Domingo, 16 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

CÓDIGO ABERTO >

Mídia flagra faz-de-conta e conta tudo

Por Luiz Weis em 20/01/2006 | comentários

Tem dia que dá gosto ler jornal. Não porque algum deles deu um furo de 400 talheres ou porque, da primeira à última página, nenhuma palavra impressa briga com os fatos conhecidos – nem com o tão mal-tratado idioma.

Mas pela exposição singela e impecável de um “pequeno assassinato” – no caso, uma tentativa miúda de um político de passar a perna no distinto público.

Foi o que fizeram hoje, no Estado, a repórter Silvia Amorim; no Agora, em matéria também publicada na Folha, do mesmo grupo, os repórteres Carla Monique Bigatto e Almeida Rocha.

Eles cobriam um daqueles eventos chatíssimos que jornalista tem vontade de pagar ao patrão para não acompanhar – a inauguração, pelo prefeito José Serra, de um ambulatório municipal em Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo.

O prefeito, como assinalou a repórter do Estadão, tem o hábito de posar para fotos testando equipamentos médicos nas unidades de saúde que visita.

São as tais photo-ops, oportunidades para fotografias, como os jornalistas americanos se referem às imagens produzidas que interessam ao fotografado, mas, por serem factóides, não têm nenhum valor jornalístico.

Ontem, ao percorrer o novo ambulatório, Serra – que além do mais é notório hipocondríaco – pediu para medir a pressão. Para seu desconforto, um depois do outro depois do outro, os aparelhos 0 km negaram fogo.

Então, em vez de ordenar em alto e bom som que se apurassem os porquês do vexame e saísse batendo o pé ameaçando punir os responsáveis – o que até pegaria bem para um prefeito que quer ser presidente –, pediu à secretária municipal de Saúde, Maria Cristina Cury, que assumira o comando da operação, dado o nervosismo das enfermeiras, que encenasse uma farsa.

Disse-lhe, segundo o Estado, “Faça de conta que está funcionando.” Ou, segundo o Agora: “Finge que funciona.” Ela fez (ou fingiu) e cantou a pedra: “12 por 8”.

Azar deles. Do prefeito, porque jornalistas ouviram o que ele dissera em voz baixa. Da secretária, porque enrolou depois uma explicação, segundo a qual identificara a pressão do chefe só com o estetoscópio.

Para não deixar margem a dúvidas e numa louvável demonstração de zelo jornalístico pela verdade – mesmo quando ela é ‘mais pequena’, como diria o presidente Lula –, o repórter-fotográfico Almeida Rocha também pediu para medir a pressão no aparelho que brochara com Serra. Não deu outra: o ponteirinho mais uma vez não subiu.

E os leitores foram premiados com um raro flagrante de como os políticos costumam brincar de faz-de-conta com os eleitores, fingindo que os fatos são o que eles querem que sejam.

***

Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem