Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CÓDIGO ABERTO > Desativado

O outro lado da navalha

Por Luiz Weis em 19/05/2007 | comentários

Garimpo os jornais do dia e, com alguma freqüência, as revistas semanais, à procura não só de material que me permita comentar e abrir uma discussão sobre esse ou aquele aspecto do comportamento da imprensa, mas também de textos – reportagens, entrevistas, artigos, editoriais – que, no meu modo de ver, expressam o que de melhor se publicou naquela data a respeito de um dos assuntos do momento. 


Com a transcrição desses textos, busco o mesmo resultado que me motiva a pôr no ar as minhas próprias opiniões sobre mídia, política e sociedade – a razão de ser deste Verbo Solto -: disseminar informações, estimular reflexões e fomentar discussões.


Hoje, a matéria-prima de lavra alheia que merece ser divulgada é a substantiva coluna de Merval Pereira, no Globo, intitulada ‘Ações inconseqüentes’, sobre a Operação Navalha.


Vale a pena ler porque é um desses artigos analíticos calçados em fatos e enriquecidos por opiniões de terceiros – o que o aproxima mais de uma reportagem do que de uma deitação de regras na base do achismo.


E porque uma das fontes ouvidas, o publicitário Jorge Maranhão, amplia a abordagem das ações inconsequentes de que fala Merval, trazendo à cena o papel da opinião pública e da mídia diante da impunidade dos criminosos de colarinho branco presos com o costumeiro espalhafato.


Maranhão critica a imprensa por dar insuficiente atenção ao Judiciário, o que ele entende ser indispensável à receita histórica de construção das democracias. Vai mais longe. Sustenta que ‘está faltando na mídia mais sociedade civil, mais tribunais e menos Lula’ – com o que ele claramente quer dizer menos pírotecnia na cobertura das ações e palavras dos governantes de turnos.


O artigo: 


‘O que fica das operações espetaculosas da Polícia Federal? O que aconteceu com as mais de 5.200 pessoas presas em nada menos do que 284 operações realizadas desde 2003? O trabalho da Polícia Federal começou discretamente — em 2003, foram apenas nove operações, com 223 presos —, foi aumentando de intensidade e repercussão, e chegou, em 2006, a 167 operações, com a prisão de 2.673 pessoas.


A grande maioria dessas pessoas algemadas sob os holofotes espetacularmente foi solta, e não há notícia do que aconteceu com todas essas acusações. A sensação de impunidade só faz crescer diante dos resultados pífios dessas ações policiais.
A banalização das prisões pode convencer os delinqüentes de que tudo será esquecido rapidamente.


As operações da PF começaram a ganhar notoriedade pelos nomes criativos que utilizavam — Operação Faroleiro, em 2002, que prendeu, entre outros, o doleiro Toninho da Barcelona, ou Operação Gafanhoto, em 2003, que prendeu o ex-governador de Roraima Neudo Campos, e diversos outros políticos e funcionários públicos que criavam funcionáriosfantasmas para fraudar as contas no estado.

Ou Cavalo de Tróia, realizada em novembro de 2003 nos Estados do Pará, Goiás, Maranhão e Piauí, para prender uma quadrilha especializada em cometer crimes pela internet, contra bancos e clientes. Ou Feliz Ano Velho, em janeiro de 2004, que prendeu grupo organizado ligado à falsificação de Autorizações para Transporte de Produtos Florestais emitidas pelo Ibama.

A Operação Pororoca, prendeu 25 pessoas no Amapá, Minas Gerais, Pará e Distrito Federal, acusadas de participar de quadrilha que fraudava licitações. Entre os presos estavam o ex-senador pelo Amapá Sebastião Rocha (PDT) e o paraense Fernando de Souza Flexa Ribeiro, que acabou sendo solto e hoje é um dos senadores da República.

A Operação Narciso foi a mais chamativa de 2005, com a PF, Receita Federal e o Ministério Público Federal operando em conjunto, com mandados de busca e apreensão e de prisão temporária em São Paulo, Santa Catarina, Espírito Santo e Paraná. O objetivo seria impedir a continuidade do crime de sonegação fiscal da loja Daslu,
em São Paulo.

A Operação
Sanguessuga, que pretensamente desarticulou organização especializada em fraudes em licitações na área da saúde, causou terremoto político. Foram feitas 48 prisões, de funcionários públicos que atuavam no Ministério da Saúde e na Câmara, e diversos políticos, muitos com mandato em vigor, foram acusados de participar das fraudes.

O ex-ministro da Saúde Humberto Costa foi denunciado, e a compra de ambulâncias superfaturadas virou cavalo de batalha entre governo e oposição nas campanhas eleitorais.
A compra por petistas de dossiê tentando envolver o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra, no esquema de fraudes acabou sendo o pivô de uma crise política na campanha do presidente Lula.

Até agora, muito poucas ações concretas resultaram de todo esse aparato policialesco que, se tem o valor de mostrar que ninguém está a salvo, com escutas telefônicas para apurar desde o tráfico de drogas e de mulheres até o desvio do dinheiro público, mostra também que as consequências punitivas são irrisórias. E que muitas vezes a truculência policial não tem a correspondência nas provas legais.

Esse desânimo da sociedade pode ser resumido em algumas mensagens que recebi sobre o tema. Pedro Paulo Tolentino Álvares acha que o caminho para conseguir punições “é estabelecer uma legislação rígida prevendo pena longa de prisão para quem sonegar imposto de renda. Enquanto isso não for implementado, só vamos ver muita pirotecnia e pouco resultado”.

Henrique Sergio Pio Cavalcanti propõe que o jornal lance um caderno a cada 30 dias, ou menos, com balanço de todas as operações da PF e os resultados das investigações “de todos os últimos escândalos”, para que o assunto não saia do foco da mídia.

Já Michel Corniglion concorda que a corrupção no país “é endêmica, e está entrelaçada nos três poderes, há décadas”. Para ele, ela “só poderá ser aliviada no dia em que os homens de bem tiverem a audácia dos canalhas e acabarem com a pior saga do Brasil, que se chama impunidade”.

Roberto Legey diz que “pilantras poderosos da República não estão nem aí para as conseqüências. Os Delubios, Genoinos, Silvinhos, Waldomiros, Euricos e que tais não estão nem um pouco preocupados. O Delubio não disse que tudo vai virar piada de salão? Pois é o que vai acontecer. Após os raios e trovoadas da PF nessas operações, sabemos que nossos doutos juízes e desembargadores transformarão tudo em inaudíveis traques!”.

Esse estado de espírito da cidadania preocupa outro leitor, o publicitário Jorge Maranhão, envolvido há muito tempo em movimentos de valorização da cidadania e que tem até um site para promovê-la
www.avozdocidadao.com.br .

Ele está convencido de que é preciso esclarecer o cidadão sobre o funcionamento do Judiciário: “Para uma opinião pública que desconhece a função e o processo judiciários, vai ficando cada vez mais claro que, se a polícia prende e a Justiça solta, pelo menos a polícia prende! E se, além de elementos do Executivo e Legislativo, prender mais do próprio Judiciário, melhor ainda”.

Ele adverte que “o efeito colateral” da situação que vivemos “é a prostração e o ceticismo da cidadania, ampliado pelo cinismo e a omissão equívoca das elites. Quanto mais espaço a mídia der ao Judiciário, maior a possibilidade de conscientização e atuação da cidadania. É modelo histórico de construção das democracias”.

Maranhão critica os meios de comunicação: “Se as instituições da democracia têm de funcionar a despeito do inquilino do Planalto, está faltando na mídia mais sociedade civil, mais tribunais e menos Lula”. Para ele, “a única alternativa democrática é nos exigir responsabilidade política na construção das instituições. Exigir a volta do Estado às suas funções essenciais”.


***


Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 20/05/2007 Fábio Carvalho

    É claro que a imprensa deveria apurar os desdobramentos judiciais de todas as operações. Mas o ‘aparato policialesco’ não tem culpa das mazelas do judiciário, muito menos da falta de rigor para punir os crimes de colarinho branco. És um sonegador contumaz do Fisco? Se for pego, quite o débito e esteja livre: a lei é assim. Os policiais não têm culpa disso, ora. É estarrecedor o colunista falar em ‘truculência policial’. As operações da Polícia Federal não atiram antes para perguntar depois. Não torturam, não matam, não batem. Há, sim, denúncias (não comprovadas) de desrespeito às prerrogativas dos advogados de defesa. Que bom seria se todas as Polícias brasileiras planejassem operações e tivessem a mesma conduta. Merval sabe o que é truculência? Se não sabe, pode dar uma olhada no link http://www.youtube.com/watch?v=KqtWY6FN1yc. É uma ação policial contra mulheres pobres ambulantes, de janeiro deste ano, bem no centro de Porto Alegre. A verdade é que a Polícia Federal é a melhor polícia que temos no Brasil – aponte, sim, seus defeitos e puna quem errou. São suas qualidades que incomodam: 1 mil servidores públicos demitidos; políticos e outros respondem, sim, a processos. A condenação do comendador, que mandou matar dono de jornal, foi sustentada em quê? E a operação que evitou o roubo de centenas de milhões de reais bem no centro de Porto Alegre? O dinheiro iria para o PCC!

  2. Comentou em 19/05/2007 Ivan Moraes

    ‘Hoje, a matéria-prima de lavra alheia que merece ser divulgada é’: um tremendo estrondo de Merval Pereira!

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem