Lula 'deu a senha' para o PT imitar Edir Macedo | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Lula ‘deu a senha’ para o PT imitar Edir Macedo

Por Luiz Weis em 21/02/2008 | comentários

Sim, o nome completo do jornal Valor é Valor Econômico, mas nem por isso se justifica a ausência de qualquer menção na primeira página de sua edição de hoje ao materiaço político, ainda por cima exclusivo – apurado pelos craques Raymundo Costa e Cristiano Romero – “Ações da Universal encorajam PT”, precedido do antetítulo não menos revelador “Posicionamento de Lula reforça disposição do partido de reagir à imprensa’.

É o texto mais importante do noticiário nacional do dia – e vai repercutir por muitos mais.

Eis a reportagem [negritos acrescentados]:

“Ao defender tacitamente a abertura de dezenas de ações judiciais da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) contra jornalistas e órgãos de imprensa, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu força a um movimento em curso no PT, onde há algumas semanas já se discutia a hipótese de militantes espalhados por todo o país fazerem o mesmo, sempre que considerarem que Lula ou o partido se sentirem ofendidos por uma reportagem. O assunto foi discutido recentemente quando os jornais colocaram o PT em destaque ao se referirem a supostas irregularidades, atribuídas ao PTB, cometidas na Empresa de Correios e Telégrafos.

Lula deu a senha, segundo petistas, quando afirmou que a liberdade de imprensa pressupõe o jornalista escrever o que quiser e, quem for atingido por isso, ter o direito de reivindicar reparos na Justiça. “No dia em que a ´Folha de S. Paulo` se sentir atingida pela Igreja Universal, ela vá processar a Igreja Universal. No dia em que a Igreja Universal se sentir atingida pela ´Folha de São Paulo´, ela vá processar a ´Folha` -– e, assim, a democracia vai se consolidando no Brasil’, disse Lula na segunda-feira, numa declaração que deixou eufóricos tanto deputados petistas quanto ministros do governo, que pensam da mesma forma que ele.

Lula referia-se à série de ações movidas pela Universal contra a ‘Folha’, contestando reportagem publicada pelo jornal sobre as atividades empresariais da igreja e seu líder, Edir Macedo. O número de ações – 56, em 20 Estados, além de outras 35 movidas contra o jornal baiano A Tarde e cinco contra o carioca Extra’ – fez juristas alegarem que seus autores estariam promovendo ‘litigância de má-fé, isto é, o uso da Justiça para atingir um objetivo ilegal – a intimidação da imprensa e o cerceamento do direito à defesa.

Na terça-feira, o vice-presidente da Associação Nacional dos Jornais (ANJ), Júlio César Mesquita, classificou a estratégia da Igreja Universal de ‘escalada obscurantista’ contra a liberdade de imprensa. No PT e em alguns setores do governo, as ações contra a imprensa reavivaram um sentimento de vingança contra a mídia, adormecido desde a crise do mensalão. ‘Processar jornalistas não é cercear a liberdade de imprensa’, comentou um ministro.

No partido, a idéia é que militantes, em cada Estado da federação, que se sintam ofendidos por reportagens contra o presidente e o partido acionem jornalistas e órgãos de imprensa responsáveis pela publicação. A experiência da Universal também pode ser aprimorada, segundo as discussões em andamento. Por exemplo: o texto das ações movidas em cada Estado deve ser diferente, para não deixar margem para que a Justiça os considere ‘litigantes de má-fé’. A exemplo do que ocorre no governo, o PT também se acha vítima de preconceito da grande imprensa.

Ao comentar o assunto, o presidente Lula, na realidade, defendeu um aliado do governo. Após ter sido demonizado pela Igreja Universal nas eleições de 2002, recebeu seu apoio na campanha da reeleição, em 2006. Nesse período surgiu também o PRB, que é chamado em Brasília de ‘partido do vice’ (José Alencar), mas que na verdade é um braço político da Universal.

A ligação do governo com a bancada evangélica vai além do PRB. Deputados evangélicos, segundo fontes, recebem tratamento preferencial do Palácio do Planalto, independentemente da sigla em que se encontram abrigados. Lula participou, por exemplo, da inauguração da Record News, um dos braços de comunicação da Igreja Universal, ao lado do bispo Edir Macedo, o que causou irritação e atrapalhou uma reaproximação então em curso com a Igreja Católica. ‘Lula não tem preconceito contra a Igreja Universal’, disse ontem um auxiliar direto do presidente.

A declaração de Lula em Vitória surpreendeu até antigos aliados do presidente, como o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), pelo fato de ele ter tomado partido de um dos lados em uma demanda judicial, o que não seria de seu feitio. ‘É evidente que se trata de uma ação orquestrada (os processos da Igreja Universal contra a Folha e os outros dois jornais)’, diz Chico Alencar. ‘Só não vê isso quem tem medo de perder os votos do rebanho’, acrescentou.

No Palácio do Planalto, ministros e assessores do presidente negam a existência de um acordo político com a Igreja Universal. Segundo eles, o governo tem na sua base de apoio parlamentar tanto representantes da Iurd, como o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), quanto da Igreja Católica. As ações da Universal, de acordo com esses assessores, contra a ‘Folha’ e os outros jornais não preocupam Lula.

O Palácio do Planalto também nega que o presidente tenha defendido a abertura de ações contra a imprensa. ‘Lula não falou isso. O governo não dá apoio às ações. O que ele disse é que, numa democracia, todo mundo tem o direito de escrever o que quiser, mas quem se sentir atingido também tem o direito de contestar o que foi escrito’, sustentou um ministro. ‘Esse é um problema que afeta grupos privados. O governo tem que garantir o Estado de Direito e a liberdade de imprensa, mas não cabe ao governo impedir que um cidadão vá à Justiça’, observou um assessor.

Se a lei permite que haja essa chicana jurídica, com a abertura de ações em vários Estados, o governo não pode fazer nada’, acrescentou um colaborador direto do presidente. ‘Os jornais, por sua vez, têm todo o direito de se defender’, ressalvou. Segundo esse auxiliar, embora o governo não queira entrar no mérito do que considera uma ‘disputa judicial’, é ‘preocupante’ a forma como a Iurd arrecada fundos para montar seus negócios – por meio da cobrança de dízimos dos fiéis. Este foi um dos temas levantadas pela reportagem da ‘Folha’.”

Todos os comentários

  1. Comentou em 25/02/2008 Paulo Maurício Silva

    Sou católico, não contribuo com fundos/recursos financeiros mas a maioria praticante o faz. Não posso esquecer as ações a atuações da minha Igreja na história de nossa civilização. Questionam o poderio da IURD e da Record – isso incomoda muito mais – porque a mesma está mostrando aos poucos aos brasileiros o que é jornalismo, informação, interaçao e entretenimento. Entretanto ninguém questiona o poderio da rede bobo e de como esse império se formou. Tampouco se questiona a formação do poderio da Igreja católica. Muito menos a formação do patrimônio de muitos políticos cuja fortuna é desproporcional aos salários que recebem.
    Se somos uma democracia todos têm o direito de expressão e liberdade de pensameto. Se a imprensa pode dizer/escrever/veicular o que quer sobre qualquer pessoa, qualquer pessoa que se sinta atingida tem o direito de questionr acusações e leviandades na justiça.
    Na minha opinião, se o PT começar a buscar os tribunais pedindo reparos contra essa mídia que está ai, já está atrasado. O próprio Lula deveria fazer o mesmo. Estarei ao lado deles.

  2. Comentou em 23/02/2008 Otaciel de oliveira melo oliveira melo

    Eu gostaria de saber qual a providência que um jornalista, dos que fazem o Observatório da Imprensa, por exemplo, tomaria se eu dissesse, em uma revista de circulação nacional, que ele era desonesto, por ter dinheiro não declarado ao fisco num desses paraísos fiscais espalhados pelo mundo? Ele me esperaria defronte ao meu apartamento para me esbofetear? Ele contrataria um pistoleiro para me assassinar? Ou ele recorreria ao judiciário para se defender?

  3. Comentou em 22/02/2008 José Orair Silva

    O Presidente da República não deu nenhuma senha para o PT imitar o bispo Edir Macedo. Entendo que o presidente quis dizer que na democracia o pau que dá no Chico deve dar também no Francisco. Assim, a Igreja Universal e seus fiéis têm o direito de entrar com ações judiciais contra os jornais que, por sua vez, têm também o direito de entrar com as mesmas ações contra a Igreja. Agora, os demandantes dessas ações correrão todos os riscos· Poderão ser vitoriosos, derrotados ou mesmo condenados por litigância de má fé… Os jornalistas acostumaram-se durante longos anos a manobrar os estilingues e sentem-se muito desconfortáveis em desempenhar o papel de vidraças…. Com o tempo eles se acostumarão, até porque estão se tornando comuns as ações judiciais de jornalistas e até de empresas de comunicação contra outros jornalistas, como é o caso do affair Luís Nassif x Veja, assunto amplamente discutido na Internet, sob o eloquente silêncio da mídia tradicional…

  4. Comentou em 22/02/2008 Edson Sousa

    Comentários como o do Deputado Chico Alencar tentando mudar o caracter de evidência a uma suposição de orquestração de ações demonstram que este deputado tomou partido a favor da Folha. A IURD não é a única Igreja que cobra dízimos e reinveste esse valor. Até a Igreja Católica faz isso. P.S.: Eu não frequento nenhuma das duas igrejas.

  5. Comentou em 22/02/2008 Edson Sousa

    Liberdade sem responsabilidade é privilégio.

  6. Comentou em 22/02/2008 Ricardo Pereira

    Tudo se resume em duas palavras: responsabilidade e liberdade. O codigo penal preve que calunias e difamaçoes sao puniveis. Já a cobertura jornalistica onde investigaçoes levam a dados comprovaveis jamais deveriam ser limitadas por açoes judiciais. Tem que cassar estas açoes todas e enquadrar estes inimigos do bem publico e da democracia. Quem ousa defender este direito de processar aqueles que fiscalizam e apuram fatos para informar a sociedade tem muito a esconder. Esta conversa fiada de que o cidadao se sente pessoalmente ultrajado qdo a cupula de uma instituiçao transgride a lei nao tem o menor cabimento e deveria ser ignorada. Nao livrarei a cara de ninguem, nao importa a que deus ele sirva ou que nao sirva pra nenhum.

  7. Comentou em 22/02/2008 Alexandre Carlos Aguiar

    Só para se ter uma idéia do mal que diversos jornalistas e articulistas fazem, ao se valer sem parcimônia do seu direito de liberdade de expressão, a Dra. Eliane Cantanhede (pois ao que parece tem doutorado em infectologia), colunista da Folha, berrou aos 4 cantos do mundo que havia uma epidemia de febre amarela, e que os cidadãos incautos deveriam providenciar a sua imunização. Pois bem! Muitos coitados levaram tal sandice a sério e estão internados por sobre-dose da vacina. Suspeita-se até que houve óbitos. Foi um belo exemplo de irresponsabilidade jornalística. É ou não é motivo de processo judicial? Se um parente meu tivesse sofrido com isso, ela iria pra cadeia.

  8. Comentou em 22/02/2008 Fábio José de Mello

    E qual é o problema? Os petistas que se sentirem ofendidos não podem entrar na justiça? Por quê? Em que direito divino os jornalões se arvoram, que os colocam acima do bem e do mal? Nenhum. Injuriou, caluniou, difamou? Que o autor dos crimes contra a honra seja responsabilizado pelo o que escreve.

  9. Comentou em 22/02/2008 Wilson Oda

    Eu fiz outra leitura do discurso do Presidente Lula. Ele afirmou que a imprensa tem a liberdade de publicar o que bem entender e as pessoas que se sentirem caluniadas tem o direito de processar. Qual é o problema???

  10. Comentou em 21/02/2008 Paulo Marcos de Souza

    Isso demonstra o pouco apreço que políticos em geral tem pela democracia. São democratas da boca para fora, apesar de se aproveitarem dela. Me lembro de uma frase de Lula, dita na época em que Paulo de Tarso foi expulso do partido por ter denunciado esquemas de corrupção, que ilustra bem sua postura: ‘Democracia é bom, mas tem hora’.

  11. Comentou em 21/02/2008 salete pretto

    Concordo com o comentário de Stanley Burburinho.Acho que já está na hora de processarmos esses senhores e senhoras que se mostraram capazes até de induzir pessoas à morte(vacinas) para atingirem objetivos que não têm nada a ver com o bem do Brasil. Responsabilidade é o mínimo que se espera da imprensa. Não havia ainda visto a imprensa como opositora a um governo federal, é assustador.Por isso deixei de assinar jornais, todos têm o mesmo editorial.Eu era viciada em ler jornais, mas não faz mais parte do meu orçamento sustentar ‘interesseiros’.

  12. Comentou em 21/02/2008 Rodrigo Silva

    Caro Cid,
    Sutileza. Interpretação de textos. Gostei. É sempre bom aprender. E isso não é uma provocação. Mas acho que eufemismo seria mais adequado. Afinal, chamar os outros de idiota com uso de palavras mais agradáveis não diminui a agressão. Por isso que dizer que o outro confunde latrocínio com laticínio é bem melhor do que tascar um idiota logo de cara. E tem ainda a comodidade de que se formos repreendidos por usar de ofensas gratuitas, é só explicar que o cara não soube compreender as sutilezas do texto e interpretar corretamente. Agora, para ser direto, só peço que deixe de usar esse ‘Doutor’antes do meu nome. O que não é nada sutil.. Abraços, Rodrigo

  13. Comentou em 21/02/2008 Marco Vitis

    Acho ótimo que a Justiça sirva como fator de intimidação aos criminosos. Principalmente àqueles que fazem da Liberdade de Expressão a Liberdade para Caluniar.

  14. Comentou em 21/02/2008 Jedeão Carneiro

    Esse tipo de ação é muito comum e a imprensa sabe disso. Empregados de estatais, servidores públicos e outras categorias usam esse recurso legal e legítimo quando se sentem prejudicados. Brasileiros de toda parte usaram o mesmo modelo de petição contra o plano Collor na justiça. A própria OAB abriu contra Nassif 21 ações em sete cidades diferentes por causa de um artigo. Agora a Abril usa o mesmo recurso e abre vários processos contra Nassif. A justiça e a lei deve ser para todos. A imprensa é uma instituição fora da lei? E quem vai nos proteger dos crimes praticados pela imprensa?

  15. Comentou em 21/02/2008 Cid Elias

    Dr Rodrigo Silva, sei que não é apenas provocação. É, de fato, sua opinião sobre minhas manifestações. De certo modo, podes ter razão…O problema específico desta tua ponderação, reside numa coisa chamada ´interpretação de textos´, pois escrevi ‘latícinio e lestes latrocínio'(kkk) ‘…quase todos os seus comentários, que os outros não sabem raciocinar…’. Pondero que, apesar de não teres percebido, há uma visível diferença entre dizer que os outros NÃO SABEM raciocinar e isto ‘Tua suposição é um acinte à inteligência dos que ainda raciocinam.’ Convenhamos, Dr Rodrigo, ‘sutilezas’, nem todos compreendem, compreendestes? *Não leves a sério., é pura provocação.

  16. Comentou em 21/02/2008 Euclides Rodrigues de Moraes

    Sr. Weis, A IURD, liberou uma nota à imprensa, no dia 19.02.08, alguém comentou? Quem desejar conhecer, o endereço é o seguinte: http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=32702. Um dos comentaristas abaixo citou que foi indicado o caminho para o cidadão se defender, acredito que ele estar totalmente certo. Há muito que eu me indagava e indagava o que nós poderíamos fazer para nos defender-mos dessa imprensa, mentirosa, caluniosa e sem respeito aos direitos dos cidadãos e agora através dos fiéis da IURD estamos vendo o caminho, então meus caros preparem-se melhor quando publicarem uma notícia, pois se não for verdadeira, vai ter trôco é como já disse anteriormente esqueçam os adjetivos e passem a usar os substantivos. Só mais uma observação, a imprensa está tão desacreditada, que nem com o apoio do Presidente Lula, consegue índices positivos, basta consultar a votação aqui no próprio OI.

  17. Comentou em 21/02/2008 Teo Ponciano

    Se processar jornalista é contra a liberdade de imprensa, então a ‘Veja’ (arre!!!) é contra a liberdade de imprensa pois está processando o Luis Nassif pela sua série de matérias sobre a revista. A grande imprensa não está nem aí para o Nassif e querem a solidariedade dos leitores quando lhes convem.
    Muitos jornalistas já não notam que estão se transformando em verdadeiros Tartufos.

  18. Comentou em 21/02/2008 Teixeira gomes Gomes

    Esse argumento do Deputado Chico Alencar não se sustenta. Eu poderia dizer duas coisas dele tb, como: ele ficou do lado do jornal para não perder espaço na mídia e continuar se promovendo e tb para não perder voto e apoio dos católicos que tem relação com o PSOL.

    É fácil acusar o Lula . O díficil é ser honesto nas acusações.

    Pode ser que o Deputado ficou do lado do jornal sem pensar em nenhuma das posições que disse , apenas pq defende a liberdade de imprensa. Mas pode ser que sim tb . E aí como é que fica? Se eu fosse oportunista , desonesto e ganhasse alguma coisa com minhas afimações eu poderia afirma-las. No entanto, prefiro levantar os dois lados e deixar que o deputado responda ou que os companheiros leitores decidam.

  19. Comentou em 21/02/2008 Stanley Burburinho

    As matérias contra a IURD, seus fiéis e proprietários, que saíram no O Globo, Folha de São Paulo, Extra e o outro jornal da Bahia coincidentemente foram publicadas exatamente no momento em que toda a grade da TV Globo estar despencando no IBOPE e a Record que é da IURD estar ganhando da Globo em alguns horários em alguns dias da semana.

    Não tenho religião. Sou agnóstico.

    Não concordo com o tal bispo e seus métodos.

    Conheço uma outra igreja que é tão rica que até possui um país na Europa do tamanho de 44 campos de futebol e que já matou milhões de pessoas no passado e que sempre fez e ainda faz a mesma coisa que a IURD faz e ninguém diz nada.

    A escolas de samba do Rio de Janeiro (acredito que o mesmo ocorra em outros estados) têm encontrado dificuldades para compor suas alas das baianas porque quase todas as senhoras das comunidades que as escolas representam se converteram ou para a IURD, ou para a Batista, ou para a Assembléia de Deus, etc, todas igrejas que têm, no mínimo, uma sede em cada favela do Rio.

    Das 764 favelas do Rio, somente uma, a favela da Rocinha, tem uma igreja católica que, mesmo assim, é anterior ao surgimento da Rocinha.

    Quantas igrejas católicas os comentaristas deste blog já viram em favelas no Brasil?

  20. Comentou em 21/02/2008 álvaro marins

    O presidente Lula disse apenas o óbvio. Mas na falta de assunto, a ‘sugestão’ do Weiss é ótima. Vamos ver esses barões da mídia gastando um pouco de dinheiro para responder os milhares de processos por calúnia, difamação, racismo, intolerãncia religiosa e outras bossas. Vai ser divertido… Afinal, eles já estão pedindo há muito tempo…

  21. Comentou em 21/02/2008 Adir Tavares

    Enfim, como sempre nesse tipo de briga, não tem mocinho. Todo mundo usa chapéu preto.

    Vejam mais aqui http://www.coleguinhas.jor.br/pensata/2008/02/os-rapazes-de-chpeu-preto.html

  22. Comentou em 21/02/2008 Adir Tavares

    O que na verdade ocorre é que:

    1. A ação, impetrada por pessoas físicas, aponta um caminho para todos os cidadãos, mesmo os não evangélicos: achou que não foi tratado corretamente pela imprensa, vá a Justiça. Imaginou o que isso significaria para as empresas? Teriam que melhorar a qualidade das informações prestadas para diminuir a possibilidade de processos e aumentar as chances de vencê-los, caso eles sejam impetrados. Isso significaria mais investimentos na reportagem e na checagem de informações, ou seja, menores lucros. E isso seria só o começo.

    2. No decorrer do processo, há o perigo de aparecer a questão de fundo: a briga é comercial. O Império (a Folha entrou nessa meio de gaiata, para a IURD disfarçar o real objetivo) está vendo com péssimos olhos a agressividade da Universal no campo da mídia e tem tentado barrar o avanço usando aquelas armas comerciais conhecidas e um tanto sujas, como os descontos para ‘vendas casadas’ do tipo anuncie na Globo e ganhe inserção no Infoglobo por 10% do preço original, desde que não anuncie em nenhum veículos da IURD. É um esquema muito usado pelo Infoglobo contra O Dia e o JB, por exemplo (no caso, usando só os veículos da casa). Esse lindo sistema, que é proibido por todas as normas éticas da propaganda (se é que propaganda tem ética…), poderia ser posto a nu no processo.
    Continua…

  23. Comentou em 21/02/2008 Adir Tavares

    Os rapazes de chápeu preto

    O ponto dessa briga entre IURD e os jornalões O Globo e Folha é que as portas da Justiça estão permanentemente abertas para todos. É direito de todo cidadão ou empresa processar alguém por qualquer coisa. Se a ação é para atingir um objetivo oculto, que não aquele expresso na inicial, é outra coisa – é litigação de má-fé, que pode ser invocada pelos advogados da ré e, caso aceita pelo juiz, ‘virar’ o processo.

    Essa argumentação do Globo, da Folha e da ANJ que os processos são para intimidar os jornalistas e os jornais e que isso ameaça a liberdade de imprensa apresenta alguns problemas:

    1. Descrê da democracia brasileira – Afinal, se uns tantos processos, regularmente impetrados no Judiciário, ameaçam uma instituição básica da democracia, então essa democracia é muito fraca.

    2. Descrê do Judiciário – O argumento dá como certo que os impetrantes vão ganhar a ação, ou seja, que não há juiz, em nenhuma instância – nem no Supremo – capaz de enxergar a suposta intimidação.

    3. Descrê dos próprios advogados das empresas – Se a intimidação é tão evidente, mas os jornais crêem que seus advogados não serão capazes de a demonstrar em nenhuma das instâncias, então eles devem ser muito incompetentes, né? Não deveriam ser demitidos, então?

    Continua…

  24. Comentou em 21/02/2008 Rodrigo Silva

    Caro Cid,
    Leio sempre seus comentários aqui no OI. Vc deve ser um dos comentaristas mais assíduos. Assim, permita-me uma ponderação. Deixe de lado essa história de escrever, em quase todos os seus comentários, que os outros não sabem raciocinar, são alienados ou coisa parecida. Desse jeito, vc acabará ficando com a cara do Reinaldo Azevedo ou do Diogo Mainardi. kkkkk. É apenas uma provocação. Não precisa levar a sério. Segue um abraço daqui das Minas Gerais.

  25. Comentou em 21/02/2008 José Ayres Lopes

    O Presidente Lula está certo e o editorialista do Estadão está errado.

  26. Comentou em 21/02/2008 José Ayres Lopes

    O Presidente Lula está certo e o editorialista do Estadão está errado.

  27. Comentou em 21/02/2008 Rogério Ferraz Alencar

    Essa matéria do Valor não tem nada de ‘materiaço’. O Valor Econômico é do grupo Folha e do grupo Globo. Ambos os grupos têm jornais (Folha de São Paulo e O Globo) processados pela IURD e/ou fiéis da IURD. A procedência do Valor já lhe tira qualquer isenção. É parte interessada. Quando tratou do tema, Lula foi provocado por uma repórter da Folha de São Paulo. Ele estava no Espírito Santo, iria falar sobre gás, quando a repórter fez a pergunta sobre as ações, que, depois, ela, interrompendo a resposta de Lula, disse serem orquestradas. O que parece é que a repórter da Folha foi ‘orquestrada’ para fazer a pergunta a Lula, cuja resposta geraria a matéria do Valor, que já procura defender seus grupos controladores de qualquer ação movida pelo PT e/ou filiados petistas. O que me parece certo é que a Folha achou sarna para se coçar. Agora que é atacada por um forte grupo de comunicação, quer até a revogação da lei de imprensa. Quer, na realidade, não ser submetida a nenhuma lei. Quer dizer o que quer e não ouvir nada de volta. Quer casar e batizar.

  28. Comentou em 21/02/2008 Fernando Mathias

    Completamente inaceitável a interpretação dos fatos pelos ‘craques’ repórteres. Somente quem está fora de sua razão, talvez movido por um incontrolável impulso corporativista, pode insinuar que o presidente Lula tenha apoiado as ações contra jornais. O presidente apenas lembrou o óbvio: num estado democrático de direito, quem se sentir ofendido, por quem quer que seja, pode recorrer à Justiça. Algumas citações dos ‘craques’ : 1)’Júlio César Mesquita, classificou a estratégia da Igreja Universal de ‘escalada obscurantista’ contra a liberdade de imprensa.’ 2)’…a intimidação da imprensa e o cerceamento do direito à defesa.’ Alguém em sã consciência pode supor que o fato de um cidadão ou grupo contestar DENTRO DA LEI um jornalista ou grupo editorial caracteriza intimidação, cerceamento de defesa ou escalada contra a liberdade de imprensa? O articulista defende que jornalistas e grupos de mídia tenham tratamento diferenciado da Justiça? Não há nada que possa justificar essa pretensão.

  29. Comentou em 21/02/2008 João Marcos Rocha

    Temos um novo Max, só que esse voltado para ultra-direita.

    ‘Sr. é uma exceção excepcional neste espaço, que é largamente dominado pelos Escravos Ideológicos, todos Frutos do mesmo POMAR. Aqui, ao se criticar o governo federal, o chamado governo lulo-petista, a pessoa é imediatamente classificada como demo-tucano, amiga do PIG’

    No site do Reinaldo Azeredo se você defender alguma mesmo que pequena ação do Governo você é chamado de ladrão, petralha, bandido.
    Não está feliz aqui vai la pro blog do Reinaldão, você vai se sentir no céu.

    ‘É um canto onde existem alguns (poucos) comentaristas que pensam com a cabeça’

    Olha um Engenheiro pensando que formou em filosofia. O que foi, perdeu as licitação depois do governo de fhc, e está com dor de cotovelo.

    Me diz ai, já que você é de São Paulo, como é que faz para saber notícias sobre o seu governador? Bola de Cristal????

  30. Comentou em 21/02/2008 Fernando Mathias

    Parece que estão procurando pêlo em ovo. O problema existe quando ‘reporteres’ tentam interpretar fatos em vez de reportá-los. Lula não deu senha coisa nenhuma, ele disse o óbvio, referiu-se aos direitos constitucionais dos brasileiros. Se alguns jornais se sentem incomodados com ações judiciais, deveriam se dar conta que vivemos num Estado Democrático de Direito onde qualquer cidadão tem direito de recorrer à Justiça quando se sentir prejudicado. Querer atribuir ao presidente uma ‘orientação’ aos seus correligionários a partir das declarações feitas é torcer completamente os fatos. Lastimo que o OI, ou melhor, o Luis Weiss, tenha preferido endossar a opinião dos ‘craques’ jornalistas, em lugar de reconhecer a obviedade das palavras de Lula. Infelizmente o corporativismo falou mais alto que a razão, pois duvido que no seu íntimo o articulista seja partidário de um tratamento diferenciado para qualquer cidadão ou grupo.

  31. Comentou em 21/02/2008 Danilo Jorge Barreiros

    Mais uma tentativa canhestra de arrastar a figura do presidente pra um imbroglio que diz respeito exclusivamente a Folha, os demais jornais e a igreja universal. Na democracia existe forums suficientes para tratar dessas questoes, suponho que esse foi o sentido da fala do Lula;Imaginem um presidente dando palpite a cerca da conviniencia ou não das pessoas recorrerem a justiça quando se sentirem lesadas,difamadas. Lula o filosofo do direito. Se houve ma-fé por parte dos integrantes da iurd(ao que parece há), cabe somente a ela(justiça) julgar o merito, isso não é logica, é redundancia. Assim como,nas palavras da ministra Dilma, o governo governa. Mas no estado de anormalidade em que se encontra o Brasil, em que a imprensa julga, o judiciario legisla, e o legislativo investiga, a pendenga envolvendo a Folha deve ser CULPA DO LULA. Reza o senso midiatico…

  32. Comentou em 21/02/2008 Apolonio Silva

    Essa idéia não nasceu com IURDs ou coisa que valha. Olhando para trás, no início do ano passado, vemos Arlindo Chinaglia conclamando todo o congresso nacional a processar (individualmente) Arnaldo Jabor por danos morais (não sei como seria possível estabelecer afinal qual dos danos teria sido de responsabilidade de Jabor, mas enfim…). Indo mais para trás ainda temos o próprio Lula com a história dos 300 picaretas (com o mensalão esse número sofreu um upgrade considerável – parece que Lula achava pouco…). O que ocorre é que a IURD sentiu o golpe e partiu para o contra-ataque. Está na hora de discutir no país – esse país laico – qual é o sentido da isenção fiscal das igrejas. Esta é a fonte de todos os males. Igreja virou grande negócio e fomos catapultados para uma Idade Média, só que os terrenos no céu vendidos anterioremente viraram sucesso financeiro, através das mãos de E.M.. É urgente a revisão desse conceito porque há algum tempo descobriu-se que isso tornava igrejas o local ideal para lavar dinheiro (e quem sabe, comprar uma rede de televisãozinha para brincar nas horas vagas). Estamos diante de uma anomalia grave. As pessoas podem ter a fé que escolherem, mas o Estado sendo laico, não pode dar tratamento diferenciado. Esta é a verdadeira fonte de poder de E.M.. É o cerne da questão, o motor de todos os milagres e preocupações da IURD. Sem isso, babau Record.

  33. Comentou em 21/02/2008 Alexandre Carlos Aguiar

    Caro Max Suel, se o sr. trocar os nomes dos partidos, de PT para PSDB, o seu texto ficaria igualzinho. Pau que bate em Chico bate em Francisco.

  34. Comentou em 21/02/2008 Ivan Moraes

    ‘O tal do RA, por exemplo, ofende todo dia e a toda hora’: so porque eh nordico…

  35. Comentou em 21/02/2008 Filipe Fonseca

    Discordo em absoluto tanto da matéria do Valor como do artigo. Parece que faltou, tanto a um como ao outro, considerar um fato básico da democracia: Lula é presidente tanto para os jornais quanto para os fiéis da Universal. Não cabe a ele discursar publicamente quanto à impropriedade do exercício de direitos fundamentais. Ele é membro do executivo, não pode nem deve regular as ações judiciais dos cidadãos. O judiciário é que deve se pronunciar, em cada ação, dirigindo-se a cada autor. Lula, que costuma falar inúmeras bobagens em seus discursos, agiu corretamente: defendeu a democracia, o direito ao contraditório, evitou o pré-julgamento, e evitou atropelar a competência do judiciário. É esse tipo de comportamento, de tentar ver erros até quando o governo age corretamente, de ter dois pesos e duas medidas, de corporativismo, que tem levado à atual crise de credibilidade que a imprensa brasileira enfrenta. É evidente que as ações são orquestradas, mas é ainda mais evidente que a Universal e seus fiéis têm o direito de contestar judicialmente o que quer que seja, sem pré-julgamento, sem constrangimentos. É um dos direitos mais fundamentais das democracias.

  36. Comentou em 21/02/2008 Max Suel

    COMENTÁRIO FEITO NUM OUTRO LOCAL, MAS VÁLIDO AQUI:….Mais um Bispo …. pelo menos este parece que é verdadeiro …. Ao leitor Pedro Meira: o Sr. é uma exceção excepcional neste espaço, que é largamente dominado pelos Escravos Ideológicos, todos Frutos do mesmo POMAR. Aqui, ao se criticar o governo federal, o chamado governo lulo-petista, a pessoa é imediatamente classificada como demo-tucano, amiga do PIG, e outras sandices. Aqui não se contesta o fato, apenas se execra aquele que mostrou o fato. É um canto onde existem alguns (poucos) comentaristas que pensam com a cabeça, e não com o fígado (ou com o pé). Aqui a Imprensa é sempre ‘vendida’, Aqui a chamada por eles ‘elite branca, racista e preconceituosa’ está sempre por trás de qualquer denúncia de crimes e desmandos federais. É um lugar um tanto escuro, onde ficamos com um sabor meio amargo na boca, ao vermos até onde vai a cegueira de muitos jovens, que seguem falsos líderes, como aqueles que compõe a cúpula do PT.

  37. Comentou em 21/02/2008 Fernando Tecema

    Moral da história: Até quando fala o óbvio: ‘a liberdade de imprensa pressupõe o jornalista escrever o que quiser e, quem for atingido por isso, ter o direito de reivindicar reparos na Justiça’, o Lula é demonizado. Só estranho que você, um Observador acima da média, tenha entrado nessa onda.

  38. Comentou em 21/02/2008 Edmilson Carvalho

    Vendo agora esse alvoroço da mídia por causa de uma declaração de Lula que apenas traduz direitos assegurados pela Constituição, tenho ainda mais certeza sobre os motivos que levaram a grande imprensa (aquela que pensa que a ‘opinião pública’ é sua capitania hereditária) a tanto criticar, até conseguir derrubar, o projeto de criação do Conselho Federal de Jornalismo, usando para isso até mesmo a idéia de que seria um atentado à liberdade de imprensa e uma demonstração do ‘autoritarismo’ do Governo Federal. Na verdade há um punhado de ‘jornalistas’ (com aspas, porque não fazem jus ao título) que pensam estar acima do bem e do mal e imunes a qualquer tipo de punição, e por isso morriam de medo de que viesse a existir um órgão com poderes para reprimir os abusos que cometem no dia-a-dia. O tal do RA, por exemplo, ofende todo dia e a toda hora não só os filiados ao PT como também os eleitores desse Partido no seu blog-esgoto. Os ofendidos que se dispuserem a recorre ao Judiciário têm esse direito assegurado pela Constituição, assim como aquele sujeito terá direito asegurado à ampla defesa e ao contraditório. É a democracia…

  39. Comentou em 21/02/2008 Ana Paula Silva

    Se isso acontecer, o país estará oficialmente entregue ao fascismo vermelho!!!

  40. Comentou em 21/02/2008 Kleber Carvalho

    Enviei um comentário sobre este assunto no post:http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=473CID006, já estamos cansados da ditadura da mídia, cansados de ouvir falar nesta farsa chamada ‘liberdade de imprensa’, e a liberdade de se defender de ataques caluniosos existe? não tenho procuração para defender seitas, igrejas, partidos ou quem quer que seja, acredito que a democracia burguesa brasileira, sustentada pelo capitalismo e prostituída por quem sempre esteve no poder não tem direito de reclamar de absolutamente nada. Quem vai colocar um freio na prepotência e na arrogância do P.I.G? se o judiciário não conseguir, quem conseguirá?

  41. Comentou em 21/02/2008 douglas puodzius

    Weis é espertalhão! Mas não é um espertalhão como qualquer outro que povoa o território de nossa imprensa. Ele é especial: Tartufo Observante do PIG.
    Votei!

  42. Comentou em 21/02/2008 Jose de Almeida Bispo

    Ao caro Alexandre Carlos Aguiar, Biólogo, (… Escola de Base. Nunca!) acrescento, mais! Assino embaixo com todas as letras. E lá vem o Weis, em defesa do indefensável trazendo para o redemoinho, sob forma de acusação de condescendência, o Presidente da República. Essa droga não é uma democracia? E quem já viu numa democracia as pessoas – físicas ou juridicas – terem direitos desiguais? Então, que raio de democracia é esta onde para a Folha de São Paulo, Estadão e o escambau a Lei é diferente? Quando é que Lula falou para processar ou deixar de processar quem quer que seja? Um pouco de seriedade não faz mal a ninguém, né? Outra coisa: independente de seus gostos religiosos… todos não são contribuintes e cidadãos brasileiros? Ou só é brasileiro leitor concocordante da Veja, do Estadão, da Folha, Globo etc etc.? Assim não, né Weis!’ Recomeça-se a fazer jornalismo e daqui a pouco eis que lá vem de novo a recidiva de PIGuismo. A Folha ou seja lá quem for errou. Passou do ponto. Abusou. Numa democracia isso tem um custo democrático, que é cobrado pela Justiça.

  43. Comentou em 21/02/2008 cid elias

    Velho Weis observador e acusador do Governo Lula. Tua suposição é um acinte à inteligência dos que ainda raciocinam. O valor econômico pertence a quem mesmo? Lula não deu ‘senha’ coisíssima nenhuma, ele deu ‘a real’! Apesar de ser espiritualista, condeno a falhasp pelo ato criminoso. ‘Fé, antes de tudo, é um sentimento. Não se pode ferir os sentimentos das pessoas…’. A falha de sp deve ser enquadrada por crime Contra o Sentimento Religioso ( art.208 ), simples. Weis, soubestes do enquadramento a que foi submetido o secretário do serracard, aloýsio nunes ferreira, na entrevista fantástica feita pela Adriana, record news 14/02? Eu, caso fosse praticante de suposições, diria que foi a ‘senha’ para os ataques da folhasp à iurd, em razão da indiscrição(kkk) demonstrada pela entrevistadora. Onde já se viu colocar o secretário serracard numa sinuca de bico, questionando procedentemente, o que NINGUÉM no pig questionou?

  44. Comentou em 21/02/2008 Alexandre Carlos Aguiar

    O pressuposto da REAL democracia é a relação entre os contrários, com vantagens para a maioria, quando houver conflitos, já dizia Zé Cocada, na calçada e tomando a sua pinguinha. E para que estas relações sejam honestas e positivas, são estabelecidas regras. Quem, em algum momento, saltar os muros destas regras, por qualquer motivo, deverá responder por isso. Jornalistas podem dizer o que bem entendem, desde que isso não ultrapasse os muros de alguém. Que jamais nos esqueçamos da Escola Base. Nunca!

  45. Comentou em 21/02/2008 Ivan Moraes

    E Requiao que ninguem falou mais nada a respeito? O que aconteceu? O que pode ter acontecido? Nao imagino…

  46. Comentou em 21/02/2008 Agostinho Rosa

    Weis, até que demorou muito para que alguém levasse a mídia à barras dos tribunais. Eu ficava imaginando como é que certas matérias, eivadas de calúnias e ilações, são publicadas pela grande imprensa e nada acontecia aos seus autores. Se as manchetes já condenam ‘a priori’, evidenciando um jornalismo ideológico e partidário, imagine o conteúdo da matéria. A decisão da IURD é apenas sinal dos tempos. Há precedentes (Escola Base e Padre Lancelotti), portanto nada mais cínico do que a ABI invocar liberdade de imprensa nestas horas. A regra é muito simples: ‘A imprensa tem que ser crítica mas não pode ser mentirosa’. Recorram à justiça aqueles que se sentirem injustiçados.

  47. Comentou em 21/02/2008 William Queiroz

    Por ocasião da proposta de criação do ‘conselho de jornalismo’, os críticos diziam que era um meio de se controlar a imprensa. que era errado e que se alguém se julgasse prejudicado por ela, tinha a justiça para recorrer.
    Hoje os mesmos críticos criticam o uso da justiça.
    É Aminésia, Incoerência ou desonestidade mesmo ?

  48. Comentou em 21/02/2008 Ivan Moraes

    QUando uma ‘coligacao’ -ou que diabos seja chamada- processou mais de 100 vezes os jornalistas do Amapa, do que eu conheco da ‘grande imprensa’ brasileira, foi praticamente so o OI que apontou a causa: Jose Sarney e sua ‘reeleicao’. Ninguem apontou um unico dedo para o judiciario! Agora ta todo mundo assustado com… isso? E de Nassif e Veja, ninguem falou ainda.

  49. Comentou em 21/02/2008 Ivan Moraes

    ‘fez juristas alegarem que seus autores estariam promovendo ‘litigância de má-fé, isto é, o uso da Justiça para atingir um objetivo ilegal – a intimidação da imprensa e o cerceamento do direito à defesa.’: NAO! EU NAO ACREDITO! O JUDICIARIO SENDO USADO PELA ESQUERDA PRA FAZER O QUE A DIREITA SEMPRE FEZ COM ELE: DESGRACAR O BRASIL! EH IMPOSSIVEL! SO PODE SER MENTIRA! NAO FALO COM VOCE NUNCA MAIS, WEIS! JAMAIS! NUNCA!

  50. Comentou em 21/02/2008 Silvério Cardoso Corrêa

    A respeito disso, posso lhes dizer que há meses atrás, mais precismente no meio do ano passado, pensei nessa hipoteses. Lendo o blog do Reinaldo Azevedo, me senti ofendido com o que ele escrevia sobre os petistas, usando palavras pouco elegantes ele generaliza chamando os petistas de nomes terriveis. Eu sou petista, sou filiado ao PT, não posso admitir ser daquele jeito citado em seus artigos. Pensei e ainda estou pensando nisso. É um direito dele escrever o que escreve, e é um direito meu tambem me insurgir contra. Longe de qualquer orientação do partido isso é um pensamento meu, somente meu, eu tenho esse direito.

    Tambem há que se ressaltar que no passado Luiz Nassif foi vitima de uma série de ações que a OAB impetrou contra ele usando várias seccionais pelo pais afora. E agora mesmo é vítima da VEJA que lhe está movendo 5 processos quando poderia ser apenas um.

    Assim se funciona a democracia.

  51. Comentou em 21/02/2008 eduardo lettieri

    Prezado Weis, onde vc colocou sua experiência? Esse texto é mais um daqueles balões de ensaio, como foi o 3º mandato. SE COLAR, COLOU!
    E vc foi o primeiro a aderir. Pena….

  52. Comentou em 21/02/2008 Marcos Nascimento

    Constituição da República Federativa do Brasil

    Título II, Capítulo I, Art. 5º
    IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
    V – é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
    X – são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;
    XIII – é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;
    XIV – é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;

  53. Comentou em 21/02/2008 Euclides Rodrigues de Moraes

    Sr. Weis, Perante a Lei, se eu acuso alguém de cometer algum ilícito, tenho que provar, o mesmo pelo que eu entendo não vale para a Imprensa? A reportagem acusou a IURD de lavanderia de dinheiro escuso, não foi de atividade empresarial, como afirmado, esta foi a capa do do verdadeiro objetivo. Entendo que começou a chegar a hora de nossos jornalistas começarem a tomar cuidado com os adjetivos e passarem a usar os substantivos.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem