Domingo, 21 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

CÓDIGO ABERTO >

Como se formam as ditaduras da maioria

Por Luiz Weis em 22/04/2008 | comentários

Do colunista Clóvis Rossi, na Folha de hoje:

“Não vejo nenhum capanga armado obrigando o telespectador (ou leitor) a ficar sintonizado nos programas policialescos ou, agora, no noticiário sobre a menina morta. Há público – e grande – para isso. Alguns são apenas portadores da normal curiosidade humana. Outros têm gosto de sangue na alma, não nos iludamos.”

Sim e não.

Sim para o gosto de sangue de tantos.

Não para a necessidade do capanga armado.

A tese – formalmente verdadeira – de que ninguém é obrigado a ver ou ler seja lá o que a mídia mostre ou escreva deixa de levar em conta os poderosos mecanismos de indução, na própria mídia e na sociedade, para que se veja ou leia o que a mídia e os formadores de opinião entre os espectadores e leitores consideram um imperativo social.

Desinteressar-se pelo noticiário sobre a menina morta acaba sendo visto nos ambientes em que o desinteressado frequenta e que lhe abrem as portas da integração social – família, trabalho, escola, vizinhança, círculo de amizades – como uma esquisitice, ou, pior, um desvio de caráter: que raio de pessoa é essa que não liga a mínima para tamanha monstruosidade?

Quem fica na contramão do interesse avassalador daqueles com os quais convive ou se relaciona passa a imagem de que “não é bom da cabeça ou doente do pé”. E muitíssimo poucos não se importam de ser vistos assim.

É como se formam e operam as pressões conformistas, germes das ditaduras da maioria, engendradas e sancionadas pela mídia.

Da mesma forma que na economia e ao contrário do que parece, não é a procura que cria a oferta, mas o contrário. Batendo quase o tempo todo numa mesma tecla – e quando essa tecla, o assassínio de uma criança, presumivelmente pelo pai, ressoa como raras outras que se possam imaginar -, o espetáculo de som e fúria da mídia de massa fabrica um mercado de consumo do qual só não se participa ao preço da reprovação social.

E a participação vai além de se manter antenado no caso. É engrossar a multidão que desde a primeira a hora foi convencida pela aliança espúria da polícia e da imprensa a acreditar que as coisas se passaram exatamente como a primeira diz e a segunda repassa.

”Foram eles”, berra a imprensa de esgoto. E quem ousará observar aos parentes, colegas, amigos e vizinhos: “Peraí. Vamos esperar o que a Justiça vai dizer”?

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem