Sábado, 17 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº974

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Melhorou!

Por Luiz Weis em 26/11/2005 | comentários

Na mais austera das manchetes de hoje dos três principais jornais do país sobre os resultados amplamente positivos da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), do IBGE, o Estadão diz que “Brasil faz algum avanço”.

Dá para dizer o mesmo da qualidade da cobertura da imprensa do que certamente constitui o melhor panorama da variação, ano a ano, das condições de vida da população brasileira.

Isso, embora a manchete da Folha tenha afirmado que “Ricos ficam mais pobres” (na primeira página) e “Rico empobrece” (na primeira página do caderno especial dedicado à pesquisa).

Até parece. O que aconteceu com os ricos, segundo a PNAD, foi que eles ficaram um pouquinho menos ricos: queda de 0,7% na renda do 1% mais rico dos brasileiros e de 2,2% na renda dos 5% mais ricos. Entre isso e ficar “mais pobre” ou “empobrecer” vai um abismo.

O Globo também poderia ter sido mais moderado na manchete, que parece ter saído diretamente do último programa de propaganda do PT (e com certeza estará no próximo): “Governo Lula reduz mais a desigualdade”.

A manchete se refere ao Índice Gini, usado no mundo inteiro para medir a desigualdade econômica numa população. O índice varia de zero a um. São dois números teóricos: zero seria a igualdade absoluta e um, a desigualdade absoluta. O que interessa é o que se verifica entre esses dois extremos irreais.

O Gini brasileiro é um dos piores que há. Mas, muito lentamente, muito gradualmente e muito insuficientemente, está ficando menos pior.

Para se ter idéia, em 1993, no ano em que chegou ao auge o efeito concentrador de renda da inflação crônica, o Gini verde-e-amarelo era de deixar vermelho de vergonha: 0,6. Mas no último ano do governo Fernando Henrique já tinha baixado para 0,563. A tendência continuou no governo Lula: 0,554 em 2003 e 0,547 no ano passado – a melhor marca desde 1981.

‘Não é ruim que os mais ricos tenham perdido um pouco’

Mas está claro que é um processo cumulativo: por menos que venha caíndo a desigualdade, e essencialmente por isso o Brasil continua a ser um país indecente, em nenhum dos últimos governos ela deixou de cair – salvo em 1997, quando ficou na mesma em relação ao ano anterior.

“O ideal seria que o índice de Gini melhorasse com todos ganhando, mas com os pobres ganhando relativamente mais do que os ricos. Mas também não é ruim que os mais ricos tenham perdido um pouco”, observou na Folha o diretor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), João Saboia.

“De todo modo é um processo de distribuição de renda. Mesmo que a distribuição tenha melhorado continuamente, a renda ainda é muito concentrada no Brasil. Poucos países ainda têm um grau de concentração como o nosso”, enfatizou o economista da UFRJ.

A citação é um exemplo do esforço que os três grandes jornais fizeram – e nisso foram mais bem sucedidos do que em outros anos – para organizar a diversificada numeralha da PNAD; hierarquizar as informações, procurando não só destacar, mas destacar com clareza o que o IBGE diz que mudou para os brasileiros de 2003 para 2004; e, embora não tanto quanto seria desejável, apresentar explicações para as mudanças.

É como o Índice de Gini: tem muito ainda que melhorar, mas já foi pior o tratamento jornalístico desse tipo levantamento estatístico, que precisa ser comunicado depois de muita mastigação. É claro que o IBGE ajuda, preparando material e outros apoios para evitar que repórteres e editores se percam no labirinto de números – eterna praga do ofício em toda parte.

Mas, além disso, cabe ressaltar a decisão editorial de valorizar o assunto, em quantidade e qualidade. Claro que essa valorização varia de jornal para jornal. Já que se trata de números, vamos lá:

O Estadão deu à PNAD 11 títulos e 12 gráficos ou tabelas. O Globo, 13 e 16, respectivamente. E a Folha, com 15 e 18, levou a palma. Não só por isso, mas pela limpidez e riqueza informativa do texto de abertura do seu caderno “Retrato do Brasil”, assinado pelos repórteres Antônio Gois e Pedro Soares, da sucursal do Rio.

Nesses tempos de notícias deprimentes, a PNAD é um colírio para o leitor.

***

Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 28/11/2005 Ewaldo Pinheiro

    Quero ver agora alguém contestar essa manchete e falar de complô da ‘imprensa de extrema-direita’.

  2. Comentou em 27/11/2005 Joao Carlos

    Excelente a forma com foi abordado o assunto PNAD e sua veiculação na imprensa. Realmente o relatório dá vasão à interpretação política de seus índices. Vale a pena ressaltar ainda, que índices que a princípio soem de forma negativa venham a encobrir medidas positivas adotadas no plano econômico-financeiro.
    Por exemplo: um governo adota a austeridade econõmica visando a redução de sua dívida mobiliária, teríamos em um primeiro momento a redução do investimento no social, o qual acarretaria em índices impopulares neste ítem; porém com a redução do pagamento de juros desta dívida e com sua amortização adviria valores excedentes para o investimento social ainda maiores caso não houvesse preocupação com os gastos públicos ao longo do tempo subsequente. Ocorre que o imediatismo permeia a cultura política deste país, onde partidos políticos não desejam apropriar-se do ônus de medidas necessárias e benéficas ao país no plano financeiro e social que seriam amplamente divulgados como favoráveis em governos posteriores a estes. Tal fato prejudica o planejamento e crescimento econômico do país. Neste ponto a imprensa também tem seu quinhão de responsabilidade ao analisar de forma político partidária aos índices do PNAD.

  3. Comentou em 26/11/2005 Severino Goes

    OS JORNAIS QUE NINGUÉM LÊ

    Em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, acontece algo estranho todos os sábados. As pessoas estão lendo o Correio do Povo e a Zero Hora, lá pelo meio da tarde quando, de repente, chegam as edições de domingo. Avidamente, todo mundo começa a ler os jornais de domingo, no meio da tarde de sábado.
    Os torcedores do Grêmio, e leitores dessses jornais, devem ter estranhado quando receberam seus exemplares dominicais sem sequer uma linha da vitória do Grêmio sobre o Náutico de Recife que garantiu a volta do time gaúcho à primeira divisão do campeonato brasileiro. No domingo, compram O Globo, a Folha de S. Paulo, o Jornal do Brasil e o Estado de S. Paulo e lá está, na primeira página a notícia tão aguardada: o Grêmio volta à primeira divisão. Leitores de segunda mão, os gremistas porto-alegrenses aguardam, ávidos, até quando?, os dois principais jornais do estado, publicarem a notícia.
    Em nome de uma necessidade industrial que ninguém entende, ferre-se o leitor gaúcho.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem