Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CÓDIGO ABERTO > Desativado

As opiniões são livres. Os fatos, sagrados

Por Luiz Weis em 29/06/2008 | comentários

Quatro domingos depois de sair no New York Times, o Estado reproduz hoje um comentário do ombudsman, ou “editor público”, do jornal, Clark Hoyt, sobre um polêmico artigo do historiador Edward Luttwak, publicado em 12 de maio.


 


Luttwak escreveu que o Islã jamais perdoará Barak Obama por ter ele ter se convertido ao cristianismo. O seu pai era muçulmano converso. Ele morreu quando Obama tinha 2 anos. O seu padastro, segundo marido de sua mãe, era muçulmano. Em Jacarta, Indonésia, onde viveu 5 anos, Obama frequentou uma escola islâmica e outra, católica.


 


Luttwak chegou a escrever que, se fosse visitar um país muçulmano, um eventual presidente Obama daria uma imensa dor de cabeça aos responsáveis por sua segurança, “porque o simples ato de protegê-lo seria pecaminoso para os guardas islâmicos”.


 


O ombudsman entrou na história porque, nas suas palavras, “muitos leitores do Times consideraram o artigo irresponsável ou falso”. Um deles, por sinal, observou que “o Islã não é como o nosso cabelo ou a cor da nossa pele, que herdamos dos nossos pais”. [Trata-se do jornalista Ali Kamel, do Globo, mas a passagem do texto de Hoyt que o cita e a outro leitor não aparece na versão do Estado, mas isso é detalhe.]


 


O que interessa no comentário do ombudsman, do ângulo da feitura de um jornal, é o que acontece, ou deixa de acontecer na imprensa com artigos de opinião, oferecidos ao jornal ou a convite. No Brasil, escritos desse tipo saem como vieram – no máximo o editor da página os “põe no tamanho”, cortando o que exceder o espaço previsto. Se o autor diz que o dia é escuro e a noite é clara, problema dele. O jornal não tem nada com isso.


 


Já no New York Times e, decerto, em outros jornais do mesmo porte pelo mundo afora, os editores passam o pente fino não nas opiniões dos articulistas, mas nos fatos em que elas se baseiam – além de dar uma guaribada na linguagem do original para torná-lo mais claro ou suscinto.


 


No caso da momentosa colaboração de Luttwak, o ombudsman, ecoando os leitores, se pergunta se os responsáveis pela página checaram adequadamente os fatos mencionados pelo autor para provar a sua tese de que a maldição de Alá paira sobre a cabeça de Obama [a expressão é minha, não dele, mas é o que quis dizer].


 


O editor David Shipley disse que o artigo foi checado, sim, pelos fechadores. Eles consultaram o Alcorão, textos relacionados, artigos de jornal e historias do Islã, para conferir se Luttwak sabia do que estava falando.


 


Mas, para o ombudsman, foi pouco. Como escreve – e quase dá para ver o seu ar de reprovação – “nenhum estudioso do Islã foi consultado”. Segundo o editor da página lhe explicou, “não costumamos convidar especialistas para pesar o trabalho dos nossos colaboradores”.


 


O fato é que o ombudsman resolveu fazer ele mesmo o serviço, entrevistando cinco islamistas de cinco universidades americanas. [Nenhum deles aceitou a interpretação dos preceitos muçulmanos dada por Luttwak, mas – de novo – isso é detalhe.]


 


Ainda está por vir o dia em que jornais brasileiros terão o mesmo cuidado – por respeito ao leitor. Como diz Hoyt, parafraseando no título do seu comentário uma expressão clássica do ofício, todos têm direito às suas próprias opiniões – “mas aos próprios fatos”?


 


P.S. Não é só para expurgar erros factuais de um artigo assinado – ou deixar de publicá-lo por causa deles – que a intromissão dos editores é fundamental. Vale também para ajudar o leitor a entender o que o articulista escreveu, se ele tiver resvalado para o hermetismo.


 


Hoje, por exemplo, o Estado publica um texto do sociólogo José de Souza Martins, da USP. O assunto é Ruth Cardoso. Às tantas, ele escreve: “Ruth personificou a opção pascal na política brasileira que se inaugura com a posse de Fernando Henrique Cardoso.”


 


Já li uma coisa ou outra na vida, mas não sei o que é “opção pascal” e algo me diz que não devo ser o único a ter ficado no escuro. Pascal de Páscoa? Do filósofo Blaise Pascal? Mesmo relendo o artigo – de resto excelente – não peguei o espírito da coisa.


 


Pior. Quem baixou o texto não só não acrescentou um “ou seja…” depois da frase, como ainda tascou a “opção pascal” no título. E não se diga que o subtítulo – “O abraço de Lula em FHC no velório cobra um pacto sem o qual PT e PSDB perecerão e o Brasil que se deseja perderá” – resolveu o enigma.

Todos os comentários

  1. Comentou em 01/07/2008 Ivo A. Auerbach

    Luiz Weiss você poderia me esclarecer somente uma dúvida. Será que os “ombudsmans” tupiniquins fazem o seu trabalho com o mesmo esmero e senso crítico dos umbudsmans ianques?

  2. Comentou em 30/06/2008 ana maria sales

    Eu não li o artigo. Mas, não seria uma alusão ao cordeiro pascal, aquele que se imolou para os outros viverem e alcançarem a glória do Reino dos céus?

  3. Comentou em 29/06/2008 marina chaves

    eu penso que onde está escrito ‘quel’ no texto que dizer na verdade ‘qual’.. ‘… sem o quel PT e PSDB perecerão e o brasil que se deseja perderá’…

    Nota do OI: Agradecemos o alerta. O cochilo de revisão foi corrigido,.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem