Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Documento contradiz o presidente

Por Luiz Weis em 03/06/2008 | comentários

O presidente Lula, num dos mais importantes e fundamentados discursos que proferiu desde que subiu ao Planalto, disse hoje em Roma, na abertura da conferência de cúpula da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação) que não tem “pé nem cabeça” a afirmação de que os canaviais para a produção de etanol estão invadindo a Amazônia.

Segundo ele, só 0,3% da área ocupada no país pela cana-de-açúcar fica na Região Norte. “Ou seja, 99,7% da cana está a pelo menos 2 mil quilômetros da Floresta Amazônica”. E, numa bem-sacada comparação do redator do discurso, emendou: “A mesma distância que existe entre o Vaticano e o Kremlin.”

Como é que fica então a matéria da Folha do último domingo? Ela cita um documento da estatal Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), vinculada ao Ministério da Agricultura, segundo o qual já foram plantados 45 quilômetros quadrados de cana no município acreano de Capixaba, a 60 km da capital, Rio Branco.

Até 2012, ainda segundo a Embrapa, a área plantada ali deverá ser multiplicada por 10. Com isso, a área dos canaviais de Capixaba equivalerá a pouco menos de 1/3 da cidade de São Paulo.

O documento, esclarece a Folha, é um subsídio ao PAS (o Plano Amazônia Sustentável, aos cuidados do chamado ministro do Futuro, Roberto Mangabeira Unger).

Outra frente da cana na Amazônia fica em Roraima, com dois empreendimentos somando 90 quilômetros quadrados.

A matéria cita por fim um dado da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), sem esclarecer se faz parte do documento da Embrapa. O dado é do aumento de 9,6% da última safra de cana na Amazônia Legal – de 17,6 milhões de toneladas para 19,3 milhões. A variação acompanha o crescimento da área de canaviais em Mato Grosso, Tocantins e Amazonas.

O presidente brasileiro está coberto de razão quando denuncia os dedos “sujos de óleo e de carvão” dos que responsabilizam o etanol, incluíndo o obtido da cana, pela alta mundial dos preços dos alimentos.

‘É com espanto que vejo tentativas de criar uma relação de causa e efeito entre os biocombustíveis e o aumento dos preços dos alimentos”, contra-atacou. “É curioso: são poucos os que mencionam o impacto negativo do aumento dos preços do petróleo sobre os custos de produção e transporte dos alimentos. Esse comportamento não é neutro nem desinteressado.”

Lula também está certo em se tornar “o chato do etanol”, como avisou aos jornalistas brasileiros, numa conversa na embaixada em Roma, domingo.

Mas, ou o documento da Embrapa sobre a expansão da cana na Amazônia está equivocado, ou o governo deve uma explicação aos brasileiros que o aplaudem pela defesa do nosso biocombustível, com o seu imenso potencial para a redução das emissões de gás carbônico que provocam o efeito estufa.

De qualquer forma, ponto para a repórter Marta Salomon, da Folha, que levantou a lebre.

Todos os comentários

  1. Comentou em 08/06/2008 Silvio Miguel Gomes

    Eu não sabia que índios estavam sendo mortos na floresta do Peru e o desmatamento lá é feito à vontade. O fato de somente falarem e escreverem sobre a floresta no Brasil fica evidente a má fé e o modismo de muita gente. Aqui em São Paulo as Usinas destroem tudo o que ainda resta para plantar cana e a imprensa e os ‘Atores de novelas’ não denunciam. Nós sempre esquecemos de perguntar aos moradores daquelas regiões onde existem as florestas o que eles pensam, o que eles querem! São eles quem mandam!

  2. Comentou em 06/06/2008 Paulo de almeida

    Vale a pena ler no estadao de 15 de maio – A falta de fertilizantes. O texto dá uma base p refletir em que pé anda a agricultura, que como o texto afirma, é dependente de adubo químico derivados de petróleo, e nao recicláveis. E pela reflexao cada um pode responder por si, se há ou nao competicao com os alimentos a producao de combustíveis agrícolas. A mim parece com aquela do cara subir na carroceria do caminhao encravado, e empurrar a boléia p
    desencravá-lo… Mas adianto minha reflexao p quem nao ler: cana precisa de adubo, arroz e feijao também (na agricultura convencional), adubo precisa de derivados de petróleo, ou mineral, e estao se esgotando. É um absurdo. Compete sim, é claro!
    Fui em 2006 visitar Aracatuba, a ‘terra do boi’, minha cidade natal. Pedi a um amigo levar-me num sítio caipira p matar a saudade. Fui levado p uma fazenda antiga, que como todas as outras da regiao, tinha virado canavial. Cultura altamente mecanizada, assoreou o córrego que corria por ali há décadas, secou a lagoa, a mata (coisa rara no Brasil) estava ilhada, e parece que o gado foi melhor vizinhanca p ela, pelo menos para os macacos que lá viviam, esfomeados, magérrimos, pareciam judeus em mao de nazista. Meu deus!

  3. Comentou em 05/06/2008 ronald bittencourt

    porque o pig….desculpe ob servatório da imprensa não comenta nem uma linha sobre o caso alston de são paulo, do governador josé serra e do geraldinho. uma investigaçãozinha só……………….

  4. Comentou em 05/06/2008 calypso escobar

    tanto eu,como lula e você estamos na terra do Pinochio…verdade é que o Amazonas está pior que ontem,hoje e amanhã,só que se salva é o filhinho que acaba de comprar um FAZENDÃO por lá,o resto que me vem a mente somos nós os ingênuos.Grta calypso escobar

  5. Comentou em 05/06/2008 cid elias

    ô seu paulo maciel, se fores do tipo que não corre da raia, mas que assume as coisas que escreves, traga ALGUNS exemplos disto que o senhor afirma haver, de discursos do Presidente Lula, nos quais haveria uma ou mais contradições, e tb, segundo dissestes com autoridade de quem ‘manja’, VÁRIAS mentiras por ele ditas. *Vamos lá, apenas indique os links e aponte as TANTAS E TANTAS mentiras e contradições existentes em cada um dos discursos do Lula, assim poderemos acreditar e compartilhar desta tua verdade surpreendente…

  6. Comentou em 05/06/2008 antonio barbosa filho

    Em nome do direito à informação, estamos pedindo ao Governo (secom@planalto.goc.br) que use uma rede nacional de TV e rádio, no horário obre (domingo à noite), para transmitir a íntegra do dircurso do Pres. Lula na FAO. O Brasil falou ao mundo com altivez e soberania e isso foi censurado pelo PIG. Trata-se de política de Estado, que necessidade do conhecimento e adesão do povo. Daí ser democrático e de alto interesse público que o Governo use as concessões públicas para bem informar – única forma de burlar a censura vigente na mídia cartelizada. Escrevam todos!

  7. Comentou em 05/06/2008 antonio barbosa filho

    Quanto à mídia, acho que o Governo deveria ter convocado rede nacional de rádio e Tv para a transmissão do histórico discurso de Lula. Foi a primeira vez que o Brasil não falou ao mundo com ‘please’ e ‘tanhk you’ (obrigado, FHC). A mídia escondeu o fato que repercutiu em toda a imprensa européia e norte-americana, ferindo o nosso direito à informação. É dever do Governo informar sobre o tema, pelas concessões que são públicas, única forma de driblar a censura em vigor no PIG. Ainda está em tempo: que tal no horário do Fantástico?

  8. Comentou em 05/06/2008 PAULO PEREIRA

    Gostaria de parabenizar e agradecer ao jornalista Richard Jakubaszko pelas informações e conclusões muito bem prestadas.
    Eu acho que boa parte da mídia tem por hábito, ou desconhecimento, a necessidade de dirigir o assunto (“escreve pensando”) e acaba cometendo equívocos e deformações.

  9. Comentou em 04/06/2008 rosangela oliveira leite

    Nada mais me espanta na cobertura midíatica deste país quando é alguem ligado ao PT e aos partidos que apóiam o presidente. Não vemos nenhuma notícia sobre a corrupção do governo do Rio Grande do Sul, nem os casos que envergonham a todos nós brasileiros o denunciado pela Suíça e a França, o caso da Alston, onde jornais da Europa fala livremente, aqui não mencionam e nem cobram nada dos governos do PSDB e do DEM, que vergonha, agora usam outro assunto, para encobrir este que está tomando proporções não esperado ela mídia golpista deste país, o da ex diretora da Anac, acusando Dilma e em letras garrafais e com uma chamada vergonhosa. NOJO, NOJO NOJO a todos vocês desta imrensa que só nos envergonham. Mas nós estamos de olho, e é por isso que a popularidade do presidente avança cada vez mais é como diz a musica do chico ´’APESAR DE VOCÊS’

  10. Comentou em 04/06/2008 Miguel Abdelnur

    ….e alguém ainda lê ou se importa com o que esse jornaleco publica?

  11. Comentou em 04/06/2008 Paulo Maciel

    Quem, ainda, leva em conta as contradições do Lula?
    Não existe, e só procurar, um discurso do presidente que não tenha uma ou mais contradições, além de várias inverdades. O homem não se diz uma metamorfose ambulante? Não entendo o espanto.

  12. Comentou em 04/06/2008 Richard Jakubaszko

    2ª parte:
    7 – o documento da Embrapa, mesmo publicado pela FSP, não contradiz o presidente;
    8 – cana-de-açúcar, para abastecer uma usina, precisa estar no máximo à distância de 50 km da usina, senão perde sacarose no transporte, e dá prejuízo;
    9 – a Amazônia Legal inclui MA, TO, todo o estado do MT, e até parte de MS, sendo que o MT só tem 20% de sua área (Norte) no bioma amazônico, o restante é cerrado. Essa região (Legal) foi criada para permitir incentivos fiscais no governo Getúlio Vargas e até hoje é um imbróglio que o Congresso não desata. Era para ser só no bioma amazônico, mas governadores da época pediram pra entrar, e o cerrado entrou no bioma amazônico por decreto. Hoje, pra sair dessa, só o Blairo Maggi briga pela causa, os demais governadores não se importam, só querem incentivos, que nem valem mais. Mas lá na Europa eles não têm a menor idéia do que seja Amazônia. Se a FSP, aqui no Brasil, fala que plantaram cana na Amazônia Legal, e se o OI, através do seu artigo, faz confronto com uma provável mentira do presidente, todo mundo acha que o Lula é que está mentindo. Não me importa o Lula, me importa a mentira. Nesse caso a Embrapa ou não esclareceu, ou a FSP interpretou errado a informação, e vc embarcou numa canoa furada. Pode crer que os dois estão certos, a Embrapa e o presidente. Errada está a FSP, e vc que interpretou a FSP.

  13. Comentou em 04/06/2008 Richard Jakubaszko

    Luiz Weiss,
    seu questionamento sobre a matéria da FSP ante o discurso do presidente Lula tem boas explicações e novas dúvidas:
    1º – o plantio de cana-de-açúcar não admite o regime chuvoso da floresta amazônica. Entre abril e setembro a cana precisa de tempo seco para ‘amadurecer’ a sacarose. Se chover desanda. Portanto, só louco planta cana na Amazônia.
    2º – quem disse que o município Capixaba, no AC, é floresta? Não conheço, só fui até Rio Branco, mas é mais provável que seja cerrado, assim como boa parte de Roraima. Ambas as regiões, portanto, não têm o bioma amazônico, daí a possibilidade de plantio de cana.
    3º para plantar cana, mecanizada no manejo, mas não na colheita, a terra tem de estar livre de tocos; para tirar os tocos só com trator de esteira, que não chegam lá voando, só na garupa de caminhão. Assim, a região, se era floresta foi desmatada há mais de 10 anos.
    4º – 45 km quadrados é igual 4.500 hectares, a unidade de medida usada em agricultura. Essa área é menor do que qualquer outra usina de SP. Tem usina no AC? Desconheço, mas acho que não, é área muito pequena para abastecer uma usina, a não ser que seja área experimental, ou é cana para ração animal, o que faz mais sentido.
    5º portanto, seu espanto é um pingo n´água, e da FSP também.
    6º vc menciona Amazônia Legal, e faz crer que seja a Amazônia floresta: não é! Há confusões enormes nisso… continua

  14. Comentou em 04/06/2008 Ary da Silca Martini Martini

    Acho que as duas afirmações estão certas e não se contradizem. Uma (ou dez) plantações isoladas em alguma área da Amazônia é diferente de uma política – pública ou privada – de expansão da monocultura da cana em direção ao bioma (como ocorre, por exemplo, com a pecuária que avança sobre o bioma). A política de expansão deliberada (ou permissiva) pressupõe um ‘avançar de tratores derrubando e queimando tudo. Me parece que o governo evitará essa estratégia.

  15. Comentou em 04/06/2008 Jose de Almeida Bispo

    Talvez convenha ao dono da Folha, cuja aqui é saudada por você Weis, como com mais autoridade sobre o Brasil que o presidente da República, que não sejamos dependente apenas de tecnologia de máquinas e softwares; mas também até de tecnologia agrícola como o fomos – e em parte ainda somos – da tecnologia agrícola tropical e subtropical. A EMBRAPA nos colocou em posição de ‘primeiro mundo’ (como adoram falar os complexados de vira-latismo), graças a investimento onde nenhum fazendeiro ‘esperto’, anti-Estado, ‘moderno’, ‘primeiro-mundo’, quis fazer. Dominou o Cerrado, transformou o barro vermelho de São Paulo em terra boa pra cana adaptando-o… com certeza Weis a idéia da Folha é de que o Brasil acaba em Belo Horizonte e o resto pode explodir. Portanto, pra que dominar a tecnologia agrícola em terras amazônicas? Logo, vamos aceitar o conselho de Raul Seixas: vamos entregar a Amazonia.
    Eis aqui uma pequena confissão de incompetência de 1740. Será que é na permanência disso que a Folha persiste?
    “180 – Memorial e instrução sôbre a cultura do tabco, o que se pratica na Virgínia, especialmente em Maryland, e na Holanda, em Utretch e Darnhem, com reflexões sôbre o tabaco do Brasil. S. l., s.d (1740?), s. a. 4 documentos. Cópias. 12 f. inum. II-33,17,15”
    CF. Anais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Vol. 68, p. 37. Rio de Janeiro, 1949. (O conteúdo completo não cabe aqui).

  16. Comentou em 04/06/2008 Orestes Ianuzzi

    Os últimos pronunciamentos do Sr. Inácio da Silva tem revelado que quem não está nem com ‘cabeça’ e nem com ‘pé’, é o próprio…! É lamentável que tenha virado tiete dos interesses dos usineiros da cana-de-açúcar; o que vai acontecer é que vai ficar falando sozinho, como aliás, parece que já está.

  17. Comentou em 04/06/2008 Marco Antônio Leite

    O mandatário do comentarista abaixo continua com a sua velha cantilena de que o Brasil é dos brasileiros, conseqüentemente a Amazônia é de todos nós. O administrador dos bens dos capitalistas do momento, não sabe, ou faz de conta que não sabe ou é como marido traído, o último, a saber, que a floresta Amazônica esta nas mãos dos capitalistas estrangeiros. Para ser mais objetivo, o Brasil não é nosso, mas sim deles, ou seja, dos estrangeiros em geral.

  18. Comentou em 04/06/2008 Augusto augusto

    Como sempre, nossos especialistas de plantão têm na ponta da lingua uma solução para os problemas. Cobram praticidade do governo em relação ao desmatamento da amazônia. Nosso ministro do meio ambiente resolveu apreender os bois que são confinados em areas que não estão dentro do controle do ministério e já vêm os especialistas questionar tal atitude. Sr Lula o senhor sabe perfeitamente que tudo o que o senhor fizer, será questionado pelos especialistas de plantão, inclusive os biocombustiveis, esses mesmos especialistas que resolvem facilmente os problemas, sentados em suas mesas de madeiras-de-lei, vindas da floresta amazônica. E ainda tem nossas queridas ONGs que querem um crecimento da amazônia de maneira auto-sustentável. Isso é fácil, dificil é conseguir o crescimento sustentável do deserto do saara mas, certamente, não há nenhuma ONG por lá.

  19. Comentou em 04/06/2008 Moses Besouchet

    Luiz Weis, se a informação inverídica do Presidente é a de que ‘0,3% da área ocupada no país pela cana-de-açúcar estão na Amazônia’, percebo que você não trouxe nenhum dado provando que esse número não é verdadeiro. Ou será que alguém imagina que ‘meia cidade de São Paulo’ ou insignificâncias afins representam mais do que 0,3% da área total de cana plantrada no Brasil? Penso que essa sua crítica não teve o apuro costumeiro. Grande abraço!

  20. Comentou em 04/06/2008 Alexandre Carlos Aguiar

    Se a EMBRAPA vier a público desmentir o presidente, isso deverá ser divulgado sem dó e nem piedade. Agora, canalizada pelo tablóide-mor dos tucanopaulistas, me perdõem, mas não acredito. Quero um comunicado oficial, saido das rotativas da empresa estatal, e não das dos Frias, porque do PIG se espera tudo. A mídia do Brasil perdeu a credibilidade.

  21. Comentou em 04/06/2008 cid elias

    Outra vez o sr weis se presta à observar o Presidente Lula, e como de praxe, sua pena visa desconstruir a imagem do nosso mandatário, custe o que custar. Percebam que o sr weis, em vez de observar a IMPRENSA, se vale de uma matéria por ela publicada para interpelar o Presidente da República:’Como é que fica então a matéria da folha…?’. O faz como se o tablóide-comitê demotucano dos frias fosse o baluarte da credibilidade jornalística, E NÃO É, muito pelo contrário! Esta atitude do sr weis se opõe ao silêncio ensurdecedor que ele costuma fazer sempre que crimes demotucanos vem à tona. *Não concordam? Procurem artigos do sr weis sobre a obtenção das PLANILHAS, o vazamento à vejaQmentira(consequentemente à folha), e a confissão do crime feita pelo senador alvaro dias em entrevista ao Terra Magazine; sobre a participação de tucanos de alta plumagem no Alstompropinoduto; sobre a NANO-cobertura que a imprensa que ele deveria observar dedicou ao mensalão tucano; sobre o desinteresse da imprensa quando do recente e absurdo arquivamento, a cargo de um velho amigo, dr gilmar mendes, do processo no qual serra, malan e cia, ESTÃO CONDENADOS a devolver R$ 200 MILHÕES aos cofres públicos! ESTÃO porque o Procurador Geral da República NÃO aceitou o ‘engavetamento’ imoral do ex-ministro do fhc e remeteu o processo de volta ao novo mello; sobre a mordaça imposta pelo aécio à mídia de MG;etcetc

  22. Comentou em 03/06/2008 marina chaves

    bom, para o publico externo, a amazonia está salva, por enquanto…. para o publico interno, a situaçao é alarmante…. vamos ver o que os ministros do futuro irao fazer…. espero que lutem para preservar a amazonia, este é o meu desejo como cidadã deste pais chamado brasil…

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem