Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

CÓDIGO ABERTO > Desativado

O caso da autonomia: o que faltou perguntar a Serra

Por Luiz Weis em 27/05/2007 | comentários

Um  funcionário da área administrativa de uma universidade paulista que por dever de ofício acompanha de perto a crise da USP, e por isso mesmo prefere não ser identificado, passou pelo moedor de carne a reportagem da Folha de ontem, assinada pelo colunista Vinícius Torre Freire, ‘Serra diz que nada mudou nas universidades paulistas’.


Nela,o governador afirma que os decretos sobre orçamento e pessoal não se aplicam à USP, Unicamp e Unesp’.


O leitor, contemplando o resultado, acha que o colunista deixou passar batidas algumas respostas de Serra.


E pergunta:


‘1) Se é assim como o governador diz, como ele explica a declaração do secretário do Planejamento, Francisco Vidal Luna, publicada no Painel, da Folha, em 15/5? A declaração textual: ‘Colocar as contas no Siafem em nada diminui a autonomia das universidades. O Tribunal de Justiça e a Assembléia Legislativa fazem isso e nunca houve problema nenhum’.

2) Se é assim com o governador diz, como ele explica a declaração do secretário da Casa Civil, Aloysio Nunes Ferreira, na matéria do repórter Fábio Takahashi, também da Folha, publicada na em 3/2? Segundo a reportagem, o secretário teria afirmado que a medida [necessidade de autorização para remanejamentos] é necessária porque as universidades não podem ser ilhas isoladas: ‘Toda a administração pública tem de viver de acordo com o Orçamento.’

3) Se é assim como o governador diz, o que teria a dizer da matéria ‘Projeto limita divulgação de repasse à USP’, do repórter José Ernesto Credendio, também da Folha, publicada em 25/5? Nela se lê que ‘Serra quer, em 2008, deixar de publicar no Diário Oficial o valor de repasses previstos e efetuados para as universidades estaduais’.


Pela cópia, L.W.


***


Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 29/05/2007 RONALD BITTENCOURT

    COMO ACREDITAR NO SERRA?????
    NÃO FOI ELE QUE ASSINOU UM DOCUMENTO EM CARTÓRIO DIZENDO QUE NÃO IRIA SAIR DA PREFEITURA DE SÃO PAULO E SAIU????????????

  2. Comentou em 29/05/2007 Herodoto Filho

    Caro Jornalista:

    Eis alguns questionamentos jamais respondidos por políticos,governantes e pela comunidade acadêmica:

    – A quem serve as Universidades Públicas ?

    – Quem estuda e tem acesso aos laboratórios, bibliotecas e as aulas ministradas na graduação e pós-graduação nestas instituições ?

    – Quais os requisitos legais para cursar a pós-graduação ?

    – Qual a função das fundações universitárias nas universidades públicas ?

    – Para que servem os impostos que pagamos ?

    – É legal o comércio de títulos de mestres e doutores nas universidades públicas ?

    – Por que há cobranças de taxas nos espaços públicos ?

    – Por que a pós-graduação é limitada a um pequeno no. de pessoas ?

    – O vestibular é válido como prova de sabedoria?

    – E agora , José ?

    Herodoto – Estudante

    RJ,2007.

  3. Comentou em 28/05/2007 Alexandre Cintra

    Outra coisa que faltou ao governador explicar, agora que já ficou algo claro que provavelmente não leu o que assinou (Ou não teria negado recentemente) e não faz a menor idéia do que pretende no âmbito das universidades é…
    O que ele quis dizer com ampliar as atividades de pesquisa, ‘principalmente as operacionais, objetivando os problemas da realidade nacional’?…
    Será uma frase de efeito, sem conteúdo, para delírio das massas e desespero de quem se importa com pesquisa básica?
    Será uma mensagem às Universidades que produzem pesquisa de ponta avisando que devem se preocupar em ajudar as empresas ao invés de colocar a ciência brasileira em nível mundial?
    Ou será mais alguma coisa assinada e não lida, como um cheque em branco mal feito e sem conteúdo ou pensamento?…

  4. Comentou em 28/05/2007 Paula Milkevicz

    Concordo que a Folha mudou sua postura sobre a crise na USP, nem por isso esqueci que na semana passada, além de um texto estimulando o preconceito contra os alunos, coisa que pra mim é inadmissível para um jornal, Vinícius Torres Freire também escreveu que talvez toda a dinherama que a universidade gasta poderia ser usada para construção de hospitais para os pobres!!!!! Acho que essas pessoas nunca entraram na USP, não conhecem a sujeira dos banheiros e a piada de muitos professores que só encontram um pedacinho de giz para dar aula e dizem que a aula será daquele tamanho. Isso mesmo, não é sempre que há giz nas salas de aula. O que ocorre é que algum bom aluno corre pelas outras salas para arrumar mais um pedacinho. Voltamos a velha questão levantada na semana anterior: o jornalismo não checa antes de publicar e a imparcialidade também não é mais um valor cultivado.

  5. Comentou em 28/05/2007 Marco Costa Costa

    Entenda a linguajar politicaneis, quando um nobre artista dessa profissão diz que algo não vai prejudicar esta ou aquela categoria, ele esta dizendo que vai prejudicar. Quanto ele omite qualquer informação, isso significa que ele já assinou a lei e prejudique quem prejudicar já não é mais problema dele, mas sim da nova lei. Contudo, se fosse verdade que ele não vai interferir no assunto relacionado com o orçamento Universitário, porque então ele pretende limitar a verba distribuída às Universidades Paulista. Deu para entender, quando é, é porque não é, quando não é, é porque é. Vai ter ééééé assim lá no Morumbi.

  6. Comentou em 28/05/2007 Marco Costa Costa

    Entenda a linguajar politicaneis, quando um nobre artista dessa profissão diz que algo não vai prejudicar esta ou aquela categoria, ele esta dizendo que vai prejudicar. Quanto ele omite qualquer informação, isso significa que ele já assinou a lei e prejudique quem prejudicar já não é mais problema dele, mas sim da nova lei. Contudo, se fosse verdade que ele não vai interferir no assunto relacionado com o orçamento Universitário, porque então ele pretende limitar a verba distribuída às Universidades Paulista. Deu para entender, quando é, é porque não é, quando não é, é porque é. Vai ter ééééé assim lá no Morumbi.

  7. Comentou em 28/05/2007 Lica Cintra

    O fato de Serra e os reitores afirmarem que os decretos não ferem a autonomia universitária não significa que seja verdade. Lula também falou que não sabia do mensalão…

  8. Comentou em 28/05/2007 valmir perez

    Se o governador afirma que os decretos sobre orçamento e pessoal não se aplicam à USP, Unicamp e Unesp, porque ele não incluiu isso em seus decretos e não assinou embaixo?
    Seria bom se isso estive escrito e assinado como lei também. De outra forma, como vamos poder saber se é verdade ou mentira, se vai ser cumprida uma promessa ou não (de promessas já estamos saturados) já que não está na lei?
    A mídia tem responsabilidade crucial na cobrança dessas ‘verdades’ mais ou menos ditas. Gostaria de saber se algum jornal ou televisão tem perguntado isso ao senhor governador do estado. Se ele incluiu essas declarações que fez, ressaltando a promessa de não mexer na autonomia das universidades ,em forma de lei. Pois se o governador do estado não pretende mexer nem na autonomia das universidades paulistas e nem nos seus caixas, seria bom deixar isso como forma de lei, para que quando ele saísse do governo não levasse a promessa embora e deixasse as universidades a ver navio. Leis servem para isso, para proteger os cidadãos e instituições de políticos mal intencionados. E a mídia serve também para que isso venha a público e seja muito bem entendido pela população.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem