Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Números pró-Lula nas manchetes: cadê o complô?

Por Luiz Weis em 10/07/2006 | comentários

Se a imprensa tivesse mesmo feito um pacto contra a reeleição de Lula – como parecem acreditar os defensores da teoria do “complô da mídia” – as manchetes de dois dos três principais jornais brasileiros, justamente no domingo, quando mais vendem, poderiam ser qualquer coisa menos:

”Aumento da renda tira 6 milhões da classe D/E” (Folha) E “Sete milhões de pessoas sobem para classe média” (Globo).

Nem a manchete de hoje do Valor, o melhor diário econômico do país, cujos donos são a Folha e o Globo, seria “Crescimento faz trabalho dar um salto de qualidade”.

O que chama a atenção não são nem as matérias em si – mas o fato de terem recebido destaque à altura de sua importância.

Em outras palavras, as decisões editoriais de promover ao mais alto posto da hierarquia do noticiário reportagens inequivocamente favoráveis ao governo Lula.

No caso da Folha, tem mais. Dentro, o título da primeira do pacote de matérias a respeito é nada menos que “Lula promove 6 milhões de eleitores para a classe C”. Parece feita sob medida para exibição no horário de propaganda eleitoral, em agosto.

E tem mais ainda. A numeralha da Folha – que inclui o fortíssimo dado de que “praticamente a metade dos 125,9 milhões de eleitores (49%) considera hoje que sua situação econômica vai melhorar” – é produção da casa. Resulta de pesquisa do Datafolha.

Faz muita diferença. Uma coisa é divulgar números do IBGE, ou do Ipea, ou da FGV – porque seria um vexame ignorá-los quando sorriem para o governo, e, de resto, algum grande jornal os daria – outra coisa é o próprio braço pesquiseiro do jornal levantá-los, e o jornal mandar vê-los lá onde merecem estar.

Decerto nem os donos da Folha nem os do Globo, para não falar nos do Estadão, querem mais quatro anos de Lula. Ainda assim, mesmo se tivessem a fantasia de usar os seus veículos para tentar atropelar a reeleição, pensariam duas vezes antes de fazê-lo, por imperiosas razões de mercado – leia-se “o leitor não é burro”.

Para a grande imprensa, credibilidade é coisa séria. Muito diferentemente do que conta para a pequena imprensa dos grotões, que destaca, oculta ou distorce os fatos da esfera local e estadual, sobretudo, conforme a vontade dos coronéis que a controlam.

Se assim é, nem a percepção de que o noticiário, em geral, é mais anti-Lula do que pró, supondo que ela corresponda à realidade, deveria induzir os leitores a falar em complô da mídia.

Porque isso não prova necessariamente que exista nexo de causa e efeito entre uma coisa e outra. Sem provas, dá no que os estatísticos chamam “correlação espúria”.

Exemplo: hospitais são lugares cheios de doentes, mas seria uma correlação espúria deduzir daí que hospitais são lugares onde as pessoas adoecem.

Em suma, há mais coisas entre o céu e a terra, no Brasil de hoje, do que supõe a apressada teoria conspiratória da mídia.

***

Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 20/07/2006 Claudia Rodrigues

    A credibilidade da mídia deveria estar cada vez menor pela razão contrária. Pelo simples fato de que a maioria esmagadora dos jornalistas têm as simpatias políticas expressas pelo senhor A. Lux , o que significa que, a cada denúncia comprovada envolvendo o PT, sabem desesperados em busca de pinçar alguma informação que prejudique seu maior adversário.

  2. Comentou em 14/07/2006 André Lux

    Entendi, erro meu então… Mas, senhor Weis, se já conhecia as pesquisas e estava ciente dos resultados, qual a lógica do seu artigo? Porque ele está todo baseado no fato dos jornalões terem dado destaque a uma notícia positiva para o governo (depois de centenas de outras negativas) e na afirmação ‘para a grande imprensa, credibilidade é coisa séria’. Como pode ser verdade isso, se a credibilidade da mídia está cada vez menor, como comprovam as pesquisas (que o senhor confessou ter conhecimento)?

  3. Comentou em 14/07/2006 André Lux

    Se conhecia a pesquisa, então por que perguntou de onde tirei as afirmações que fiz, senhor Weis? Pegadinha?

  4. Comentou em 13/07/2006 Eduardo Guimarães

    Weis, o André Lux respondeu sua pergunta sobre quais ‘os dados publicados recentemente que indicam o total descrédito da imprensa frente à população’? Se respondeu, você não deve um comentário aos seus leitores? Em minha opinião, você insinuou que os tais dados não existiam.

  5. Comentou em 13/07/2006 André Lux

    Senhor Weis, sobre a afirmação de Chomsky, tenho absoluta certeza de que todos os jornalistas aos quais o renomado pensador se referiu em sua afirmação TAMBÉM tem total convicção de ela não se encaixa a eles, afinal julgam-se todos imparciais e apartidários… Até porque autocrítica está longe de ser um ponto forte dos jornalista, não é mesmo? Vai ver que é por isso que somos conhecidos como ‘donos da verdade’, com exceção, é claro, dos ‘paranóicos’, ‘crentes em conspirações’ e ‘stalinistas’ que se assumem de esquerda…

  6. Comentou em 13/07/2006 André Lux

    Senhor Weis, sugiro que comece a ler o site Observatório de Imprensa. Vale a pena, apesar dos pesares …

    1) Pesquisa revela a (des)confiança na mídia, por Venício A. de Lima em 9/5/2006: http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=380IMQ002 ………………………………………..

    2) Os formadores de opinião estão frustrados, por Luciano Martins Costa em 10/4/2006: http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=376IMQ002 …………………………………………

  7. Comentou em 13/07/2006 André Lux

    Só para completar meu pensamento: concordo com Weis. Realmente não existe um ‘complô’ midiático contra o governo Lula. Afinal, complô é sinônimo de algo feito às escondidas, nas sombras, quando o que acontece é justamente o contrário. O ódio ao governo Lula, ao PT, seus militantes e às ideologias de equerda em geral aparece estampado em manchetes garrafais de primeira página, capas de revistas, editoriais radiofônicos travestidos de notícias e aberturas de programas de shownalismo… Ou alguém aqui acha que o Civita precisa mesmo se reunir com o Frias, o Mesquita e afins na calada da noite para bolar toda essa campanha contra a esquerda? Está aí a ‘liberdade de imprensa’ para protegê-los. E quem tentar lutar contra esse abuso será rotulado com alcunhas pejorativas como ‘stalista’ ou ‘paranóico’. Chamar de complô o que esses senhores de engenho moderno fazem atualmente em seus panfletos é uma piada. Sem graça, infelizmente. Mas, tudo bem, vamos fazer de conta que ninguém enxerga isso e que o fato da Folha e do Globo terem dado uma notícia ‘favorável’ ao Lula (que será refutada depois sistematicamente em editoriais e artigos escritos pelos formadores de opinião de sempre) é realmente uma prova cabal da ‘imparcialidade da imprensa’ tupiniquin. Vamos fingir também que os dados publicados recentemente que indicam o total descrédito da imprensa frente à população também não existem.

  8. Comentou em 13/07/2006 ANDERSON DE PAULA FAVARETO

    SE A GRANDE IMPRENSA FOSSE IMPARCIAL, COMO QUER QUE ACREDITEMOS, PORQUE NÃO DEU O MESMO ENFOQUE PARA AS DENUNCIAS QUE ENVOLVEM O SR. EX-GOVERNADOR DE SP, GERALDO ALCKMIN. PORQUE SERA QUE, QUANDO O PARLAMENTAR É ALGUEM DE UM PARTIDO CONSIDERADO CONSERVADOR SE ENVOLVE EM FALCATRUAS, A GRANDE IMPRENSA PROCURA OCULTAR A SIGLA PARTIDARIA, AO CONTRARIO DO QUE FEZ COM O PARTIDO QUE APOIA O PRESIDENTE LULA???? PORQUE SERA, QUE A GRANDE IMPRENSA, FICOU CEGA, SURDA E MUDA PARA TODAS AS FALCATRUAS E MENSALÕES (inclusive na compra de votos para a absurda quebra de regras e ética para aprovar a releeição de F.H.C.) ONDE TODAS AS DENUNCIAS ERAM IGNORADAS. COMO EXPLICAR, POR EXEMPLO, QUE UMA REVISTA DE RENOME COMO A VEJA, SEJA COMPARADA A UM PANFLETO DE CAMPANHA CONTRA O GOVERNO FEDERAL????? E O ESTADÃO, E A REDE GLOBO, A FOLHA DE SP, PARA NAO CAIREM NO RIDÍCULO DE UMA REVISTA VEJA, ACABAM DANDO ALGUMA NOTÍCIA COMO A COMENTADA ACIMA. É TÃO RARO UMA NOTICIA FAVORAVEL, QUE PASSA A SER MOTIVO DE COMENTARIO COMO ESTE DO SR. WEIS. PARA ENCERRAR, CASO O GOVERNO DE SP, QUE ESCONDEU A INFORMAÇÃO, QUE PODERIA TER EVITADO A MORTE DE TANTOS COLEGAS POLICIAIS E CIVIS, FOSSE DO P.T. , HOJE ESSE GOVERNADOR E SEU SECRETARIO, NÃO SE REELEGERIAM NEM PARA SÍNDICO DO PREDIO ONDE MORAM, TAL SERIA O ALARDE DA GRANDE IMPRENSA.

  9. Comentou em 13/07/2006 Eduardo Guimarães

    Weis, há momentos em que as posições das pessoas denotam seu caráter. Gostaria de saber sua posição sobre o tratamento que os dois maiores jornais paulistas deram hoje à crise do PCC, no que tange o complô contra Lula. Dependendo de sua posição, não vou nem retrucar. Vou apenas abandonar a leitura de seu blog. Espero que você tenha coragem de pôr a mão nesse vespeiro.

  10. Comentou em 13/07/2006 André Lux

    Focar as atenções numa discussão inócua que quer provar se existe ou não um ‘complô’ midiático contra o Lula é uma simplificação canhestra e caricatural, que quer esconder a realidade lamentável: a imprensa corporativa visa o lucro acima de tudo e, por causa disso, seus donos vão sempre se alinhar a políticos que defendam seus interesses empresariais – isso quando não são os próprios políticos que detém a mídia (caso de ACM, por exemplo). E para isso contam com o trabalho de ‘jornalistas’ que rezam pela mesma cartilha e, naturalmente, não enxergam a manipulação e a distorção das notícias contra, no caso, o governo Lula. Ou, mais grave, fingem não exergar para poderem sustentar o mito da imparcialidade de imprensa, fundamental para que os veículos não percam sua ‘credibilidade’ (leia-se: maior chance de vender as ideologias defendidas pelos seus donos e atrair anunciantes) . O artigo do senhor Weis que faz das tripas coração para esconder essa obviedade, apenas comprova o que Noam Chomsky afirmou há dez anos, no programa Roda Viva: ‘Conheço muitos profissionais da imprensa que acreditam ter total liberdade e que não existe censura nos meios de comunicação. E para eles isso é uma realidade, pois obviamente falam e escrevem exatamente o que seus patrões querem ouvir’. Resta saber se Weis não consegue ou não quer enxergar o que até cego já viu. Com a palavra, o jornalista…

  11. Comentou em 13/07/2006 Daniela Cristina

    Serei breve em meus comentários acerca do ocorrido na noite anterior (12/07/06) no interior paulista referente aos ataques criminosos. Evidente está que o governo brasileiro nada faz diante da desordem que se instalou no estado de São Paulo, tendo a coragem ainda de pedir apoio para o combate à violência! É do Presidente da República que deveria vir as medidas para coibir tais atos atrozes. O pulso firme deveria ser dele e não de quem sofre a agressão, já que a Justiça Brasileira não permite a auto-tutela, podendo ser o praticante desta, condenado, exceto em caso de legítima defesa. Mas teremos que esperar que muitas vidas se percam, para que , em prol da conservação de nossa existência, nos tornemos justiceiros, dormindo com um revólver embaixo de nossos travesseiros, mudando nossos hábitos , para viver em função do medo desses criminosos? Até quando teremos que receber ordens daqueles que que mataram, estupraram, roubaram, extorquiram, sequestraram, traficaram, enquanto tentamos a cada dia que passa, levar uma vida honesta? Uma estratégia usada para obtenção de ‘soldados’ do PCC é assustar o povo pobre, que nada tem, para que eles os obedeçam em troca de uma cesta básica ou coisa parecida. Contudo, é aí onde se deveria investir mais para que estes não mais precisem se tornar reféns e soldados do crime, já que possuem o míimo para sua subsistência. Quem irá fazer algo???

  12. Comentou em 13/07/2006 Ricardo Fernandes

    Ao Eduardo.
    Este espaço não é um Fla-Flu. Não sou fanático pelo PSDB. Sou fanático pelo Estado de Direito, pela capacidade do indivíduo, pelos impostos baixos, pelo Estado enxuto e eficiente, etc… Sou liberal-democrata e se souber do que se trata verá que o PSBD não representa as minhas idéias. Mas reconheço que o PSDB é menos nefasto que o PT. Pelo menos acreditam verdadeiramente na democracia e não têm milhares de militantes a arranjar uma boquinha no Estado.
    Se chamei petistas de fanáticos, acabei de me chamar também. Quanto aos outros adjetivos só lhe serve se você vestiu a carapuça. Acho sim que a mídia preserva o presidente em sua linha editorial, embora é lógico que um ou outro colunista cobre sua responsabilidade nos fatos, seja ela por ação ou omissão, e é a isso que me refiro. Deve ser contestado na sua suposta omissão. E não é, pelo menos sistemáticamente.
    Sobre não enxergar a realidade basta olhar para a defesa do PT sobre o papel do Estado.
    Sobre totalitarismo só posso afirmar que não sou simpático a Fidel e Chavez, só para ficar nos mais próximos. Se a carapuça lhe servir de novo, fique a vontade.
    Não entendi o chamado ao autor do artigo no final da mensagem. Foi alguma tentativa de que este este intervenha no debate? Quer dizer que critica e depois pede socorro? É isso ou estou enganado?

  13. Comentou em 12/07/2006 Lula da Silva

    Nossa, Cláudia, mas você é chata, hein? ficou órfã da Primeira Leitura e agora só sabe repetir o mesmo discurso eternamente, é? Vai casar, minha filha! (com o Bornhausen, de preferência)
    (Obs.: Caso vocês do OI pensem em não publicar, não se esqueçam de verificar que essa senhorita ofendeu várias vezes os petistas)

  14. Comentou em 12/07/2006 Eduardo Guimarães

    Weis, sobre o que escrevi ontem aqui a respeito de manchete do Estadão que falou também ontem sobre ‘empréstimo’ de Lula à Bolívia, o Luis Nassif comentou o assunto em seu blog. Veja o que ele escreveu:

    ‘Escrito por Luis Nassif às 17h45

    BNDES e a Bolívia

    Não há lógica nessa grita contra os financiamentos do BNDES à Bolívia. O que o banco está fazendo é cumprindo seu papel de agente financiador de exportações. O financiamento é para que a Bolívia adquira equipamentos brasileiros. O faturamento, o emprego e o lucro ficam aqui.’

    Há mais, Weis. Sugiro que visite o blog do Nassif e veja o que mais ele escreveu. E depois reflita como é possível que comportamentos como esse de toda a imprensa e só contra Lula não se trate de um ‘complô’ de todos esses veículos contra o presidente.

  15. Comentou em 12/07/2006 Eduardo Guimarães

    Desviar o assunto, sra Claudia Rodrigues? Mas que assunto estamos discutindo? Sera reportagem da Folha que elogia o governo Lula e a teoria do complô midiático ou suas acusações repisadas diariamente durante um ano contra o PT? A sra pode mudar o foco para falar de acusações contra o PT e eu não posso falar de acusações contra o PSDB? Bagatela de vestidos? Pôxa! Gostaria de conhecer seu guarda-roupas, minha senhora. Se 400 vestidos de estilista exclusivo e de renome (mil reais cada um?) são ‘bagatela’, fico imaginando o que a senhora deve ter em casa para vestir. Aliás, deve ser uma casa inteira só para guardar suas roupas…

  16. Comentou em 12/07/2006 Maria Izabel Ladeira Silva Silva

    Caro Weis. Que pergunta boba você coloca na chamada do seu artigo! Agora você duvida da ‘venezuelização’ da nossa grande imprensa porque os jornai são obrigados a informar corretamente os leitores? É o mínimo que se pode esperar! Porém, não esqueçamos dos ‘escandalos’ de encomenda e da campanha ridícula da revista VEJA (que não é pouca merda!…), que toda semana inventa uma ‘notícia’ para apedrejar o presidente, seu partido, ou tudo junto!

  17. Comentou em 12/07/2006 douglas puodzius

    Caro Weis, Apenas me reporto ao seu comentario a respeito de minha intervenção anterior. Sim, eu li sua critica a respeito da palhaçada produzida pela folha sobre o patrimonio de lula. Apenas não o citei, primeiro por questão de espaço e tempo, depois porque, na verdade, entendi que, a noticia, no seu entendimento, é um prato cheio para pessoas que, como eu, veem um complo da imprensa contra lula e o PT. Coisa que vc não acredita, longe disto. Portanto, não achei justo usa-lo para amparar uma tese fora do sentido que vc escreveu. Brickman já foi mais direto – É propaganda mesmo!. Nesse contexto, seria interessante indicar esse artigo ‘jabuti não sobe em arvores… ‘ a outros nesse espaço que poderiam confrontar essas teses ingenuas sobre a imparcialidade da midia tucana. Daí que não é possivel entender como pode vc repisar essa cantilena. Releia, não somente este seu artigo, há um outro, onde vc transcreve luis nassif falando sobre as manchetes tenebrosas prevendo catastrofes economicas, obviamente não consumadas, que seriam causadas pelos aumentos ao funcionalismo. Há outros com ceteza. Releia-os e tente encontrar tratamento igual na imprensa. Tente explicar porque não há indignação na imprensa contra o poder do PCC, que alias não pode ser citado, não é? Tente explicar como pode alkimin ser entrevistado no Roda Viva e apenas uma pergunta mansa sobre os problemas de segurança?

  18. Comentou em 12/07/2006 Humberto Guimarães

    Nas opiniões dos leitores,em Globo On Line, vemos afirmações parecidas (xingamentos ao presidente,ao PT,aos políticos em geral). Nelas não há esforço de análise,só repetições do divulgado ali ou na TV, denotando não ter havido busca de quaisquer outras fontes de informação. Na TV, Jabor faz um espetáculo, para muitos hipnotizante, espinafrando Lula,o PT, a Venezuela,a Argentina, estigmatizando de atrasado, burro, quem discorda do pensamento econômico delineado no Consenso de Washington. A Globo sabe o que quer: para o grande público, o circo do Jabor, que pretende moldar pessoas para repetir as mesmas coisas(Simpsons); para um pequeno público, o Valor Econômico – com análises mais sofisticadas sobre o governo, a Venezuela, a Argentina. Franklin Martins,analítico não falará mais para o grande público, Jabor sim. Certamente a rede prefere Alckmin, um gestor mais confiável da integração ao mundo unipolar comandado pelos EUA. Para o grande público propague-se que este é o único jeito, argumente-se (como Jabor) que desviar um tiquinho disto, pode transformar a A.Latina em um Iraque e não se mostrem os 12 ou 13 milhões de desempregados que uma integração canhestra (de FHC) pode produzir. Coopte-se gente para repetir isso! Mas, talvez isso não dê certo, o que está sendo dito, para o pequeno público, em Valor Econômico.E que o próximo governo não esqueça as verbas de publicidade

  19. Comentou em 12/07/2006 Claudia Rodrigues

    O senhor Eduardo Guimarães, além de mudar o sentido das mensagens dos outros, quando vê seus fracos argumentos refutados, insiste em deslocar o assunto em discussão para outra esfera. Diante de minha observação de que, para parecer isenta pela simples distribuição de culpas em partes iguais, a imprensa deu destaque equivalente a bagatelas como vestidos doados por um estilista ou fraudes como a Lista de Furnas a escândalos efetivamente grossos líquidos e certos envolvendo a atual gestão federal, ele deslocou a discussão para outra esfera, recorrendo ao assunto controverso das CPIs abafadas pelo governo do Estado, sobre as quais também exigo e espero uma explicação de pessoas públicas que, até o momento, somando tudo e subtraindo, demonstraram ser as mais dignas de minha confiança…

  20. Comentou em 12/07/2006 paulinho de souza

    ‘A mídia vem denunciando o governo e não o presidente Lula.’ Piada? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  21. Comentou em 12/07/2006 Eduardo Guimarães

    É sintomático que os simpatizantes e militantes do PSDB usem o adjetivo ‘fanático’ para se referirem a simpatizantes e militantes do PT. Para mim, no entanto, fanático é quem diz o que disse (abaixo) o comentarista Ricardo Fernandes, que acha que ser petista, por definição, é ser incapaz de enxergar a realidade. Isso é fanatismo. Ninguém pode ser qualificado de fanático por ter esta ou aquela opinião. Petistas, tucanos, pefelês, pessoas que não sabem se manifestar sem insultar ou desqualificar quem pensa diferente estão em qualquer parte, em qualquer grupo opinativo. Agora, dizer que a mídia não acusa Lula chega a ser piada. Peço ao comentarista sr. Ricardo que escolha o dia e o jornal que eu localizo a mesmíssima frase que ele escreveu, de que é impossível que Lula ‘não soubesse’. Mas o que me assusta mesmo é o sujeito querer ‘acabar com esse papo de que não existem provas’. Acredito que em todos os regimes de força – como o nazista ou o stalinista – essa tese prevaleceu, ou seja, a de condenar as pessoas à revelia de existir ou não provas contra elas. Acredito que as pessoas racionais perceberam a diferença entre os fanáticos petefóbicos – e fanáticos tucanofóbicos também existem – e os que querem o direito de optarem pelo PT e por Lula mas que prezam o debate político democrático e respeitoso. E tenho certeza de que você, Weis, inteligente como é, percebeu também.

  22. Comentou em 12/07/2006 Ricardo Fernandes

    Existem alguns petistas fanáticos neste espaço que não conseguem enxergar a realidade. Entendo, afinal de contas são petistas. A mídia vem denunciando o governo e não o presidente Lula. Durante todo este tempo o mar de lama foi sempre limitado aos seus ministros e auxiliares. Nunca foi cobrada a responsabilidade do presidente diante de todas as denúncias. Onde já se viu um presidente dizer que não sabe de nada, quando a corja frequentava o Planalto, e a imprensa não contestá-lo. A imprensa sempre poupou Lula e vamos parar com esse papo furado de que não existem provas. Ele é presidente e deve responder pelo cargo, se foi omisso não serve. Deve ser responsabilizado pelas más escolhas, embora é obvio que saiba de tudo. Acreditar no contrário é ser otário ou esperto, depende dos interesses pessoais de cada eleitor. Toda empresa funciona assim, o governo também deveria funcionar. Se existe um complô é para poupá-lo.

  23. Comentou em 12/07/2006 JOÃO RICARDO FRANCO

    Sr. Weis, a cada artigo que o senhor tem escrito mais a minha admiração pelo senhor tem diminuído. Primeiro porque, embora V. Sa. negue existe um bestial complô da mídia contra a reeleição do presidente Lula, e não é só isso, existe mesmo um conluio para desmoralizá-lo e, por extensão os políticos e partidos de esquerda, a imprensa parace muito afinada com a idéia do Sr. Bornhausen, segundo a qual essa gente deve ser banida por pelo menos 30 anos. Isso é visível, para que nos reportemos somente a fatos recentíssimos basta ver as manchetes sobre a ampliação do patrimônio do presidente e o veto ao aumento dos aposentados. Acho isso sintomático, não pela divulgação da notícia em si, mas pelo modo como está sendo posta a questão. Segundo, porque parece que para o senhor, assim como para um bom número de jornalistas do sul maravilha, somente aí se sabe fazer imprensa, como de resto apenas nessa região geográfica do país se sabe fazer algo, tudo que está ao norte é decrépito, corrompido e comandado por ‘coronéis’ velhacos e corruptos. Acredito que o senhor está contaminado pelo preconceito e, caso ache que não se trata disso, mas sim de conceitos, creio que o senhor deve revê-los. Nunca é tarde…

  24. Comentou em 12/07/2006 Eduardo Guimarães

    Sra. Claudia Rodrigues, tá bom, a sra não citou o PFL, apesar de que PSDB e PFL, hoje, são a mesma coisa. Mas a sra colocou, sim, Alckmin acima de qualquer suspeita ao desqualificar todas as suspeitas que pesam contra ele, sem falar nas 69 CPIs que abafou (inclusive sobre a Febem) na Assembléia Legislativa. E não venha me dar a mesma desculpa de Alckmin de que o legislativo é um poder independente, porque quando o PT resistiu inicialmente à CPI dos Correios Alckmin et caterva culparam Lula. Agora, se os escândalos que envolveram o PT são graves, tão graves quanto são os que envolvem o PSDB. Aliás, o presidente do partido recebeu comprovadamente dinheiro do valerioduto e a imprensa não faz pressão nenhuma por sua cassação. Temos um caos na Segurança paulista e a mídia nem cita o nome do sujeito que vive alardeando ‘choques de gestão’. Gozado é que quando há problemas na Segurança no Rio, a mídia cai em cima de Rosinha e de Garotinho, mas quando é em São Paulo, não cai em cima do homem que esteve no poder no Estado durante 11 anos. A sra critica as alianças do PT fim de seu comentário. Que tal me dizer o que a sra. pensa da aliança entre Alckmin e ACM. A sra. tem idéia de quem é Antonio Carlos Magalhães? Eu sou simpatizante do PT, a sra do PSDB. Diga suas opiniões e eu digo as minhas. Mas não venha desqualificar e insultar com nomes como estúpido etc quem pensa diferente.

  25. Comentou em 12/07/2006 Menjol Almeida

    Lamentavelmente, quem viu as manchetes de terça-feira dos principais jornais não tem mais dúvida da hipocrisia dessa imprensa incompetente. O Senado federal armou a arapuca do reajuste dos aposentados, sob encomenda para os jornalões fecharem com chave de ouro. A culpa é de Lula. Curiosamente, os mesmos jornais defendem o equilíbrio dos gastos do governo, e a Previdência é sempre um dos principais alvos. Sou obrigado a concordar que o complô existe, infelizmente.

  26. Comentou em 11/07/2006 Claudia Rodrigues

    Eduardo Guimarães, parei de ler sua mensagem logo no início quando colocou palavras em minha boca,tentando insinuar que coloquei os oposicionistas do PFL como acima de quaisquer suspeitas. Em nenhum momento, citei o PFL.As injustiças cometidas pela imprensa, que citei, prejudicavam exclusivamene o PSDB, que, aí sim,mesmo não sendo filiada, considero um partido muito mais ético que o PT,o que não significa que todos os seus representantes tenham conduta ética adequada,mas aqueles que efetivamente representam o partido,o que é rigorosamente o contrário do PT, já que os escândalos, que não são nada insignificantes,em que este partido se meteu e, ao menos aqueles que até o momento já tivemos conhecimento, não só envolviam como eram operações amplas e abrangentes centralizados na cúpula partidária,segundo inclusive os dados apurados pelo procurador-geral da República,que o senhor mesmo mencionou anteriormente.O senhor tenta, ao sugerir que mencionei a legenda do PFL,associar a imagem do partido que eu defendi a uma outra legenda que tem uma trajetória histórica completamente diferente.E,se o PSDB precisa compor aliança com o PFL em favor da viabilidade de seus projeto de governo,o PT,que sequer dispõe de um projeto de governo e,por essa razão,tomou para si a agenda de seu principal adversário político,hoje faz aliança até com as piores aberrações políticas pelo poder a qquer custo.

  27. Comentou em 11/07/2006 douglas puodzius

    ‘Do jeito que a coisa foi colocada, levantou-se veladamente uma suspeita contra o presidente da República, tão veladamente que não permite defesa; mas que provoca indignação de leitores já irritados por outros episódios e que funciona como arma para a propaganda adversária na campanha eleitoral’ Assim Carlos Brikman finaliza texto postado neste observatório sob o titulo – Manchete da Folha é propaganda anti-lula. Recomendo ao sr. weis e a garota anti-petista – Claudia – Individuos que, se não pecam por ingenuidade, tem que ter cara de pau envernizada. Hoje anunciaram a pesquisa CNT/Sensus. A manchete é a diminição da diferença entre alkimin e lula. Os tais infograficos historicos são coisas do passado nas analises pesquiseiras. Lula continua subindo. Alkimin acumula dos outros que sairam. lula continua ganhando no primeiro turno. Isso a gente tem que esmiuçar no meio dos textos. Weis, cada vez mais tenho dúvidas se vc acredita mesmo no que escreve. Não acredito que a inteligencia lhe falte. não acredito que a sua realidade, no que se refere a relação entre a imprensa e o PT , seja tão ingenua. Se promovessem um debate para vc defender suas teses sobre este tema… Seria dificil arrumar um contendor a sua altura.

  28. Comentou em 11/07/2006 Flávio Perina

    Ë brincadeira. Foi muita cara-de-pau dizer que está provado que não existe complô. Então, tá… O complô não existe por que as pessoas não combinaram de baixar o porrete em um Governo que vem se mostrando cada dia mais competente disposto a combater a miséria no País? O que fazem o Estadão, a Veja e a Folha é simplesmente uma campanha sórdida contra o PT e seus Governos? Quando é um Governo do PSDB eles se esquecem de fazer uma cobertura em que se investigue ou se denuncie o que estão fazendo? . Simplesmente deixam passar ‘batido’? Se o senhor Luiz Weis não participou de nenhuma reunião em que os donos da mídia combinaram alguma coisa, ela não existe? Ok.

  29. Comentou em 11/07/2006 Eduardo Guimarães

    O administrador Hélcio Lunes, nas mesma linha jocosa e desrespeitosa da economista Claudia Rodrigues, manda que eu ‘sente no tronco’ e que espere para ver ‘o que vem por aí’, depois de perfilar mais suposições, frases feitas, achismos e xingamentos contra o presidente constitucional da República. Não sei ‘o que vem por aí’, mas dificilmente será mais do que já veio em mais de um ano de ataques diários na mídia. Esta eleição presidencial terá um componente diferente de todas as outras que este país já teve no período posterior ao fim do regime militar: nunca um presidente sofreu campanha contrária de acusações diárias ininterruptas e tão veementes durante os 16 meses anteriores ao pleito ao qual se apresentou para um novo mandato. E muito menos nunca antes um governante resistiu a campanha tão massiva de criminalização por todos os meios de comunicação possíveis e imagináveis e chegou ao ocaso desse processo desfrutando de aprovação popular tão expressiva. ‘O que vem por aí’, ser Hélcio, é mais do mesmo e, portanto, insuficiente para mudar o destino deste país. Mas não lhe direi se deve sentar ou ficar de pé – e nem onde – à espera da concretização de meu prognóstico, porque dizer isso não compete a mim tanto quanto não compete ao senhor, sendo apenas uma manifestação de falta de educação e respeito com quem pensa diferente.

  30. Comentou em 11/07/2006 Eduardo Guimarães

    Caro Weis, você que costuma perder tempo para analisar a conduta política do Estadão – digo perder porque não há nada para analisar num veículo de cuja tucanidade ninguém tem dúvida – talvez se interesse em comentar uma reportagem de capa de hoje (11/7) do jornal, que afirma que Lula ‘emprestou’ dinheiro à Bolívia. Vamos aos fatos: eu sou comerciante. Se vendo à prazo a alguém e financio a venda, não estou emprestando e sim vendendo. No caso, o governo brasileiro está abrindo uma linha de crédito via BNDES para a Bolívia comprar máquinas e equipamentos… no Brasil. Irá gerar divisas (dólares) ou então poderemos talvez vir a abater do que pagamos àquele país pelo gás que de la importamos. Essa operação pode ser qualificada como o que se quiser, menos como ‘empréstimo’. Porém, para quem lê a primeira página do Estadão, o governo Lula está ‘emprestando’ dinheiro à Bolívia. O incauto que ler essa bobagem pensará: ‘ora, mas falta tanto dinheiro para o Estado brasileiro investir no Brasil e Lula ‘empresta’ dinheiro à Bolívia?!’ Complô precisa de mais de um. Agora eu lhe pergunto quantas milhares de ‘notícias’ manipuladas como essa foram publicadas desde 1º de janeiro de 2003 em toda a imprensa brasileira. E pergunto quantos ‘erros’ desse tipo foram cometidos contra administrações tucanas. Esse exemplo que dei encerra a questão de seu artigo.

  31. Comentou em 11/07/2006 Hélcio Lunes

    O comerciante Guimarães deve conhecer o ditado que diz ‘ não se fala em corda em casa de enforcado’. É muita cara de pau querer por os vestidos da Dona Lú, e o caso do Azeredo para se contrapor ao assalto ao estado praticado por essa organização crimosa, o PT.
    Também não é bom falar em ‘patrimônio’. Não foi o marido da Dona Lú que era engraxate até pouco tempo! Lula desde que sentiu o gostinho do dinheiro fácil, nunca mais largou o osso. Nunca trabalhou. Quem tiver interesse que veja o livro de Denise Paraná , por sinal muito elogioso ao apedeuta, mas não condegue esconder que do que ele gostava mesmo era omar cachaça e jogar futebol na hora do almoço! (Isto esta também no documentário Entreatos do cineasta João Moreira Salles) Como ficar então defendendendo essa figura que tem laborfobia, faz campanha desde que foi eleito, e o pior de tudo, foi quem colocou o Delúbio como arrecadador, e que arrecadador de mais de 100 milhões que o PT esta gastando até hoje.
    Tem mais, se voce esta cheio de ler as acusações contra o ‘Noço Líder’, senta num tronco e espera pois vai ver o que vem por aí. Provas né, vocês vão ter!

  32. Comentou em 11/07/2006 Eduardo Guimarães

    Sra Claudia Rodrigues, a senhora acusa quem pensa diferente de ‘partidário’, ‘dogmático’, ‘fanático’, ‘estúpido’, ‘incapacitado de usar sua capacidade racional’, mas é a senhora quem age com fanatismo ao tentar colocar os oposicionistas do PSDB e do PFL acima de qualquer suspeita. A imprensa tem razão de publicar denúncias contra o PT, mas quando o faz contra o PSDB a senhora não quer. Há denúncias seriíssimas contra a oposição quando estava no poder. Privatizações, compra de votos para aprovar a emenda constitucional da reeleição com testemunhas e tudo mais tanto quanto no caso do mensalão, e nada foi investigado por CPIs que os tucanos e pefelês enterraram. Há casos concretos de recebimento de dinheiro do valerioduto por Eduardo Azeredo, ex-presidente do PSDB. Há a relação suspeita de Alckmin com a também ‘organização criminosa’ Daslu – segundo o Ministério Público, que também deve ser ouvido quando acusa tucanos tanto quanto é quando acusa petistas. Há uma doação de 400 vestidos no valor de 300 mil reais para um sujeito que tem um patrimônio de 400 mil reais. Há pagamentos sem autorização para órgãos de imprensa com o dinheiro dos impostos dos paulistas. Há problemas para todos os lados e tudo tem que ser investigado sem condenações prévias pela imprensa, conforme determina a Constituição federal e o arcabouço jurídico da nação.

  33. Comentou em 11/07/2006 Ecivaldo Souza

    Espanta-me o radicalismo ativo, a verborragia prolixa e pesada, o uso da má fé e principalmente uma certa tendecia ao absurdo que norteia e está na base do discurso de pessoas como a Cláudia rodrigues de São paulo. Pergunto se não seria o ‘dogmatismo e o fanatismo estúpido’ O responsável por sua postura alienente reprodutora do ‘ideologismo rasteiro ‘? Quanto suas neuroses de militante ‘c/base nos dados selecionados p/ partido’ não lhes causar desconforto não me espanta é digno de suas prepotencia…MAS o que me irritas mesmo, é o BLÁ-BLÁ-BLÁ sem nexo e enfeitado com verbos e adjetivos fora de contexto, é a intolerancia, é o totalitarismo é a falta de fundamentos lógicos entre aquilo que condena, uma vez que ao fazé-lo se denuncia flagrantemente.

  34. Comentou em 11/07/2006 Claudia Rodrigues

    O fato é que a imprensa vem evoluindo muito devagar e, de maneira geral, ainda continua muito refém do petismo.

    Resultado: para cada reportagem que denuncia escândalos comprovados deste governo, as redações se vêm pressionadas a publicar outra reportagem denunciando qualquer coisa que envolva outros governos, qualquer coisa mesmo, até trotes, fofocas, falatórios comesinhos. Ou seja, para bater no PT com motivo, a imprensa precisa caçar ou mesmo ‘inventar’ alguma coisa pra bater nos adversários do PT.

    Isso explica os ‘escândalos’ ridículos que tentou garimpar do nada para comprometer o governo Alckmin (supostos anúncios em 5 publicações, num universo de mais de 500 títulos, baseados em critérios políticos e não técnicos ou roupas doadas por um estilista) e o fato de que, a cada notícia ‘ruim’ e confirmada que incomoda Lula (sua declaração de bens que atesta acúmulo de fortuna em tempo recorde), a Folha publique uma outra na seqüência, em pleno domingo, dia em que mais se compra jornais, como a tal pesquisa Datafolha que, além de não ter nada de substancial e não passar de uma pesquisa de intenções de voto embalada de maneira enganosa, ainda por cima omite o fato de que as desigualdades sociais no país vêm caindo desde 1993.

  35. Comentou em 11/07/2006 Eduardo Guimarães

    E tem mais uma coisa, senhora Claudia Rodrigues: pessoas com sua opinião têm se esbaldado em citar o procurador-geral da República na questão da ‘quadrilha’, mas quando ele diz alguma coisa que os desagrada, como que não há base para acusar Lula e que fazê-lo é ‘leitura política’ dos fatos, aí relativizam suas palavras. Muito conveniente. Mas essa seletividade não tem o poder de mudar o fato de que é escandalosamente evidente a má vontade, a seletividade ‘ética’ da mídia contra Lula. Há um ano que a mídia malha o presidente todo dia. Em telejornais, jornais, novelas, programas humorísticos etc. Diz que a maioria do eleitorado que apoia Lula estaria ‘anestesiada’ ou que seria ‘conivente’ com a ‘corrupção’, deixando entender que não ser ‘conivente com a corrupção’ e não estar ‘anestesiado’ é votar numa oposição que nos 500 anos em que esteve no poder teve montanhas de escândalos não apurados por ter impedido a apuração, e que levou o Brasil a repudiá-la não só em 2002 como agora devido à piora terrível que houve na vida dos brasileiros durante a octaetéride tucana. Enquanto vocês não entenderem por que o Brasil depositou suas esperanças em Lula e por que avalia (nas pesquisas) que seus anseios encontraram eco, caminharão para a derrota sem terem a menor idéia do por que. Vossa falta de sintonia com o povo chega a ser desumana.

  36. Comentou em 11/07/2006 Ricardo Rezende

    Simples e facíl de diagnosticar. A grande mídia Fala duas verdades, e inventa mil mentiras.

  37. Comentou em 11/07/2006 Eduardo Guimarães

    Claudia Rodrigues, você insulta quem pensa diferente. Qualquer pessoa que isso ou aquilo coisa nenhuma. O fato é que você verte um monte de suposições suas e de advesários de Lula que impediram todas as investigações contra si quando estavam no poder. Lula teve sua vida esmiuçada como nunca outro presidente teve. Duvido que FHC resistisse a devassa igual. Nada foi apurado. CPIs, investigações da Polícia Federal e o próprio procurador-geral da República – tão citado pela direita – absolveram o presidente de qualquer responsabilidade. Vocês querem atribuir onisciência a Lula. Vosso argumento é o de que ‘não é possível’ que ele ‘não soubesse’. Preferem assim? Pois bem. Mas isso não é base para a condenação que fazem do presidente. Se ele fosse um cidadão comum, poderia processar pessoas como você e arrancar-lhes cada tostão na Justiça. Mas como é presidente não pode sair por aí processando todos os que lhe fazem críticas políticas que resvalam para a calúnia. E é bom que seja assim, diga-se, porque a sociedade tem que ter essa condição de falar mais contra o poder do que pode falar contra quem não tem poder. Agora, como o assunto é o complô da mídia, as pesquisas mostram (e hoje saiu uma CNT-Sensus que reforça isso) que a sociedade acha majoritariamente que esse complô existe. Você não quer reconhecer a tendenciosidade da mídia contra lula? Azar seu. Vai ficar falando sozinha.

  38. Comentou em 11/07/2006 Claudia Rodrigues

    Eduardo Guimarães,qualquer pessoa que não foi,pelo dogmatismo e fanatismo estúpido,incapacitada de usar sua capacidade racional sabe perfeitamente,independente das palavras do procurador geral da República, diferenciar o tipo de corrupção sistêmica,envolvendo diversos órgãos do governo,prefeituas,estatais,etc,deste atual governo e casos isolados de corrupção que,infelizmente, caracterizam o mundo da política em qquer país do mundo e por isso são fiscalizados de perto, ou deveriam, por instituições que representam a sociedade civil,como a imprensa.Com base no tipo de corrupção que o procurador geral da República,inclusive, constatou qualquer pessoa também que não seja razoavelmente informada ou não tenha tido sua capacidade de reflexão comprometida por ideologismo rasteiro sabe que seria impossível que o presidente Lula não tomasse conhecimento de esquema tão abrangente e centralizado na cúpula partidária.A menos que Lula seja um laranja que simbolize,mas sequer pertença na prática ao PT,o que sabemos não ser o caso,já que este partido,que um dia foi tão apoiado por intelectuais, que não pertencem mais a seus quadros e abandonaram essa barca furada há muito,hj está sob o domínio da ala sindical, que é liderança por Luís Inácio Lula da Silva.O problema é que os simpatizantes do PT ignoram todos os fatos políticos e apenas enxergam o mundo c/base nos dados selecionados p/ partido

  39. Comentou em 11/07/2006 henrique de oliveira oliveira

    É muito simples saber porque os jornais e a televisão estão dourando a pilula do presidente. A vitoria de lula já é dada como certa, então vamos encher a bola dele porque o povo já se tocou que a midia de um modo geral é direitista e golpista, para falar bem do presidente depois de tentar derrubalo no minimo tem coisa feia vindo por ai, vão arrumar uma amante ou um filho bastardo ou vão tentar ligar a figura de lula a algum traficante.
    A midia no brasil não tem mais credibilidade nenhuma assim como os advogados estão perdendo a sua, não se iluda eles vão tentar de novo e novamente terão que engolir suas materias mentirosas.

  40. Comentou em 11/07/2006 Apolônio Silva

    Concordo em gênero e grau que este assunto de complô da mídia já deu o que tinha que dar. Primeiro porque o complô não é só da mídia. O Duda Mendonça está envolvido! O próprio Delúbio é um espião da CIA dentro do petê, que tentou levar todo o PT pra dentro do mensalão. O Dirceu, que já estava destruindo a imagem do partido junto com o Valdomiro, foi apanhado no flagra! Misteriosamente continua impune dentro do partido, atuando fortemente – imaginem no quê. Roberto Jefferson, o Bob Jef, que recebeu um cheque em branco do guru do petê, este sim, de direita, denunciou um esquema que não existia. Aliás, Marcos Valério também não existe – só a amizade dele é que existe, porque foi suficiente para emprestar os tubos para o PT – mas ele não! É um personagem criado pela imprensa escrita para manchar a imagem imaculada do petismo! Genoíno é o mais injustiçado: sorrateiramente enfiaram algumas notinhas de dólares (nem passava de cem mil!) dentro da cueca de um assessor de seu irmão – que também é do petê, e daí? Genoíno, presidente do pt não lê o que assina e o guru diz que não sabe de nada. Como alguém iria perceber umas notinhas na própria cueca? Um dos golpes mais perfeitos da imprensa foi ter posto um sósia do presidente fazendo declarações sobre caixa 2 (NA PRòPRIA CAMPANHA). Isto foi demais. A imprensa está passando dos limites. Temos que silenciá-la…E aí pessoal? Ficou bom?

  41. Comentou em 11/07/2006 Ricardo Fernandes

    Geralmente editores de jornais e revistas são profissionais que precisam ser intelectualmente privilegiados e ter uma visão de mundo mais realista, e logo não podem concordar tanto com a turma do PT. Isso é o obvio. Basta ver que as publicações mais próximas da linha de pensamento petista não vendem nada e precisam de apoio governamental para existir. Suponho que vendam fantasia em forma de notícia.
    Os grandes meios de comunicação, salvo raras exceções, estão sendo extremamente complacentes com o presidente Lula e sua suposta omissão. Só no Brasil e na América do Sul um presidente seria tratado com tanta benevolência. Se existe complô, ele é a favor. Tratam o presidente como ex-operário e ex-pobre, porque se o tratassem como efetivamente deve ser tratado, ou seja, chefe de governo; não existiria essa benevolência toda. Seria cobrada sua responsabilidade.

  42. Comentou em 11/07/2006 Ricardo Ferreira

    Para esses jornais e a TV Globo estarem falando coisas boas para o governo só tem duas explicações, ou eles têm alguma ‘carta na manga’ que vai provocar a derrota de Lula, e eles querem dar uma de imparciais, ou Lula passou definitivamente para o lado deles.

  43. Comentou em 11/07/2006 Eduardo Guimarães

    Weis, estou cansado de ler comentários mentirosos como o do leitor Helcio Lunes, que afirma que o procurador-geral da República chamou o governo Lula de corrupto. Não é verdade. O procurador jamais disse isso. Ele falou sobre ALGUNS membros do PT – e falar sobre meia dúzia de ministros é uma safadeza, porque não existe isso – e de outros partidos da base aliada que teriam formado uma ‘quadrilha’, o que não significa que essas pessoas estejam condenadas por conta do puro e simples indiciamento. Além disso, gostam de citar essa frase do procurador sobre a ‘quadrilha’ mas ninguém cita – e a mídia esconde – que o mesmo procurador afirmou que quem tenta envolver o presidente Lula no caso está fazendo uma ‘leitura política’, porque ele foi inocentado em todas as investigações sobre mensalão – em CPIs, em investigações da Polícia Federal etc. Mas a direita continua escrevendo e proferindo mentiras em cima de mentiras por aí. É revoltante.

  44. Comentou em 11/07/2006 Hélcio Lunes

    Como um órgão de imprensa pode ser favoravel, ou ‘isento’, com um governo que se mostrou corrupto e incompetente? Não sou eu que estou dizendo viu Luiz, o Procurador Geral da República é que fala da ‘quadrilha’ comandada por Dirceu e mais meia dúzia de Ministros, que foram inclusive demitidos a bem do serviço público. Para falar do governo, só pagando! É o que se faz com Carta Capital, Caros Amigos, Carta Maior, esse lixo publicitário de um governo imoral e desonesto!

  45. Comentou em 11/07/2006 João Humberto Venturini

    Sinceramente, esse papo já cansou. É dificil explicar q a mídia tolera o Lula, pois esse atendeu aos interesses daqueles q a imprensa representa que é o mercado. O preconceito contra a pessoa Lula continua principalmente na imprensa escrita. O preconceito maior da gde imprensa é contra o PT, movimentos sociais e contra a esquerda em geral. Isso sim há complô. A imprensa brasileira é definitivamente de Direita, pois é só observar o alinhamento total e apoio aos governos q os EUA acham melhor para os países sul-americanos. Todos os candidatos da América do Sul q vem despontando como favoritos e são de esquerda (exceto o Chile) são logo demonizados pela imprensa brasileira com os mesmos chavões q o governo dos EUA os classificam. Todos representam perigo para a tal democracia, para a ascenção de um populismo q só eles enxergam, q todos são caudilhos ou índios q não deviam sair do mato. É isso q nossa imprensa propaga todos os dias e mostra seu desprezo contra a esquerda e qualquer um q conteste o sistema vigente. Nisso sim há complô, mas se o presidente agir como um cão de guarda do mercado igual a imprensa, ai não há complô, mas sim preferências dessa elite q domina os grupos de midia. Aqui é claro q a imprensa prefere Alckmin q Lula, mas ai entra mais a questão social e preconceituosa q a imprensa tem sobre Lula não ter diploma e outras coisas q há anos ele sempre foi tachado.

  46. Comentou em 10/07/2006 Rogério Ferraz Alencar

    Parabéns, Luiz Weis: seu texto, totalmente baseado em fatos, conseguiu convencer a economista Cláudia Rodrigues e o físico Apolônio Silva de que não há complô da mídia contra Lula. Porém, eu, um dos descerebrados e idiotas de plantão, vítima da lavagem cerebral que o PT faz nos simpatizantes dele, continuo achando que há complô da mídia contra Lula e o PT.

  47. Comentou em 10/07/2006 ubirajara sousa

    O jornalismo modificou-se, sofreu mudanças bruscas, ou sempre foi assim.?Será que não estaria surgindo um quinto poder? Nós, vis mortais, tivemos, agora, a oportunidade de manifestarmo-nos e vermos as nossas manifestações publicadas. Nós, vis mortais, podemos, agora, dizer ‘não’ à matéria que – a nosso ver, não condiz com a realidade com qual nos deparamos. E, para isso, não precisamos implorar, mendigar um espaço nas seções ‘a opinião do leitor’ e quase sempre não a vermos publicada. Viva a internet! Que proliferem e prosperem os ‘blogs’. Estamos ocupando o nosso espaço. Nós, leitores, que pagamos os salários, cafèzinhos, passagens, férias e tudo o quanto mais seja preciso para a manutenção dos diretores, fotógrafos, redatores, enfim, dos militantes da mídia, queremos dizer que não somos mais tão burros (ou talvez nunca o fomos). Ainda que não haja verdade absoluta, nós queremos o mínimo de respeito para com as nossas inteligências. É chegada a hora de o quarto poder tomar conhecimento do novo quinto poder.

  48. Comentou em 10/07/2006 Fábio Carvalho

    Prezado Eduardo Guimarães, sua formulação aguerrida a desconstruir o suposto po-pu-lis-mo de Lula foi das mais qualificadas. ‘Três biquinhos e um arreganhar de lábios’ é matéria pro Fantástico, sinceridade! Tal qual diabético que não resiste a doce depois de fazer juras de dieta ao médico, vou eu provar desse castelo de açúcar. Fiz uma leitura labial da chancela da última edição da Veja (calma, Cláudia Rodrigues, ´última edição´ é só um jeito de falar; o brejo onde jaz a Primeira Leitura fica mais adiante). Lula, a julgar pela sua mais recente declaração de patrimônio, é REN-TIS-TA. São duas arreganhadas de lábio e uma caída de queixo, companheiro. É… rapadura é doce, mas não é mole, não.

  49. Comentou em 10/07/2006 Sergio Carvalho

    Caro Luiz, Considere a amostra que você trabalhou para estabelecer esta conclusão. Três matérias principais em um dia do ano permitiram a você chegar a uma dada conclusão. Será que um levantamento de todas as matérias de capa no último ano confirmariam esta conclusão baseada na amostra de um dia? Será que a amostra de um cavalo branco permitiria concluir que todos os cavalos são brancos? Para estabelecer um raciocínio desta natureza com alguma credibilidade para seus leitores, recomendo o uso de uma amostra quantitativamente mais relevante. Caso contrário, qualquer conclusão para um lado ou para o outro seria possível. Comoi pode-se inferir pelas opiniões aqui publicadas. Em resumo, o seu artigo, infelizmente, náo ajuda a muito a esclarecer esta questão de grande relevância.

  50. Comentou em 10/07/2006 Jose Nogueira

    O fato de jornais publicarem uma matéria favorável ao atual governo não significa necessariamente imparcialidade. Pode significar uma trégua, uma tentativa de disfarçar a própria ideologia tendenciosa ou até mesmo alguma benesse do governo que os tenha ‘comprado’. Com relação à credibilidade, se a imprensa desse muito valor a isso, jamais publicaria matérias sobre chupa-cabra, ou ET de Varginha, entre muitas outras baboseiras. Só para finalizar, há muita gente que procura garantir o emprego defendendo os patrões, sejam eles de fato ou em potencial, estejam certos ou não. Isto vale também para jornalistas.

  51. Comentou em 10/07/2006 Fernando Soares Campos

    Olha, não me leve a mal, mas essas manchetes aí não passam de um pouco de vaselina para o que vem amanhã: ‘O malvado do presidente Lula vetou o aumento dos velhinhos’.

  52. Comentou em 10/07/2006 evandro de souza

    acompanho luiz weis desde os bons tempos do gazeta meio-dia (felizmente maria lídia está no em questão) – e a análise que ele faz é correta… mas os comentários ao artigo são sintomáticos: ante a simples constatação de que referida matéria (pelo menos uma) beneficia o governo, comeca a chover (sempre ele) o preconceito contra lula… aliás, desde a posse, o presidente da república nunca foi tratado como tal… é lulismo pra cá, petismo pra lá, sempre de forma pejorativa, como se fosse uma doença… ah, me esqueci – ele não sabe falar, muito menos escrever… ora, que visão mesquinha… realmente não suportam ver um ex-torneiro mecânico na presidência, com mais influência internacional do que um certo sociólogo que transformou sua experiência no poder em um livreco que se resume a ‘eu sou amigo do clinton…’ sempre cobram de lula a liturgia do cargo, mas não pensam duas vezes antes de ofendê-lo e (até) ameaçá-lo de agressão física… esses sim jamais quiseram ‘largar o osso’, e agora que chegou alguém disposto a dividir esse osso com (ora, como pode?) a população que sempre esteve à margem do poder público. ‘ah, isso é populismo, vamos acabar com essa raça…’ senhores do atraso, isso sim! voltando ao artigo, é isso mesmo, weis, a grande mídia sabe que o leitor não é burro. então, vamos dar destaque ao óbvio, pois nosso candidato está em lisboa. visitará algum paraíso fiscal?

  53. Comentou em 10/07/2006 Fábio Carvalho

    É, Cláudia Rodrigues, jornalismo bem ‘inho’ esse da Folha de São Paulo. Foi a dissidência petista entre os militantes da redação que denunciou o mensalão, podicrê…

  54. Comentou em 10/07/2006 Luiz Carlos Soares Moreira

    Realmente. Depois que a mídia notou que o povão, em sua grande maioria, estava apoaindo Lula, e as pesquisas apontando uma vitória no primeiro turno, tudo mudou. De repente a Globo (Miriam Leitão, Alexandre Garcia, William ‘Homer’ Boner etc), foram orientados a maneirar as críticas. A Folha de São Paulo começou a informar sobre a podridão da administração do PSDB no Estado de São Paulo. É sempre assim, os interesses de todas as espécies comandam a mídia escrita, falada e televisiva. Depois, para ser justo, criticar com argumentos válidos um governo que procura diminuir a diferença entre a base e o topo da pirâmide, é realmente ‘barra’!

  55. Comentou em 10/07/2006 José Carlos dos Santos

    Caro Weis, hoje não tentarei demovê-lo da idéia de defender a imprensa com relação ao tratamento dado ao governo Lula, só vou reproduzir um trecho da matéria publicada no Times de Londres que estampou ‘THE BRAZILIAN BAGDAD’. na sua PRIMEIRA PAGINA… ‘SAO PAULO: MOTINS, POBREZA, VIOLENCIA, CORRUPÇÃO E PÉSSIMA ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA’.

    LEIAM:

    ‘On the spot: São Paulo´s tangled web of violence. The Times Correspondent in São Paulo, looks behind the seven-day running battle between the Brazilian police and the Primeiro Comando da Capital, Brazil´s most powerful criminal gang. ‘The situation in São Paulo is becoming increasingly UNBEARABLE FOR THE POPULATION while the UNPOPULAR Mr. Alckmin…’
    Agora lhe pergunto, caro Weis, você acaso leu algo parecido nos jornais brasileiros?

  56. Comentou em 10/07/2006 Eduardo Guimarães

    ‘Po-pu-lis-mo’, palavra de quatro sílabas que obriga quem a profere a fazer três biquinhos e um arreganhar de lábios. A palavra está na moda como nunca no Brasil. Tem sido usada diariamente pelos adversários políticos de Lula e pela imprensa para acusá-lo.

    Estranha acusação. No sentido menos lato do termo, populistas são políticos ou governantes que prometem ou concedem benefícios ao povo que o Estado não tem condições de dar e que nos prazos médio e longo podem gerar mais prejuízos do que benefícios.

    Lula acaba de vetar o reajuste de 16,67 % aos aposentados, aprovado graças às bancadas do PSDB e do PFL na Câmara federal, que pretendem indispor o presidente com a população. E não se vê a imprensa chamando a oposição de populista e elogiando a decisão do presidente.

    Devido à mais do que conhecida impossibilidade do sistema previdenciário brasileiro de arcar com o reajuste, Lula não foi populista e, sim, responsável. Mas se não vetasse o reajuste populista da oposição, seria chamado de ‘populista’.

  57. Comentou em 10/07/2006 Carlos Pontes

    He, he, he.
    Caro Weis, esse seu texto foi horrível. De um simplismo absurdo. Tirar uma conclusão por uma manchete.
    De tanto ser parcial, a credibilidade está indo pro lixo. Agora é hora de amenizar para terem argumentos de que são isentos. Não ë mesmo?
    O seu texto foi patético. É chamar de burro quem acompanha o noticiário e também lê os comentários. Pra mim você agora está no grupo da Miriam Leitão, a Amazona do Apocalipse, aquela que só vê coisa ruim, a do ‘cenário sombrio mais a frente’.

  58. Comentou em 10/07/2006 José de Almeida Bispo

    Ora, se é complô não pode aparecer, meu caro Weis. Por outro lado, A MELHOR ARMA DO DIABO É PARECER QUE NÃO EXISTE. Não é proibido, alias é extremamente saudável que os jornais e as revistas tomem partido. O que não devem é parecer que são isentos. Essa não. Pra refrescar a memória um convite ao leitor desta opinião: visite o blog http://markltda.blog.uol.com.br O que ali está é só um pequeno exemplo de como a Veja trata o PT desde que nasceu.

  59. Comentou em 10/07/2006 Eduardo Guimarães

    À onda de manifestações neste blog partidárias da teoria do complô sucedeu outra onda que, como costuma acontecer com a direita, amontoa montes de assuntos para turvar o debate. Quem é do meio jornalístico, no entanto, sabe muito bem que a teoria do complô da mídia vem aumentando, aumentando e que não é por nada. Aliás, as constantes desqualificações que se vê na mídia da afirmação de que ela tem desempenhado um papel partidário na crise política se devem justamente à necessidade de contestar uma teoria que ganha força e que já encontra ressonância junto à sociedade. Não é sem razão que Lula tem crescido mais nas pesquisas junto aos estratos sociais mais escolarizados, como bem demonstrou a última pesquisa Datafolha. Em minha opinião, é justamente por conta das negações do que todos que não são petefóbicos constatam que os ataques incessantes e irresponsáveis (prioritariamente os do padrão Veja) vão se tornando cada vez mais virulentos, que as pessoas vão comprando cada vez mais a teoria do complô. A falta de sintonia dos petefóbicos com a sociedade grita, salta aos olhos. Essas pessoas não se dão ao trabalho de refletir que quando uma sociedade é bombardeada por mais de um ano com acusações, insultos e ridicularizações ao presidente e esse presidente se mantém firme na preferência de todas as classes sociais, é porque as pessoas não estão acreditando na mídia. Simples assim.

  60. Comentou em 10/07/2006 Claudia Rodrigues

    Todos parecem estar com medo de perder anunciantes e se renderam ao PT…

  61. Comentou em 10/07/2006 Claudia Rodrigues

    Alguém fez uma consideração importante que reflete uma preocupação minha: a Veja de fato perdeu muitos anunciantes desde que começou a bater pesado no governo Lula. Isso é coisa séria e demonstra a fragilidade de nossa democracia. A Veja bateu duro em vários governos, denunciou inúmeros casos de corrupção comprovados ou não de outros governos, pegou pesado até com o ex-todo poderoso ACM, e sua credibilidade ficou intacta, já que a publicação demonstrou o mérito, e nisso realmente tem méritos, de investigar, fiscalizar o poder público, aliás, com um rigor que falta à grande maioria das publicações brasileiras, inclusive porque a revista tem uma estrutura de Primeiro Mundo, uma equipe gigante, departamentos de checagem, pesquisa, coisa que não se vê na maioria das redações. Mas bastou mexer com o governo Lula, bastou ousar criticá-lo, que começou uma campanha sórdida de desmoralização da publicação que, a meu ver, efetivamente prejudicou muito o faturamento da revista, como se pode verificar pelo número de anúncios, embora o título Veja seja muito prestigioso´, e com métido, que se diga. MAs o petismo se transformou numa espécie de câncer! A revista Primeira Leitura, que se opunha frontalmente contra este atual governo, fechou. E agora já se percebe um recuo da mídia em geral, um movimento de adesão ao governo, como se todas as publcações estivessem se sentindo intimidadas…

  62. Comentou em 10/07/2006 Apolônio Silva

    Weis, qualificar o artigo da folha como pró algo é equivalente a não lê-lo. Qualquer um que o tenha lido poderá verificar. Exceto, é claro, a militância petista que fica de prontidão fazendo o habitual patrulhamento. Essa questão só interessa ao petismo que, crendo ser vítima de um complô universal, conseguiu chegar ao poder e se manter, a despeito do maior escândalo da história do país SEM SER IMPICHADO!!! (mesmo que Chico Buarque tenha solicitado corruptômetros para comprovar – outros petistas mais radicais exigem selinho do INMETRO na medição) e não pára de invocar – postura tática bocó – essa tese que só não é mais mirrada do que o Fome-Zero…Nos meus idos tempos de faculdade a coisa que eu mais achava engraçada eram os petistas que se declaravam não-petistas. Já tinham extrapolado o limite da sanidade. Estes eram muito mais radicais que os petistas de carteirinha que até davam boas risadas do dia a dia dos nossos políticos maravilhosos (aí incluso o guru desse povo). Lendo por aqui identificamos facilmente essa figurinha. É triste a gente ver que o ser-humano pode ser uma coisa que vai além de tudo que inventa – seja filosofia, ciência, religião – e no que se transforma quando mete na cabeça um conjuntinho de idéias, uma ideologia anacrônica emperrando os neurônios. Lembra o cérebro eletrônico do Gilberto Gil. Cérebro Eletrônico faz tudo, faz quase tudo…mas ele é mudo.

  63. Comentou em 10/07/2006 Giovanni Moscato Júnior

    Bem, ao que me consta, o Sr. José Serra é grande amigo dos donos do jornal ‘Folha de São Paulo’. Tendo sido forçadamente preterido da disputa presidencial por Geraldo Alckmin, não posso deixar de me fazer (e aos demais leitores) a pergunta que não quer calar: fosse José Serra candidato, seriam tão amáveis ao atual governo as referidas manchetes? Ou esse é mais um capítulo do descarado complô do agora candidato ao governo do estado de São Paulo contra a candidatura Alckmin? Não que quero que Geraldo Alckmin seja eleito para governar o país onde nasci, mas essa imparcialidade toda da Folha, que acaba, querendo ou não, beneficiando a Lula, me deixa com a ‘pulga atrás da orelha’.

  64. Comentou em 10/07/2006 Arnaldo Xavier

    Políticos petistas eram acompanhados de perto por batalhões de jornalistas, Genoino era o caso mais evidente. Seus discursos eram reproduzidos e repercutidos, como nunca se via de outros políticos. Nessa época, então, não existia complô? Depois do enredamento em fatos nebulosos, pretendem carimbar qualquer crítica a conspiração, invejas, preconceitos. Ora, preconceito foi a descoberta de malas e envelopes com dinheiro circulando à solta? Inveja, foi a afirmação de petistas dizendo que todo mundo faz caixa 2? Conspiração foi Genoino assinar papéis sem ler? Eles não chegaram para mudar tudo o que estava ai? Fizeram mais e pior. e ainda dizem que pobre só gosta de pão e não chia.

  65. Comentou em 10/07/2006 Tô de Olho na oPósição .

    Cadê o complô? Só o fato de querer questionar algo tão nítido, desqualificando a percepção de grande parte dos brasileiros, pegando um final de semana (talvez até combinado que assim seria) atípico, já seria motivo de desconfiança! Cadê o complô? Basta fazer um levantamento sério sobre o nº de vezes que o governo foi desmoralizado e comparar com o tratamento que se dá para a turma do FHC ou do ACM. Mas tudo bem! O brasileiro não é burro e vocês não conseguiram fazer o que queriam: que o povo ‘pensasse’ com a cabeça de vocês! Vamos para o 2º mandato!

  66. Comentou em 10/07/2006 cleiton bras

    O Sr. Luiz já está defendendo sua tese faz algum tempo, mas parece que os leitores do OI não lhe deram muito crédito, visto comentários decentes e respeitosos que acabei de ler. Interessante que nesta mesma edição do OI há um outro artigo , muito preciso, que derruba , em parte, a tese do Dr. Weis : ‘ A Folha favorece candidatos tucanos’. Este sim é sobre um fato inquestionável e um comportamento deplorável deste ex-jornal… Será que o Senhor o leu?

  67. Comentou em 10/07/2006 cid carneiro

    Causa estranheza a rapidez e a insistência que o sr Weis defende sua teoria. Ele , bem como outros jornalistas do OI , tentam através dos meios de comunicação, fazer com que suas opiniões representem a OPINIÃO PÚBLICA . Felizmente não está (ão) tendo sucesso !! Gostaria de saber por que este autor, o dines, etc. , não deram importância alguma a mais uma privatização tucana, esta tb suspeitíssima ocorrida (coincidência?) bem no meio da Copa do Mundo. A lucrativa CTEESP foi vendida ao Grupo Interconexión da Colômbia ( como é ? ) , pelo psdb/pfl de SP, e , para variar o Estado ficou com o passivo podre, e os compradores com o filé… Mas para que debater este assunto logo agora, não é ? abç cid
    ** na Carta Maior foram postados vários artigos

  68. Comentou em 10/07/2006 Fábio Carvalho

    Há algum tempo, Alberto Dines escreveu um artigo onde apontava, grosso modo, a razão de o PT estar errado e a petista Marilena Chaui estar correta ao criticar a imprensa. Quando o escândalo começou, para quem não se lembra, o primeiro a falar que TUDO era um complô ‘das elites e da direita’ foi Delúbio Soares. Já a filósofa, quando atacada, apontou onde estavam os erros, defendeu-se e foi além: acusou a arrogância daqueles que pretendiam fazer com que seu silêncio falasse. O erro dos petistas é acreditar tudo conspira contra eles. Essa estratégia, ensaiada por Delúbio, pretende colocar TUDO na conta da parcialidade da imprensa. Nessa toada, responsáveis e irresponsáveis têm o mesmo tratamento. No limite, essa retórica pretende retirar a legitimidade de toda e qualquer crítica, de toda e qualquer denúncia. A fúria autoritária, ou a simples miopia, já rendeu acusações, em diversas oportunidades, ao Observatório da Imprensa (Weis inclusive) de ser pró-tucano, anti-PT, ou sei lá o quê, quando o espaço e o autor procuram apontar erros e acertos da imprensa. Pode-se discordar da opinião deles. A teoria do ‘complô’ talvez tenha raízes na seletividade da imprensa. Para fugir das denúncias: a opinião favorável da revista The Economist sobre o Bolsa Família demorou a repercutir na midia tupiniquim. Quando a mesma publicação publicou que ‘Chávez humilhou Lula’, saiu em tempo real.

  69. Comentou em 10/07/2006 Claudia Rodrigues

    Sem dizer que os militantes petistas, em mais uma demonstração de sua mentalidade autoritária e anti-democrática, boicotaram a revista Veja, fizeram campanha para todos cancelar assinatura, sugerindo que revista era financiada pelos tucanos (delírios petistas não encontram quaisquer limites!). Eles extraem essas fnntasias daquelas teorias superadas dos tempos de guerra fria e quem paga o pato é o povo, que é obrigado a ter acesso a informação filtrada pelos simpatizantes do PT, que ainda têm o desplante de qualificar qquer denúncia contra seu partido como ‘coisa de tucanos’.
    É possível que haja jornalistas que simpatizam mais com o tucanato que com o PT na Veja, até por conta do histórico de responsabilidade do tucano com gastos públicos, etc. Contudo, dizer que a publicação é tucana não faz o menor sentido. A Veja é, isto sim, uma publicação alinhada aos princípios neoliberais e até, a meu ver, um tanto quanto deslumbrada com os valores iluministas, que não representa a abrangência da linha programática PSDBista. Tanto que a Veja em várias ocasiões trata Lula com certo paternalismo, já que seu governo não só adotou a política econômica do governo passado como a radicalizou. Em contrapartida, nos quadros do PSDB, muitos são contra até mesmo a política econômica do governo passado, o que era o caso do próprio José Serra.

  70. Comentou em 10/07/2006 Claudia Rodrigues

    Sem falar que a matéria da Folha não se preocupou em esclarecer a população, mostrando que a desigualdade social vem caindo desde 1993. Jornalismo bem ‘inho’ esse que a Folha anda apresentando. Primeiro deu a escândalos completamente forjados, caso da Lista de Furnas, tratamento equivalente a maracutaia grossa, justamente quando explodiam as denúncias contra o PT, sem falar que fez muito barulho ainda com irrelevâncias como os vestidos doados a Lu Alckmin e o caso Nossa Caixa (que qeum tem efetivamente idéia do que se trata sabe ser algo completamente imaterial) para abafar todo o barulho que geravam as denúncias contra o governo Lula. Jornalismo bem ‘inho’, este! Tudo para vender jornal e não perder a preferência do público que mais pressão provavelmente exerce sobre sua redação. Lamentável!

  71. Comentou em 10/07/2006 Luiz Seixas

    Seu texto desconsidera um processo que se estende há anos. Existem pelo menos dois motivos para que a FSP (o globo nunca se lançou de corpo e alma na campanha anti-Lula) volte a valorizar a credibilidade. Um deles é o exemplo malsinado de Veja, cuja credibilidade tornou-se irrecuperável: o fechamento da revista é questão de tempo, a menos que queiram mantê-la sem nenhum poder de influência, como fetos de porcos de duas cabeças em algum ônibus de curiosidades. Outro motivo é o reconhecimento de que o mal a ser feito já o foi: as calúnias, mentiras, insinuações e ilações enquadraram o presidente no horizonte de 2010. Se as coisas continuassem no pé que estavam antes de enodoarem o PT, corriam o risco, as elites que dominam a mídia, de encararem uma nova Constituinte, amplamente dominada pelo PT. E com Lula exercendo o cargo que a História lha atribuíra: de Messias redivivo.

  72. Comentou em 10/07/2006 Ricardo Fernandes

    Complô da mídia? Só se for a favor de Lula. Só a imprensa brasileira trataria o suposto desconhecimento do presidente sobre os fatos lamentáveis de corrupção que ocorreram em seu governo, e pelo que parece continuarão a ocorrer, vide PMDB-Correios; da forma benevolente como tratou. Não contestar a farsa que se criou é o que a imprensa fez até agora. Maior evidência de respeito pelo presidente do esta não existe. Se esta turma continuar no poder, deverá agradecer muito a imprensa.

  73. Comentou em 10/07/2006 Alexandre Souza

    Prezado Sr. Luiz Weis,
    Vamos reformular:
    1) Leia os jornalões nos últimos 6 meses;
    2) Tabule as notícias prós e contras, governo federal e tucanos;
    3) Releia o seu texto acima, com direito a mudar de opinião.

  74. Comentou em 10/07/2006 Claudia Rodrigues

    Continuando meu comentário anterior sobre a ‘pesquisa’ publicada pela Folha atestado queda da desigualdade social,o título e olho sugerem uma coisa que não se sustenta no conteúdo da matéria. As chamadas induzem à idéia de que houve uma sensível queda comprovada por dados técnicos. Mas quando se lê a matéria fica-se sabendo que se trata de uma pesquisa muito mais de intenção de voto que qualquer coisa, já que não passa da expressão da opinião dos entrevistados sobre a questão. Ora, as opiniões podem não expressar uma melhora efetiva na qualidade de vida, mas também somente a satisfação do eleitrado em receber verbas do governo, que estendeu os programas de complementação de renda iniciados no governo FHC a maioria esmagadora da população. Esse jornalismo que a Folha praticou é bem ‘inho’. Não me surpreende, pois sempre ouvi dizer que a Folha está abarrotada de militantes do PT atuando como jornalistas. Não se espera que o jornalismo seja 100% isento, mas é lamentável esse grau de compromisso com determinadas vertentes ideológicas por parte de alguns de seus represrentantes, que resulta num viés altamente tendencioso e muito prejudicial à cultura política do país.

  75. Comentou em 10/07/2006 Claudia Rodrigues.

    Não existe complô da mídia contra o PT e nunca existiu! O que existe e sempre existiu é uma grande submissão da mídia ao PT, seja por conta da pressão da militância, seja pelo despreparo dos profissionais de imprensa, muitas vezes influenciados pelo meio acadêmico a aderir uma postura de esquerda que, infelizmente, ficou colada ao petismo, quando o PT não nem nunca foi monopolista do esquerdismo, embora tenha estigmatizado adversários políticos os qualificando como neoliberais e carimbando-se, assim, como o ‘único partido comprometido com questões sociais’. Nossa mídia, aliás, demonstrou imenso despreparo para lidar com essa estratégia do PT, sempre caindo nas armadilhas de sua militância, por razões culturais ligadas ao trauma da ditadura militar, que viciaram nossa imprensa num certo tendenciosismo em que tudo o que vem daqueles que se intitulam como esquerda é necessariamente positivo, ou por razões ligadas a interesses mercadológicos.
    Talvez essa campanha que a Folha vem fazendo em prol da candidatura Lula já seja resultado do susto que tomou o mercado com o fechamento de Primeira Leitura, não sei, mas tudo a esta altura parece possível. O que sei é que a matéria sobre a suposta queda da desigualdade social no país chega a ser enganosa de tão tendenciosa, já que não se baseia em nenhum dado técnico e sim apenas na opinião do eleitor. Não é o que sugere no título e olho.

  76. Comentou em 10/07/2006 Nelio Faria

    Luiz Weis, já faz parte da história do jornalismo brasileiro a famosa edição do debate LulaXColor, feito pela Globo em 89.Que nome se dá àquilo? Os erros cometidos pelo PT e pelo governo não são invenções da mídia, mas negar que há um favorecimento pró-tucano nas matérias-haja vista a cobertura da crise da segurança – é um erro grave. A imprensa deve ser livre, mas isso não significa que ela não possa ser criticada. Ou será ela uma instituição acima do bem e do mal?

  77. Comentou em 10/07/2006 Gilberto Marotta

    Pretender fazer uma análise do comportamento da imprensa por manchetes de uma semana é de uma pretensão extraordinária, pra não dizer leviandade. A história dos grandes grupos da imprensa contra Lula vem de longe e os exemplos são muitos. Desde a exibição omissa dos seqüestradores de Abílio Diniz à criação do fenômeno Collor, em 89, com direito à edição de debate.
    O exemplo mais claro de como a grande imprensa é tucana, e não petista, é o tratamento totalmente díspare entre os assuntos ‘filhos de Lula’ e ‘filhos de FHC’, onde o respeito e, mais do que isso, o silêncio sepulcral, sempre prevaleceu.
    Hoje não é diferente. Não se trata de dizer que a imprensa inventou a crise. Não se pode deixar de reconhecer que elementos do PT pisaram na bola. Mas como a oposição, boa parte da imprensa se aproveitou da crise para atingir em bloco o partido e o governo como um todo, quando não havia elementos para isso, através de capas e manchetes maldosas e, no caso de Veja, inclusive inventando matérias sem o menor cabimento.
    Deve-se considerar também o movimento pendular da imprensa, mais ou menos virulento, conforme as benesses que obtém do governo.
    Finalmente, acho que o assunto carece, sim, de estudos mais aprofundados, com metodologia científica e menos paixão e achismo. Nesse sentido, o texto acima é apenas mais um, não esclarece absolutamente nada. Não se sustenta como argumento.

  78. Comentou em 10/07/2006 Wladimir Martins Farinha

    O complô existe!
    Matérias que podem prejudicar o excelentíssimo presidente LULA, são de primeira página ou de grande destaque nos cadernos internos, e notícias favoráveis que não se pode evitar a publicação, tem um texto que faz parecer menor o avanço, e é sempre acompanhada de duas ou tres análzes de ‘especialistas’ ilustres deconhecidos, escalados para minimizar ou desdenhar dos avanços.
    Quando a conquista do governo é valiosa mais de difícil compreenção para o leitor, não se mobiliza ninguem para esmiuçar o fato.
    Bom Weis é gritante o complô; só não vê quem é pró CARECA!

  79. Comentou em 10/07/2006 Clodoaldo Damasceno

    Caro Luiz Weis
    Não acredito em uma conspiração orquestrada na mídia em geral contra o governo Lula, mas a leitura apressada do que publica a Folha – no caso essa manchete – constrói equívocos, como o seu.
    Pelo que li da matéria, o Datafollha pesquisou ELEITORES. Isso é um dado importante, pois nem todo brasileiro vota.
    Quando o jornal afirma, às vésperas da eleição, que o governo melhorou a vida de 6 milhões de ELEITORES há duas interpretações possíveis: a sua, da imparcialidade, que não concordo; e outra, de entrelinhas, que grita um sentido eleitoreiro nos programas sociais do governo. Ou seja, melhorou-se a vida de ELEITORES – não de BRASILEIROS – pensando em seus votos.
    Por outro lado – se o Datafolha pesquisou APENAS eleitores, como fica evidente no texto – não foram somente 6 milhões que migraram das classes D e E para a C, mas muitos mais. Esses ELEITORES têm filhos, irmãos, gente que vive junto e depende. Quantos seriam? Dezesseis, vinte e seis, trinta e seis milhões de BRASILEIROS que saíram dessa faixa chamada D e E da sociedade, tendo suas vidas melhoradas? O grupo Folha, através de seu instituto de pesquisa tem, com certeza, essa informação.
    Clodoaldo Damasceno

  80. Comentou em 10/07/2006 Pedro Taveira

    Meu caro, aqui em Rondonia a coisa ainda é pior, agente tem que ler jornal que falam barbaridades e palavras de baixo escalão com por exemplo, uma matéria de um jornal daqui dizia numa reportagem que no congresso a ministra do meio ambiente era chamada m… no sapato. enquanto a gente sabe q ñ é, e q ela é respeitada sim, menos por aqueles q pretendem destruí-las, enfim agente ver todo tipo de palavras de baixo escalão contra o Lula. Pior ainda, tentam nos passar q governo bom foi o de FHC.

  81. Comentou em 10/07/2006 Eduardo André Gonçalves da Silva

    Há que se pensar que se não há complô houve em muitos momentos irresponsabilidades, tendencionismos e até preconceitos, sendo veiculados diariamente na mídia de forma geral.
    A crise do ‘mensalão’ não foi necessariamente um exemplo de coerência da mídia, e isso fico claro inclusive neste OI, se não há complô há certamente as três vertentes supracitadas, o que é no mínimo preocupante.
    Como os juízes nenhuma empresa ou mesmo pessoa física da imprensa, em seu sentido mais amplo, teve ou terá que prestar contas de sua postura, o que também é péssimo exemplo do corporativismos que no melhor exemplo da república de bacharéis, tem levado o país para terrenos perigosos e pantanosos.

  82. Comentou em 10/07/2006 Alberto Cerri

    Concordo com as colocações. Faço este comentário apenas para dizer que na revista Veja desta semana há uma matéria falando bem do governo Lula. Coisa rara em se tratando da revista Veja.

  83. Comentou em 10/07/2006 Eduardo Guimarães

    Weis, você me responde que nem tudo que parece, é. Pois bem, essa tese poderia ser aplicada ao mensalão. Mas a questão não é essa. A questão é saber o seguinte: se não é complô, é o quê? Por que a imprensa não cobre criticamente governos tucanos enquanto cobre furiosamente governos petistas? Por que a imprensa distorce dados em favor dos tucanos e contra os petistas? Por que a imprensa dá qualquer denúncia pouco checada contra o PT (dólares de Cuba, por exemplo) e tem um cuidado extremo, além de ser ultra-econômica, com denúncias contra os tucanos (Lista de Furnas)? Por que, apesar de o país estar dividido entre Lula e Alckmin nas classes A e B, os jornais só publicam, quase que exclusivamente, ataques a Lula? Por que os ‘erros’ que você denuncia que a imprensa comete contra o PT (vide sua crítica ao caso do patrimônio de Lula, por exemplo) não os comete iguais contra o PSDB? Você diz que não há complô contra Lula e o PT, apesar das evidências. Mas não oferece nenhuma explicação plausível para tais evidências. Assim fica difícil de levá-lo a sério, Weis.

  84. Comentou em 10/07/2006 alfredo sternheim

    Os textos de Eduardo Guimarães apontam, com precisão, que a imprensa paulista pode não estar fazendo um complô, mas tem se mostrado tendenciosa, partidária, quanto a Lula. Não fiz uma pesquisa mais ampla e profunda como a de Guimarães, mas tenho pecebido as diferenças de tratamento. Um exemplo que já apontei em outros sites e aqui: até hoje, nenhum comentarista da Folha analisou a quebra de promessa de Serra, quando se comprometeu a mante-se prefeito de SP até o fim do mandato. É um ato ético bem discutível, até o Estado (tucano assumido) fez pesquisa onde apontava 50% dos eleitores e Serra descontentes com essa falta de palavra. A Folha insiste com Eliane Cantanhede, casada com alguém ligado ao marketing do PSDB. Isso não e rabo preso? E se fosse o contrário, um colunista ligado conjugalemente a alguém do PT? Os jornais paulistanos tem poupado Alckmin nessa crise da seguança pública, na crise da TV Cultura (acabou o dinheiro), cuja auditoria encomendada pelo próprio Alckmin nunca foi divulgada. ALiás a crise da TV Cultura não tem sido discutida como deveria em nenhum espaço. Por que será? E mais recentemente um exemplo: a manchete da Folha sobre a evolução de seus bens materiais. Até o ombudsman da Folha, como lembrou Guimarães, condenou esse sensacionalismo. Weis, há partidarismo contra Lula, sim. O que não deixa de ser uma especie de complô.

  85. Comentou em 10/07/2006 Roberto Vieira

    O PT, quando acuado pelas inúmeras denúncias de corrupção e caixa 2 ano passado, saiu-se com essa. E qual a primeira pessoa que denunciou esse ‘complô’? Delúbio Soares, ele mesmo – um dos principais articuladores do esquema do mensalão. Pela pessoa que denunciou já percebe-se a veracidade da existência desse tal complô…

  86. Comentou em 10/07/2006 jesse fernandes

    Caro Weis, não é a primeira vez que o senhor tenta ‘desmontar’ a suposta tese de que existe um complô da mídia para ‘destruir’ a imagem e o presidente Lula e o PT. POis bem, entre os presos, existem leis e regras que não sáo escritas, mas todos sabem que existe um código de honra. Acredito que exista sim um cobertura que demonstra uma grande má vontade para com o presidente Lula e o PT. Esses exemplos que o senhor deu nada mais são do que fatos para explicar a liderança do presidente nas pesquisas.
    Quer um exemplo do complô: a estratégia do PT é o confronto dos números? Por que entáo o debate fica em torno de ‘promessas’ de Geraldo Alcmin (a última em Portugal, diz que vai cortar os impostos em 10%). No lançamento oficial, em SC, falou em reforma tributária como se FCH e o próprio Lula náo quisessem, mas os interesses sáo complexos e conflitanantes, mas mesmo assim os chamados ‘formados de opinião’ não se dignaram a contradizê-lo.
    Acho que devemos estimular o bom debate dos problemas e soluções para o Brasil.

  87. Comentou em 10/07/2006 Eduardo Guimarães

    Para concluir, Weis, seria interessante que você comentasse a nota de Luiz Antonio Magalhães sobre infográficos da Folha sobre gastos de campanha que favorecem os tucanos. Numa parte da nota, LAM comenta de uma manipulação grosseira e visível dos gráficos de forma a beneficiar os tucanos e prejudicar petistas. Não é a primeira vez que a Folha faz isso (distorcer gráficos em prol dos tucanos). A que se deve isso? Ato falho? Ou seria deliberado? Acho que a sua luta para ‘provar’ que não há complô, Weis, você a está travando em prejuízo próprio. Não faça isso com você. Não faça como tucanos, pefelês e grande mídia, que apostam na burrice de seus leitores. É uma aposta perdida.

  88. Comentou em 10/07/2006 Eduardo Guimarães

    Faltou no segundo comentário: quando há problemas na Segurança no Rio, a imprensa ataca não só a governadora Rosinha como também Garotinho, que nem governador é mais. Quando o problema do mesmo tipo é em São Paulo, a imprensa nem cita o nome do maior responsável vivo (Covas não responde mais nada) pela Segurança paulista. O blog do jornaliste Alon Feuerwerker disse bem: está um cheiro fortíssimo de 1989 no ar. Depois a imprensa se entregará a seminários sobre ‘onde erramos na cobertura política de 2006’, para tentar limpar a cara. Enfim, não adianta. Vamos ter que aturar não só a tendenciosidade como jornalistas vendendo a tese corporativa de que não há complô. Vamos assim mesmo, então. Faltam cerca de três meses. Depois das eleições, sobretudo se Lula vencer, talvez você e seus colegas da grande imprensa decidam descobrir por que o Brasil os ignorou e votou em Lula.

  89. Comentou em 10/07/2006 Eduardo Guimarães

    Mais um detalhe que não foi possível inserir no comentário anterior. Estou concluindo uma pesquisa sobre as manifestações de leitores nos espaços que Folha, Globo, Estadão e Veja destinam a eles. Estou pesquisando um período de 365 dias. Os dados preliminares indicam uma proporção de 10 para 1 entre as manifestações contrárias ao governo e contrárias à oposição. Agora, se você pegar as pesquisas de intenção de voto para presidente da República estratificadas por classe social e nível de renda, constatará que o apoio de Lula nas classes sociais que lêem jornal é de 3/4 do apoio que tem Alckmin, o que denota uma tendenciosidade deliberada desses veículos em dar espaço desproporcional à realidade para os leitores dispostos a malhar o presidente da República. Além disso, o ombudsman da Folha já publicou vários levantamentos que provam que a imprensa (sobretudo a de São Paulo) não cobriu o governo Alckmin como cobriu o governo Marta Suplicy e cobre o governo Lula numa proporção espantosa. Veja que São Paulo está vivendo um caos na Segurança Pública e o nome de Alckmin, que ficou 11 anos no governo de SP até poucos meses atrás, não aparece uma única vez. É gozado: quando há problemas na Segurança no Rio, atacam não só Rosinha como Garotinho

  90. Comentou em 10/07/2006 Eduardo Guimarães

    Por certo, Weis, você não leu a Folha de São Paulo e não sabe que os dados sobre diminuição da desigualdade já foram divulgadas por instituições como IBGE, Ipea etc e por isso os jornais tinham que publicá-los. Se tivesse lido a Folha com atenção, teria visto que o jornal teve o cuidado de publicar uma outra reportagem para se contrapor à favorável ao governo Lula. O título da reportagem da página A6 de ontem é ‘Renda financeira do rico sobe 66%; a do trabalhador, 19%’. Uma malandragem publicada duas páginas depois da reportagem favorável ao governo. Malandragem porque a ‘renda financeira do rico’ sempre subiu desse jeito no Brasil (como a própria reportagem ‘pró’ Lula destaca) por conta dos juros altos. Assim, a novidade é que, pela primeira vez, a renda dos pobres sobe tão fortemente. Lula está conseguindo a proeza de não impedir os ganhos dos ricos e, ainda ssim, distribuir renda como em décadas e décadas não acontecia, se é que já aconteceu. É pena que os dados da redução da pobreza e da desigualdade em 2005 e 2006 só venham a partir de 2007. E tem mais uma coisa: o próprio ombudsman da Folha tem dito que o jornal, se não é partidário, vem dando motivos para dizerem que é. Marcelo Beraba deve entrar na cota dos que seu colega de Folha Clóvis Rossi chama de ‘descerebrados’ e de ‘idiotas de plantão’.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem