Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Leitura para pauta urgente: o que corre por trás da terceirização dos serviços públicos?

Por Alceu Nader em 17/02/2006 | comentários

Se há alguma leitura imprescindível para esta sexta-feira, ela está na página B4 da Folha de S.Paulo, no texto ‘Furnas e as terceirizadoras’, da coluna assinada pelo jornalista Luís Nassif.

Ele aponta a distração da imprensa e a perda de rara oportunidade das CPI, tão empenhadas em moralizar o setor público brasileiro, criada pelo depoimento do ex-diretor de Furnas, Dimas Toledo, ocorrido anteontem. A declaração do ex-diretor de que a lista é falsa foi acolhida como principal revelação por todos os jornais. Mas o problema real do financiamento de campanhas eleitorais no Brasil sequer foi resvalado

Segundo Nassif, o depoimento foi ‘uma extraordinária demonstração de como é a política brasileira’, pois ‘parlamentares de todos os partidos se revezaram para perguntar se a tal lista era verdadeira ou falsa’, mas nenhum parlamentar lembrou-se de perguntar sobre ‘o sistema de financiamento de campanha de Furnas, que historicamente tem amparado políticos de várias cores, os eletrocratas’.

‘Tudo isso se dá à sombra de uma atividade que passou a substituir as antigas empreiteiras’, continua, ‘depois que o Estado brasileiro quebrou e escassearam os recursos para investimentos: as terceirizadoras de mão-de-obra’.

Nassif apresenta exemplos e números da presença de algumas das grandes empresas :
‘Praticamente em cada administração há uma terceirizadora que domina as licitações. Grande parte dos gastos operacionais de Furnas era com uma terceirizadora de mão-de-obra, a Bauruense, com 2.000 funcionários, e que chegou a faturar R$ 800 milhões em três anos apenas com seu contrato de Furnas. A Bauruense é a quarta terceirizadora paulista em tamanho e cresceu na área pública a partir do governo Álvaro Dias, no Paraná, de onde nasceu sólida amizade do ex-governador com os irmãos Daré, donos da empresa.

Em Brasília, a terceirização na área federal é comandada pela Confederal (do ex-ministro das Comunicações e deputado federal Eunício de Oliveira). Em São Paulo, pela Tejofram (14 mil terceirizados) e pela Gocil (mais de 8.000). E são sempre as mesmas. Mesmo sendo um setor altamente rentável, não aparecem concorrentes para disputar espaço e derrubar preços’.

Recomenda-se a leitura na íntegra. O texto traz, inclusive, exemplo de instrumento para fiscalizar a atuação dessas empresas em países como os EUA e a França.

Todos os comentários

  1. Comentou em 18/02/2006 joão orlando moraes

    como seria bom se os verdadeiros jornalista do brasil tivessem espaço na grande mídia para passar opinião dda verdade sem a mascára da hipocresia e da mentira sem querer defender a ou b, mas averdade nua e crua. parabéns luiz nassif

  2. Comentou em 18/02/2006 Sérgio Piccinato

    essa tal lista de Furnas me fez lembrar de
    um filme:’Todos os homens do Ex-presidente’.
    Um abraço a todos,Sérgio.

  3. Comentou em 18/02/2006 Sérgio Piccinato

    Prezados,
    Intrigante como procedimentos e práticas há
    decadas mantidas e financiadas,de repente,
    algum jornalista ‘descobre’ e faz sua pauta.
    Antes tarde do que nunca,diriam alguns.
    Sinceramente não sei.Como não saberei jamais
    responder a pergunta sobre terceirização dos
    serviços públicos,por si só,uma coisa muito
    estranha,haja visto o grande número de
    desempregados e a tremenda oportunidade que
    isso representa.De resto,é como tudo o mais:
    lamentavel;e com esses ‘representantes’ do
    povo então,adeus! Não deveria causar surpresa
    nenhum deputado perguntar sobre financiamento
    de campanha de Furnas:eles sabem e o Sr.Luis Nassif também ,todos eles sabem.Nós,o povo,
    saberemos,se e quando eles quiserem.Enfim uma
    mensagem,se me permitem:’Não há nada de novo
    sob o Sol.’Eclesiastes. Cordialmente,Sérgio

  4. Comentou em 17/02/2006 Celio Mendes

    Coincidencia ou não a onda de terceirização no setor publico teve seu climax nos 8 anos do FHC, quem não se lembra dos vazamentos (de oleo) tão comuns naquela época ? curioso … não tivemos mais este tipo de ocorrencia, na época o sindicato dos petroleiros denunciou o despreparo da mão de obra terceirizada, mas o frances do FHC o Henri desmentiu e a midia na época engoliu a ‘versão oficial’ do presidente da petrobras, quantos ‘Land Hovers’ foram doados por estas empresa terceirizadas e a midia simplesmente não viu ou não quis ver?

  5. Comentou em 17/02/2006 Fabio de Oliveira Ribeiro

    Fazer política no Brasil tem sido um exercício ‘rejuvenecedor’ para os políticos de todos os partidos. Toda vez que a sociedade tem êxito em fechar um poço de lama em que eles se banham em dinheiro sujo para manter seus cargos, salários, dignidades, mordomias e putas de luxo, eles correm para abrir outro sob nossos narizes alegando que isto é feito para ‘moralizar o serviço público e o financiamento de campanha’. Tenho 40, ajudei a fundar o PT e tive o desprezar de vê-lo naufragar nesta merda. Estou cansado e por isto daqui para a frente só votarei NULO. Se um dia o voto nulo for proibido mandarei cancelar meu título eleitoral. Se isto for criminalizado, me tornarei um criminoso. Prefiro ir para a cadeia a legitimar esta robalheira desavergonhada que sangra os cofres públicos e obriga a população a conformar-se com serviços públicos precários e ineficientes.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem