Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CÓDIGO ABERTO > Desativado

É da Veja o velho ‘ônus da prova’

Por Luiz Weis em 30/05/2007 | comentários

Se procedem as dúvidas do repórter Guilherme Scarance, do Estado, na matéria “Falta esclarecer pagamentos de 2004 e 2005”, com uma bem-feita linha do tempo baseada na fala e nos documentos apresentados pelo senador Renan Calheiros, há um buraco de pelo menos R$ 200 mil nas relações financeiras do político alagoano com a jornalista Mônica Veloso.


Renan disse ontem que não tinha comprovantes dos pagamentos mensais que lhe teria feito entre janeiro de 2004, quando se constatou a sua gravidez, e novembro de 2005, mês anterior ao do reconhecimento da paternidade da filha nascida em agosto de 2004.


A justificativa de Renan é assombrosa: “Por que ia haver [comprovantes de] depósitos se a relação não era oficial?”


Então, ficamos assim: a uma relação extraconjugal se segue uma relação extracontabilística.


A resposta leva água para o moinho da informação da Veja, não corroborada por documentos ou terceiros – além de quem soprou a história para a revista – de que esses R$ 200 mil foram pagos em dinheiro vivo pelo lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior.


A acusação que pende sobre o senador é a de que o dinheiro era da empreiteira, onde todo mês um envelope esperava por Mônica.


Mas pode se imaginar também que o dinheiro vinha de eventuais “recursos não contabilizados”, na imortal expressão do tesoureiro petista Delúbio Soares, do senador que já foi muita coisa na vida política – por exemplo, membro da tropa de choque de Fernando Collor no Congresso.


De qualquer maneira, há uma zona de sombra na situação toda – e não apenas na do queijo suiço das alegações do senador.


Do ponto de vista político, por um lado, Renan ficou a descoberto, por falta de provas de que ajudou Mônica com dinheiro seu – e limpo.


Os seus colegas de “clube”, como o Senado é conhecido em Brasília, poderiam não cobrir o seu aparente déficit de idoneidade, apontado pela Veja.


Ou poderão cobrir, sim, por solidariedade corporativa, rabo preso ou lo que quieras, como dizem os argentinos. A ver no que dá a representação do PSOL ao Conselho de Ética da casa, que se instala hoje.


Do ponto de vista jornalístico, porém, a sombra é outra. Na ética da profissão, não basta matar a cobra. Tem de mostrar o pau. Nisso é a Veja que está a descoberto.


Como diz, na lata, o senador capixaba Renato Casagrande, do PSB, a reportagem ainda é “muito pouco para se manter uma acusação” de político recebendo dinheiro ilícito de uma empreiteira.


‘A revista é que tem que provar que o dinheiro era da Mendes Júnior e não do próprio Renan.’


Tem. O ônus da prova é de quem acusa – ainda mais quando o acusador é um órgão de imprensa.


***


Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 02/06/2007 Flávio Prieto

    Exatamente. Quem acusa tem que fornecer indícios claros ou provas.
    Seria bom se órgãos da imprensa que fazem denúncias fossem convocados pelas CPIs, na pessoa dos repórteres que assinam as matérias-libelo, ou na pessoa de seus editores, para esclarecer os termos das acusações e as provas – sempre sem ter que revelar fontes, é claro! Quem acusa alguém (ou insinua culpa) não poderia se escudar em qualquer ´imunidade´ … Abraços

  2. Comentou em 01/06/2007 Edivelton Tadeu Mends

    O Sen.Renan Calheiros, não como pçrovar a origem do dinheiro que lhe permitiu adquirir 3 fazendas e imóvel de alto valor.Então porque a REceita Federal e Ministério Público não colocam esta farsa ou MENTIRA, à prova?

  3. Comentou em 01/06/2007 Jaime Mantelli

    Triste será o dia em que a simples notícia seja fato acabado para julgar e condenar quem quer que seja. Setores da imprensa e alguns jornalistas já cometeram injustiças impossíveis de serem sanadas. Cito o caso que envolveu o atual Deputado Ibsen Pinheiro-RS. Foi arrancado da Presidência da Câmara dos Deputados no início da década de 1990 por uma notícia falsa de corrupção. O jornalista confessou, anos depois, que a denúncia foi uma farsa. Nada pode ser usado como vingança, com ódio. Aliás, ódio só faz mal para quem o sente. Precisamos, sim, de processos sérios e seguros de comprovação dos fatos atribuídos a quem quer que seja. A revista Veja tem que comprovar a denúncia. Somente Ela é a responsável pela construção do processo responsabilizatório. Apontou o dedo, assuma. Afirmo essa posição em dispositos constitucionais que garantem o direito a plena defesa. Se isso é garantido para traficantes, latrocidas, estupradores e demais criminosos perversos, precisa ser garantido para todos nós brasileiros. Triste da Nação que se vale do denuncismo barato e irresponsável.

  4. Comentou em 01/06/2007 ademir terra

    acho que o que estao fazendo com renha nao passa de manobras para tirar o foco das questoes que realmente importam. Por tratar-se de um senador, a repercusão e grande e abafa oa grades ‘mutretas’ de um grupo enorme de pessoas.
    A questão de diferenca de 200 apresentada em 2 anos, com um patrimonio que o ‘homem tem’, não é prova de que é corrupto;
    Chamo as pessoas que criticam a voltar par si, será que a proporcao do que sonega a receita federal nao é maior que a de Renan? Precisamos ser honestos sim, mas precisamos tambem deixar de ser hipócritas, ‘quem tem teto de vidro não pode atirar pedras em vidraças alheias’.

  5. Comentou em 31/05/2007 Severino Goes

    O leitor não tem direito aos próprios fatos, disse o colunista. Pois bem, prezado Weis, quando vocês vão falar seriamente do contubérnio que é a relação podre entre jornalistas políticos de Brasília e estes políticos mais podres ainda que infestam a vida de nós, (e)leitores. Fica todo mundo passando a mão na cabeça de todo mundo e fica tudo por isso mesmo. Que bonito, não? Que legal! E as vestais do Observatório continuam observando tudo […] Então, ficamos assim. O Observatório observa, pero no mucho. E passe bem. Boa noite e até amanhã.

  6. Comentou em 31/05/2007 d.a.sinatora sinatora

    como ja escrevi no blog do reinaldo, logo após ouvir a lenga lenga do senador renam, e ver aquela fila de pucha sacos aplaudirem e em seguida cumprimentarem o dito senador, não aguentei, VOMITEI

  7. Comentou em 31/05/2007 antonio souza

    Pedro Costa:
    A obrigação da revista é apenas de informar, não de provar? Então uma revista pode, inclusive, inventar notícias e afirmar que está informando?

  8. Comentou em 31/05/2007 Raimundo Nonato Simeão da Silva Simeão da Silva

    Muito bem, agora quero ver o orgão da imprensa que acusou o senador, e digo acusou porque publicou como sendo certo que o dinheiro era da empreiteira, ora, então a propria empreitereira deve exigir que a reevista prove isso e o Sr. Contijo idem, me sentirei feliz se algum dia algum orgão de imprensa nestee pais se retrate na mesma forma e espaço que alardea mentiras sobree a honrra alheia e por isso seja punido de verdade

  9. Comentou em 30/05/2007 Severino Goes

    Eu morro de rir com as vestais do Observatório. A Veja dá um furo e vocês não registram. O problema não é a relação do tal renan(com minúsculas, porque se trata de um personagem menor, collorido, e com um passado que o condena) com a tal apresentadora de TV. O problema é a relação dele com o lobista da Mendes Jr. Explique-se, renan. O Observatório não gosta da Veja? Tudo bem. Mas a Veja deu um furaço. E, por falar nisso, por que o Observatório não observa o que acontece com a cobertura política em Brasília? Por que não vê as colunas sociais disfarçadas de colunas políticas? Por que não fala dos jornalistas que abrem suas casas para festas de políticos, que agem como lobistas, não sei do quê? Vamos lá, é a hora de falar das relações mais do que complicadas do jornalismo que se pratica em Brasília. Eia, sus! Tenham coragem de botar isso no ar.

  10. Comentou em 30/05/2007 Robson da Cunha Meireles

    QQ pessoa em sua sanidade em ordem, sabe que as desculpas do Senador não são e não foram convicentes, haja vista aparecerem documentos novos após o seu discurso. Ainda assim, a Revista Veja ainda se comporta como o pilastre do quarto poder em nosso país, juntamente com outros ‘órgãos’.

  11. Comentou em 30/05/2007 Silvano Carvalho

    ‘A revista é que tem que provar que o dinheiro era da Mendes Júnior e não do próprio Renan.’

    Tem. O ônus da prova é de quem acusa – ainda mais quando o acusador é um órgão de imprensa. Pena que contra o PT e o governo Lula, isto foi negado de enfaticamente, eles ( PT e governo) que expliquem as denúncias ( 100 mil dólares na cueca, tentem imaginar 1000 notas de 100 na cueca, dinheiro de Cuba em caixa de uisque, etc..etc..), como é triste sentir que a maioria do povo é enganado pelas manchetes planfetárias da mídia.

  12. Comentou em 30/05/2007 Marco Costa Costa

    Sou radicalmente contra pastore e bispo pôr usarem a população como massa de manobra. Você esta defendendo um cidadão que encontrou na política um meio de vida, seja ela honesta ou desonesta. Abraços. Também não gosto de tucano e muitos menos do petezinho.

  13. Comentou em 30/05/2007 Ivan Moraes

    ‘Tudo não pasa de um problema pessoal, que foi ardilosamente divulgado pelo advogado da amante paa pressionar o senador a conceder uma pensão mais gorda’: sim. E o senador esta acusado por membros de sua propria famiglia de ter fazendas e mais fazendas na mao de laranjas… desde 2005. Esse eh o ilicito. Nao que ele seja o unico politico a usar laranjas, eh lei brasileira, mas eh lei invisivel, so pra membros de quadrilhas. O resto do Brasil paga impostos entre os mais altos do mundo e nao tem idea de onde o dinheiro vai parar.

  14. Comentou em 30/05/2007 Jose de Almeida Bispo

    Ao caro Marco Costa Costa: O Renan não participou da chamada tropa de choque de Collor, como o Roberto Jefferson, herói da FIESP, da Associação Comercial de São Paulo e outros. Aliás, foi uma das primeiras dores de cabeça do Collor, pois o Renan que havia feito acordo político em Alagoas com Collor no grande projeto anti-Lula de 1989, já pelo fim de 1991 se sentia traído pelo então presidente que resolvera lhe não apoiar para o governo de Alagoas em 1992. Em verdade Rena só atuou na frente collorida no início do governo Collor. Se for pra condenar os colloridos daqueles tempos você tem que pegar todos os grãos tucanos – exceção a Covas – que ‘em nome da governabilidade’ só não pousaram no Planalto graças a intransigência do velho encrenqueiro Mário Covas. Mais referencias você pode encontrar em http://markltda.blog.uol.com.br. O material pode lhe não agradar de pronto, mas é história. Fosse Sarney o atual presidente do Senado – a quem todo mundo do submundo do poder e do dinheiro deve um pouquinho – e ninguém sequer estaria tocando nesse assunto. Da mesma forma que esqueceram as ambulâncias de Serra. Mas isso é bom. Ajuda a limpar.

  15. Comentou em 30/05/2007 Adriano Soares de Assis

    O tal de Rafael Chat é, sem cerimônia, um tremendo chato […] ou, tendencioso na sua análise. A Veja, a Rede Globo, Folha, Estadão e a maioria dos outros órgãos de midia são, sem dúvida, metidos a saber de tudo e a mandar em tudo, como se o país tivesse que caminhar sob sua batuta. Só não vê quem não quer ou não lhe convém.

  16. Comentou em 30/05/2007 Marcelo Ramos

    Político corrupto não é novidade. Mas também não é de agora que a Veja tem adotado essa ‘linha jornalística(?)’ de acusações levianas. Levianas exatamente porque desacompanhadas de provas. Muitas palavras já foram ditas e muitas críticas feitas. Mas revista não mudou um milímetro. Tem que fazer que nem o Detran com os pardais, que forçaram muitos motoristas a diminuir sua velocidade. Dói no bolso. Acho que a Veja tem perdido muitos assinantes mas parece que ainda não perdeu o número suficiente para pensar em mudar sua ‘linha jornalística’. O povo tem que parar de comprar.

  17. Comentou em 30/05/2007 MARCIA SOMBREIRO

    GENTE, POR QUE NÃO DESCOBREM A DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DELE?
    GOSTARIA DE SUGERIR UM BLOG BEM LEGAL, COM ASSUNTOS VARIADOS, DA REPÓRTER DO PROGRAMA DO JÔ, TATIANA REZENDE. ELA FALA DO ASSUNTO DE UMA MANEIRA BEM HUMORADA. O LINK É http://tatirez.blog.terra.com.br

  18. Comentou em 30/05/2007 Paula Milkevicz

    É essa a tecla que venho batendo tanto. A Veja publica qualquer coisa escandalosa, a Folha e o Globo vão atrás, mesmo sabendo que não há provas, pra pegar uma carona no escândalo e vender alguns jornais a mais. A ética e o respeito ao leitor não são levados em consideração. A maioria dos ditos representantes da imprensa não tem coragem de cobrar desses poderosos uma postura mais correta. Ficam apenas sites e blogs como este analisando as entrelinhas daquilo que eles querem que o leitor acredite. Atualmente, há uma revolução em andamento na internet orientando os leitores a redobrar a atenção sobre a mídia. O descrédito, a partir daí, só aumenta. Ai daqueles que não quiserem ver.

  19. Comentou em 30/05/2007 Rafael Chat

    ‘deficit de idoneidade’? coisa mais petista, credo! Lembrou os ‘recursos não contabilizados’. Também cobraste provas quando a IstoÉ acusou os pilotos do jato Legacy? A IstoÉ pode? Claro, ela é imparcial… E também não precisa provas pra acusar os ‘imperialistas americanos’ , mesmo que sejam só 2 pilotos de avião, certo? Admira ver homem velho pensando como adolescente. O pensamento esquerdista é incrível mesmo. Não precisa haver coerência alguma entre as coisas que são ditas. Vai se adaptando conforme a situação. Se a Veja defendesse o Renam, serias contra ela de qualquer forma. Que doença…

  20. Comentou em 30/05/2007 Walter Castanho

    Desde que surgiu esta absurda denúncia, tenho me perguntado o que cometeu de ilícito o senador Renan Calheiros. Tudo não pasa de um problema pessoal, que foi ardilosamente divulgado pelo advogado da amante paa pressionar o senador a conceder uma pensão mais gorda. Do contrário, como não estranhar a coincidência entre a divulgação da denúncia e a audiência marcada para a segunda-feira? E, até agora não apareceu uma prova sequer que o amigo de Renan Calheiros seja um lobista o seu único pecado é trabalhar em uma construtora que jamais foi beneficiada pelo senador. Fatos muito mais graves ocorreram nos últimos anos e não mereceram 1/10 do espaço que este vem ecebendo, fato aliás, que deveria constar da seção de fofocas e não de política. E, finalizando, é lamentável o oportunismo da ex-senadora Heloisa Helena, que demonstra neste episódio ser uma abutre da pior espécie.

  21. Comentou em 30/05/2007 cristiano kock vitta

    Renan Calheiros é um político carreirista – a lista da evolução de seus bens publicada hoje pela Folha de S. Paulo é elucidativa -, mas é evidente que a Veja precisa provar o que diz. Não basta apontar o dedo e gritar: corrupto! Até porque a Veja, nos últimos anos, tornou-se um balaio de gatos que abriga até um […] chamado Diogo Mainardi. Sejamos justos e críticos, nunca relativistas.

  22. Comentou em 30/05/2007 carlos frança

    a imprensa informa, a prova é onus da justiça

  23. Comentou em 30/05/2007 Eduardo Carvalho

    Alguma coisa nesta matéria também concorre para aumentar os furos deste ‘queijo suíço’, ou estou entendendo errado: ‘janeiro de 2004, quando se constatou a sua gravidez’ – ‘nascida em agosto do mesmo ano’ (2005) – fazendo as contas, são, pelo menos, 18 (dezoito) meses de gestação… Hmmm… Alguém pode explicar?

  24. Comentou em 30/05/2007 Marco Costa Costa

    Esse senador já participou de uma antiga tropa de choque, a qual estava envolvida com o Farias, aquele tesoureiro que manuseou muito dinheiro, para financiar a campanha política do general da tropa. Portanto, o que esta ocorrendo hoje com o velho senador não é de espantar e muito menos admirar, na realidade quem deve provar que não tinha intermediário que financiava o pagamento de sua filha com a ex-jornalista é o senhor Renan.

  25. Comentou em 30/05/2007 Clerton de Castro e Silva

    Não vai dá em nada. Os Senadores já fizeram uma mea-culpa e viram que a grande maioria tem o rabo preso e não querem parecer moralistas aos seus colegas. Parece que entre eles, a pergunta foi feita: ‘quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra.’

  26. Comentou em 30/05/2007 Pedro Costa

    A obrigação da revista é apenas de informar, não de provar. Provar cabe à Justiça. O problema é que parte da imprensa e a maioria dos políticos apoiam o Renan, sabe-se lá os motivos. Parte da imprensa é formada por aquela chamada de Lullista; e os políticos é com medo do rabo preso.

  27. Comentou em 30/05/2007 Dante Caleffi

    VEJA,provoca tédio.Publicação venal,sem compromisso com a verdade,tampouco com a democracia.Deve ser a sua constituição genética.Pior, a ‘imprensa’,que perdeu o ‘furo’,saiu atabalhoadamente,buscando complementos para a obscura reportagem.Só fizeram piorar. Fosse o funcionário da Mendes Júnior,dentista e não lobista,mudaria sua condição de amigo do senador?A confusão dos bens levantados em cartórios,se referem a fazendas adquiridas’ inter -paris’. O advogado, da jornalista, comporta-se como profissional ou movidos por outros sentimentos? A pensão,oficialmente confirmada,passa a 30% dos proventos do senador.Bem menos, do que oficiosamente,até agora recebia,a ‘ex’.É dai, que resulta essa denúncia toda.Renam ,foi vendido à VEJA,para compensar o’prejuizo’.Por quanto?

  28. Comentou em 30/05/2007 Ivan Moraes

    ‘Tem. O ônus da prova é de quem acusa – ainda mais quando o acusador é um órgão de imprensa’: e o acusado eh um controlador aereo da justica brasileira. Estamos quites: Brasilia nao esta aberta a prova de corrupcao ha decadas. Mas voce subestima a capacidade de entendimento dos brasileiros, Weis. Todo mundo sabe o que esta acontecendo, eh impossivel nao ver organizacao criminosa tao obvia, seja ela o judiciario, senado, ou congresso. O sistema esta podre.

  29. Comentou em 30/05/2007 Marnei Fernando

    Desde o início de seus comentários a respeito do caso Renan eu achei que o sr. fugiu bastante de sua postura neutra e sensata que tem norteado seus textos Weis… julgo que houve de sua parte uma recaída aos tempos idos… Não se pode acusar sem provas… contra quem quer que seja… A Veja? ora veja… se já não tinha moral antes dessa denúncia, penso que afundou de vez… Entra nessa barca furada mais não Weis…

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem