Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

Conversa com os leitores: Da memética à infalibilidade informativa

Por Carlos Castilho em 14/01/2009 | comentários

Este blog também é um espaço para uma conversa entre leitores. Conversa na qual eu gostaria de me incluir não porque tenha a pretensão de saber mais do que vocês, nem porque me alguns acham que sou dono deste espaço , mas porque acho nesta troca essencial para que todos nós acabemos aprendendo coisas novas.


Fernando Cavalcante, num comentário feito no post  A notícia como um vírus tocou num tema que parece esotérico mas que é cada vez mais importante. A teoria das Memes nos ajuda a entender como acontece a recombinação de notícias e dados, o que nos permite entender e incidir sobre o processo de produção colaborativa de informações.  A produção colaborativa é a base do sucesso da Wikipédia e já é considerada por muitos como a tábua de salvação do jornalismo, especialmente na cobertura de temas locais.


Fernando, se você está estudando a tal da Memética , porque você não compartilha os teus conhecimentos com os demais leitores do Código para que todos possam entendê-la melhor?


Já  Ibsen Marques comentou que era mais importante mudar o conceito  de notícia era alterar o de jornalista. Bom Ibsen,  são mudanças que acontecem simultaneamente elas são inseparáveis, mas na hora de analisar uma e outra, às vezes é preciso separar as partes para que a reflexão fique mais clara. Na hora que a notícia deixar de ser vista pelos jornais como uma mercadoria,  a função do jornalista também muda. Ele deixa de ser um mero empacotador de notícias para assumir novas funções que ainda não estão bem claras. O mais provável  é que ele passe a ser um mediador na produção de informações, já que o processo está ficando cada vez mais complexo e amplo, graças a ferramentas como os weblogs, por exemplo.


Nilton Rodrigues, seu comentário está ótimo. Vale a pena lê-lo. Textos como o teu valorizam o espaço dos comentários e contrabalançam o peso do autor de um weblog.  A melhor coisa que pode acontecer num weblog é o seu autor perder a posição hegemônica na página. Pode parecer um absurdo o que estou dizendo, mas é real. Ninguém é dono da verdade e os comentários são uma ferramenta para diversificar a discussão e trazer novos elementos para o debate,como fez o Fernando ao trazer a questão dos memes.


Edward, a sua colaboração é o melhor elogio que este blog pode receber. Mas esperamos contar também com as tuas críticas porque quanto maior for a vigilância sobre o que é publicado, maior o benefício para todos.  É o que Dante (Caleffi) faz com uma sempre bem-vinda frequência.  


Errar é uma circunstância normal no trabalho de um produz e distribui informação.  Lidamos com connjunturas e processos  onde a contextualização é cada vez mais complexa.  Nossa responsabilidade é procurar errar o menos possível mas quando isto acontecer temos que aceitar as correções e críticas não como uma condenação mas como uma colaboração.


E finalmente,  Jaime, você está certo quanto diz que o jornalismo como expressão da verdade é uma idéia agonizante.  Não há verdades absolutas. Tudo é relativo e temos que nos acostumar com isto. Se não existe verdade absoluta, também não existe o erro absoluto, o que significa que teremos que dar sempre crédito a quem pensa diferente.  Isto deve contribuir para que a intransigência e os sectarismos se tornem menos intensos.


Bom, vou ficando por aqui nesta conversa com os leitores. Um abraço para todos e até mais.  

Todos os comentários

  1. Comentou em 26/01/2009 Wendel Anastácio

    Olá; Transcrevendo:
    ‘Somos simples ferramentas nas mãos dos homens ricos, que atuam por trás dos bastidores. Somos marionetes. Eles movem os cordéis, nós dançamos. Nossos talentos, nossas possibilidades e nossas vidas são propriedades desses homens. Somos prostitutas intelectuais’. John Swinton – Chefe de Pessoal do New York Times.
    Esta declaração foi há algum tempo atrás, mas nunca foi tão atual.
    Mesmo sendo esta declaração do conhecimento de todos os profissionais do jornalismo, com poucas e honrosas exceções, vemos este time aumentar a cada dia.
    Pensem nisto.

  2. Comentou em 23/01/2009 Ibsen Marques

    Castilho, concordo com você e acho que talvez tenhamos encontrado um bom motivo para a queda na vendagem de jornais. É que o jornalista trabalha sob o conceito de notícia transmitido pelo jornal, isto é, uma mercadoria e que parece estar em dissintonia com as espectativas do leitor sobre ela, O OI também engatinha de alguma forma na ‘notícia virulenta’ como proposta Fernando justamente pela possibilidade do comentário do leitor que também é lido pelo autor e por outros leitores que acabam de alguma maneira influenciados ou pelo menos instigados. Pensar sobrer outros pontos de vista de uma mesma notíci pode fortalecer nossa argumentação ou ampliar nossos horizontes. Tenho muito prazer em participar dos debates que ocorrem no OI.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem