Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

CÓDIGO ABERTO >

A ferramenta para sobreviver à desconfiança nas notícias

Por Carlos Castilho em 19/02/2014 | comentários

Para estar minimamente informado hoje em dia não basta seguir a máxima de consultar várias fontes. Por incrível que pareça, a realidade da imprensa nos força a duvidar de todas elas para prevenir opções erradas. Não se trata de considerar falsas todas as versões que nos chegam por intermédio de jornais, revistas, rádios, telejornais e páginas Web, mas de saber que elas trazem embutidos interesses e condicionamentos.

Saber identificar interesses associados a matérias jornalísticas passou a ser o grande desafio do leitor contemporâneo, submetido a um bombardeio constante de notícias produzidas a partir de uma enorme diversidade de percepções, veiculadas por uma infinidade de fontes e com vieses cada vez mais difíceis de perceber.

Há dois tipos de reações mais comuns diante desta situação: a maioria das pessoas ainda rejeita consciente ou inconscientemente o uso da chamada leitura crítica da mídia, enquanto uma minoria começa a se dar conta de que não temos outra saída senão conviver com a ausência de fontes 100% confiáveis e isentas. A realidade nos impõe uma opção entre uma segurança confortável, mas irreal, e outra incerta e complexa, mas menos sujeita a erros.

A polêmica surgida nos meios jornalísticos, político-partidários e sociais após a morte do cinegrafista Santiago Andrade reúne esses ingredientes e cria um ambiente onde as dúvidas são mais sólidas do que as certezas. Esta é uma realidade nova porque ela se contrapõe à tradicional polarização dicotômica entre pessoas que acreditam, sem questionamentos, tanto na hipótese da subversão esquerdista nos protestos de rua quanto na de que há um processo golpista em marcha para impedir a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Como o ambiente político está se radicalizando, com a multiplicação de suspeitas, dúvidas e controvérsias, cresce a dificuldade para uma leitura crítica da realidade capaz de identificar até onde há uma situação concreta de impasse institucional e até que ponto tudo não passa de um jogo de cena orientado por interesses e estratégias eleitorais para a votação do segundo semestre. 

Bombardeado por informações antagônicas, contraditórias e sem condições de aferir credibilidade e exatidão, o público acaba sendo vítima de um jogo sobre cuja natureza e objetivos ele não tem dados, notícias e informações suficientes para avaliar.

Até o surgimento da internet e das redes sociais, as pessoas tinham que se conformar com esta situação porque dispunham de poucas alternativas de informação. Eram obrigadas a aceitar a agenda e o viés noticiosos, mas agora a situação mudou. O conformismo com a polarização política não tem mais as mesmas justificativas do passado, pois as pessoas podem diversificar as suas fontes de informação para buscar abordagens que permitam identificar interesses e vieses com mais clareza. Mas isto exigirá esforço, persistência e algum estudo.

Mas não temos outra saída, depois de constatar que fechando os olhos e ouvidos poderemos estar dando um tiro no pé ao apoiar ou tolerar estratégias políticas não alinhadas com os nossos interesses. Não adianta culpar a imprensa, porque mesmo que ela tentasse ser isenta ela ainda assim estaria dando a sua visão dos fatos, uma visão inevitavelmente parcial. É claro que os jornais, revistas, telejornais e blogs politizados têm problemas de credibilidade, exatidão e interesses embutidos nas informações. Mas eles são apenas parte do problema. A arma do público consumidor de informações, não importa a sua tendência partidária, é a leitura crítica, uma ferramenta que combinada com a curadoria de notícias é o mais eficiente recurso para sobreviver aos duros tempos da complexidade informativa na era digital. 

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem