O colunista, o juiz e o país | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

CÓDIGO ABERTO > Desativado

O colunista, o juiz e o país

Por Luiz Weis em 14/08/2008 | comentários

A imprensa brasileira infelizmente não costuma gastar muito espaço com o que o colunista Fernando Rodrigues, de volta à Folha depois de um ano nos Estados Unidos, chama de “valores e costumes gerais do brasileiro”.


Jornalistas ou não, brasileiros que tenham olhos de ver tendem a voltar de um período mais prolongado no exterior exatamente com essa preocupação, e durante algum tempo se comportam com atípica civilidade – atípica pelo menos para os tristes padrões das nossas metrópoles.

Depois, a força dos maus hábitos, sustentada pelos maus exemplos, se impõe e tudo volta aos conformes.


Mas, enquanto dura o interesse de um jornalista pelo assunto que só parece incomodar uma minoria de seus colegas, ele acerta em cheio ao escrever:


‘O Brasil é um país de classe média. Vá lá. Mas tem um caminho longo para vir a ser uma nação desenvolvida”.


O acerto está em falar em desenvolvimento fora de seu sentido convencional, como sinônimo de progresso econômico e das condições materiais de existência de uma população.


Desenvolvimento quer dizer basicamente isso, sim, mas o termo será sempre insuficiente se não cobrir também a qualidade das regras que governam a vida cotidiana – afinal, a única que permeia todas as outras que se possa ter.


Sendo o que são essas regras por aqui, pega na veia a constatação do colunista de que “nem FHC nem Lula decifraram um enigma crucial: a fórmula para combinar crescimento econômico com aperfeiçoamento dos valores e costumes gerais do brasileiro”.


E tanto essa fórmula faz falta que, no mesmo jornal, duas páginas adiante, o leitor topa com uma tirada que tem tudo a ver com o comentário do Fernando Rodrigues. Foi do juiz Fausto Martin De Sanctis, o que mandou prender Daniel Dantas e outros da Operação Satiagraha.


Falando na CPI dos Grampos sobre o controle das escutas telefônicas autorizadas, ele disse:


“Temos que fazer uma lei adequada ao nosso país. Não adianta querer fazer lei de país civilizado porque esse país não é.”


Depois, segundo a Folha, De Sanctis tentou se corrigir. Assim:


“Quis dizer que não somos um país do Primeiro Mundo.”


Pior a emenda. Quer dizer que, não sendo, deve-se aceitar aqui o que ali não se aceita?


Quanto ao soneto propriamente dito, parece o juiz desconhecer um dado essencial da experiência histórica: leis civilizadas ajudam a civilizar o país que as adota.


O argumento do juiz faz lembrar a carta de um leitor do Estado de S.Paulo, em 1999, sobre o então recém-instituído Código de Trânsito Brasileiro. Inconformado com a severidade maior das punições previstas no texto, em comparação com o que havia, o cidadão saiu-se com mais ou menos as seguintes palavras:


Onde é que eles pensam que estamos? Na Suécia?


O que, por sua vez, faz lembrar uma recente nota na coluna do jornalista Ancelmo Goes, no Globo.


Num cruzamento do Rio, um tipo pôs a cara para fora do carro e esbravejou contra a motorista à sua frente, que parou quando o sinal ficou vermelho.


“Pensa que está na Suécia, sua perua?”


Deve fazer parte dos “costumes gerais dos brasileiros” em relação aos quais a mídia não está nem aí.

Todos os comentários

  1. Comentou em 29/08/2008 nelson tadeu daniel daniel

    É evidente que estamos vivenciando um verdadeiro estado policial , sob a espada de fazer justiça, os direitos individuais estão sendo aniquilados. Juizes,delegados,promotores, não respeitam o principio do devido processo legal e cada um é um magistrado. A unica saida e investir em EDUCAÇÂO do povo. Aqui em pernambuco o pobre e tratado geralmente pela estado polica com ser humano de terceira. Não respeitam o mimino direito de cidadania. Somente um Daniel Dantas, tem poder economico para colocar em discussão os abuso que são diariamente sofrido o cidadão comum. Que se investigue, mas respeitando a dignidade humana, o cidadão, o devido processo legal. O Brasil não precisa de juiz,promotor salvador da patria e sim de EDUCAÇÂO.

  2. Comentou em 16/08/2008 Carlos N Mendes

    Não tem segredo. A Suécia somos nós que fazemos. Não cai do céu, assim como salvadores da Pátria e soluções instantâneas. Se aceitar transgressões é coisa de terceiro mundo, condenar a transgressão alheia e fechar os olhos para as nossas é pueril. E para irmos na direção certa, seria um bom começo fazermos nosso pacto de Moncloa. Seria o pacto Cidadão : o Governo revisaria as 2 milhões de leis que hoje aqui existem, cancelaria as redundantes, inconstitucionais e autoritárias e assumiria como contrapartida fazer cumprir as que sobrassem. Um batedor de carteira em 20 vai para a cadeia, e fica 2 anos lá; seria muito melhor que todos os 20 fossem para cadeia, e ficassem 2 meses lá. Hoje, muitos juízes concordam que não é o tempo de cadeia que inibe o crime, mas a certeza da punição. Isso não temos no Brasil, e mudar as mentes vai ser mais difícil do que aumentar o PIB.

  3. Comentou em 16/08/2008 cid elias

    O Weis joga contra o governo e contra um Juiz com J, e a torcida acéfala vai atrás! Atingir quem mesmo, sr desocupado? O dd agradece mais um colaborador da imprensa.

  4. Comentou em 16/08/2008 Cesar Luiz Paranhos da Silva Silva

    ou o articulista não ´captou´ o discurso do juiz – ignorância.
    ou está agindo de má-fé – perversidade.
    Além do mais, leis repressivas não se importa – porque devem ser adequadas ao contexto histórico do estágio tecnológico e civilizatório de cada dada sociedade .
    Os programas normativos de aperfeiçoamento da comunidade local em relação ao estágio mais avançado almejado pela humanidade, são aqueles consagrados nas Declarações e Convenções Internacionais!
    Te manca, mocorongo!

  5. Comentou em 15/08/2008 Luciano Prado

    Alex Gonçalves, Professor (Vitória/ES)
    Tenho pena dos teus alunos.

  6. Comentou em 15/08/2008 Lucas Artur

    Esta claro que estas investigações iriam atingir alguém do alto escalão do governo. Mais o que me deixa mais imprecionado é como uma pessoa pode ter tanta influencia, dentro de quase tudo no sistema brasileiro. O DD tem influencia dentro da imprensa, dentro PF, dentro STF, do STJ, do Governo Federal, no mercado financeiro e por ai vai. Alguém ainda acha que esse cara vai ser processado por alguma coisa? O Brasil esta chegando perto da explosão, e isso não vai demorar à acontecer

  7. Comentou em 15/08/2008 Alex Gonçalves

    O sistema de comentarios do OI remove toda formatação, com o texto virando um único parágrafo gigantesco…

  8. Comentou em 15/08/2008 Alex Gonçalves

    O sistema de comentarios do OI remove toda formatação, com o texto virando um único parágrafo gigantesco…

  9. Comentou em 15/08/2008 Alex Gonçalves

    Cuidado. Estamos vivendo um estado policial. Não saiam de casa. Em vez de p-p-ps te assaltarem, voce será vitimado pela PF, que está algemando descaradamente. São fascistas a serviço da ala trotskista do PT. Eles só investigaram e prenderam petitas no mensalão pra disfarçar.

    Esqueci dos juízes desequilibrados, loucos mesmo. Eles tem a coragem de injuriar a honra do povo brasileiro. Não são como Diogo Mainardi, que semanalmente, na revista de maior circulação do país, luta contra o racismo e todas as formas de preconceito no Brasil. Quando ele cita racistas em sua coluna, é só pra ironizar, com sua incrivel verve – ´Wit´ em inglês, ´Geist´ em alemão. Não é a toa que o grande DM merece honras de Paulo Francis por todo povo inteligente que se preze.

    Pra finalizar: Quem fala que a origem de DD é a privatização de FHC e ousa insinuar que existem jornalistas corruptos é gente doida por teorias de conspiração. Assitiram muita Matrix.

  10. Comentou em 15/08/2008 José de Souza Castro

    Se alguém se interessou pela informação sobre o fechamento do Novo Jornal, que fazia oposição a Aécio Neves, pode ler a explicação no blog Tamos com Raiva (www.tamoscomraiva.com.br). Tentei enviar o artigo para o OI, mas está impossível o contato.

    Nota do OI: O artigo do mencionado blog foi copiado pela Redação do OI para ser reproduzido na edição-base de terça-feira (19/8). E o contato com o Observatório é o e-mail canaldoleitor@ig.com.br Mais informações na página Envie seu artigo.

  11. Comentou em 15/08/2008 rubens goyatá

    tirar uma frase do contexto para ajudar a desqualificar o Juiz, ignorando o ‘banho’ que ele deu nos que querem provar que estamos em um ‘estado policial’. Daniel Dantas agradece. De que lado você está, Luiz Weiss?

  12. Comentou em 15/08/2008 Luciano Prado

    É inacreditável o gosto dos jornalistas e articulistas por pinçar frases, muitas delas, puro desabafo, para daí fazer um tratado ou uma tese de mestrado ou doutorado. Ou ainda para servir de mote para o artigo semanal porque a inspiração não encontrou assunto melhor.
    Esquece-se todo o resto e fixa-se no acessório.
    Quem viu a fala do juiz De Sanctis na CPI dos amigos de Daniel Dantas, sabe bem que ele disse outra coisa, embora a frase tenha existido.
    Aliás, o juiz De Sanctis disse muito mais, mas teve gente que não ouviu ou não quis.

  13. Comentou em 15/08/2008 Luciano Prado

    É inacreditável o gosto dos jornalistas e articulistas por pinçar frases, muitas delas, puro desabafo, para daí fazer um tratado ou uma tese de mestrado ou doutorado. Ou ainda para servir de mote para o artigo semanal porque a inspiração não encontrou assunto melhor.
    Esquece-se todo o resto e fixa-se no acessório.
    Quem viu a fala do juiz De Sanctis na CPI dos amigos de Daniel Dantas, sabe bem que ele disse outra coisa, embora a frase tenha existido.
    Aliás, o juiz De Sanctis disse muito mais, mas teve gente que não ouviu ou não quis.

  14. Comentou em 15/08/2008 ubirajara sousa

    Em que estágio de ‘civilização’ encontra-se a nossa querida imprensa? Seria ela um bom exemplo para o mundo? Que se manifestem os senhores jornalistas de plantão.

  15. Comentou em 15/08/2008 Ito Silvério Guedes

    Vivemos em uma sociedade onde os princípios morais foram esquecidos à muito tempo. Onde essa pseudo-liberdade é encarada como democracia. Só se for dos aristrócratas, que oferecem ao povo pão e circo para se destrairem, enquanto os grandes dententores do ‘saber’ declamam seus dircursos inflamados levando essa população carente de ‘consciência crítica’ acreditar que é culpada de toda essa vergonha. Mas nem percebem que o verdadeiro maestro de toda essa canibalização são aqueles que foram escolhidos para governar essa nação que vive de tropeço.
    E tão lindo falar em Democracia, só que até hoje, não me ensinaram onde ele é aplicada verdadeiramente…

  16. Comentou em 15/08/2008 Felipe Faria

    Exatamente Panda, o Brasil é o paraíso da impunidade graças a juizes incompetentes como o de Sanctis, você tem toda razão. Nenhum processo como aquele que ele fez tem futuro, vai tudo para a gaveta. Processo não é lugar de juiz expressar suas vontades, nem fazer manifestos à nação.

  17. Comentou em 15/08/2008 cid elias

    lamentável o que escreveu o editorialista do estadão ão ão, Mr Weis. o dd agradece, como foi dito abaixo pelo Jens.

  18. Comentou em 15/08/2008 cid elias

    Lamentável, mais uma vez, o enfoque desfocado do articulista, ôps, do editorialista daquele troço chamado estadão ão ão, sr weis. Conforme dito pelo Jens logo abaixo, o dd agradece mais essa distorção da verdade, desta feita a cabo de um suposto observador da imprensa.

  19. Comentou em 15/08/2008 emilio midlej

    Caro Sr. reporter.
    Gostaria de lhe fazer uma sugestão: que tal pedir um emprego tambem na veja, é so levar esse artigo que o sr. escreveu, talves os mainards da vida permita-o, se bem que toda a imprensa do pig já escreveu a mesma coisa do sr. e ouso até dizer que bem mais elaborado. Como disse um comentarista acima, os DDs da vida agradecem.

  20. Comentou em 15/08/2008 Eduardo Panda

    Deve ter muita gente com o rabo preso, mesmo! Antes, qualquer coisa era desculpa para atingir o LULA. Agora, com gente próxima ao Presidente envolvida nesses esquemas do Dantas, e a opoisção (PSDBDEMONÍACA) caladinha, caladinha??!! Claro, convocaram o Jungmann, o Heráclito e o Mendes (que boa hora pra ele ser Presidente do STF) como tropa de choque para desmoralizar a Polícia Federal e o juiz De Sanctis. E como ponta de lança, alguns articulistas ‘inocentes’ para dar uma ajudinha. Quem se presta a uma situação como essa, compactua com tudo o que está aí. Por isso é bom ver o que se está escrevendo, poque já não é mais caso de uma simples opinião. Aqui trata-se dos mais elevados interesses da nação que estão sendo vilipendiados e negados ao povo, quando se acoberta os ‘intestinos’ (como diria o Bob Fernandes) chagados pelo câncer da corrupção que assola o país. Muito triste! Que sina essa a do nosso Brasil! Homens públicos de péssima índole e de caráter duvidoso que se sobrepõem aos de bem. Espero que esses (os de bem) reajam, porque tem hora pra tudo. Pra construir e para destruir. Já passamos da hora de destruir esses esquemas que tanto atrasam o país!

  21. Comentou em 15/08/2008 Isabella Reis Pichiguelli

    ‘Leis civilizadas ajudam a civilizar o país que as adota’. – Um país é formado por pessoas. E leis não civilizam ninguém. Leis obrigam, não mudam a forma de pensar. E as pessoas ajem conforme aquilo que pensam. Cumprem a lei se concordam com a lei. Ou, ao menos, se concordam que é de bom tom cumprir a lei, mesmo que esta não esteja totalmente de acordo com seus pensamentos. A lei nunca será eficiente por si só. Achar que o BRASIL, O mundo e o fundo podem ser MUDADOS através de POLÍTICA, senhores… é SONHO! E, caro LUIZ WEIZ, é papel da imprensa, agora, EDUCAR o povo brasileiro? DEBATER seus costumes a fim de que sejam mudados… através de LEIS? Ora! Pensei que eu estava me preparando para noticiar, – e não SONHAR – para DEBATER os FATOS que acontecem a fim de que haja alguma melhora… através do poder de PERSUASÃO que a imprensa detém (imparcilidade é ilusão), mas os amigos demonstram estarem, depois de calejados, ainda iludidos!

  22. Comentou em 15/08/2008 Rogério Pereira

    ninguém desconfia? acabram com as algemas, querem acabar com os grampos autorizados, querem acarear delegado com acusado. julgar decisões de juiz no cnj… e a oposição que antes bastava o lula dar um pum e já gritavam cpi agora vaza um grampo onde aparece o chefe de gabinete num papo estranhíssimo e não vi o senador do amazonas se esguelar pedindo cpi, nem os demos se endemoniando.

    meu Deus, a impressão que dá e que esse banqueiro comprou o brasil. inacreditável o que se viu na cpi e se lê na imprensa.

  23. Comentou em 15/08/2008 rubens goyatá campante

    O Juiz deu um belo e seguro depoimento. Desmontou o argumento furado de que o país vive uma ‘ditadura’ dos grampos telefônicos, explicou como se trabalha dentro da lei para punir os corruptos…..mas deu o que a maioria da imprensa estava esperando, uma escorregadela que, desfocada, descontextualizada, pudesse servir de manobra diversionista. O escândalo agora é a fala do Juiz dizendo que somos de terceiro mundo, QUE HORROR! Seu patrão é o mesmo da Miriam Leitão, Luiz Weiss?

  24. Comentou em 15/08/2008 Ana Bednarski

    Caro Sr Luiz Weiss,
    Sendo o senhor um jornalista, porque pautou seu artigo em cima de uma artigo?
    Porque não pauto o artigo assistindo, lendo, ouseja, ficando a par do depoimeito do juiz?

    Lamentável…o que a imprensa esta se tornando.

  25. Comentou em 15/08/2008 José Edi Nunes da Silva

    Nada como tirar uma frase do contexto e descer o cacete. DD agradece.

  26. Comentou em 15/08/2008 Eduardo Panda

    Eu não acredito! Em que país estamos?!! Até aqui?!! Quer dizer que o juiz De Sanctis agora é o vilão de toda essa história?!! Agora começo a entender porque o Brasil é um estado corrupto. E não são apenas os três poderes que contribuem para esse estado de coisas.
    Parece que tem outros poderes envolvidos. Que vergonha!
    Concordo com o Juiz. Que adianta leis de primeiro mundo se não são devidamente aplicadas? Se não temos cultura para cumprí-las, a começar pela ‘elite’ que as elabora. Nesse momento da nossa história estamos dando ‘coices’ num futuro que poderia ser auspicioso para a sociedade brasileira. E com a ajudinha de sempre de nossa ‘querida’ imprensa. Suspiro!

  27. Comentou em 15/08/2008 Victor Meras

    O Brasil é do terceiro mundo pela imprensa e empresas que tem.

  28. Comentou em 14/08/2008 Célio Mendes

    Enquanto se discute o que o juiz disse ou não disse, o que o Delegado escutou ou não escutou, se bandido deve usar algema ou ser carregado em liteiras, se prisões são ‘espetaculosas’ ou devem ser feitas mediante consulta prévia aos suspeitos, a imprensa vai deixando de falar no dinheiro da tentativa de suborno ao delegado, dos investidores no fundo ilegal do Oportunity, na forma criminosa como o Dantas foi financiado durante a privatização tucana, na grande maracutaia que esta se tentando impingir ao pais com a fusão da Oi com a Brasil Telcom. Atacar o juiz e o delegado e simplesmente não falar dos crimes do banqueiro é ofender a inteligência de todos os cidadãos brasileiros, uma prova cabal do poder de Dantas sobre os grande grupos de mídia do Brasil. Eu julgava impossível a mídia perder mais credibilidade do que já tinha perdido mas ela tem uma infinita capacidade de me surpreender, como um professor meu falava “A degeneração não tem limites”.

  29. Comentou em 14/08/2008 Felipe Faria

    aliás, daqui a pouco o juiz vai dizer que o povo brasileiro não sabe votar…apud Pelé. Sim, pois que o povo elege o legislativo, e na opinião voluntarista do juiz as leis são inadequadas.

  30. Comentou em 14/08/2008 Felipe Faria

    O caso ‘de Sanctis’ mostra bem o nível da formação dos juizes (e bacharéis em direito) no Brasil, pura ideologia sem consistência alguma….sinal dos tempos ou os ignaros tomaram conta da rapadura?

  31. Comentou em 14/08/2008 Alex Gonçalves

    Péssima colocação sobre o Juiz De Sanctis. Ou o Senhor Luiz Weis não assitiu a todo depoimento, ou esta brincando com a nossa inteligencia.

    E ajudando a desviar o foco principal da Satiagraha: A podridão geral provocada e comprada por Dantas desde os tempos da privatização de FHC até a antesala de Lula.

    Como (e com) grande parte da mídia.

    Observatório da Imprensa.

    ?

  32. Comentou em 14/08/2008 Ivan Moraes

    ‘Sabe o que o Juíz fez? Prendeu o Ciccarone pela corrupção e livrou o beneficiado pela ‘transação”: a mesmissima coisa aconteceu com Paulo Henrique Amorim, e eh o caso da espionagem juridicamente declarada como espionagem ‘que se fez’ (detalhes no site dele). O fato eh que qualquer condenacao de DD abriria as portas aas suas conexoes com o ‘fino’ da sociedade brasileira e tucana, e o ‘fino’ da sociedade brasileira e tucana eh corrupto.

  33. Comentou em 14/08/2008 sérgio campos

    O senhor fez o comentário lendo os jornalões, que tanto critica, com uma frase fora do contexto. A grande mídia, como o sr. sabe, não está interessada na verdade dos fatos. Dantas é culpado e tenta desviar o foco das investigações com o apoio geral dos jornais. Essa frase do juiz é só um exemplo em meio a tantos, todos os dias.

    Que o país não é civilizado sabemos todos. Se fosse, as leis seriam cumpridas e os que as desrespeitassem seriam punidos. Acho que foi isso que o juiz externou com desalento e virou vilão em boa hora. Para Danta e para a imprensa.

  34. Comentou em 14/08/2008 Lair M Jr

    Tá bom! O Juíz não quis dizer isso e eu sei disso porque VI o depoimento. Não vou explicar aqui o que ele quis dizer. Mas, vamos supor que ele realmente disse que nós somos índios que não merecemos uma legislação civilizada. Mesmo assim, isso NÃO É NADA perto de toda a corrupção que o Senhor Daniel Dantas inseriu em todos os poderes desse país, incluindo aí o Quarto Poder. Dantas acusa agentes públicos sem provas e isso vira primeira página na Folha e no Estadão. Mente na CPI apoiado por um Habeas Corpus. Mas TUDO ISSO NÃO IMPORTA porque o Juíz disse que nós somos índios! Isso é surreal! O presidente do Supremo já dá a dica de que o flagante de corrupção, (viu? FLAGANTE DE CORRUPÇÃO) pode ser derrubado no supremo! Viu? Ele já deu a senha para entrar com a ação NO SUPREMO TRIBUNAL, a casa MÁXIMA DA JUSTIÇA! Ele foi flagado, com autorização da Justiça, oferecendo 1 MILHÃO (viu? HUM MILHÃO!!!!) para livrar a cara do Daniel Dantas e da irmã Verônica ‘Decidir.com’ e para incluir o Luiz DeMarco (que aliás, está com um artigo aqui no OI) no processo! Sabe o que o Juíz fez? Prendeu o Ciccarone pela corrupção e livrou o beneficiado pela ‘transação’ que foi o Dantas! Mas isso é motivo para criticar o Mendez? Claro que não! Desculpe, mas isso está dando asco!

  35. Comentou em 14/08/2008 marcio wilko

    O Pessoal! não pude assistir a todo depoimento do Sr. Juiz Federal De Sanctis. (esse sim da vontade de chamar de Sr), mas será que ele só falou esta frase lá? Este OI está fomentando a campanha contra a lei e ajustiça quando coloca essa questão em debate. A propósito, o Sr. Juiz , falou alguma coisa sobre que foram os advogados de defesa que vazaram as informações para a imprensa. Mas isso não impoorta pro PIG e seus asseclas deste OI.

  36. Comentou em 14/08/2008 Ivan Moraes

    ((off topic ao Jose: a denuncia do novojornal tinha 14 links de documentacao, e ainda pode ser encontrada aqui: http://64.233.169.104/search?q=cache:QnO9cwxt2eMJ:www.novojornal.com.br/politica_noticia.php%3Fcodigo_noticia%3D6431+site:novojornal.com.br+fiat+codemig&hl=en&ct=clnk&cd=1&gl=us ))

  37. Comentou em 14/08/2008 Pedro Pereira Pereira

    Não há duvidas que são necessárias atualizaçoes no código penal que é da decada de 40 (governo Gétulio). A contribuiçao dos doutrinadores na elaboração desse código não deve ser relegada e ele no todo ainda é atual mas não contempla os novos crimes que foram surgindo.Por outro lado o código de processo penal passa do tolerável e permite uma gama de recursos para retardar o andamento e aplicação da pena.Os juizes sabem disso e sofrem (OU NÃO) quando quer ver feita a justiça.Nos casos de comoção popular o andamento incial não resta dúvida anda mais rápido mas depois entrava nos melindres do CPP.
    O juiz De SAnctins, concursado e empossado tem conhecimento disso e sabe que não há necessidade de fazer leis para pais civilizado e sim cumpri-las de acordo com o direito positivado que é a raiz do nosso código.Mas ele não age assim, e se avoga o direito de fazer UTOPIAS ( à Morus) da nossa sociedade sendo ele o criador da sociedade ideal.Foi infeliz como juiz e o contexto que ele disse é esse mesmo, não adianta dizer o contrário.
    Se fosse uma declaraçao de um cidadão comum, nada errado, mas ele deveria contribuir para que esse pais se tornasse mais civilizado se assim ele não o acha e deixar de ser mariposa procurando holofonte.
    O supremo vai ter muito trabalho pra consertar as burrada que essa turma nova está fazendo usando as ¨necessidades socias¨ como escudo.

  38. Comentou em 14/08/2008 José de Souza Castro

    Evidentemente, as explicações dadas no aviso do Ministério Público para o fechamento do Novo Jornal são insuficientes. Parece coisa dos censores da ditadura militar. Eram homens de mínimas palavras. Fui buscar uma explicação no site do MP (http://www.mp.mg.gov.br/extranet/portal/) e vi lá muitas notícias sobre os feitos dos promotores de justiça mineiros, mas nada sobre o Novo Jornal. Vamos ver se a imprensa faz a sua obrigação de informar.

  39. Comentou em 14/08/2008 José de Souza Castro

    Evidentemente, as explicações dadas no aviso do Ministério Público para o fechamento do Novo Jornal são insuficientes. Parece coisa dos censores da ditadura militar. Eram homens de mínimas palavras. Fui buscar uma explicação no site do MP (http://www.mp.mg.gov.br/extranet/portal/) e vi lá muitas notícias sobre os feitos dos promotores de justiça mineiros, mas nada sobre o Novo Jornal. Vamos ver se a imprensa faz a sua obrigação de informar.

  40. Comentou em 14/08/2008 Sérgio Troncoso

    Sr. Weis,se o senhor viu ou leu(eu tive essa paciência) o todo do depoimento do juiz,deveria ter entendido ‘o que,e o porque’ do que foi dito.Duro é querer jornalismo civilizado em país de terceiro mundo e ler essa peça de ficção contra o juiz que o Sr. produziu.

  41. Comentou em 14/08/2008 Andre fde

    Prezado Luis,
    Até tu Brutus?
    Até tu vai perseguir o juis De Sanctis?
    Essa imprensa nossa está uma vergonha.
    Qual é o seu preço? Todos vcs são uns vendidos…

  42. Comentou em 14/08/2008 José de Souza Castro

    O que vou escrever não tem muito a ver com o conteúdo do artigo, mas sim com o título, pois revela um aspecto de nossa realidade. Tentei acessar há pouco, como faço às vezes para ver se há mais alguma denúncia ali contra o governo de Minas (é o único lugar em que a encontro naquilo que tem no título a palavra jornal), o site http://www.novojornal.com.br/, do Novo Jornal, de Belo Horizonte, de propriedade de Marco Aurélio Flores Carone, um político e publicitário filho do ex-prefeito cassado pelos militares de 1964 Jorge Carone, Em vez da página tradicional, encontrei uma mensagem encimada com as palavras ‘Ministério Público do Estado de Minas Gerais’ e o aviso em letras garrafais: ‘Esta página foi suspensa por medida cautelar judicial e o conteúdo do site é objeto de apuração por indícios de prática de crimes. Promotoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos’. Com esse simples aviso, calaram o único ‘jornal’ de oposição ao governo de Minas. A última denúncia, veiculada ontem, foi de venda de um terreno a preço bem abaixo do mercado pertencente à estatal Codemig (Companhia de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais) a uma empresa do Grupo Fiat, para a instalação ali de um aterro sanitário. Não sei se há relação entre essa notícia (que foi divulgada pela primeira vez em julho) e o fechamento do ‘site’. Vamos ver se a imprensa mineira vai nos esclarecer a respeito.

  43. Comentou em 14/08/2008 José de Souza Castro

    O que vou escrever não tem muito a ver com o conteúdo do artigo, mas sim com o título, pois revela um aspecto de nossa realidade. Tentei acessar há pouco, como faço às vezes para ver se há mais alguma denúncia ali contra o governo de Minas (é o único lugar em que a encontro naquilo que tem no título a palavra jornal), o site http://www.novojornal.com.br/, do Novo Jornal, de Belo Horizonte, de propriedade de Marco Aurélio Flores Carone, um político e publicitário filho do ex-prefeito cassado pelos militares de 1964 Jorge Carone, Em vez da página tradicional, encontrei uma mensagem encimada com as palavras ‘Ministério Público do Estado de Minas Gerais’ e o aviso em letras garrafais: ‘Esta página foi suspensa por medida cautelar judicial e o conteúdo do site é objeto de apuração por indícios de prática de crimes. Promotoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos’. Com esse simples aviso, calaram o único ‘jornal’ de oposição ao governo de Minas. A última denúncia, veiculada ontem, foi de venda de um terreno subavaliado pertencente à estatal Codemig (Companhia de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais) a uma empresa do Grupo Fiat, para a instalação ali de um aterro sanitário. Não sei se há relação entre essa notícia (que foi divulgada pela primeira vez em julho) e o fechamento do ‘site’. Vamos ver se a imprensa mineira vai nos esclarecer a respeito.

  44. Comentou em 14/08/2008 Ivan Moraes

    ‘leis civilizadas ajudam a civilizar o país que as adota’: sim, como por exemplo as leis de protecao aos ricos importadas pelo Brasil. Ajudam aos monturos.

  45. Comentou em 14/08/2008 marcos van acker

    certo: ‘Quanto ao soneto propriamente dito, parece o juiz desconhecer um dado essencial da experiência histórica: leis civilizadas ajudam a civilizar o país que as adota.’ – essa crença é muito arraigada no país dos bacharéis, o Brasil tem leis maravilhosas, que criam a sociedade, quando o lógico é o contrário: a sociedade cria as leis. O bacharelismo nesse caso é outro nome da hipocrisia de uma sociedade que se recusa a ver a si mesma.

  46. Comentou em 14/08/2008 Marco Tognollo

    O comentário do Juiz não merece reparo algum. Sò não entendeu quem não quer.

    Digo mais, temos uma imprensa não civilizada.

  47. Comentou em 14/08/2008 Menjol Almeida

    Eis aí mais um motivo para se enviar o juiz De Sanctis para a cadeia. Depois disso podemos pedir para o Diogo Mainardi escolher seu substituto. Na sequência é Daniel Dantas para presidente da República.

  48. Comentou em 14/08/2008 Zilda de Araujo Rodrigues Araujo

    Concordo com o que foi dito no artigo e entendo que o juiz não foi muito feliz no que disse. Segundo José Saramago quando discorda de livros por faixa etária. Para ele, a criança tem que ler livros que instigue, que nos mostre horizontes mais abrangentes e não nos ater ao que está dado. Infelizmente os maus exemplos nos vêm de toda parte: dentro de casa(os pais não educam mais seus filhos-com raras exceções), a TV deseduca o tempo todo; a imprensa de uma maneira geral é extremamente deseducativa em nosso país. Aliás, não pensa no país, senão em uma parcela ínfima dela que corresponde aos seus próprios interesses. As escolas, de uma maneira geral, também não são educativas. Ensinam, mas não primam por um comportamento educativo. As particulares para agradar aos alunos e aos pais (que pagam); as públicas, porque professores, dirigentes, funcionários não têm um compromisso efetivo com a educação das camadas populares. Os nossos políticos não são exemplo pra ninguém. O judiciário é uma verdadeira ‘caixa-preta’ e auqndo por algum motivo se abre uma brechinha nela o que vemos não é recomendável. É claro, tudo isso com as devidas exceções. A população está totalmente sem parãmetros para educar-se.

  49. Comentou em 14/08/2008 Gil Teixeira

    Uma coisa que está fazendo parte dos ‘costumes gerais dos brasileiros’ é assistir a jornalistas acusando o termômetro e a radiografia e esquecendo do câncer! E daí que o juiz falou aquilo? ou o delegado fez tal coisa, o que me interessa é saber a razão do sr. Daniel Dantas aprontar tantas somente aqui no Brasil se livrar de tudo? Eu quero que os senhores jornalistas me digam, perguntem em manchetes garrafais de onde veio o dinheiro pra subornar o delegado? e aquele fundo ilegal que não deveria ter brasileiros e tinha um punhado? Pois é, cada povo tem o jornalista que merece, não é mesmo?

  50. Comentou em 14/08/2008 Jose de Almeida Bispo

    É preocupante a afirmativa do Juiz De Sanctis. Demonstra que ele não acredita naquilo que faz, é mais um da classe média supostamente equilibrada, eticamente; e que tem por costume xingar o país que tem todos os dias. Nem mesmo seu desespero em ver com tanto poder o tipo de gente que o argüiu naquele palanque absurdo chamado CPI justifica tal lampejo de realidade. Ele é um Juiz. O Juiz. Fosse eu, acho, teria todo o direito de não responder a empregado de ladrão – mesmo que travestido de representante do povo – o porquê de ter colocado o mesmo ladrão na cadeia. Mas ele é Juiz. O Juiz. Fosse eu, teria todo o direito de entrar em desespero ao descobrir que o mesmo ladrão que mandei pra cadeia tem um exército de pistoleiros intelectuais em cada redação de jornal ou outro noticioso a detonar com a Justiça, devidamente amparado no empregado mor do dito ladrão: aquele que o solta a toda a hora. Mas ele é Juiz. O Juiz. Fosse eu, me acharia no direito de ficar depressivo ao notar que os jornais e outros noticiosos grandes do meu país estão a serviço do ladrão que botei na cadeia e não da democracia na sua forma mais enfática: o cumprimento da Lei. Que o nosso Al Capone, mesmo pego com atraso de setenta anos, poderá ser liberado, ao contrário do outro. Mas ele é Juiz. O Juiz.

  51. Comentou em 14/08/2008 Argentin Almeida

    Por que a mídia insiste em desqualificar o juiz que autorizou escutar e prender Daniel Dantas, o delegado Protógenes que o prendeu e fugir do foco principal que é o conteúdo da investigação da PF? Aonde estão os furos de reportagem ou os vazamentos das investigações? Ou só se divulga que é e será útil ao investigado?

  52. Comentou em 14/08/2008 José de Souza Castro

    O que o juiz De Sactis deve ter querido dizer e não teve tempo para formular melhor seu pensamento é que não adianta fazer leis de países civilizados para que elas nunca sejam aplicadas, não saiam do papel, porque não se coadunam com nossa realidade. Salvo engano, é isso.

  53. Comentou em 14/08/2008 Sara Costa

    Está se fazendo um cavalo de batalha por causa dessa frase do Sanctis que já tá enchendo o saco. Tirando a frase do contexto em que foi dita, e dando o sentido que melhor couber para denegrir a imagem do Juiz! Me desculpem, mas não estou conseguindoi digerir essa campanha contra a Justiça e a Polícia, que sei que não são instituições perfeitas, mas são necessárfias e devemos defendê-las e lutar pelo seu aprimoramento. Quem assistiu a sessão da CPI e prestou a mínima atenção deve ter compreendido que esse comentário do Juiz Sanctis surgiu no momento em que se falava de combate ao crime organizado, nas leis que estão em voga e por vir no Brasil, que deveriam facilitar a investigação e não dificultá-la, pois aqui não seria um país civilizado como outros, em que a legilação é dura com o crime e a justiça tem mais meios de combatê-lo com eficiência. O que me parece é que no Brasil atualmente está se buscando meios de facilitar a vida de bandido (porque para mim crime de colarinho branco é coisa de bandido) e dificultar a vida de polícia, uma total inversão de valores! A Justiça é bandidad e o bandido é a vítima! Um bom exemplo disso foram as manchetes sobre a operação da PF de terça-feira: pouco se falou do crime que os presos na operação cometaram, as manchetes foram todas para a utilização das algemas: polícia bandida, bandido vítima…. afffffffff……

  54. Comentou em 14/08/2008 José Paulo Guedes

    Mais uma vez comenta-se um texto fora do contexto.
    A colocação do Juíz é perfeita qdo analisada – como deve – no todo, pois o raciocínio não se fecha nesta ou naquela palavra.
    Salmo imenso engano, De Sanctis quiz dizer que nosso país não tem estrutura – inclusive ética – para q determinadas leis sejam importadas e aplicadas, como fica claro qdo diz que nos países ‘civilizados’ as leis contra a corrupção e o crime organizado – diria, contumaz, como no caso de DD e outros – são muito mais rígidas e mais, qto maior o grau de instrução do indivíduo mais dura a pena.
    E, chamo a atenção que algema foi feita para mostrar à sociedade a periculosidade do indivíduo – seja no plano físico, seja no plano intelectual.
    O resto é desqualificar – ou tentar – alguém q não se intimida em lançar à cadeia aqueles q sempre se posicionaram acima do bem e do mal, achando q possuem direitos maiores e melhores q a ralé – Gilmar Mendes os apoia integralmente.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem