Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Jornal denuncia propaganda enganosa

Por Luiz Weis em 31/05/2006 | comentários

Enfim um caso em que o eleitor fica sabendo como se fazem as salsichas, como dizia Bismarck.

Sob o título “Tucanos fazem uso indevido de reportagem na TV”, o jornal Valor Econômico publicou hoje o seguinte texto:

A propaganda eleitoral do PSDB que foi ao ar na noite de anteontem em rede de TV citou indevidamente uma reportagem publicada no Valor no dia 22 de maio de 2006, intitulada ‘Orçamento da Segurança Pública cresceu 70% na gestão Alckmin’.

No programa, uma voz afirma que iria mostrar a verdade sobre a segurança em São Paulo e estampou o título da matéria. Muito embora isso esteja no começo da reportagem, devidamente comprovado pelos dados obtidos pela reportagem no Sistema de Gerenciamento Orçamentário do Estado de São Paulo (Sigeo), o restante – e maior parte – não foi mencionado pelo partido: as prioridades de investimentos entre os anos de 2001 e 2005 -período em que Geraldo Alckmin esteve no comando do governo do Estado.

A reportagem revelou que a política de segurança pública na era Alckmin focou o policiamento repreensivo em detrimento dos policiamentos investigativo e técnico-científico. Isso foi comprovado pelos valores investidos nas polícias responsáveis por cada uma dessas áreas. Na Polícia Militar (prevenção), foram R$ 285,7 milhões; na Civil (investigação), R$ 8,5 milhões; e na Superintendência Técnico-Científica, R$ 1,9 milhão.

A reportagem mostrou ainda que a maior concentração de investimentos em segurança foi em 2002, quando Alckmin foi candidato à reeleição. Naquele ano, os investimentos feitos na PM alcançaram R$ 102 milhões, dos quais R$ 83,5 milhões só para a compra de carros. No mesmo ano, foram investidos na Polícia Civil R$ 1 milhão e, na científica, R$ 89 mil. Esses dados também não foram citados no programa.

O PSDB também não mencionou as conclusões do especialista ouvido pela reportagem, Guaracy Mingardi, diretor científico do Instituto Latino Americano das Nações Unidas para Prevenção do Delito e Tratamento do Delinqüente – organização não-governamental vinculada à ONU. Sobre os dados apresentados, Mingardi afirmou: ‘O resultado disso afeta a qualidade da investigação. (…) Priorizar a PM significa deixar de focar a investigação. E a investigação é central no combate ao crime organizado, que, geralmente, não comete crimes que a PM possa evitar. Por exemplo, o tráfico de drogas. A polícia militar consegue pegar mais pequenos e médios traficantes. Para se chegar aos grandes, é necessário investigar. Mas para isso precisa dar qualidade a essa investigação. E essa qualidade é dada reforçando a polícia civil e, especialmente, a técnica’.”

Fica o dever de casa para os jornalistas. Quando começar o horário eleitoral, jornais, revistas e emissoras devem passar pelo pente fino tudo que os candidatos disserem citando a imprensa como fonte.

Pois, a julgar pelo que o PSDB fez com a reportagem do Valor, uma coisa é o que a mídia traz. Outra é o uso que os marqueteiros e políticos dizem que a mídia trouxe, para vender o seu peixe nem sempre fresco ao incauto eleitor.

Digo mais. Órgãos de imprensa cujas notícias saem distorcidas na campanha devem recorrer à Justiça Eleitoral para que a propaganda enganosa possa ser desmascarada não apenas perante os seus leitores e ouvintes.

É uma questão de interesse público. Como toda e qualquer forma de fraude eleitoral.


***

Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 01/06/2006 Gilson Raslan

    OUTRO ENGODO DO PSDB/PFL. Quando aquelas cenas deploráveis tomaram conta de São Paulo, políticos do PSDB/PFL jogaram a culpa no Governo Lula, dizendo que não foi destinada verba federal suficiente para a segurança pública. Ocorre que a violência em São Paulo e no resto do Brasil está instalada há mais de uma década. Sendo assim, o grande culpado pelo que ocorreu em São Paulo é o Governo de FHC, que passou oito anos no maior marasmo em relação a todos os problemas do país. Todavia, penso que nem o Governo Lula nem os governos que o antecederam têm culpa na violência paulista e paulistana. Na verdade, o único culpado de tudo isto é o Governo Estadual do PSDB, encastelado no Palácio Bandeirantes há mais de 12 anos, que nada fez para combater a violência no estado mais rico da federação. Se 47% da economia nacional está em São Paulo, por que o governo federal deve alocar verbas para o estado? CONCLUSÃO: o Alckmin e a caterva do PFL, mais uma vez, mentem para a população, se eximem de uma responsabilidade que é sua. Aliás, mentiras no PSDB/PFL é coisa corriqueira, é um instituto adotado por eles, como já afirmei e provei na matéria abaixo. A iiresponsabilidade desses dois partidos é tão grande, que o Alckmin disse que um desvio, em seu governo, de 2 bilhões de reais, apurado em 973 contratos pelo TCE, É COISA SEM IMPORTÂNCIA. O que será importante para Alckmin? A OPUS DEI?O PODER?

  2. Comentou em 01/06/2006 Gilson Raslan

    O descaramento, o engodo, a mentira são instituições adotadas pelo PSDB/PFL, com o único objetido de voltar ao poder para continuar dilapidando o patrimônio nacional.
    Só para ilustrar, veja a falta de caráter de FHC numa reunião de próceres do PSDB: ‘FHC fez um comentário que é uma síntese pessoal. Aconselhou Alckmin a dizer que aprovará no Congresso fim da reeleição. Uma vez eleito, que não cumpra o prometido, emendou o ex-presidente.’
    Esse trecho foi extraído de uma reportagem feita pelo sítio UOL de hoje.
    Por estas e por outras, uma improvável eleição de Alckmin é um grande risco para o povo brasileiro.

  3. Comentou em 01/06/2006 adelmo ramos damiao

    a politica esta polarizada no pt e no psdb horas ta assim o que falam do pt é verdade e o que falam do psdb tambem é verdade só não é verdade o que eles falam de si mesmos quando se trata de realizações… que pena que o povo não consegue eleger uma terceira opção nas proximas eleições… horas distorcer informações não é o mesmo que estelionato de informações… deveriam ser processados…

  4. Comentou em 01/06/2006 claudio luis vitorio dos santos

    lideranças sociais desorganisadas!!!!

    estamos à mercê, como sociedade, dos maiores desatinos cometidos
    diáriamente por nossas lideranças, não há tempo nem conhecimento
    de todos males que se sucedem. O preocupante, é que não há nenhum indício de que estes desatinos irão cessar, ou no mínimo diminuir. Nossa sociedade, parece incrível, não tem tempo nem vontade para começar a consertar-se, enquanto é tempo. O futuro,
    que está cada vez mais rápido e próximo, será impiedoso.

  5. Comentou em 01/06/2006 Helenice Araújo Costa

    Concordo perfeitamente com a idéia de que se deve combater o uso de certos ‘artifícios discursivos’ para deturpar o discurso dos outros e, assim, destorcer ainda mais a realidade. A bem da justiça, porém, essa regra não deveria ser aplicada apenas aos políticos em campanha; deveria ser estendida à grande midia, que diariamente usa e abusa desses ‘inocentes’ jogos de linguagem. Os grandes jornais estão repletos de manchetes ‘despistantes’, que maanipulam o incauto leitor, impondo-lhe a versão dos fatos que interessa à empresa (ou aos interesses políticos a que ela serve).
    E o que dizer das entrevistas que deturpam completamente as palavras dos entrevistados? Que descontextualizam um ou outro termo para criar um discurso completamente diferente do original? A grande diferença é que quem não é dono de jornal nem de televisão ou não faz parte do grupo político ao qual serve a empresa de comunicação, não tem como se defender. Mesmo quando tenta restabelecer a verdade, tem quase sempre, mais uma vez, suas palavras ‘interpretadas’ de forma destorcida. E aí, como se diz popularmente, ‘a emenda sai pior do que o soneto’.

  6. Comentou em 31/05/2006 Swamoro Songhay

    Muito boa a puxada de orelha na campanha. Tomara que aprendam e deem o exemplo nesses tempos nebulosos e mentirosos. É pedir muito, mas tomara que aprendam pelo menos a entender que omissão intencionada é quase sempre mentira. Os depoimentos às CPIs deixaram isso bem claro. Porém, ao contrário do que se vende, crises não logram ensinar nada a ninguém. Outra coisa alvissareira são os debates causados pelas fals do governador de São Paulo. Tomara, também, que continue falando e todos os demais respondendo. Falar está fazendo um bem dadnado.

  7. Comentou em 31/05/2006 Salvador Rocha

    Muito bem dito meu caro Luiz Weis, o PSDB esta indo por um caminho que dificilmente o levara a vitoria. Neste caso especifico, so estara dando mais municao para os adversarios, pois, alem de adotar uma politica de segurança publica equivocada, e isso para dizer o menos, que desembocou naquela tragedia sem precedentes, ainda me vem com essa propaganda que e por si so um contra-senso, ou seja, SE GASTOU MUITO, MUITO MAL. Equivocou-se nos objetivos, equivocou-se nas estrategias, equivocou-se na escolha dos secretarios, enfim uma administracao equivocada. Portanto se o senhor Alckmin pretende ainda manter esta mascara de bom administrador e melhor fazer um estudo mais profundo da gënese desse personagem, como diria Stanislavski.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem