Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

O caso Wikileaks e a inversão no fluxo informativo

Por Carlos Castilho em 12/12/2010 | comentários

Publicar primeiro, verificar depois. Até agora, um procedimento como este seria considerado uma heresia jornalística, mas depois da avalancha informativa deflagrada pela internet, a checagem a posteriori tornou-se algo quase inevitável.


É que o volume das informações publicadas na web cresce tão vertiginosamente que não há instituição ou cérebro humano capaz de dar conta de toda a verificação e contextualização de fatos, dados, processos ou notícias. Um cálculo estimativo feito com base em índices produzidos pelo documento How Much Information revela que em 2008 cada ser humano teria produzido, em média, 2,76 gigabytes de informação por ano, o equivalente a uma pilha de livros com 32 metros de altura [estimativa feita tomando como base uma população mundial de 6,7 bilhões de pessoas em junho de 2008. How Much Information].


Para tentar entender melhor este fenômeno, vamos tomar o caso das 400 mil páginas de documentos secretos publicadas pelo site Wikileaks e que geraram uma polêmica mundial. Imaginemos que estes documentos chegassem à redação de um jornal como a Folha de S.Paulo, Estadão ou O Globo, os maiores do Brasil. Evidentemente as redações normais não teriam condições de analisar todo o material para avaliar o que mais importante e atual, menos ainda para verificar a credibilidade e exatidão.


Supondo que cada página consumisse um minuto de leitura rápida, uma pessoa levaria 27 meses para examinar todo o material, trabalhando oito horas por dia, sete dias da semana. Uma redação de 40 pessoas, grande para os padrões atuais, gastaria 20 dias no total para concluir a tarefa.


Nenhum jornal ou revista poderia se dar ao luxo de fazer isto hoje. O procedimento normal talvez seria selecionar um número mínimo de documentos para análise e publicação e o resto ficaria inédito, privando o público de informações que poderiam ser essenciais para aprimorar o funcionamento das instituições políticas, econômicas e sociais.


Um exemplo em escala reduzida é o que acontece aqui mesmo na página do Observatorio da Imprensa. Nenhum dos colaboradores do site tem a pretensão de abarcar toda a diversidade e complexidade dos fatos e processos que são abordados diariamente. Cada um de nós tem uma visão diferente e parcial porque nossa capacidade de entender a realidade é limitada. Mas a soma destas visões limitadas é que dá ao leitor uma abrangência e diversificação de tratamento que fazem desta página um lugar único para os que não se satisfazem com enfoques unilaterais da notícia.


Se em vez da lógica exclusivista da imprensa, decidíssemos enfatizar as aspirações da sociedade, não teríamos muita dificuldade em justificar a publicação de todo o pacote de documentos para que o público mesmo decidisse o que deveria ser levado em conta e o que deveria ser descartado.


Os governos alegam que os documentos sigilosos lhes pertencem e que a publicação não autorizada equivale a uma violação da lei. Mas todos sabemos que os governos, da mesma forma que as empresas, partidos políticos e quase todos os cidadãos, só divulgam aquilo que lhes interessa e ocultam o que lhes traz prejuízos.


É a aplicação desse princípio que reduziu a credibilidade dos governos e dos políticos a índices baixíssimos e está minando toda a confiança dos leitores nos jornais, revistas e telejornais, na medida em que os interesses de cada empresa, governo ou políticos tornam-se mais visíveis por conta da crescente diversificação das fontes de informação.


Voltando ao Wikileaks, há outros fatores a serem levados em conta na polêmica atual, que pode ser vista como um exemplo do que está acontecendo no mundo em matéria de inversão de fluxos noticiosos.


É evidente que numa massa tão grande de documentos, os interesses do público são muito variados. As fofocas do ministro Nelson Jobim em suas tertúlias com o embaixador norte-americano no Brasil não teriam nenhum interesse para os jornalistas japoneses, da mesma forma que especulações sobre políticos nipônicos teriam repercussão mínima no Brasil.


Na ausência de uma instituição capaz de classificar os documentos em função de interesses específicos, a melhor alternativa ainda é priorizar a publicação em função da diversidade de interesses, deixando a checagem para indivíduos e grupos, agindo de forma coletiva.


Evidentemente isto embute uma série de problemas, principalmente se olharmos pela ótica do jornalismo convencional. O público não tem o mesmo preparo dos jornalistas para lidar com a informação e trabalhar com a notícia; portanto, teoricamente, a chance de fazer julgamentos equivocados é bem maior. É a leitura crítica, o tema do nosso próximo post.

Todos os comentários

  1. Comentou em 15/12/2010 Carlos Castilho

    Oi Cristiana,
    Eu não ponho a mão no fogo pelo Julian Assange, mas aposto tudo na
    luta pela liberdade no fluxo de informações. A livre circulação de
    informações não é um luxo mas sim uma necessidade vital para o
    desenvolvimento da leitura critica que nos ajudará a sobreviver à
    avalancha informativa. A estratégia conservadora é personalizar a
    questão do Wikileaks no Julian Assange, porque qualquer problema
    pessoal pode ser distorcido para desacreditar o alvo principal, a
    liberdade no fluxo informativo. Abraço Castilho

  2. Comentou em 15/12/2010 Cristiana Castro

    Castilho, eu não sei, não. Tô achando isso tudo muito fácil….Wikileaks virou um oráculo na web. Até então, não era assim, cada leitor seguia os seus jornalistas, blogs, portais, etc… De uma certa forma, a Imprensa ( que sempre meteu o pau na rede ), chancela a credibilidade do Assange dá uma notoriedade a ele que nunca deu a ninguém. Ou seja, o PIG ‘ marketa’ o Assange. Nada contra ele ou o site, quero os dois bem livres mas, acho muito estranho. De minha parte, continuarei nos meus blogs, sites e portais, de sempre. Esse evento todo está muito mais com cara daqueles eventos midiáticos do tipo ‘ mensalão’ que a gente já conhece do quecom pinta de novos ares. Aqui no Rio de Janeiro, se WL e JA, representassem alguma ameaça, não estariam no Jornal Nacional.

  3. Comentou em 14/12/2010 Marcos André Lessa

    Julian Assange já deu entrevista ao programa TED (disponível na internet) dizendo que tem uma equipe que verifica as informações. E exatamente por não ter gente suficiente pra checar é que os documentos são publicados mais devagar do que deveriam.

  4. Comentou em 14/12/2010 Edneia Mota

    Considerar que “o público não tem o mesmo preparo dos jornalistas” é ter uma visão muito romântica da profissão. Grande parte dos jornalistas prioriza a rapidez da disponibilização do conteúdo ao tratamento adequado da informação. Os motivos são vários, como a velocidade da disseminação na rede, o enxugamento das redações etc. Queria ainda acreditar nesse profissional de seu texto, mas a impressão que tenho é que cada vez mais o jornalista cobre mais áreas e, sem o preparo adequado, não tem conhecimento suficiente sobre os temas que envolvem o assunto para fazer uma leitura crítica adequada (e aqui já estou considerando que ele não deve dominar a fundo todos os assuntos; para isso temos os especialistas). Aliás, queria discordar da citação que fiz no início do meu texto por acreditar mais no público leitor. Mas o fato é que acredito cada vez menos no profissional de jornalismo capacitado.

  5. Comentou em 13/12/2010 Mauricio Barrios

    ‘O público não tem o mesmo preparo dos jornalistas; a chance de fazer julgamentos equivocados é bem maior.’ Concordo. MAS, apesar de a maior parte da população não ter condições de fazer uma análise crítica das informações, a pequena parcela da população que tem condições ultrapassa, em número, o tamanho de qualquer redação de jornal. Além de não estarem presos (coletivamente) a nenhuma corrente ou política. Ou seja, fazem análises independentes.
    Entendo que, num primeiro momento, os julgamentos equivocados dominam a atenção e opinião da massa. Mas, à medida que o povo vai se instruindo, se politizando e debatendo, ele aos poucos migra de ‘um público sem preparo’ para um público com condições de analisar os dados. E os que já são capazes alimentam o crescimento intelectual dos que ainda não são.
    É um círculo virtuoso, e a divulgação destas toneladas de informações, apesar de num momento inicial tender a ser mal interpretada/julgada, leva ao crescimento do grupo como um todo. abraço! @msbarrios

  6. Comentou em 13/12/2010 Wendel Anastacio

    ‘O público não tem o mesmo preparo dos jornalistas para lidar com a informação e trabalhar com a notícia; portanto, teoricamente, a chance de fazer julgamentos equivocados é bem maior.’
    Professor Carlos, concordo com esta sua afrmação ainda que com algumas reservas, e ainda enfatizando que temos um grande número de analfabetos funcionais, que a cada ano as universidades despejam/ jogam no mercado, sou obrigado a concordar em parte!
    … ‘É a aplicação desse princípio que reduziu a credibilidade dos governos e dos políticos a índices baixíssimos e está minando toda a confiança dos leitores nos jornais, revistas e telejornais, na medida em que os interesses de cada empresa, governo ou políticos tornam-se mais visíveis por conta da crescente diversificação das fontes de informação.’
    Assim sendo, atribuo quase que exclusivamente hj, meu repúdio a esta nossa imprensa, que se autodenominou partido político, usando o subterfúgio da incompetência das oposições!

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem