Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1067
Menu

CÓDIGO ABERTO >

Pagar ou não pagar por conteúdos online?

Por Carlos Castilho em 16/10/2009 | comentários

O debate sobre o pagamento ou não do acesso à notícias publicadas na Web está centrado na indústria dos jornais mas o assunto interessa também, e muito, a todos os produtores independentes de informações, como blogueiros, produtores de páginas de páginas noticiosas online e até os adeptos do Twitter, o mais recente modismo da era digital.


 


A questão do pagamento é crucial para a imprensa convencional porque ela depende de faturamento para sobreviver e seu grande dilema é não ter encontrado até agora uma fórmula capaz de solucionar o déficit financeiro criado pela queda das receitas das edições impressas e o faturamento irrisório das versões online.


 


Até então o problema estava sendo debatido na base de posições excludentes: ou totalmente pago ou totalmente grátis. Agora surgem alternativas que buscam combinar situações intermediarias, como as pesquisadas por Dorian Benkoil, da empresa de consultoria Teaming Media, em artigo publicado no site Poynter Online, especializado em jornalismo digital. 


 


O debate hoje estaria se orientando para uma cobrança seletiva de conteúdos: a maioria das noticias teria acesso grátis, enquanto o material mais qualificado passaria a ser cobrado. O The New York Times já tentou isso com os seus colunistas mais badalados e não teve êxito. A receita obtida foi decepcionante e os colunistas reclamaram que estavam perdendo leitores.


 


É quase um corolário na Web que a cobrança gera uma queda violenta nos acessos. Os internautas assumiram como um dado que a gratuidade no acesso é quase um ‘direito” adquirido. As conseqüências desta atitude são a principal dor de cabeça da mídia comercial, mas já começam a preocupar também os produtores independentes de blogs e páginas que produzem conteúdo informativo jornalístico na Web.


 


O caso dos blogs é sintomático. Um blogueiro normalmente vive uma fase eufórica quando seus posts começam a ser lidos e comentados por um número crescente de leitores. A qualidade do material publicado gera demanda e cobranças pelos visitantes, o que implica um aumento no tempo dedicado à produção do blog e gera o dilema de ter que reduzir o ritmo perdendo leitores ou manter o emprego que paga as contas.


 


As organizações que produzem conteúdos online, noticiosos ou não, também vivem o problema do pagamento de acesso. A dependência de patrocínios e de financiamentos de projetos exige esforços periódicos de renovação de acordos que ocupam boa parte do tempo de quem produz os conteúdos que despertaram o interesse do público.


 


Também entre os produtores independentes de conteúdos jornalísticos online ganha corpo idéia de que a dicotomia “pago ou grátis” precisa ser mais bem contextualizada e, principalmente, mais estudada. Tanto quanto na indústria de jornais há margem para soluções intermediarias na área dos independentes, com a experimentação de fórmulas que permitam a sustentabilidade da produção autônoma sem a qual os leitores perdem a mais importante plataforma de participação conquistada através da Web.


 


Experiências feitas dentro do projeto News Challange, promovido pela Fundação Knight, mostraram que os produtores autônomos não podem depender totalmente de valores pagos por leitores e usuários porque os recursos arrecadados dificilmente cobrirão o orçamento total. Mas ficou também claro que o público aceita contribuir financeiramente para a sustentabilidade da produção independente de informações quando se sente mais participante no projeto.


 


Esses dados e informações mostram que a opção pagar ou não pagar não é mais apenas uma questão financeira. Ela está associada também a novos valores e preocupações que influenciam decisivamente as escolhas tanto dos consumidores como dos produtores de notícias e informações.


 

A própria noção de pagamento começa a ser revisada, pois na Web ela está deixando de ser associada a uma troca: dinheiro por notícia. Ganha cada vez mais o caráter de contribuição onde o que está em jogo não é tanto o montante pago, mas a associação e identificação do internauta com o produtor de conteúdo. Como contribuição, a participação financeira do publico é viável — como indicaram as experiências do News Challange e o artigo de Dorian Benkoil.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem