Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Ministros da Comunicação – e de muito mais

Por Luiz Weis em 21/12/2008 | comentários

Falando na Folha de domingo, 21, sobre documentos do tempo da ditadura, exumados pelo jornal, que o consideravam “de alta periculosidade”, o ministro da Comunicação de Governo, Franklin Martins, justificou a sua participação na resistência armada ao regime. “Não sei”, diz em dado momento, “por que eu teria uma relação de ‘eu só luto até certo ponto contra a ditadura’.”


Não se sabe também, seria o caso de dizer, por que só foi até certo ponto a matéria de 1.100 palavras do Estado desse mesmo domingo sobre a relação do ministro com o presidente, que transformou o jornalista ‘em um dos principais conselheiros de Lula”.


A reportagem atesta a “mudança radical” no relacionamento entre o governo e a mídia desde que Franklin foi para o Planalto, em 29 de março de 2007, e invoca o testemunho do próprio presidente:


”O Franklin trouxe para o governo a experiência de quem trabalhou nos principais meios de comunicação do País. Claro que ajudou a melhorar as relações entre governo e imprensa. Nós evoluímos, mas acho que a imprensa também evoluiu.”


A matéria cita também, no mesmo sentido, o chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho. “Desde que ele chegou, mudou a comunicação externa e a interna”, comenta.


Essa é a primeira, embora não a mais importante ida “até certo ponto” da matéria. Tratar das relações do governo com a imprensa sem ouvir um único editor de jornal é deixar o serviço pela metade, principalmente dado o retrospecto de caneladas de parte a parte entre o presidente e a mídia que a sua gente vivia chamando de “golpista”.


Além disso, a qualidade desse relacionamento não se mede exclusivamente pelo modo como o governo, a começar do ministro da Comunicação, trata os repórteres credenciados no Planalto, nem apenas pela frequência com que ele os recebe e a outros jornalistas em seu gabinete para conversas reservadas, nem mesmo só pelo número de entrevistas coletivas do presidente – descontadas as da modalidade “quebra-queixo”, aparentemente a preferida de Franklin. Na descrição da reportagem, “é a entrevista arrancada em um desorganizado ataque dos repórteres ao entrevistado, com empurra-empurra, pisões e algumas rasteiras”. O que o calejado repórter Clovis Rossi batizou há muitos anos de “cenas de jornalismo explícito”.


O essencial, para o interesse público, é saber se o poder e a mídia consideram em geral legítimos os procedimentos de cada qual diante do outro. O reconhecimento dessa legitimidade equivale a alcançar o difícil equilíbrio entre duas situações opostas, igualmente nocivas: a complacência do jornalismo com os governantes, e a suposição destes de que a imprensa, por definição, só quer ver a sua caveira.


Se a matéria sobre o desempenho de Franklin Martins tivesse completado o percurso inteiro do assunto, em vez de ir apenas até certo ponto, o leitor teria mais elementos para julgar se é nesse equilíbrio ótimo de paz armada que o presidente Lula está pensando quando diz que “nós evoluímos, mas a imprensa também evoluiu” – e o que acha disso a imprensa.


Antes de assumir, numa extensa entrevista ao repórter Kennedy Alencar, da Folha, Martins disse que “o governo tem uma função na relação com a imprensa: garantir a liberdade de imprensa, o nome que se dá ao direito de a sociedade ser informada”. Deve ser por isso que ele hoje compara a comunicação do governo com a sociedade a hábitos normais do cotidiano, “como escovar os dentes, amarrar os sapatos, tomar banho”, nas suas palavras ao Estado.


A diferença é que a rotina da relação governo-imprensa embute uma tensão permanente – a paz armada que se mencionou acima. O governo, todo governo, quer controlar a comunicação com a sociedade. A imprensa quer acesso livre às entranhas do poder e autonomia para comunicar, da forma como julgar melhor, o que elas contêm.


Agora que conhece os dois lados do balcão, o jornalista Franklin Martins decerto teria o que dizer sobre o estado dessa tensão no dia-a-dia do Planalto. Mas não lhe perguntaram.


A matéria – intitulada “Franklin, o poderoso conselheiro de Lula” – tampouco se preocupou em apurar o alcance desse aconselhamento.


Desde que a imprensa se tornou ela mesma parte das notícias que transmite (a videopolítica de que fala o cientista político italiano Giovanni Sartori é exemplo disso), ministros de Comunicação passaram a fazer mais do que definir a estratégia de divulgação das políticas, dos atos e dos planos dos chefes de governo a que servem, orientando a sua conduta em cada caso. Eles são chamados a participar da própria elaboração dessas políticas para maximizar o seu potencial de comunicação e promover a popularidade do dirigente.


A rigor, nenhuma decisão de governo poderá ser alheia a esses ministros-comunicadores promovidos na era da informação a ministros de tudo-um-pouco e a interlocutores privilegiados do titular do Executivo, tão próximos dele como os seus chefes-de-gabinete.


Diretor de Comunicações e Estratégia do governo britânico de 1997 a 2003, o jornalista Alastair Campbell foi praticamente o co-primeiro-ministro de Tony Blair. Essa é a escala do ofício hoje em dia.


Se “a influência de Franklin pode ser sentida até em assuntos triviais”, como diz o Estado – exemplificando com a sua objeção (aceita) a que Lula e seus ministros fossem ao Bezerrão ver Brasil x Portugal – em que assuntos não triviais ela também poderia ser sentida?


Por fim, tivesse a reportagem ultrapassado o certo ponto em que se deteve, tocaria numa questão fascinante para qualquer leitor interessado em política e governo: o que é ser ministro da Comunicação de um presidente que é o rei da comunicação em seu país?


Aos leitores


O blogueiro ficará fora do ar até a primeira semana de janeiro. Boas festas para todos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 23/12/2008 Alberto Santana

    Por que será que nenhum jornal, rádio ou TV entrevistou a dentista Simone Vassalo Correa (aquela que bateu boca com a então prefeita Marta Suplicy) por ocasião da enchente na região do córrego do Pirajussara, localizado na divisa da capital paulista com o município de Taboão da Serra?
    Será que a dentista se mudou? Será que não teve enchente na rua da dentista? Será que o córrego Pirajussara se mudou? Será porque o prefeito José Serra e o governador Geraldo Alckmin não foram ver in loco a situação do Pirajussara? Será que a dentista agora corre dos repórteres e teme retomar sua carreira de celebridade instantânea num momento pré-big brother? Será porque agora, com os tucanos na prefeitura paulistana, o IPTU de seu consultório ficou mais barato? Era de 5 mil reais, segundo declarações da própria, quando Marta Suplicy era prefeita. Qual o valor do IPTU do imóvel agora? Será que a correnteza levou o ‘furor de cidadania’ da dentista? Ou será que a correnteza levou a rua e por isso nenhuma equipe de reportagem conseguiu encontrá-la?
    Por que será que será? Ela vai bater boca com o Kassab?

  2. Comentou em 22/12/2008 Ibsen MARQUES

    Vejamos que nem a mídia golpista é tão golpista como nos quer fazer crer os partidários do governo nem o governo é tão terrível como nos que fazer crer a mídia. Acho que aí vão-se as cotoveladas de ambos os lados e, ambos têm o que comemorar e o que refletir. Mas que ainda tem muita gente analfabeta e passando fome no Brasil a isso tem. Assim como tem muitos jornais e emissoras cujo compromisso deixou de ser, a muito (se é que algum dia foi), o de informar o leitor e o espectador.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem