Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Lula louva a imprensa – a estrangeira

Por Luiz Weis em 21/09/2007 | comentários

Diz o presidente Lula, corroborando o ministro Guido Mantega, que “se a gente quiser saber as coisas que o mundo pensa do Brasil, temos que ler a imprensa estrangeira”.

Mas ele não estava criticando a imprensa nacional por não relatar adequadamente o que “o mundo pensa do Brasil”.

Ele estava acusando a imprensa nacional de ser pessimista em relação ao Brasil em contraposição ao que considera ser o otimismo da imprensa estrangeira.

É falsa, no entanto, a dicotomia – para não falar em visão maniqueísta.

Primeiro, porque a imprensa estrangeira – especificamente a revista britânica Economist, citada por Mantega – ao mesmo tempo em que registra a boa situação da economia brasileira, ressalva que o Brasil ainda cresce menos do que a média mundial e menos do que os países ditos emergentes de que o país faz parte.

Segundo, ressalva também que o crescimento brasileiro está limitado, entre outras coisas, pela incapacidade ou falta de vontade do governo Lula de fazer as reformas tributária e previdenciária e, principalmente, de cortar o gasto público.

Não digo com isso que a imprensa estrangeira está certa nas suas cobranças. Digo apenas que as faz – até por convições doutrinárias. O melhor exemplo, de novo, é a Economist.

Terceiro, a imprensa estrangeira ressalva ainda o que entende ser a baixa qualidade da gestão Lula, exemplificada na interminável demora em eliminar os gargalos da infra-estrutura física do país. O governo brasileiro, escreve-se lá fora, só administra bem as suas políticas sociais, notadamente o Bolsa-Família [o que até o mais anti-lulista dos grandes jornais brasileiros, o Estado, reconheceu recentemente].

Quarto, ressalva e, mais do que isso, destaca, o problema da corrupção. Jamais li em qualquer jornal categorizado do exterior, do New York Times ao Financial Times, do Le Monde ao El País, que o mensalão não existiu – ou que o PT, no governo, continuou a ser o partido guardião da ética que apregoava ser quando na oposição. Muito ao contrário.

Agora, quanto à suposta relutância da imprensa brasileira em mostrar o tal do “lado bom das coisas”, até parece que os assessores diretos do presidente não depositaram na sua mesa as edições de sábado passado dos jornais da terra, com páginas e páginas dedicadas às boas notícias da mais recente pesquisa do IBGE sobre as condições de vida dos brasileiros [a PNAD de 2006].

Apenas a Folha destoou do alto astral geral, lembrando em manchete que o crescimento de 7,2% da renda do trabalhador naquele ano, embora represente a maior alta desde 1995, ainda não bastou para que o rendimento médio da população assalariada [calculado em R$ 888] ao menos empatasse com os R$ 975 de 1996].

O jornal destoou, mas não inventou.

Quem mais se queixou dos comentários da imprensa sobre os números da PNAD foi a ultradireita. Um dos seus blogueiros mais vociferantes desancou o Estadão pelo editorial “Uma pesquisa explica a outra”, da última terça-feira.

Isso porque o jornal ligou os números altamente favoráveis a Lula na primeira sondagem que encomendou ao respeitado Instituto Ipsos aos números favoráveis ao povo, apurados pela PNAD.

Por fim, é cacoete autoritário dizer que a imprensa fala mal do país, quando fala mal do seu governo de turno. Isso era o que alegava a gorilada do regime militar para acusar a mídia de impatriótica e de fazer o jogo da subversão.

Da boca de Lula: ”Voltei [da viagem à Escandinávia e à Espanha] convencido de que o Brasil não pode aceitar os discursos que nós fazemos diminuindo o Brasil, nem tampouco os discursos de algumas pessoas que tentam criar dificuldades.”

Jornalistas que não tentam criar dificuldades, mas apurar as verdades, por mais difíceis que possam ser para os donos do poder, e que tem anos suficientes de janela para lembrar dos velhos maus tempos, decerto ficaram chocados com esse “o Brasil não pode aceitar…”.

Ainda bem que é apenas uma figura de linguagem. Ou não?

***

Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 25/09/2007 italo dueck

    Dossiê (origem ignorada?) sempre serviu para derrubar candidaturas, em 2006 foi chamado de ´falso contra´. O valor da operação e a origem do dinheiro foi o foco, uma vez improdutivo criou-se um dia antes das eleições a ´campanha da foto do dinheiro´ , crime cometido por funcionário público que derruba Ministro e dá férias para delegado informante da TV, rede globo coloca Alkmin no ar para solidarizar-se com as vítimas do acidente da Gol, praxe do ocupante da Presidência, e por fim Alkmin tem 2.4 milhões de votos a menos que no primeiro turno. Quanta aberração repercutida por aquele que deveria aproximar o leitor da verdade.

  2. Comentou em 24/09/2007 Antonio Lyra Filho

    Luiz Weis, mais uma vez ao ler os comentários aqui postados, vejo uma grande insatisfação com a nossa mídia.
    As pessoas me parece que tomaram ciência que estão sendo manipuladas. Analise este assunto.

  3. Comentou em 23/09/2007 Lau Mendes

    Sr.Weis por que não louvar a imprensa estrangeira se nossa imprensa faz o mesmo quando diz amém a todo “palpite” impresso lá fora se isto lhe for conveniente,interessante a propósitos na maior parte do tempo não muito claros ou claros demais ? E parece este o caso que seu texto afirma,conveniência . Embora pense que de fato a imprensa estrangeira tem sido menos agressiva e incendiária com o Brasil,que sempre tratou com desprezo e deboche nossa “cultura”,vem divulgando pontos da política atual que a mídia local não tem interesse em repercutir . Por quê ? Acho que estou me repetindo. É a segunda pergunta boba que faço hoje . A primeira foi em blog onde uma profissional do jornalismo que informa com honestidade e clareza não está na vitrine da mídia para regozijo dos leitores. Se me permite Sr. Weiss,recomendaria Maria Inês Nassif.
    Obrigado pelo “espaço”.

  4. Comentou em 23/09/2007 Josué Machado Costa

    Luiz, eu acho que a nossa imprensa é muito pessimista, como se nós vivesse-mos no pior País do mundo. Não é bem assim, estamos vivendo grandes transformações, a imprensa não consegue ver isso: OU NÃO QUER!!!

  5. Comentou em 23/09/2007 ubirajara sousa

    O OI está para nós (leitores) como a mídia está para Lula: é o melhor teste de avaliação do autocontrole; da tolerância; do domínio próprio. Ficar calado, diante de tanta parvoíce e tanta provocação é insustentável. Senhor Luiz Weis, a maioria de ‘seus’ leitores não é de idiotas, como o senhor pensa. Nós somos seres pensantes. Já que o senhor gostaria de ‘fazer a cabeça’ dos ‘seus’ leitores, faça isso, pelo menos, de um modo inteligente. A sua técnica é muito grosseira. Antes, a minha estupefação era decorrente da mudança pela qual passou o senhor Dines. Agora, o senhor? Não se trata de mudança partidária; de troca de lado. Essa, eu até admito. Mas mudança de conteúdo intelectual, essa só por motivos fisiológicos ou danos psíquicos, o que, eu penso, não ocorreu . Assim, mude o discurso e o seu pensamento. Pense assim: os ‘meus’ leitores não são asnos.

  6. Comentou em 23/09/2007 Marco Antônio Leite

    Não é a imprensa que é contra ou persegue o governo Lulla, é o Lulla que dá motivo e, também, é contra a imprensa nacional. A imprensa livre sempre vai estar procurando pelo em ovo, mas no caso desse governo há imprensa achou um verdadeiro matagal, no qual saiu todos os tipos de malandros, marginais e corruptos. Esses anos de governo Lulla nada foi feito de concreto para reverter o quadro de desemprego generalizado, povo cada vez mais doente, aumentou espantosamente o número de sem-casa, sem-terra, bem como os sem-nada na vida. Na realidade o senhor Lulla vem governando para a escol atual, não vemos banqueiros, empresários nacional/internacional reclamando de algo de errado que esse governo tenha feito contra os seus interesses. Ainda existe pessoas que se ilude com às bolsas esmolas que elle distribui, às quais são financiadas com o dinheiro daqueles que contribuem com o fisco. Esses são alguns motivos que o Lulla tem dado para que a imprensa faça criticas contundentes.

  7. Comentou em 23/09/2007 Cid Elias

    Weis e leitores, prestem atenção nesta NÃO-NOTÍCIA do começo de 2006. Eu a recebi de um amigo que mora em BUENOS AIRES e enviei à Caros Amigos que publicou uma nota, a qual tb não despertou interesse da mídia: ‘Os brasileiros que quiserem saber quem estava por trás dos 500 kg de cocaína apreendidos semana passada no interior do Pará terão que recorrer à imprensa argentina, mais precisamente ao jornal La Nación, pois no Brasil nenhum grande jornal destacou a notícia de que era o tucano Misilvam Chavier dos Santos quem transportou a droga. Misilvan foi candidato a prefeito de Tupiratins (TO) pelo PSDB em 2004, ocasião que recebeu forte apoio do senador Eduardo Siqueira Campos, que também é do PSDB de Tocantins. Ele foi preso em um ônibus em Castanhal (100 km de Belém), quando vinha de São Paulo. Misilvan tentava voltar para o Tocantins depois que um carregamento com 500 kg de cocaína foi apreendido pela PF, fronteira com o Estado do Mato Grosso (MT). A agência de notícias Reuters reportou o caso e DISTRIBUIU A INFORMAÇÃO PARA TODA a imprensa brasileira, mas poucos jornais e TVs resolveram noticiar; os que o fizeram omitiram a filiação partidária do traficante. O silêncio da mídia neste caso contrasta com o escândalo feito quando um assessor petista do Ceará foi pego com dólares na cueca ou quando a revista Veja fabricou uma mentira sobre U$ vindos de Cuba em caixas de garrafas.’

  8. Comentou em 23/09/2007 Luiz Oscar Matzenbacher

    A imprensa (jornais diários) do Brasil é a única do chamado Mundo Livre e Ocidental que está atrelada ou dominada pelas grandes redes de TVs abertas (Globo, RBS, Record, etc). Os donos dos jornais são os donos das concessões das redes nacionais de TV aberta. Para manter as concessões dependem dos governos e se dependem dos governos não são independentes. E, o pior, os mesmo jornalistas que trabalham para os jornais, emitem opiniões nas TVs e nas emissoras de rádio, formando um clubinho fechado de ´comunicadores´ em cada estado. Por isso o governo Lula prefere realmente informar-se através dos jornais dos EUA e Europa, onde o mopólio tipo Rede Globo e RBS é contido pela legislação democrática e liberal.

  9. Comentou em 23/09/2007 jose roberto escobedo

    Caro Luiz
    O nosso presidente lula pode ter a maior boa vontade de fazer um governo que o marque para sempre como foi Getulio, faz hoje um governo que esta cuidando das estradas, nunca estiveram em tao bom estado de conservaçao, abriu as portas das faculdades e universidades aos pobres, com pro uni, tem o bolsa familia, continuaçao do FHC, livra os mais pobres da miseria absoluta, nao da pobresa. Realmente existe sim uma melhoria nas condicoes de vida dos mais pobres, e tambem dos mais ricos, vejam os lucros dos bancos e grandes empresas, mas como nao governa sózinho, depende de centenas ou milhares de dirigentes para administrar toda maquina governamental, peca na escolha desses, pessoas incompetentes, de má indole e fé, escolhidas por politicos que trocam votos por favores, assim montam maquinas de arrecadar recursos nesses orgaos, autarquias ou ministérrios, enriquecem no suor do povo, depois nosso presidente diz que nao sabia, nao via, fazer o que? Ele é o presidente. Será que nao conhecia o Delubio, Zé Genuino, Zé Dirceu, e outros tantos? Ah Ele foi traido. Duvido!! Ele, o presidente foi forjado na luta sindical, disputas ferrenhas, violentas, onde o poder sempre foi na base de verdadeiras batalhas, inclusive com mortes em varios sindicatos. Isto significa que todos seus colaboradores diretos eram de confianca e de lealdade total dele.

  10. Comentou em 23/09/2007 Cesar Lenzi

    Nossa imprensa é da pior qualidade. E é de uma unanimidade impressionante. Sempre contra Lula e o PT. Mensalão petista quadno envolve tucano vira Caixa 2 mineiro. Pingou grana de Marcos Valério na conta do Aecinho e a mídia nem um pio. Dez entre dez veículos só fazem espinafrar o Hugo Chavez. Ditadura só existe em Cuba. Sobre a alternância de poder no Paquistaão, pró-americando, nenhuma linha E ainda temos que aturar a farsa de um chamado Observário da Imprensa. É dose.

  11. Comentou em 23/09/2007 Francisco Bezerra

    Já que o Weis esquivou-se de responder à excelente pergunta do Jornalista Jose Manoel, por que o OI não manda para o público responder em forma de enquete?

  12. Comentou em 23/09/2007 Miguel Oliveira

    O Lula tem razão. A mídia brasileira é quase toda escancaradamente partidária e oposicionista. Ela se esforça ao máximo para minimizar, distorcer, ou até mesmo esconder os feitos do governo Lula. Procura sempre criticar tudo o que o governo vai fazer, dizendo sempre que não vai dar certo. Quando dá certo, dizem que foi sorte, foi copiado do governo anterior,etc, nunca por competência . Está sempre procurando algo para provocar indignação, chegando ao cúmulo da leviandade de culpar o governo pela queda de um avião onde mais de 40 aviões já haviam pousado no mesmo dia, inclusive com mais chuva do que na hora do acidente. Um nível rasteiro e desonesto. Acontece que o governo está dando certo, e a recente crise dos Estados Unidos serviu para provar que ele dá certo mesmo com crise externa, do tipo que derrubava o governo anterior, apoiado por esta mesma mídia, fazendo o Brasil sair de pires na mão mendigando empréstimos para pagar as contas de curto prazo ou rolar as dívidas, reduzindo cada vez mais a credibilidade. Os ‘especialistas’ que criticam as ações do Lula são sempre desmentidos pelo sucesso e têm que enfiar o rabo entre as pernas, mas parece que não criam vergonha e continuam a criticar e a quebrar a cara, perdendo cada vez mais a credibilidade, como se pode sentir pelos comentários deste próprio blog

  13. Comentou em 22/09/2007 Gabriel Sitônio

    Finalmente a mídia assumiu que o que se escreve é para atingir LULA. Se eu já não estava dando mais crédito para a ‘grande’ mídia, agora que pra mim não valem mais que um bloguinho na internet. Pela primeira vez aqui no Brasil, o editor do Estadão assumi: [o que até o mais ANTI-LULISTA dos grandes jornais brasileiros, o Estado, reconheceu recentemente] (o Bolsa Família).

  14. Comentou em 22/09/2007 Marcelo Vargas

    Sr. Weis, o sr. defende a imprensa brasileira como quem defende a si próprio. Essa é a única conclusão que posso tirar de seu texto, porque o quadro que vejo é outro. É o estrato mais poderoso e de maior penetração da mídia tomando partido contra o Governo, e hipocritamente se declarando isenta. E quando criticada, tenta infantilmente virar o jogo dizendo-se injustiçada, dizendo que não pode mais ‘falar a verdade’, dizendo que Lula é ‘protegido’ e outras idiotices do gênero. É triste ver que esse tipo de pensamento e de atitude encontra defensores que nem ficam corados ao assumir essa posição.

  15. Comentou em 22/09/2007 Marcio Peralta

    O jornalão carioca, guardião mor da ética e da moral da Tradicional Familia publica hoje uma surpreendende entrevista com o filho do Caciola concedendo-lhe espaço para desancar a justiça e o governo brasileiros (Circo é o termo utilizado pelo filho do foragido). Em matéria anexa, insinua que a Procuradora Geral do Principado criticou a viagem do Ministro da Justiça, com interpretação própria e peculiar . (colonizada e subserviente)
    Em pequena matéria sobre ‘melhores lugares para viver’ a fonte citada é a fascitoide Reader´s Digest, bíblia sagrada das viuvas da ditadura militar. (credibilidade zero para tal pesquisa)
    O resto da edição é o de sempre: . Bons colunistas ( especialmente Cruvinel, Zuenir, Verissimo e até a Miriam ,entre outros), não importa a ideologia, perdidos em um mar de reportagens confusas, editadas panfletariamente, sem compromisso factual

    É difícil acreditar em jornalismo crítico lendo coisas parecidas diáriamente nos jornalões. A gorilada do regime militar acusava de subversão a imprensa miúda pois os jornalõe, especialmente o carioca, a apoiavam . As honrosas exceções foram individuais, de jornalistas corajosos que sofreram na carne perseguições inclusive de seus editores e patrões.

    Testar hipóteses ( a mais nova é que a extradição de Caciola pode ser recusada caso ocorra entendimento de perseguição política) é um exemplo de bom jornalismo?

  16. Comentou em 22/09/2007 Fernando Trindade

    Caro Weis,

    Com todo o respeito, este seu artigo não honra o excelente jornalista que você é. O que Lula disse é a realidade evidente. A propósito, as notícias sobre o Governo Lula na mídia estrangeira (junto com as pesquisas de opinião) serviram – ali na passagem de 2005 para 2006 – para que eu começasse a perceber que o que a mídia nacional dizia do Governo não batia com a realidade. Ainda anteontem li editorial do jornal liberal-conservador espanhol ABC que, entre outros elogios a Lula, dizia do seu papel estabilizador e positivo no contexto da ALatina (o ABC , como a mídia daqui, não gosta de Chávez, nem de Morales), coisa que nunca li nos jornalões, que pelo contrário fazem tudo para ligar Lula a Chávez. Ademais o final do seu artigo não merece comentários, é simplesmente ridiculo, voce se igualou ali ao que você chama ultradireita. Espero que você reavalie a sua posição. At. Fernando Trindade

  17. Comentou em 22/09/2007 Carlos Américo Chaves Nogueira

    Da mesma maneira que você não viu dar no New York Times que o mensalão não existiu eu também não vi nenhuma matéria dizendo que existiu.
    Vejo hoje na imprensa brasileira não somente má vontade, mas também má fé, desrespeito e um patrulhamento com relação aos profissionais. Para quem trabalha na grande imprensa é quase impossível falar uma linguagem diferente da dos donos do jornal ou seja lá qual meio for. Dar uma notícia positiva do Brasil soa como um crime, e falar algo positivo do governo é praticamente assinar o pedido de demisão. O medo e a coação tomaram conta das redações.
    Cada notícia positiva do Brasil vem sempre acompanhada de uma adversativa. Tipo: O desemprego diminuiu, mas o Brasil ainda tem não sei quantos milhões na informalidade. Ou: A miséria teve uma redução, porém blá blá blá. Ou ainda: O Brasil, vai crescer tantos %, mas menos que , Haiti, e se continuar crescendo a infra-estrutura não vai suportar. Temos que privatizar já.
    Reparem bem, uma notícia boa vem sempre com um mas e uma notícia boa do governo vem sempre acompanhada de uma nova denúncia da Veja de corrupção.
    E o tratamento dado ao mesmo assunto, porém, com protagonistas diferentes é um ótimo exemplo para observarmos a parcialidade de nossa mídia. Mensalão do PT. Mensalão mineiro. Ou: O TSE quer cassar mandato de deputado petista por compra de votos. O TSE acusa Rodrigo Maia de suposta …….

  18. Comentou em 22/09/2007 Fábio José de Mello

    ‘Jornalistas que não tentam criar dificuldades, mas apurar as verdades, por mais difíceis que possam ser para os donos do poder…’. Que donos do poder? Poder dos (tu)barões da mídia e seus corruptos de estimação? Quem ousaria hoje descer a lenha no presidente José Serra? O imprensalão é cínico. Graças aos deuses nós temos a internet. Antes dela era um suplício – não tínhamos acesso à imprensa estrangeira, que critica, sim, mas não é golpista, não distorce, não deturpa e não se comporta feito um partido político.

  19. Comentou em 22/09/2007 Marcelo Ramos

    Como ando meio sem paciência para textos mais elaborados, gostaria, por enquanto, de elogiar os textos do Alfredo Sterheim e do Cid Elias. Não só trazem informação importante mas mostram que o presidente está certo quando se refere à nossa imprensa. E o momento econômico do Brasil ainda vai melhorar mais. Com as recentes altas do petróleo e os recentes acordos de venda de etanol, o Brasil tem chance de ser uma referência em fontes de energia renováveis.

  20. Comentou em 22/09/2007 Fábio José de Mello

    Pois ele está certíssimo.

  21. Comentou em 22/09/2007 janes salete

    Desculpe senhor, mas hoje o jornalismo da grande mídia, para mim ,passou a ser um profissãozinha que só oferece espetáculos bizarros. Extremamente partidária, a mídia, apoiadora do estado mínimo para o povo, usufrui vergonhadamente dos cofres públicos, me privando de saúde, educação pública e tenho que pagar por esses direitos, exorbitantes valores para obter quase ou nenhuma qualidade nos serviços privados e ou privatizados.Como hoje vocês exigem do atual governo, que não sucateou nada, serviços públicos de qualidade se vocês sempre apoiaram o sucateamento desses serviços? Pelo menos tentem ser coerentes!Na verdade a mídia nunca será democrática, sempre será escrava do dinheiro de quem quer seja, mas esse alguém tem que ter dinheiro.

  22. Comentou em 22/09/2007 Regina Chaves

    Concordo totalmente com o Presidente Lula. A imprensa brasileira é indecente !! Os jornalistas brasileiros, da ‘grande mídia’, vivem muito longe do Brasil real. Há muita gente voltando aos estudos, fazendo os exames do Enem para voltar a cursar uma faculdade, por conta do PróUni. Pessoas que adiaram um projeto, um sonho, agora estão podendo realizá-lo. Existem pelo país todo, os Pontos de Cultura, que levam a cultura popular, regional, como capoeira, música, teatro, etc.., acontecendo nas escolas, nas praças dos bairros, lá na Amazônia, para as populações ribeirinhas. E aí? Cadê a imprensa mostrando isso?
    E tudo acontecendo no governo do analfabeto !!

  23. Comentou em 22/09/2007 Jose Manuel Silva silva

    Luiz, minha intencao nao foi simples. Perguntei o que vc acha. Nao o que esta certo ou errado. Mesmo porque, ser a favor ou contra alguma coisa, um ponto de vista ou alguem, nao entendo como certo ou errado. Além disso, hoje em dia, mesmo com a dificuldade da generalizacao e a tenue linha que separa opinioes binárias, acredito que seja possivel pensar em respostas simples. De qualquer forma, obrigado pelo seu posicionamento.

  24. Comentou em 22/09/2007 Célio Mendes

    Weis,
    Vamos dar uma comparada entre o comportamento da imprensa estrangeira e a nacional, nos anos do Clinton como presidente lá nos EUA descobriram que ele tinha fumado um charuto preparado pela estagiaria e não deu outra foi parar em todos os jornais, na mesma época a imprensa nativa sabia que o presidente tinha um filho não reconhecido fora do casamento e como se houvesse um acordo geral entre todos os veículos (poderíamos chamar de complô?) nem uma linha foi publicada sobre o assunto, justiça seja feita uma pequena publicação chamada ‘Caros Amigos’ salvou a honra(?) de nossa valente mídia, foi preciso o advento dos blogs para que essa noticia ganha-se espaço e eu um consumidor do produto fornecido por você e seus colegas tivesse acesso a essa informação, poderia até se argumentar que isso é um assunto particular do ex-presidente e sua ex-amante, porem argumento idêntico se aplica ao Clinton e a estagiaria, alem disso recentemente ficamos sabendo quais os sinais que um auxiliar do Lula faz na frente da televisão, também o que os ministros do supremo enviam a outros através de seus terminais e inclusive o que falam quando almoçam com particulares, por isso essa história de ‘Jornalistas que não tentam criar dificuldades, mas apurar as verdades, por mais difíceis que possam ser para os donos do poder’ simplesmente não cola.

  25. Comentou em 22/09/2007 Hélio Lima

    Mais uma vez fica claro que a imprensa, parte dela, representando aqueles que são mais ricos e influentes, não consegue aceitar que um operário seja o líder, um dos mais brigadores de toda a história brasileira, de um país que sempre foi ‘chefiado’ por gente sem nenhuma vontade de lutar pelos mais pobres, aqueles que devem ser realmente chamados de brasileiros. O que mais me entristece é que o Brasil deveria ser maior que tudo isso, que qualquer luta entre interesses próprios, mas não é. O que vale mais é o torcer contra, torcer para que não dê certo, mostrando, assim, toda a mesquinhez e pequenez de uma classe rica e, por enquanto, ainda dominante.

  26. Comentou em 22/09/2007 Eduardo Lettieri

    Um exemplo para alimentar a discussão.
    Fato: percepção da melhora na economia brasileira por empresários espenhóis.
    Versões
    El PAIS – Los empresarios se vuelcan en elogios a la gestión de Lula y apoyan su plan de desarrollo

    ESTADAO – Espanhóis se queixam da burocracia no País

    ÍNTEGRA – http://reacaoadversa.blog.terra.com.br/oleo_de_ricino_de_bacalhau

  27. Comentou em 22/09/2007 roberto alves vieira

    eu admiro demais o senhor e respeito profundamente a sua inteligencia…mas o que a grande imprensa quer mesmo é derrubar de vez o lula e o pt…nos aqui emminas gerais nao temos meia duvida a respeito disso…

  28. Comentou em 22/09/2007 Marco Antônio Leite

    Tem um inocente útil que acredita em elogio de revistas, jornais e similares estrangeiros, os quais enaltecem a economia do Brasil. Jovem radical, a elite nacional e internacional esta satisfeita com esse governo, pois elle vem governando somente para os capitalistas de sempre. Tenha certeza disso, caso essa gente não estivesse ganhando muito dinheiro, a esta altura do campeonato já teriam colocado a boca no trombone, bem como teriam organizado grandes passeatas populares, Como esse pessoal exerce o verdadeiro poder, elles tem, também, o poder de influenciar a opinião pública para forçar um conflito entre a massa miserável e o governo do seu padrasto Lulla da Silva. Mude esse discurso, será que ainda não percebeu qual é o jogo desse governo , o qual vive em conluio com a elite econômica.

  29. Comentou em 22/09/2007 Alexandra Garcia

    O presidente espelhou a realidade. No que diz respeito à economia a imprensa estrangeira tem dado mais destaques positivos do que negativos para este governo, enquanto a imprensa nacional, está ai a Mirian Leitão, o Bom Dia Brasil e a CBN inteira para quem quiser constatar, preferem destacar os aspectos negativos. Se fizessem o mesmo em relação ao governo de São Paulo, nas mãos do PSDB desde a era Montoro, ainda vá lá. Mas a preferência pela critica sistemática e negativista contra o governo Lula é tão notória, que só um cego não percebe.

  30. Comentou em 22/09/2007 Carlos Pereira

    Dificl se contrapor ao que disse o mais ilustre metalúrgico do Brasil. A imprensa em nosso País é livre e pode aderir a qualquer partido. O que se pede é isenção. Que imprensa é esta?

  31. Comentou em 22/09/2007 alfredo sternheim

    Um equívoco. A imprensa não falava mal da gorilada militar por uma única razão: não podia falar mal. Mas agora, com democracia, o que vemos nos grandes jornais do eixo Rio/SP são matérias tendenciosas e pessimistas contra o governo Lula. Dificilmente apontam acertos quando falam das pesquisas ao seu favor, não faltam articulistas arrogantes que desqualificam o eleitor de Lula como ignorante. Não se trata de concordar com tudo o que o governo federal faz, mas respeitar o presidente. A falta de respeito de nossa imprensa com Lula ficou patente no episódio Larry Rother , quando o fofoqueiro americano recebeu mais solidariedade do que o presidente , e mais recentemente na tragédia do avião da TAM quando surgiram manchetes tipo governo assassino. Nos dias de hoje a opinião e a informação estão se mesclando de maneira perigosa, com mais ênfase na opinião. Há mais indignação de articulistas com atos de gente ligada ao governo (a dança da deputada) do que aqueles da oposição (Jeirissati usar termos homofóbicos no plenário).Isso sem falar na blindagem de situações que respingam em governos não petistas: caso das 22 chacinas acontecidas em 2007 em SP Lula pode ter exagerado na expressão ‘ O Brasil não pode aceitar’ . Eu diria que os leitores não podem aceitar esse tratamento parcial. É de doer. Devem reagir rompendo assinaturas, protestando. Lula deu sua opinião. É um direito dele

  32. Comentou em 22/09/2007 Washington Ferreira

    Luiz Weis é uma aluno aplicado da escola dos não-observadores da imprensa. Aliás, parafraseando alguém que já assinalou a observação neste OI, a exemplo do extinto Observador, Weis não ofende a gente mas ofende a nossa inteligência. Dizer que a gorilada do regime militar acusava a mídia de impatriótica e de fazer o jogo da subversão é subestimar o nosso conhecimento do papel fundamental que um segmento da mídia (para citar apenas um), as Organizações Globo, desempenhou no golpe de 64.

    Não bastasse isso, o sr. Weis quer nos passar a impressão de que a imprensa internacional referenciou o tal ‘mensalão’ em suas páginas a partir de investigações próprias, quando meramente reproduziram em seus veículos noticiosos o que os órgãos de imprensa daqui veiculavam. Ou The Economist, The Guardian, Le Monde ou o El País enviaram correspondentes para cá para a realização de matérias próprias?

    Agora, cá entre nós sr.Weis: se quisermos saber o que o mundo pensa de nós não temos mesmo que ler os jornais e revistas estrangeiros? Ou vou ter que ler a Veja?

    Quanto ao pessimismo da imprensa nacional, realmente o presidente se enganou. A imprensa nacional não é pessimista, simplesmente não consegue registar nada de positivo das ações do governo. E quando registra, sempre tem o famoso ‘mas…’

    Por favor, não nos trate como estúpidos. Já basta o Dines.

  33. Comentou em 22/09/2007 Max Morel

    Realmente, prezado Jornalista Weis, é de assustar essa frase ‘…o Brasil não pode aceitar …’ ; ela nos remete aos duros tempos da ditadura; e deixa entrever o viés autoritário do ex-sindicalista e atual presidente.
    Por outro lado, as suas expressões no texto: ‘..ultradireita ….. um dos seus blogueiros mais vociferantes…’ também não são um exemplo de primor. Sei que o Jornalista se refere ao Jornalista Reinaldo Azevedo, o qual tem uma postura crítica em relação ao lulo-petismo e ao próprio Lula, e que vem prestando um inestimável serviço à democracia e à liberdade de expressão no Brasil. sempre batendo, com argumentos lógicos e com fatos, os erros e desmandos deste governo e deste partido.
    Não, o pres Lula não gosta da midia e principalmente da imprensa escrita destepaiz; ele está acostumado somente com a claque aduladora.
    Com relação à situação econômica do país, ela está indo razoavelmente bem, APESAR do (des)governo Lula; ao qual falta apetite para administrar e gerir, mas não falta apetite para falar, falar, falar, viajar, viajar, viajar, aproveitar o bem-bom do cargo: melhores hotéis, comidas e bebidas de primeira, gastos nos cartões corporativos sem limites, tudo com o nosso dinheiro.
    Espero um dia ter um presidente que dê o exemplo de austeridade, honradez, honestidade, integridade e trabalho

  34. Comentou em 22/09/2007 Silvano Carvalho

    Caro jornalista, gostaria que ver sua resposta ao leitor Cid( quer mais?.
    Abraços.

  35. Comentou em 22/09/2007 Paulo Bandarra

    Pois é Luiz, imagina se a mídia de fato seguisse perseguindo todas as mazelas do país! Ele ia se mata decerto. Só no transito uma cifra anual de mortes que a guerra do Vietnã levou dez anos para atingir! Mas a mídia internacional ignora o que ocorre dentro dos países mesmo! O’milagre econômico’ era visto aparte do que internamente se enxergava! Nada de novo!

  36. Comentou em 22/09/2007 Fabio Passos

    Minha opinião é de que a imprensa brasileira é um lixo. FSP, Estadão, Globo e Veja-Naspers são instrumentos de propaganda da minoria rica e inescrupulosa. O objetivo destas publicações bizonhas é sustentar o apartheid social brasileiro. São sistemáticamente contra toda e qualquer ação que promova justiça social. Civita, Marinho, Frias e Mesquita são uma oligarquia atrasada e anti-democrática.

  37. Comentou em 22/09/2007 EDUARDO PEIXOTO ARAUJO Peixoto

    Não sou fã do Lula e acho que tanto ele quanto o PT, frustraram muitos seguimentos da sociedade, sobretudo do quando se fala em políticas sociais sérias. Contudo, é perceptível que existe nessa ‘imprensa’ brasileira uma má-fé escancarada quando o assunto é governo federal e suas politicas, tal se dá, pela falta de sintonia que essa gente tem com o Brasil e as escolhas do seu povo (boas ou ruins). Esclareço, que há muito tempo essa ‘imprensa’ não é mais vista como imparcial e informativa, pois está reduzia há uma mídia partidária de uma ‘voz só’, que só sabe zombar da inteligência do povo brasileiro.

  38. Comentou em 22/09/2007 Eduardo Panda

    O Lula tem uma mágoa da imprensa nacional. Essas estocadas nao sao à toa. Digo até que ele tem uma certa razao pois foi vítima de julgamentos apressados e de má-fé da mídia nacional (os grandes grupos), bastante reacionários nas suas posições. A questão não são as críticas ou os elogios (devem ser feitos). A questão é como eles são feitos. É possível dizer que o Brasil está melhor? Então deve se dizer. Do contrário não estaremos sendo honestos. Sei que não é uma questão simples, não é só dizer: estamos melhores. Mas devemos reconhecer que houve avanços. Sim, alguns veículos até já reconheceram isso. Mas você não vai ver nunca, eu disse NUNCA, isso como capa de uma Veja, ou chamada de um JN (pelo menos no que se refere ao Lula). Cito tais veículos em nome de todos os outros também poderoso e que têm grande poder de alcance nos lares brasileiros. Não precisariam rasgar loas ao governo, mas se trouxessem críticas construtivas já ajudariam bastante, porque nas destrutivas são verdadeiros craques.

  39. Comentou em 22/09/2007 Marco Antônio Leite

    Tem um inocente útil que acredita em elogio de revistas, jornais e similares estrangeiros, os quais enaltecem a economia do Brasil. Jovem radical, a elite nacional e internacional esta satisfeita com esse governo, pois elle vem governando somente para os capitalistas de sempre. Tenha certeza disso, caso essa gente não estivesse ganhando muito dinheiro, a esta altura do campeonato já teriam colocado a boca no trombone, bem como teriam organizado grandes passeatas populares, Como esse pessoal exerce o verdadeiro poder, elles tem, também, o poder de influenciar a opinião pública para forçar um conflito entre a massa miserável e o governo do seu padrasto Lulla da Silva. Mude esse discurso, será que ainda não percebeu qual é o jogo desse governo , o qual vive em conluio com a elite econômica.

  40. Comentou em 22/09/2007 Jedeão Carneiro

    ‘Lula tem razão’. Uma frase simples, mas ‘indizível’ nas redações. As consequências todos já sabem.

  41. Comentou em 22/09/2007 Alexandre Machado

    Oi Sr. Luiz,
    quanto tempo…bem-vindo de volta. Acharam a Madeleine? Estou torcendo por ela e pelas 40 mil crianças brasileiras que sesaparecem todos os anos.
    Tem notícias do Azeredo e do Cacciola para nós?
    Esperamos ansiosamente.

  42. Comentou em 22/09/2007 Ivanilson Alves

    rmymb

  43. Comentou em 22/09/2007 Jose Manuel Silva Silva

    Luiz, uma pergunta simples: voce acha que a imprensa no Brasil é parcial e anti Lula? Uma resposta simples, um sim ou um nao. Por favor.

  44. Comentou em 22/09/2007 Antonio Carlos Silva

    O que Lula quis dizer e está claro para qualquer pessoa lúcida, é que, esta podre mídia não faz uma cobertura honesta da real situação do País . Será que está tão difício para estes ‘jornalistas’ perceberem ? .

  45. Comentou em 22/09/2007 Henry Fulfaro

    É… Diante dessa explicação, melhor teria dito o presidente que a imprensa, tanto lá, como cá, é economica no elogio e pródiga na critica – Mas as críticas não deixam de ser um avanço. Antes não falavam nada; sequer lembravam que nós existimos, e quando o faziam era para destacar algum fato absolutamente negativo, como o mulherio do carnaval carioca, índios incendiados, desmatamento… Hoje, pelo menos apontam o que há de bom, o que foi conquistado pelo governo Lula, e o que há de mal, da criação do mundo aos dias atuais.

  46. Comentou em 21/09/2007 Cid Elias

    Mais um ponto pro Lula! Sobre isto que ele falou, há exemplos aos montes. Vai um deles, pra quem tem dúvida:’Brasil é melhor exemplo da nova estabilidade da América Latina, diz Economist – 23/08 – 16:24 – A edição da revista britânica The Economist publicada nesta quinta-feira afirma que o Brasil é o ‘mais claro exemplo da recém descoberta estabilidade financeira da América Latina’. No artigo Um ‘dar de ombros’ e não um arrepio, a revista diz que os investidores internacionais parecem compartilhar a ‘atitude radiante’ do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tem descartado uma crise no Brasil em decorrência das turbulências nos mercados financeiros globais.´´ Weis, o estadão deu alguma manchete a respeito? Não lembro…Lembro bem do que o estadão e pares falavam quando o Lula viajava pelo mundo buscando, entre outras coisas, parceiros COMERCIAIS em todos os continentes, até em ‘países antipáticos’. Lembro colunistas, ôps, calunistas raivosos, suas sandices de que ele não trabalhava, que o pobretão agora queria conhecer o mundo às custas dos brasileiros, as tais gafes imperdoáveis, etc. Aí, vieram os frutos, os sucessivos recordes nas transações comerciais, e então? Calados ficaram, embora com a língua chamuscada. Queres mais Weis, eu mando. Grato

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem