há 10 anos e que tem hoje uma audiência avaliada em quase 100 mil visitantes diários.


Esta semana o blog foi o único canal de informação a divulgar a rebelião dos moradores da pequena cidade de Ascención, a noroeste do estado de Chihuahua, que decidiram caçar narcotraficantes por conta própria diante da omissão da policia mexicana. Dois dos oito membros de um grupo de seqüestradores do cartel de Zetas, que está em guerra com o cartel do Golfo, foram linchados e mortos pela população amotinada.


Os Zetas são ex-soldados das Forças Especiais do exército mexicano que depois de desertar passaram a trabalhar para o Cartel do Golfo, até 2007, quando começou a guerra entre os dois cartéis.


No Twitter, páginas como a Balaceratec, continuam até hoje reproduzindo mensagens com informações sobre o tiroteio registrado nas proximidades da Universidade Tecnológica de Monterrey, uma das mais importantes do México, e que causou a morte de dois estudantes. Foi mais um confronto entre a polícia e os narcotraficantes, onde o material produzido por amadores substituiu a cobertura da imprensa.  


A guerra entre os cartéis Zetas e CDG  (Cartel del Golfo) também já contaminou os blogs como foi o caso do Viviendo Lejos, produzido por uma jovem estudante que testemunhou e descreveu o tiroteio em Monterrey. Membros dos cartéis usaram a área de comentários do blog para fazer ameaças a blogueira, que retirou seu perfil e suas fotos como medida de segurança.


O blog norte-americano Borderland publicou, em abril último, uma série de mensagens postadas pelos protagonistas do narco-conflito no México, onde fica claro que para os Zetas e para o CDG a guerra também acontece no terreno da mídia digital.


Um estudo sobre a ação dos amadores na cobertura da violência no México está sendo feito pelo norte-americano David Sasaki, também conhecido por El Oso, que acaba de publicar no seu blog, um amplo estudo sobre a o conflito entre narco-traficantes mexicanos. É o melhor trabalho que já li sobre a situação no país, que está sendo apresentado, erroneamente, pela imprensa norte-americana como o Afeganistão da América Latina.  

Todos os comentários

  1. Comentou em 24/09/2010 Roberto Ribeiro

    Nossa, essa história de moradores rebelados contra bandidos no norte do México parece Sete Homens e Um Destino! Em vez de ficar lambendo as feridas por que a imprensa mexicana não investiga o governo central e que motivos o levam a não intervir? Isso cheira à corrupção das grandes, das enormes. A imprensa deveria ir à raiz dos problemas e não ficar reclamando que os bandidos matam jornalistas. A ‘profissão’ do sequestrador é sequestrar, o metier do traficante é traficar, a ‘função’ do assassino é assassinar. Agora, onde está a polícia, a justiça o governo mexicano?

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem