Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1006
Menu

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Mais peças no quebra-cabeça

Por Luiz Weis em 13/09/2008 | comentários

Semana passada foi a IstoÉ que revelou a contratação de um ex-agente do SNI, Francisco Ambrósio do Nascimento, para trabalhar na Operação Satiagraha do delegado PF Protógenes Queiroz.


Agora a Época informa que o delegado recorreu também ao serviço de Inteligência do Exército – no caso, para checar se um oficial da Arma foi aliciado para trabalhar para Daniel Dantas.


Assim como confirmou a participação do araponga aposentado do SNI, Protógenes confirma o contato com os militares – especificamente, com o comandante do Exército, general Enzo Peri.


O general “colocou o gabinete para cuidar do assunto”, é o que a Época diz que o delegado lhe disse.


Só que o Exército desmente “participação institucional com a Polícia Federal na operação citada”.


O que deixa aberta a possibilidade de “participação não-institucional”.


Algo no gênero do encontro que teria ocorrido no começo do ano num café próximo da sede da PF em Brasília. Sentaram-se a mesma mesa um major da Aeronáutica, que já trabalhou para o serviço secreto da Arma; um sargento também ligado à chamada “comunidade de informações” da área militar; o araponga do SNI; e o delegado Protógenes.


Segundo a revista, foi a partir desse encontro que o delegado decidiu integrar Ambrósio à operação.


Por que, não se sabe. Como tampouco se conhecem os antecedentes do encontro.


A cada novo ciclo noticioso sobre o quebra-cabeça posto à mesa com a história do grampo de uma conversa do presidente do Supremo Tribunal, a impressão não é de que as peças vão se encaixando, mas que aumenta o número de peças a encaixar.


Tome-se a informação do jornalista Rui Nogueira, no Estado de sexta-feira (12/9), de que o presidente Lula decidiu tornar definitivo o afastamento temporário do chefe do serviço secreto brasileiro, a Abin, delegado Paulo Lacerda.


Para o jornal, a decisão foi motivada pela revelação de que a Abin emprestou 52 agentes a Protógenes para trabalhar na Satiagraha – mais que o dobro dos 23 federais envolvidos com a operação.


Seria impossível isso acontecer à revelia de Paulo Lacerda – a quem Protógenes é ligado pelo menos desde quando ele chefiava a PF.


E Lacerda teria que dar essa informação ao seu superior, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Felix.


Segundo o ministro da Justiça, Tarso Genro, citado pela Folha, “basta que um [agente da Abin] tenha participado da investigação para que fique caracterizada uma situação irregular”. A Abin não foi criada para ter funções policiais.


E o afastamento definitivo? Em Genebra, onde chegou para participar de um seminário sobre violência, o ministro da Justiça, Tarso Genro, foi informado da matéria exclusiva do Estado pelo correspondente do jornal Jamil Chade.


Checa daqui, checa dali, Genro voltou ao repórter com a hipótese de que a decisão – se é que foi tomada – não teria partido do presidente, mas do ministro Jorge Felix.


O que leva a supôr que a fonte do Estado foi o próprio, para criar, talvez, uma situação sem volta para Lacerda [que foi parar na Abin, aliás, apadrinhado pelo ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos].


Ainda não acabou.


O Globo também foi atrás do presumível furo do concorrente paulista. Apurou, também provavelmente junto ao ministro Felix, que o presidente Lula negou “que já tenha decidido afastar Lacerda definitivamente”. Ele estaria na marca do pênalti, dependendo do que mais aparecer sobre a parceria da Abin com a PF.


Aí a saída de Lacerda seria a senha de Lula para a reformular a agência, sob um novo comando.


Com todos esses novos desdobramentos ocupando espaço na imprensa – e não é que não devessem ocupar –, vai resvalando para o esquecimento o problema de fundo do rolo todo:


Quem – e para quê – vazou o grampo no telefone do presidente do Supremo?


Em relação a isso, continua-se na estaca zero. E sem isso, o quebra-cabeça continua aberto.

Todos os comentários

  1. Comentou em 22/09/2008 Cristiana Castro

    A nossa mídia vai de vento em popa mesmo, qdo tudo parecia não poder piorar, somos presentados com um gibizinho de quinta categoria como a Veja, pautando, absolutamente, toda a mídia. Há pelo menos 5 anos, a Veja levanta para o resto cortar. Siceramente, eu tenho vergonha pelos senhores, nem a população leva a Veja a sério e, se a pior revista do país está dando as cartas, sugiro que coloquem as crianças em suas redações. Chega a ser deprimente.

  2. Comentou em 16/09/2008 Menjol Almeida

    O OI faz política partidária, como toda a grande imprensa do Brasil. E isso só percebe quem tem olhos para ver. ]

    Nota do Editor: Política partidária?? Desculpe, mas o prezado leitor não entendeu patavina. (L.E.)

  3. Comentou em 16/09/2008 Menjol Almeida

    Eu acredito que agir de má fé é não questionar a imprensa. Ultimamente os grandes grupos de mídia do Brasil passaram não apenas a acobertar os crimes de seus queridinhos, mas também a participar desses crimes. E este observatório não tem observado muita coisa, e ainda faz coro com a imprensa criminosa. Foi assim no caso das propinas da Alstom, da Asbace, desvio de verbas da CDHU, cratera do metrô de São Paulo, e assim como vários outros casos. Quantas vezes os ‘observadores’ do OI, especialmente o sr. Alberto Dines, tocaram nestes assuntos. Simplesmente não tocaram, simplesmente fingem que não existem, exatamente como fazem Estadão, Folha, Globo, Abril, etc. Daniel Dantas é o queridinho da mídia sim, e o OI não questiona esse fato. Nunca li, e provavelmente jamais lerei, um artigo do Dines questionando o fato de a revista Veja participar dos crimes de Daniel Dantas. O OI acredita até mesmo nas matérias publicadas por uma revista que pertence a Daniel Dantas, a Istoé, basta ler um dos últimos textos do Dines. Sinto muito, isso tudo é muito lamentável. Talvez seja a hoje de abrir o Questionatório da Imprensa. Só observar e não questionar não está dando muito certo.

    Nota do Editor: O leitor pensa que o Observatório é o seu editor-responsável, Alberto Dines. Não percebeu ainda o caráter plural do OI. E não se dá o trabalho de constatar que muito provavelmente este é o veículo jornalístico brasileiro que mais críticas e questionamentos publica sobre si próprio. Mas isso só percebe quem tem olhos para ver. (Luiz Egypto)

  4. Comentou em 16/09/2008 ubirajara sousa

    É só estudar um pouco o histórico da maioria desses jornalistas que hoje estufam o peito e escrevem o que bem entendem, para observar quão antagônicos são o comportamento que hoje excercitam e o da época da ditadura. Ainda bem que sou daquela época e tenho boa memória.

  5. Comentou em 16/09/2008 Rubens Prector

    Vou abrir uma comunidade no Orkut com o nome: c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? Mas respeirarei os direitos autorais!

  6. Comentou em 15/09/2008 Ivan Moraes

    1-‘se o mesmo empenho, o mesmo furor investigatório fosse aplicado na execução das outras verdadeiras atribuições da PF, e assemelhados, muito da criminalidade assassina que hoje domina o país seria bastante reduzida’: mentira, o judiciario esta no caminho da justica brasileira, e ela nao funciona , exceto pra pretos, pobres, e prostitutas, porque o judiciario nao deixa. 2-Entao quer dizer que delegados ‘aparentes e os ocultos’ fizeram uma trama que envolvia ‘Polícia Federal, ABIN, Serviços Reservados da Marinha, Aeronáutica, Exército, arapongas aposentados e da ativa, juízes ‘ideológicos’, procuradores, jornalistas chapa-branca’ pra derrubar o pobre coitado do Daniel Dantas? Por favor repita isso mais uma vez. Eu nao li direito a primeira. Nao consegui parar de rir.

  7. Comentou em 15/09/2008 Célio Mendes

    Entre outras valiosas contribuições da operação Satiagraha para o país, talvez a maior seja que agora ficou fácil identificar onde estão os defensores de Dantas no executivo, no legislativo, no judiciário e principalmente na gloriosa mídia brasileira, não estão mais conseguindo disfarçar, na verdade não estão nem tentando. A propósito, e a tentativa de suborno ao delegado? Alguém ainda se lembra que aconteceu? Ou terá sido apenas a imaginação de milhões de brasileiros uma espécie de alucinação coletiva? Na minha opinião ele devia ter aceitado, políticos, juízes do supremo e jornalistas estariam mais felizes e todos poderiam manter o discursinho hipócrita de moralidade sem ter que cair em contradição perante a opinião publica, mas não tem problema o povo esquece rápido ainda mais se ninguém mais tocar no assunto e passar a falar de algemas, grampos, cigarros do presidente e etc.

  8. Comentou em 15/09/2008 Hélcio Lunes

    É isso aí, mesmo! Ilegalidade é ilegalidade e acabou. A PF contou com 27 agentes próprios e 52 arapongas de orelhas grandes da ABIN! ILEGAL. Protógenes Queiroz OMITIU tudo o que de importante havia, de seus superiores! INDICIPLINADO. Além de tudo incompetente! Por sua (de Protógenes) incompetência, volúpia punitiva, desejo de se vingar, cometeu um monte de ilegalidades, agindo nas sombras com o sub-mundo da arapongagem, vai acabar livrando a cara de Daniel Dantas. Isso qualquer estudante de Direito do segundo ano sabe! Prova obtida ilegalmente não pode ser aceita.

  9. Comentou em 15/09/2008 Rita Martins

    ‘Nota do Editor: É de clamorosa má-fé sugerir vinculação deste Observatório a Daniel Dantas. O leitor deveria consultar a história do OI. (Luiz Egypto)’ Senhor editor, pode até parecer má-fé, mas o OI também parece engolir qualquer coisa que sai na imprensa a respeito desse caso. E as outras perguntas? Onde estão as provas do grampo? As provas que facilitariam descobrir o autor? Por que a imprensa não diz nada a respeito de um juiz do supremo que conta pra todo mundo como vai votar? Será que o Oi não percebe a tentativa desesperada de desviar o foco e livrar a cara do Dantas?

    Nota do Editor: A prezada leitora tem de fato lido o que o Observatório tem publicado a respeito desse caso? (Luiz Egypto)

  10. Comentou em 15/09/2008 Carlos N Mendes

    É isso aí. A culpa é da polícia. Por investigar. Impresssionante campanha de desmoralização. Solicitemos um check-up geral nas 30 últimas operações da PF – com certeza, tamanho arrazoado de erros não ocorreu somente durante a Satiagraha. Esse Daniel Dantas realmente deve ser o cerne da questão brasileira. Vale tudo para salvá-lo : habeas corpus seriais, proibição de algemas, ‘grampos’ em ministro do STF, afastamento de delegado, desqualificação da importância de Dantas como homem poderoso, uso de jornalistas opinativos, empastelamento da metodologia da Polícia Federal, colocação de pessoa ligada ao réu em cargo-chave, mala de escuta que não escuta, meu Deus, como é bom ter amigos… Nunca na história deste país tantos pagaram tantos favores a tão poucos…

  11. Comentou em 15/09/2008 Hélcio Lunes

    Nunca antes ‘nessepaiz’ uma operação comandada(?) pela PF teve tal grau de ferocidade, desvio de função, conspiração, atuação no limite da legalidade como a tal de ‘Satiagraha’ que tinha como objetivo nominal destruir o banqueiro Daniel Dantas, mas, hoje vemos, foi muito além do que isso.
    Os delegados que a comandaram (os aparentes e os ocultos) envolveram as instituições e seus agentes numa verdadeira guerra de vale tudo, onde se atropelaram os mais comezinhos princípios e ordenamentos que deveriam nortear uma ação do estado.
    Numa associação prá lá de heterodoxa que envolveu a Polícia Federal, ABIN, Serviços Reservados da Marinha, Aeronáutica, nExército, arapongas aposentados, arapongas da ativa agindo na ilegalidade, juízes ‘ideológicos’ do direito achado nas ruas, procuradores coniventes e comprometidos, jornalistas chapa-branca!Certamente, se o mesmo empenho, o mesmo furor investigatório fosse aplicado na execução das outras verdadeiras atribuições da PF, e assemelhados, muito da criminalidade assassina que hoje domina o país seria bastante reduzida. A PF é responsável (?) pelo policiamento de nossas fronteiras. Quantas armas, que quantidade de drogas e contrabando, tem sido apreendidos ultimamente pela Polícia Federal? .

  12. Comentou em 15/09/2008 ubirajara sousa

    Nota do Editor: O prezado leitor é adepto do discurso único, o único que lhe serve. A propósito, o OI não tem redação física. (Luiz Egypto) Senhor Luiz Egypto, a sua resposta diz muito mais do senhor do que o meu comentário possa dizer de mim mesmo. Quanto ao OI não ter redação física, isso não modifica em nada o meu discurso. Um abraço. (Ubirajara)

    Nota do Editor: Mantenho o que disse. (L.E.)

  13. Comentou em 15/09/2008 Carlos N Mendes

    Opiniões jornalísticas direcionadas. Provas intangíveis. Diálogo ‘grampeado’ inócuo. Crise em copo d´água. Críticas ferozes ao autor da investigação. Caçada aos que estavam prejudicando o réu. Presidente assustado nomeia ex-funcionário do réu para cargo-chave dentro do caso. Imprensa esquece o réu. Algema agora é crime. Grampo telefônico oficial não vale mais nada. A culpa é do policial, que não pode abrir a boca para se defender que logo recebe um contra-ataque. Imprensa graúda DEFINITIVAMENTE esquece o réu. Virado o jogo. Missão cumprida.

  14. Comentou em 15/09/2008 ubirajara sousa

    Eu gostaria de passar pelo menos um dia na radação do OI. Eles devem dar gargalhadas e gargalhadas em decorrência dos nossos comentários. Jornalistas sem compromisso com a verdade, buscam apenas manter ‘no ar’ um número substancial de visitas ao site capaz de garantir os subsídios da ‘Ford Foundation’, da Embraer e de outros possíveis. É uma pena que a nossa Imprensa tenha atingido o nível que atingiu. É uma pena que nomes com certo relevo tenham sido aplainados ao rés do chão. Contudo, como nada é estático: nem os governos, nem as pessoas, nem a imprensa, ainda tenho esperança de dias melhores. Ainda tenho esperança de novos bons jornalistas.

    Nota do Editor: O prezado leitor é adepto do discurso único, o único que lhe serve. A propósito, o OI não tem redação física. (Luiz Egypto)

  15. Comentou em 15/09/2008 Miro Junior

    Qualquer um com mais de um neurônio funcionando e que não tem nenhum interesse nesta história faz a mesma pergunta que não quer calar: A quem interessa isto? Soltaram o bandido duas vezes e despediram os mocinhos. Não há nada além de uma reportagem em uma revista que já deu até noticia de dna de boi misturado com a xá mate (boimate), e que hoje tem parte de se capital comprado por uma outra rede que apoiou o apartheid na África do Sul. Acho que os nossos jornalistas vivem em outro mundo, um escreve sobre o que o outro escreveu a assim por diante num trenzinho da notícia todos encaixadinhos uns nos outros.

  16. Comentou em 15/09/2008 Marcio Flizikowski

    Peraí, tem gente achando que em uma investigação policial, sigilosa, aliás, em que o sigiloso é sacrossanto, ao pedir informações e colaboração de outros órgãos, esse pedido de colaboração deve ser formalizado e, mais, motivado? Fico imaginando um memorando do delegado Protógenes encaminhado ao Ministro de Defesa relatando que eles estão realizando uma investigação envolvendo grandes nomes, inclusive do governo ou ex-servidores do governo atual, é explicando detalhamente as informações que ele precisa. É quase brincadeira. Sinceramente, estou perdido no tempo… durmi no paisa da impunidade e acordei em um estado policial. Em suma, quando é contra pobre, preto e p*** é um país de impundidade, mas quando é contra white collor é um, estado policial.

  17. Comentou em 15/09/2008 Menjol Almeida

    Sr. Mario Neto, o delegado Protógenes não só agiu na legalidade como colocou um par de algemas por duas vezes, no queridinho da mídia, este observatório inclusive, Daniel Dantas. Quem agiu na ilegalidade foi o presidente do STF que liberou o criminoso por duas vezes em 48 horas, porque lá no STF ele conta com ‘facilidades’, como o próprio criminoso andou dizendo, e que depois ficou bem claro.

    Nota do Editor: É de clamorosa má-fé sugerir vinculação deste Observatório a Daniel Dantas. O leitor deveria consultar a história do OI. (Luiz Egypto)

  18. Comentou em 15/09/2008 Menjol Almeida

    Sr. Luiz Weis, cadê o áudio do tal grampo? O sr. não sabe que Dantas é dono da IstoÉ ou finge que não sabe?

  19. Comentou em 15/09/2008 Ivan Moraes

    ‘c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o????’: quem tem garnatia juridica de impunidade para desaparecer com dinheiro, justica, direito, lei, e dever social sem deixar sombra de rastro eh a direita brasileira. P e r g u n t e a a d i r e i t a . P e r g u n t e a a d i r e i t a . P e r g u n t e a a d i r e i t a . P e r g u n t e a a d i r e i t a . P e r g u n t e a a d i r e i t a . P e r g u n t e a a d i r e i t a . P e r g u n t e a a d i r e i t a .

  20. Comentou em 15/09/2008 Ricardo R. A.

    c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o???? c a d ê o a u d i o????

  21. Comentou em 15/09/2008 Américo Leal Viana Leal

    Está claro, para mim, que o poderoso DD, não só manipula a mídia brasileira, como, também, influencia bastante certos escalões institucionais. O exemplo disso é toda essa celeuma que se criou em torno de uma operação da PF, que tentou desbaratar uma quadrilha, que agia sob o comando do chefão. Agora, todo mundo está preocupado com o tal ‘áudio’ e com a legalidade da Satiagraha. Enquanto isso, a quadrilha posa e desfila seu lindo sorriso de deboche das autoridades e da ‘banda sadia’ da população brasileira.

  22. Comentou em 15/09/2008 marcio luiz

    não entendi porque não pergunta a Veja onde estão as provas. Afinal, ela não afirmou ter muitas?
    Por que agora só se fala do suposto grampo se ele não está nem provado?
    O Observatório, com raras exceções, parece que segue a corrente de um setor dirigido da mídia e para de pensar.. perdeu a graça, definitivamente.

  23. Comentou em 15/09/2008 Edivaldo Melo

    As Forças Armadas fazem parte do sistema de inteligência. Se o delegado queria informações sôbre, aviôes ou navios iria falar com a Receita ???? Isso é mais uma das várias jogadas de DD. Mais claro, impossível. Uma semana é a Veja, na outra a Isto É e agora Epoca. E o aúdio ? Onde foi parar o aúdio ??

  24. Comentou em 15/09/2008 mario netto

    So existe umaverdade: Protogenes agiu no arrepio da lei, com sua operacao satiagraha rasgando varias paginas de nossa Constituicao.Agora nao adianta chorar.Se queisesse pegar o DDantas, que agisse na legalidade.

  25. Comentou em 14/09/2008 Pedro Pereira P

    Quem e pra quê vazou o grampo?
    Para destruir a ABIN, para desmoralizar a PF. para irritar o senado, para criar uma crise de estado, para que o lula troque toda a cupula da ABIn , PF e o general, para desmoraliza o Protogenes e o Juiz de sacntis, para destruir preceitos constitucionais elencados no art 5 da constituiçao,para desenterrar praticas e sujeitos do antigo SNI,
    para dar assunto e espetaculo para a mída, e a longo prazo para destruir jornalistas que fazem uma leitura errada e simplista do caso.Que tem o dedo e outras partes do corpo do DD nesta historia é fato.Mas se ele planejou toda consequencia no desenrolar da historia,talvez ela seja o proximo presidente da republica porque inteligencia e poder pra isso só mesmo com Rasputim dos tropicos.
    Sua pergunta já subentende uma resposta ,e deve ser algo parecido com esta que vc quer.

  26. Comentou em 14/09/2008 Rodrigo Santos

    Realmente, parece que o objetivo não é investigar o vazamento, mas sim desmoralizar uma outra investigação.

  27. Comentou em 14/09/2008 Jose de Almeida Bispo

    É incrível como o novo jornalismo de meu país consegue criminalizar o Estado por cumprir com sua parte no combate ao crime, para com isso livrar a cara da bandidagem. Parabéns, Weis, você está craque no assunto de fazer parecer que é para que assim o seja. Ou, como tão bem afirmou Faoro: ‘De qualquer modo, já que a previsão existe, em abstrato, fatalmente ocupará as fantasias dos conspiradores de sempre. Sobretudo se o governo falhar; se não falhar procurar-se-á fazer-lhe com que falhe, até pelo prazer de confirmar a profecia.’ FAORO, Raymundo. IstoÉ 1212. 23/12/1992. p.21, A Semana Final.
    Ou ainda como disse Ford: Qualquer cor, desde que seja um Ford preto. Ou seja O GRAMPO HOUVE!!! Cadê o áudio??????????

  28. Comentou em 14/09/2008 Fabiana Tambellini

    Tem uma coisa que o delegado Protógenes diz com a qual eu concordo. Cadê o áudio? Até agora só apareceu a transcrição do diálogo em papel. A gravação, que é a prova de que existe grampo, ninguém ainda apresentou…

  29. Comentou em 14/09/2008 Nora Cúneo

    ‘O problema de fundo do rolo todo’ foi ‘resvalado para o esquecimento’ pela crise(!?) dos grampos, como bem comenta Ivan Moraes.

  30. Comentou em 14/09/2008 Antonio Aligheri

    É inacreditável o poder de manipulação do Daniel Dantas; alguns ele consegue manipular diretamente, outros indiretamente.Controla uma CPI, tem algumas publicações e jornalistas no bolso, ‘costas quentes’ no supremo, e outras instâncias superiores, controla políticos de alguns partidos.Mas o objetivo principal ele conseguiu de maneira muito fácil, substituir no notíciário os seus crimes pela estória da grampolandia.
    Com o pleno aval e adesão da mídia meio confecça, é claro.

  31. Comentou em 13/09/2008 Ivan Moraes

    1-‘a impressão não é de que as peças vão se encaixando, mas que aumenta o número de peças a encaixar.’: Pelo contrario, a cada dia a Sathiagraha faz mais e mais sentido. Voce esta dando credito a uma ‘conspiracao’ que nao existe nem logicamente nem efetivamente. Nao da pra tucanada querer simultaneamente um Estado Policial e um Estado de Impunidade, eles sao mutualmente exclusivos. 2-‘Quem – e para quê – vazou o grampo no telefone do presidente do Supremo?’: MIL VEZES NAO! A pergunta investigativa eh ‘QUEM lucra com o vazamento?’ A resposta unica eh DANIEL DANTAS E O GRUPO OPPORTUNITY.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem