Jornais colidem na avaliação do desempenho de Palocci no Senado | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Jornais colidem na avaliação do desempenho de Palocci no Senado

Por Alceu Nader em 17/11/2005 | comentários



As flores já haviam sido encomendadas, o discurso de despedida estava pronto desde a véspera, mas o defunto não apareceu. Ao contrário do que garantiram os jornais, primeiro timidamente durante o final de semana, depois taxativos na segunda e terça-feira desta semana, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, não caiu. A usina de rumores que vaporizou o principal pilar do governo de Luiz Inácio Lula da Silva funcionou a plena carga nos últimos dias, dando como certo que ele já era carta fora do baralho. Prováveis substitutos e todas as variáveis, limitações e conseqüências que cada um dos candidatos geraria foram alinhados, mas, pelo menos até segunda ordem ou nova denúncia mortal, Palocci continua no cargo.

A resposta à primeira pergunta é sim. Alguns jornais realmente entusiasmaram-se além da conta. Alguns, nas suas edições de hoje, continuam apostando que o ministro está com os dias contados.

Disse o Valor Econômico, por exemplo, na segunda-feira:



A frágil situação do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, não tem recuperação. Sua saída do governo, segundo apurou o Valor, é inevitável. ‘Agora, ele vai apenas cumprir os rituais de saída’, sustenta um assessor graduado do governo.
O futuro de Palocci teria sido selado a partir da opção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de não desautorizar a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, em suas críticas públicas à política econômica e aos planos de ampliação de ajuste fiscal comandados pelo ministro. Na discussão, já em curso no núcleo do governo sobre a sucessão de Palocci, o que está em jogo é o futuro da política econômica.


Nos jornais de hoje, quatro dos seis mais influentes do país – Folha de S.Paulo, Jornal do Brasil, O Estado de S.Paulo e O Globo – tratam da audiência de Palocci na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. A interpretação sobre o êxito ou fracasso de Palocci não é unânime.

Diz a Folha de S.Paulo



A expectativa de que o ministro Antonio Palocci Filho (Fazenda) dependia de seu desempenho diante da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado para permanecer no cargo dissipou-se antes mesmo de seu depoimento começar. Argumentando que aquele não seria o fórum adequado e sob o pretexto de que não iria esvaziar os trabalhos das CPIs, a oposição avisou que evitaria interrogar o ministro sobre as acusações de que tem sido alvo. A participação dos oposicionistas ficou assim restrita a questões sobre a política econômica.

À vontade, Palocci aproveitou o ambiente distensionado para se defender sem ser questionado e discorreu longamente sobre suas ações à frente da Fazenda. Disse que a polícia e o Ministério Público, encarregados de investigar supostas irregularidades em suas gestões como prefeito em Ribeirão Preto, vêm promovendo devassas e patrocinando atos de humilhação contra pessoas que ainda não tiveram o direito de se defender.


O Jornal do Brasil crava que a reação da oposição esvaziou a estratégia do ministro, mas enfatiza que a incerteza sobre seu futuro continua, e acrescenta:



O que era para ser a redenção de Antonio Palocci virou mais um momento de incerteza. Sua ida ao Senado para dialogar com a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) não foi suficiente para acabar com as dúvidas sobre sua permanência no governo. E nada leva a crer que ele convenceu políticos e mercado.

– A sociedade já o vê enfraquecido. Não adianta mais tapar o sol com a peneira – sintetizou o senador Jefferson Peres (PDT-AM).

Sob ataque pesado, o principal ministro de Luiz Inácio Lula da Silva deslocou-se até o Congresso na tentativa de estancar a crise e mostrar que ainda reúne forças para seguir no comando do Ministério da Fazenda. Ao chegar ao Senado, pelo menos por enquanto, desfez as versões de que teria jogado a toalha.


Já para o O Estado de S.Paulo, o ambiente foi bem mais carregado. Diz o jornal:



A intenção parecia das melhores: empenhado em reduzir a pressão a que está submetido, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, antecipou para ontem a sua ida à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, antes prevista para o dia 22.

Mas a estratégia deu errado. O objetivo era abrir um foro para Palocci se explicar e evitar a sua convocação para a CPI dos Bingos, que investiga denúncias de corrupção durante a gestão do ministro na prefeitura de Ribeirão Preto.

Mas a iniciativa não consultou a oposição, que, irritada, praticamente decretou a convocação do ministro pela CPI . Numa reação à manobra dos governistas, a oposição foi à reunião da CAE, mas se recusou a questionar Palocci sobre as denúncias feitas contra ele por seus ex-auxiliares na prefeitura, prolongando o clima de tensão em torno do ministro.



O Globo traz quadro bem mais ameno para o ministro, dando destaque à sua ‘iniciativa’:



Principal foco da crise política nos últimos dias, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, saiu ontem da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado confirmado no cargo. Pelo menos até novas denúncias ou provas de suposta corrupção em sua gestão em Ribeirão Preto ou na campanha presidencial de 2002. O ministro tomou a iniciativa de rebater as denúncias de corrupção relacionadas às suas gestões como prefeito, atribuindo-as a ‘investigações com interesses políticos claros’, e negou veementemente as supostas doações ao PT feitas por Cuba, Angola e pelas Farc. Ele também reagiu às críticas da chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.



Diante das diferentes ênfases e interpretações, cabem as seguintes perguntas:



  • Os jornais teriam se apressado no obituário do ministro?
  • Se ele se dispôs a comparecer na CPI, seria verdadeira a informação, amplamente divulgada na semana passada, de que o ministro não aturaria comparecer a uma das CPI em curso?
  • A variação de interpretações sobre o desempenho reflete a expectativa de cada uma das empresas controladoras dos jornais?

Todos os comentários

  1. Comentou em 20/11/2005 Haertel Mendes

    Senhores

    Fica muito clara a tática utilizada pela oposição em conluio com a grande imprensa nacional. É preciso paralizar o governo Lula, afinal ele conseguiu em 3 anos tudo o que FHC não conseguiu em 8. Assim, em seu primeiro governo, Lula terá apenas os 3 primeiros anos de mandato, pois o último será consumido por denúncias, investigações, manchetes sensacionalistas e tudo o mais que contribua para denegrir a imagem de um governo que, embora tenha deixado muito por fazer, conseguiu devolver ao povo brasileiro, notadamente a camada mais pobre da população, a capacidade de se alimentar melhor e adquirir bens de consumo que antes eram privilégio de uma minoria. E, para desespero da direita raivosa, teremos o melhor Natal dos últimos 10 anos com a população demonstrando no comércio o aumento do poder de compra gerado por esse governo que não sabe gerir o Brasil, e seu presidente analfabeto.

  2. Comentou em 18/11/2005 Célio Mendes

    Alceu,

    Voce esta certissimo, não foi nem em uma nem em duas mas em varias publicações eu li afirmações objetivas de que o Palloci teria dito que caso fosse convocado para depor em alguma CPI entregaria o cargo, isto foi colocado de forma como se ele estivesse fazendo um tipo de chantagem com o parlamento. Agora ouvimos do próprio que ele não põe nenhuma restrição a depor na CPI, fica a pergunta, como separar a realidade da ficção jornalistica ? parece-me que este novo genero literario esta em alta no pais ultimamente.

  3. Comentou em 17/11/2005 Glauber Coni

    Fico perplexo como estudante de Jornalismo assistir a forma panfletária como os jornais estão tratando toda esta crise, talvez a palavra não seja perplexo e sim decepcionado e frustrado. Por mais utópico que pareça ainda temos que nos alimentar pela implantação do exercício da profissão de jornalista buscando informar de forma mais responsável toda a população, principalmente uma população quase analfabeta como a nossa.

  4. Comentou em 17/11/2005 Antonio Mello

    No final do depoimento de Palocci, o dólar caiu, a Bolsa subiu. E a oposição saiu dizendo que sua estratégia de não tocar nos casos de corrupção foi vitoriosa…
    O presidente Lula deve estar muito preocupado. Se a oposição continuar a derrotá-lo assim, ele acaba se reelegendo no primeiro turno.
    Mesmo assim, a oposição vai continuar a dizer-se vitoriosa, e alegará que sua nova estratégia será sangrá-lo por mais quatro anos…
    Como dizia o grande filósofo baiano Zé trindade:
    – O que é a natureza…

    http://blogdomello.blogspot.com

  5. Comentou em 17/11/2005 João Pipoli

    Sou da classe média baixissima, não tenho muita instrunção. Sempre achei q minhas filhas devessem se informar com a imprensa em geral, mas agora, estou achando que elas ficarão é mais desinformadas… que pena!

  6. Comentou em 17/11/2005 Rosa Maria Cocco

    Ontem, o Ministro Palocci prestou esclarecimento. Hoje, a Bolsa de Valores subiu 2,23% e o dolar caiu 2,19%. Isto é fato e, como dizem, contra fato não há argumentos. Quem gasta dinheiro comprando esses jornais para saber o que os jornalistas e empresas respectivas querem que aconteça, investe muito mal. Já se foi o dia em que a mídia passava informações a seus leitores. Hoje a mídia virou palanque eleitoral… e o que é pior: tem gente que paga para ler discursos de oposição… ficarão menos ricos?

  7. Comentou em 17/11/2005 Carlos Alberto Alberto

    Na verdade a impressa brasileira nunca deixou de ser da direita. Quiseram colocar o Ministro no canto da parede e depois fiaram sem saber sair da situação. A impressa nunca foi imparcial, quase todos os meios de comunicação são controlados por políticos, e vai ser difícil para o PT provar que não tem culpa no cartório, pois a impressa direitista vai tentar sangrar até a última. Vejam o caso da revista veja: ontem no SBT a cantora Baby Consuelo falou que uma entrevista dada a tal revista foi deturpada, neste caso vemos que a tal revista não usa os princípios do bom jornalismo e sim seus interesses empresariais, afinal ela contribuiu com a campanha de Serra…precisa dizer mais alguma coisa?

  8. Comentou em 17/11/2005 Cesar Pereira

    Ai meu saquinho! Estou virando masoquista, esperando o dia seguinte dos fatos para tentar adivinhar qual o maior absurdo que a mídia perpetra na cobertura do que vi e ouvi no dia anterior. A manchete da Folha, de hoje, se superou: ‘Palocci ataca Dilma e as investigações’. Pelamordedeusbudaealah! Cansei-me, em gênero, número e grau, de ver e ouvir uma coisa e ler, no dia seguinte, espalhafatos divorciados da realidade. Já não é mais má intenção nem má vontade. É burrice mesmo.

  9. Comentou em 17/11/2005 Luiz Claudio Leão

    Agora ficou cristalina qual é a real intenção da oposição. infelizmente, pessoas que ganham fortunas por mês fazem um papelão destes. Está evidente que o único interesse é desgatar o governo e se não bastasse isso, estender a crise até a consequências extremas como a volta à instabilidade econômica. Espero que a população agora enxergue o que está acontecendo. Vamos deixar as investigações para a polícia e para o ministério público e acabar com esta palhaçada de CPIs que só servem de palanque. Ao invés disso, os nobres parlamentares poderiam trabalhar um pouco mais para que o Brasil não perca definitivamente as oportunidades que o mundo apresenta neste momento.

  10. Comentou em 17/11/2005 ULISSES SIMOES

    NA VERDADE ESTOU GOSTANDO MUITO DA ACAO DAS ‘OPOSICOES’,INCLUINDO NESE MEIO OS JORNAIS,QUE JA NAO CUMPREM SEU PAPEL DE TRAZER NOTICIA,AGORA,ELES ‘FAZEM NOTICIA’.PORQUE GOSTO?ORA,ESTA TAO NITIDA A MA INTENCAO DE TODOS QUE QUALQUER IDIOTA PERCEBE,JA NAO PRECISA TER DISCERNIMENTO PARA PERCEBER,ESTAO ME FAZENDO LEMBRAR A EPOCA DO PT RAIVOSO,QUE NUNCA CONSEGUIO CHEGAR AO PODER SO CONSEGUINDO ESSE OBJETIVO QUANDO PASSOU A SER O PT DA ‘DA PAZ E DO AMOR’,FICO TRANQUILO PORQUE QUANTO MAIOR A SEDE DELES MAIS LONGE FICAM DO PODER QUE TANTO OS ATREM.QUE CONTINUEM COM ESSA TATICA,POR FAVOR,E MAIS,NAO DEIXEM DE USAR ARTHUR VIRGILIO COMO ‘PARA-CHOQUE’,RSRS.

  11. Comentou em 17/11/2005 Eduardo Guimarães

    Os clímax e anticlímax que a imprensa vem gerando diariamente sobre a crise política já se tornaram ridículos. Não há um só dia em que não diga que ‘agora, vai’ – mas não vai. E não vai porque essa crise é artificial e objetiva simplesmente reduzir a vantagem eleitoral que Lula tinha (?). Alguém se lembra do caso Banco do Brasil – Visanet? Cadê as provas? O que se apurou da perícia dos documentos apresentados por Marcos Valério para comprovar que foram prestados os serviços relativos ao adiantamento de R$ 9,1 milhões pagos à sua agência de publicidade? A imprensa solta a bomba e depois, quando ela nega fogo, não diz mais nada sobre o assunto. Agora foi Palocci, mas as notícias sobre sua morte política foram exageradas. E a oposição? Se tinha algo a dizer sobre o ministro, por que não dizê-lo durante a audiência no CAE do Senado? A oposição tinha nada para dizer, nada para acusar o ministro. Era tudo marola. E a população já está se dando conta da artificialidade dessa crise. A imprensa não é só desonesta, é burra. Vai reeleger Lula e matar o que lhe resta de credibilidade com uma paulada só.

  12. Comentou em 17/11/2005 joão Rezende

    Já tenho comentado sobre dúvidas quanto aos verdadeiros objetivos da nossa midia, ou sómente despreparo amplo-senso; da mesma forma vejo os nossos congressistas. O Ministro teve, pelo muito pouco que aturei assistir, de usar de muita pedagogia para responder perguntas sobre transposição de águas, sobre aplicações no ensino elementar, e outros quetais à ‘SENADORES’ da República que claramente demonstraram desconhecimento da função de ministérios e demais orgãos da administração pública federal.Realmente, com um time desse não dá nem para jogar conversa fora.

  13. Comentou em 17/11/2005 Paulo Roberto Ferreira Ferreira

    Os grandes jornais não têm opinião própria. São pautados pela oposição. Ninguém quis perceber que o ministro Palocci esvaziou um futuro depoimento na CPI dos Bingos. O que eles (oposição) vão perguntar? E qual a novidade para justificar uma manchete da imprensa? Em vez de se colocar na condição da opinião pública, os editores e articulistas deveriam ouvir a população. Mas eles se acham o próprio povo. Pior para a credibilidade da imprensa.

  14. Comentou em 17/11/2005 Darcon sousa sousa

    Sao todos filhos da mãe.Vivem de criar fatos ou interpretá-los segundo os seus interesses. A imprensa brasileira há muito tempo está na lista das instituições desacreditadas, ela e os seus cara-de-paus.

  15. Comentou em 17/11/2005 Orlando Rodrigues

    É incrível como é pré-julgado um homem que trabalha sério, que não se preocupa em estar presente na mídia, enquanto outros ‘ministros’ da mesma pasta, se preocuparam em se auto promover e não o país. Evidencia-se que, os procedimentos macro e micro econômicos adotados no Brasil, têm que seguir essa conduta, pois a política inflacionária seguida em anos anteriores, privilegiavam a classe alta, sufocando as classes mais humildes, sendo assim, o brasileiro precisa administrar melhor os seus rendimentos, diminuindo o endividamento que se encontram, se chegarmos a esse nível de consciência e deixarmos de abastecer a pequena parcela de detentores de maior renda e lutarmos pelo que realmente interessa a população brasileira como educação, alimentação, transporte, empregos, a começar pelo voto consciente, creio que teremos um País mais justo para todos. O brasileiro deveria valorizar o real que tem no bolso, tal como o americana que estuda muito bem para gastar o seu Dolar.

  16. Comentou em 17/11/2005 Mario Sergio Gochi

    Certamente. Os jornais se apressaram no obtuário do Ministro Palocci. Aliás, penso que para a maioria da imprensa brasileira deveria haver uma crise a cada ano de cada governo, seja lá qual governo for. Entretanto, nessa em especial, há determinados veículos, mais de um, que fazem o jogo político das forças que hoje estão na oposição. De imparciais não têm nada.

  17. Comentou em 17/11/2005 Peter Wilm Rosenfeld

    Assisti por inteiro o depoimento do Min. Palocci. Em minha opinião, saiu-se muito bem. Foi educado, soube usar as palavras; demonstrou segurança em tudo o que disse sem precisar consultar papéis a todo o momento; não menosprezou ninguém, tampouco foi irônico. Não recusou qualquer pergunta. E, com muita ênfase, defendeu-se das acusações sobre sua gestão em Ribeirão Preto. Não há como saber se as denúncias que vêm sendo feitas (por pessoas que já demonstraram não ter caráter)são verdadeiras ou não. Opino que não o sejam.
    Peter W. Rosenfeld – PS: Não sou e jamais serei PT !

  18. Comentou em 17/11/2005 Pablo

    Caros! Devo concordar que a intenção da oposição é, sobretudo, estender a ‘crise’. No entanto, é preciso investigar com muita responsabilidade as denúncias que têm fundamentos. Contudo, mesmo com os erros do PT, não acredito que o Brasil será melhor com a direita novamente no poder. Sendo assim, prefiro pensar que os culpados serão verdadeiramante punidos e na próxima eleição a esquerda se sobressaia novamente.

  19. Comentou em 17/11/2005 José Cicero

    A nossa imprensa devia ter lido essa peça do incomparável Will Shakespeare.
    Penso eu que tanto a oposição como a grande imprensa tucana ou/e anti-lula estão se esforçando para causar um incêndio a partir de uma faísca. Para isso deixam maliciosamente o ‘gás ligado’ no gabinete da presidência da república a espera de uma tragédia.
    Ontem, pelo menos, o Ministro da Fazenda com muita cristandade levou a termo essa travessura dos oposicionistas.

  20. Comentou em 17/11/2005 wanderley aprile

    Caro Alceu
    Para mim a divisão de opíniões verificada na mídia com respeito ao desempenho de ministro palocci não me causa nenhuma estranheza, mesmo porque divergencias de ponto de vista são comuns numa democracia. Mas o fato mais marcante nesse episódio na minha opinião foi a demonstração clara que a oposição não esta preocupada em esclarecer os fatos junto a opinião pública, e sim estender a crise com o único objetivo de causar desgaste ao governo para poder concorrer em 2006 em igualdade de condições. Não concordo com o caixa 2 do PT, mas concordo menos ainda com as atitudes golpistas da oposição.

  21. Comentou em 17/11/2005 sidney borges

    Caro Alceu, só posso falar do que vi e eu vi o ministro Palocci se sair muito bem no Senado. É verdade que as questões que mais afetam a sua imagem não foram levantadas. Dizem ter sido estratégia da oposição. Pode ser, mas o que fica evidente é a dificuldade de colocar o ministro em sinuca. Ele é liso qual bagre ensaboado e faz a lição de casa. Os jornais, em certos casos, descrevem os acontecimentos como gostariam que acontecessem. Wishful thinking.

  22. Comentou em 17/11/2005 Antonio de Padua Martrins

    Agradeço ao articulista pela consistência e coerência, que tanta autoridade lhe conferem,
    para o desempenho condigno de tão árduo labor
    esse de escrever a leitores contemporâneos. Quanto a comentar o ‘behaviour’ de nossas imprensas autóctones e alienígenas, não consigo de jeito nenhum ir além de, com rarissimas exceções, ao pensar nas ‘midias’, cada vez mais me persuadir que estaria em meio a um cipoal de folhetins,de imagens e alaridos engendrados e distribuidos desde um neo-gongórico reino da nihilândia!!!

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem