Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Pau que bate em Chico…

Por Luiz Weis em 26/09/2007 | comentários

No antepenúltimo dos 10 parágrafos da matéria de hoje do Estado em que o governador tucano Aécio Neves se manifesta pela primeira vez sobre o mensalão mineiro – do qual teria sido um dos 159 alegados beneficiários, como candidato a deputado federal em 1998 – entra em cena o ex-ministro da Educação, Paulo Renato Souza, também do PSDB, com uma frase bombástica:

‘Não dá para indiciar o Azeredo [Eduardo Azeredo, então candidato a governador e atual senador] sem indiciar o Lula’, se ficar demonstrada a equivalência entre o mensalão de Minas e o mensalão do PT.

Pelo visto, faltou combinar com os russos, no caso com o próprio Azeredo. Ele aparece no Estado, discretamente, no parágrafo anterior àquele, e na Folha, destacadamente, numa entrevista exclusiva, envolvendo ninguém menos do que Fernando Henrique.

Ao Estado ele disse que, ‘para começar’, a campanha em questão ‘não foi minha, foi do PSDB todo, inclusive de Fernando Henrique à reeleição’ – o que o repórter Eduardo Kattah interpreta como uma cobrança de solidariedade.

Pode ser outra coisa. Quando o mensalão mineiro emergiu pela primeira vez, em 2005, Fernando Henrique foi o primeiro a pedir a saída de Azeredo da presidência do PSDB, que então ocupava.

Já na Folha, perguntado pela repórter Andreza Matais se o dinheiro de sua campanha ‘financiou a de FHC em Minas’, Azeredo não hesitou. ‘Sim, parte dos custos foram bancados pela minha campanha.’

E se pelo menos parte desses recursos teve a origem que lhe atribui agora a Polícia Federal – envolvendo dinheiro público ilicitamente arrecadado pelo publicitário e operador Marcos Valério, prefigurando a sua atuação no plano federal seis anos depois – o argumento de Paulo Renato teria de ficar assim:

‘Não dá para indiciar o Azeredo sem indiciar o Lula e não dá para indiciar o Lula sem indiciar o Fernando Henrique.’

Como é mesmo o ditado? Pau que bate em Chico bate em Francisco.

O observador de mídia só não entende por que a Folha, na chamada de 35 linhas de coluna que se segue à bem escolhida manchete de primeira página ‘Walfrido afirma inocência e diz que fica no ministério’, não incluiu nenhuma referência ao fato de Azeredo ter posto FHC na roda do infortúnio, na mesma edição.

De qualquer forma, a presença de Aécio, Azeredo e, por tabela, Fernando Henrique, no noticiário do dia sobre o mensalão 1.0 tira gás da teoria de que a mídia só fala de Walfrido – para atingir Lula, de quem é ministro, e proteger a tucanada, de quem seria cúmplice.

***

Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 09/10/2007 Ricardo Camargo

    Ao sr. Max Suel: creio que seu pronunciamento, ao se dirigir a mim, em absolutamente nada examinou qualquer das proposições que eu tivesse apresentado. Meu raciocínio está assim resumido: ‘Como se dizia no Império, nada mais parecido com um Saquarema que um Luzia no poder. Mas ser de esquerda ou de direita em nada modifica a premissa central, de que não se pode sustentar que o lombo de Chico é feito para apanhar e Francisco, ao fazer o mesmo, deva ter as costas alisadas’. Talvez seja necessário informar que o Império a que me refiro era o Império brasileiro, que existiu até 1889, e no qual se digladiavam as duas legendas, conservadora e liberal, referidas pelas bases eleitorais em Saquarema e Santa Luzia, para deixar clara a ausência de tomada de posição em prol de qualquer partido na minha fala. Por outro lado, quando se recebe dinheiro pela via bancária, que é a mais segura, com a quebra do sigilo é perfeitamente possível rastrear a origem, com o que, para dizer que se descobriu o recebimento de dinheiro do exterior mas não se sabe de onde, mister haveria tivesse vindo por outro meio que não a rede bancária.

  2. Comentou em 28/09/2007 Marcelo Vargas

    Weis, pelo amor da minha parca inteligência!!!
    Com que cara você tem coragem de dizer que, citando três tucanos no rodapé da última página do jornal, a mídia equilibra a balança da isenção da notícia?! Qualquer paspalho enxerga nisso a tentativa frustrada da ‘Imprensona’ de fingir que não tem posicionamento politico… Olha, sinceramente, eu realmente não entendo o porque de você ocupar esse espaço no Observatório…

  3. Comentou em 28/09/2007 Rogério Ferraz Alencar

    Diz Max Suel: “…ele serviu apenas como caixa 2 das campanhas de toda a coligação; e não é ‘tucano’ pois ele serviu a toda a coligação que incluía além do PSDB também o PT e demais partidos. Dizem até que o dinheiro para a campanha do PT foi em maior volume que o dinheiro para a campanha do PSDB.” Mas isso é uma beleza! O mensalão não é tucano, pois servia a toda uma coligação, que incluía todos os partidos. Que coligação grande, não? Se incluía todos os partidos, houve disputa de quem contra quem? E O PT ainda recebeu mais dinheiro que o PSDB? Essa história tem que ser logo elucidada. Quero saber por que o PSDB desviou dinheiro público para dar ao PT. O PSDB desviou o dinheiro, quando Azeredo era governador, para dar dinheiro a todos os partidos e, especialmente, ao PT, aquinhoado com o maior volume. Quanto aos votos: 60% dos votos válidos pode dar menos do que 50% do total de eleitores, mas não do total de votantes, como é óbvio. Mas 63% de aprovação ao governo não pode dar menos de 50% da população. Portanto, mais de 60% dos brasileiros não têm porquê chorar. Muito menos, de raiva. Duda Mendonça poderia receber aqui, mas quis receber no exterior, mas isso é muito diferente do que dizer que o PT já tinha dinheiro no exterior, e que por isso o pagamento não feito aqui. Enfim, o PT chorou, agora ri. Vamos ver quem vai chorar, agora.

  4. Comentou em 28/09/2007 José Nogueira

    Acho muita graça no esforço da imprensa em proteger os tucanos. Se as empresas de Marcos Valério estão sediadas em Minas, todo o dinheiro seja para subornar quem quer que seja, sais de Minas. No entanto criaram o eufemismo de ‘mensalão mineiro’ para se contrapor ao ‘mensalão petista’, com a única finalidade de poupar o PSDB, os ‘Éticos’. Mas a piada não termina aí, somente agora que os tucanos estão sendo processados judicialmente, é que a imprensa ‘descobriu’ que havia envolvimento dos ‘éticos’ neste esquema. Na época das investigações, apesar de terem aparecido provas contra os tucanos, a imprensa noticiou o assunto de maneira descontextualizada, fingindo acreditar que as provas só existiam contra os petistas. Parafraseando Caetano Veloso, o envolvimento dos tucanos no mensalão surpreendeu a todos não por ser exótico, mas por ter estado oculto quando teria sido o óbvio.

  5. Comentou em 28/09/2007 Dr Jerkill Morcillo

    Porque os nobres observadores diferenciam o mensalao do PT e do PSDB maquiando-o de mensalão mineiro?
    abs

  6. Comentou em 28/09/2007 ubirajara sousa

    Sr. Weis, os meus comentários ainda não foram publicados. Publicaram apenas a minha reclamação, ora reiterada. Vou aguardar.

  7. Comentou em 28/09/2007 Aloísio Morais Martins

    Não foi por acaso que o Fernando Henrique Cardoso sempre quis se livrar da proximidade com Eduardo Azeredo. Inclusive lutou para que o senador mineiro deixasse a presidência do PSDB logo que estourou o caso do mensalão tucano. Era como se ele dissesse: ‘Sai fora que é rabo!’ Ou seja: FHC também estava com o rabo preso pelo caixa dois da campanha eleitoral de Azeredo em Minas, como os fatos agora indicam.

  8. Comentou em 28/09/2007 Jose Paulo Badaro

    Prova definitiva que esse negócio de pau que dá em Chico dá em Francisco é uma falácia, não vem apenas do que a imprensa publica, mas também, ou principalmente, do que ela omite.

    Com base nos dados do STF o Congresso recentemente, revelou uma lista de parlamentares que estão sendo processados. Apenas para exemplificar, de uma bancada de 13 (treze), 9 (nove) senadores do PSDB, inclusive o Azeredo, estão sendo processados no STF, enquanto o PT, de uma bancada de 12 (doze), não tem um só senador respondendo por processo naquele Tribunal. (ver link abaixo)

    http://congressoemfoco.ig.com.br/Noticia.aspx?id=18754

    Eu não vi a mínima referência a esse levantamento no imprensalão, muito menos no Jornal Nacional, e nem tampouco no Jornal do SBT, que desde a saída da Ana Paula Padrão da apresentação se tornou o mais reacionário dos jornais televisivos da atualidade. Ou alguém deu destaque a isso e será que só eu é que não vi?!

  9. Comentou em 28/09/2007 Max Suel

    Ao leitor José Maria
    elementar meu caro, ele é chamado assim porque aconteceu somente em Minas Gerais no ano de 1998, quando da eleição para governador, senador e deputados federal e estadual.
    Ele não é um ‘mensalão tucano’ primeiro porque não é um Mensalão; ele serviu apenas como caixa 2 das campanhas de toda a coligação; e não é ‘tucano’ pois ele serviu a toda a coligação que incluía além do PSDB também o PT e demais partidos. Dizem até que o dinheiro para a campanha do PT foi em maior volume que o dinheiro para a campanha do PSDB.
    Mas tudo isto ainda será devidamente divulgado, quando da apresentação da denúncia do honesto PGR ao STF.
    Aí, doa a quem doer, deverão ser devidamente responsabilizados todos os envolvidos: seja do PSDB , seja do PR(ex PL), PTB , PT ,PP et caterva.
    Vamos esperar a denúncia; até lá, só há especulação.
    Volto a insistir (é interessante esta passagem): Como choram os petistas; choraram todos: Lula, Dirceu, Genoíno, Delúbio, Silvinho etc etc. Por que choram os petistas? seria o choro do arrependimento, aquele choro salutar e dignificante ? acho que não….. parece mais o choro fingido, calculado, escondendo a arrogância.
    Como choram os petistas …….
    por que tanto choram ?

  10. Comentou em 28/09/2007 José Maria de Souza souza

    Ainda não entendi por que o mensalão tucano é chamado de mineiro. E nenhum jornalista que o chama assim tem coragem de explicar!
    José Maria

  11. Comentou em 28/09/2007 Jose Paulo Badaro

    Outra coisa que esqueceram de combinar com os russos e com a torcida conrinthiana, é que, quando se diz que 34 petistas estariam envolvidos no mensalão tucano, na verdade essas pessoas apareceriam como supostos beneficiários, não no relatório oficial da PF, mas na lista apócrifa do Claudio Mourão, onde também estaria a referência, diga-se a bem da verdade, ao Aécio Neves ter recebido 110 mil.

    Vamos aguardar. Afinal, o mensalão tucano é mais mineiro do que o pão de queijo, e quem viu o relatório da Polícia Federal disse que ele é simplesmente d-e-m-o-l-i-d-o-r !

  12. Comentou em 28/09/2007 Max Suel

    Aos leitores: Ricardo Camargo e Rogerio Ferraz:
    O pagamento no exterior, quando podia ser feito normalmente no Brasil, já indica que a coisa não é limpa. (caso do Duda)
    Quanto a não ter ainda 60 anos, idade limite para ‘ter problemas’ (mentais?), segundo o pres Lula; cuidado: pensando desta maneira e chegando lá o seu futuro é problemático.
    Outra frase do déspota nada esclarecido e viajor falastrão: ‘ eu não sou de esquerda ‘ . Qual seria então a posição do pres Lula ? (alternativas: meio esquerda avançado? centro direita recuado? extrema direita cool? 1/4 esquerda soft? 3/8 centro indeciso?)
    aliás, este papo de esquerda e direita já era. Acabou com o fim do império soviético e do comunismo.
    Um reparo: o pres Lula não ganhou com 60% dos votos; ele venceu com 60% dos votos válidos, o que dá menos de 50% dos votos; ou seja, mais de 50% dos votantes não votou no Apedeuta.
    Queria voltar ao eguinte:
    Como choram os petistas: choraram todos os caciques: Lula, Dirceu, Genoino, Delúbio, Silvinho, até o deputado de Osasco que disse que a mulher tinha ido pagar a conta da TV a cabo, quando ela tinha ido pegar o dinheiro do valerioduto. Choram muito os petistas;mas não é o choro honesto e sincero do homem de bem, da mulher que sofre, do idoso desamparado; são mais as lágrimas de crocodilo da falsidade e do cálculo.
    Como choram os petistas ….. choraram Lula e Dirceu e Genoino …

  13. Comentou em 28/09/2007 Jairo Fernando Oliveira

    Os políticos do PSDB que sairam em defesa de FHC também disseram que ELE NÃO SABIA! Reclamo com todos os jornais o tratamento dado ao MENSALÃO DO PSDB. Minas Gerais não é o ninho dos tucanos, portanto é inaceitável o tratamento de ‘mensalão mineiro’.

  14. Comentou em 28/09/2007 Marco Antônio Leite

    O mensalão foi criado na época do Pedrão, de lá para cá somente sofisticaram o esquema de corrupção que circula em todas às esferas governamentais. Hoje deve existir todos os tipos de mensalão, temos o paulista, mineiro, carioca, pernambucano, paraibano, sergipano, dos mato grossos, capixaba, trilegal e muitos outros. Este espaço não é suficiente para relacionar quantos mensalões temos pôr esse Brasil afora. Vale dizer, existe mensalão de direita, esquerda, centro, nazi-facista e congêneres. Se gritar pega gatuno não fica um meu irmão. Caso cerquemos o país, ele deixará de se chamar Brasil, passando a chamar-se cadeião de dimensões gigantescas. Entendam, este não melhor que aquele, nem aquele é pior que o outro, são todos capim do mesmo pasto, ou então mão grande do mesmo cofre.

  15. Comentou em 28/09/2007 Octavio Hollemberg

    A imprensa discrimina o PT até nos detalhes. Aqui, por exemplo, o mensalão dos tucanos é chamado de 1.0 pelo articulista, que certamente deve considerar o do PT 2.0 turbo!

  16. Comentou em 28/09/2007 Felipe Faria

    Maarcelo Ramos, esta história de eu não sabia já cansou. cansou não porque não soubesse, mas porque não soube várias vezes, dezenas de vezes o argumento para se livrar de acusações foi: eu não sabia. Estatisticamente ninguém fica tão desinformado por tanto tempo. Só muito ingênuo para supor que não soubesse. mesmo não sabendo, uma vez beneficiado pelo delito, responde por ele pela lei eleitoral.

  17. Comentou em 28/09/2007 Luciano Prado

    O Alexandra Garcia de São Paulo deu um exemplo emblemático sobre como a mídia, descaradamente, tenta de forma vergonhosa passar para a opinião pública suas verdades. O programa do senhor Jô Soares enoja. Não porque bate no PT e em Lula, mas pelo sinismo e prepotência de achar que as pessoas vão concordar com aqulilo que ele diz ser uma brincadeira descontraída. Não se faz isso com ninguém, seja da oposição seja do governo. Usar um espaço que deveria ter como objetivo o esclarecimento, a educação e o entretenimento à população para assassinar deliberada e direcionadamente a honra de pessoas utilizando-se de galhofas, piadinhas sem graça e argumentos enganosos. E ainda leva ao programa de forma consciente pessoas escolhidas a dedo para bater no governo e no PT. Onde está o contraditório? Aquele cidadão e aquelas senhoras que se dizem jornalistas ofendem a inteligência das pessoas e agridem a família brasileira. Progrmazinho asqueroso e vil.

  18. Comentou em 28/09/2007 Carlos Lorenzo Stojkovic

    kkkkkkkkkkkkkkkk.. mensalão1.0!!!! Luiz Weis, o sr. esqueceu de dizer que o mensalão é ‘open source’. A cada dois anos (período eleitoral) sairá uma versão nova ‘open source’ do mensalão, ou seja, pode copiar, instalar, vender, modificar, tudo, sem autorização. E ninguém será punido, pois, afinal, é open source. Luiz Weis, falando sério, gostei bastante da coluna!!!

  19. Comentou em 28/09/2007 ubirajara sousa

    E os meus comentários, foram julgados inapropriados, esquecidos ou simplesmente censurados? Vou aguardar. Obrigado.

  20. Comentou em 28/09/2007 Kleber Carvalho

    Desde da última mudança do site na cemig, não estou conseguindo tirar segunda via de conta e outros serviços no site http://www.cemig.com.br. Informo que utilizo sistema operacional gnu/linux e browse firefox. Antes de tais mudanças sempre executei os serviços normalmente. Quando tento tirar segunda via de conta, por exemplo, aparece uma tela informando que devo utilizar navegador internet explores (MS) ou netscape.
    Isso contraria a opção do Governo Federal de apoio ao software livre e também a constituição onde o Estado não pode gerar ônus para o cidadão na prestação de serviços pois teria que comprar uma licença do windows para ter acesso aos serviços.
    Novamente afirmo, que antes das ultimas mudanças no site, eu acessava os serviços normalmente.
    Aguardo uma resposta uma vez que estão sendo vendidos milhares de computadores do programa PC para Todos.
    Teremos que comprar em separado uma licença para o windows?

    Continua a farsa e o autoritarismo do des(governo) Aécio Cunha em Minas Gerais, agopra os clientes da CEMIG são obrigados a instalarem no PC o internet explorer pertencente ao monopólio.

  21. Comentou em 28/09/2007 eugenio fonseca

    Saudações.
    Mal que mensalão? Houve mensalão? Os próprios petistas disseram que não houve. Que tudo foi muito normal. Que todos fazem.

  22. Comentou em 28/09/2007 Rogério Ferraz Alencar

    Max Suel, pagamento no exterior não tem que ser feito com dinheiro que já estava no exterior. O dinheiro pode sair do país, de forma legal ou não. Lula disse que quem, depois de 60 anos de idade, continua sendo esquerdista, tem algum problema. Eu ainda não cheguei a isso, portanto não tenho esse problema. Acho que a frase de Lula foi ruim, mas, como foi ele que disse, eu relevo. Agora, ele não disse que se devia ser da direita. Nem disse qual faixa etária marcaria o início do problema para quem é direitista. Eu acho que isso sempre será problemático. Mas no Brasil ninguém vai ter esse tipo de problema, pois aqui ninguém é da direita. Quanto ao choro: quem deve chorar de raiva não são os brasileiros, mas os brasileiros que perderam as eleições e não se conformam com isso. Os mais de 60% que votaram em Lula, e os mais de 60% que aprovam o goveno dele não têm porquê chorar

  23. Comentou em 28/09/2007 Nilton José Dantas Wanderley

    Vocês viram o jornalismo […] de Veja sobre este caso? Quer dizer que quando se trata dos Tucanos não é ‘Mensalão’ para comprar Deputados mas caixa 2 ? E o texto não toca nem de longe no nome de Aécio Neves e Fernando Henrique.Fede,Veja,fede…

  24. Comentou em 28/09/2007 Ricardo Camargo

    Ao sr. MAx Suel: a frase sequer é original do Presidente Lula,pois algo semelhante fora dito por seu antípoda Roberto de Oliveira Campos, acerca de não ter coração quem não fora socialista antes dos 30 e não ter inteligência quem o fosse depois dos 40. E meso o Roberto Campos – ou Bob Fields, como o chamavam os adversários – dizia que colhera esta frase entre os escandinavos. Como se dizia no Império, nada mais parecido com um Saquarema que um Luzia no poder. Mas ser de esquerda ou de direita em nada modifica a premissa central, de que não se pode sustentar que o lombo de Chico é feito para apanhar e Francisco, ao fazer o mesmo, deva ter as costas alisadas.

  25. Comentou em 27/09/2007 Lau Mendes

    Sr.Weis lembro de ler aqui no OI(Entre Aspas e outros) que a mídia à época das denúncias deixara passar batido ou com baixíssima ênfase, nomes como o do Senador Azeredo e M.Valério em ambas CPIs que haviam transformado o congresso numa arena de gincana “do quem denuncia mais”. Agora o que consigo alcançar é uma variação do entremeio,ou seja : os fatos não serviriam a CCJ e nem a mídia porque tratavam de época passada em que o Senador não estaria no legislativo Federal. Este fato chamava atenção já que o mesmo poderia ser aplicado ao denunciado e caçado José Dirceu ,não foi. Agora os fatos não servem porque não seria o mesmo crime,aliás o assunto é tratado por PSDBistas como uma peraltice sem importância no que a mídia parece apoiar ou pelo menos “não bate em Francisco”. Se a mídia tivesse mesmo interesse em denunciar algum crime PSDBista já teria alardeado como fez durante as CPIs ,como se provas fossem,denuncia da origem do dinheiro e ignorando por completo o bom nome das instituições(BB,CEFER…. ),e o que agora ou a época deveriam denunciar,se houvessem provas,eram os operadores que praticaram os ditos crimes. Alguém leu ou viu na mídia tais assuntos repetidos dia após dia como feito em 2005 ?
    Esta história que esta sendo mal contada lembra aquela do advogado que para minimizar o crime de seu cliente,dizia que ele havia disparado um “tirinho”no “pescoção”da vítima.

  26. Comentou em 27/09/2007 Ricardo Camargo

    Ao sr. Marcelo Ramos: quando fiz referência à denúncia da Veja, foi para informar duas coisas, quais sejam, a de que os EUA não apoiariam um movimento contra o Presidente da República (com o que, se a matéria tivesse o objetivo de fornecer um pretexto, ter-se-ia esvaído), como se inferiu do pronunciamento do Pres. Bush, à época, e que, por conta da tal denúncia, estaria sendo travada uma batalha judicial em São Paulo, em que a editora terá de mostrar como comprovar a acusação, sob pena de pagar indenização (esta informação colhi na Revista Ciência Jurídica, editada em Salvador, que reproduziu a inicial da ação). Só para deixar claro que não comprei a versão da Veja, mas sim que noticiei quais foram os seus reais efeitos e o que aconteceria, por outro lado, se fosse verdadeiro o que apregoou, razão por que, nesta matéria, os comentários fúteis se tornam, inclusive, perigosos. Creio que está aqui esclarecido o que eu quis dizer. Porque me pareceu que o sr. Max Suel estava a se referir especificamente a este tema quando falou em dinheiro proveniente do exterior é que lancei este comentário.

  27. Comentou em 27/09/2007 José Pontes

    Prezado Luiz Weis, como você é uma pessoa sempre ponderada, gostaria de fazer um comentário sobre essa inclusão do nome do Aécio Neves na lista dos 159 ‘alegados beneficiários’, como você diz. Na verdade, Aécio não é citado uma única vez no extenso relatório do delegado Luiz Flávio Zampronha, baseado nas mais de 5 mil páginas de documentos e depoimentos que resultaram de dois anos de investigação. Aécio aparece, isso sim, na chamada “Lista do Mourão”, um documento sobre o qual pairam diversas dúvidas e do qual constam também políticos de 17 partidos, incluindo 35 do PT. A Polícia Federal comprovou a autencidade da assinatura de Cláudio Mourão na lista, mas isso não significa que seu conteúdo seja igualmente autêntico. Em seu relatório, na página 17, o delegado anota: “Também é possível que CLÁUDIO MOURÃO tenha inflado o valor que ajudou arrecadar clandestinamente, aumentando o poder de persuasão do documento perante aqueles que entendia serem seus devedores”. Na página 11, ele diz: o documento (…)também conhecido como “LISTA DO MOURÃO”, apresentado à Polícia Federal pelo controverso NILTON MONTEIRO”. Portanto, o que se vê é um enorme esforço para envolver o governador mineiro no caso, sem qualquer base em fatos apurados pela PF.

  28. Comentou em 27/09/2007 Eudes Araújo

    Luiz, discordo de vc no último parágrafo. 99% da mídia marrom fazem a cobertura exatamente assim; protegendo os tucanos. Eu até pensei que o único culpado nesse lamaçal tucano fosse o Walfrido.

  29. Comentou em 27/09/2007 ubirajara sousa

    Meu Caro Felipe Faria, estudante (Rio de Janeiro/RJ), de política e silogismno o nobre amigo parece não entender nada.

  30. Comentou em 27/09/2007 ubirajara sousa

    Sr. Weis, pueril demais a sua análise. Em contrapartida, o seu comentário em resposta ao senhor Washington Ferreira, Jornalista (Ubá/MG) deixa cheiro de enxofre no ar. Parece que estou vendo a sua cara de felicidade ao escrever que 34 petistas mineiros figuram entre os relacionados. Não interessa se há tucanos, pefelistas e petistas envolvidos. O que interessa é que o assunto deverá ser esmiuçado, peneirado, sacudido, da forma como o foi o ‘Mensalão 2, o Retorno’. Queremos ver a mídia ‘botar pra quebrar’, a exemplo do que fez no ‘mensalão dos aloprados’. Vamos lá, senhor Weis, afinal, o senhor também faz parte da ‘media’. Não deixe barato. Incite os jornalistas investigativos a irem fundo no assunto. Queremos ver a cara desse povo, dessas vestais que açoitaram os ‘aloprados’ nas cpis. Vou aguardar o seu manifesto.

  31. Comentou em 27/09/2007 Fábio Carvalho

    É razoavelmente simples minha tese. Os petistas, se querem controlar a imprensa, por óbvio não detêm esse controle. A imprensa, no antepenúltimo parágrafo do Estado e na bem escolhida manchete da Folha, reivindica liberdade e isenção. Vergonha é a absolivição de Renan, doutrina a capa da Vestal. Sem pretender controle, talvez porque já o detenha, os tucanos defendem a liberdade de imprensa tal como ela é. E la nave va.

  32. Comentou em 27/09/2007 douglas puodzius

    Caro WASHINTON FERREIRA, concordo plenamente com seu comentario e é deveras interessante notar o acerto desta bela expressão cunhada por nossos pares para qualificar artigos de alguns ditos Observadores deste Observatório. (Reservo o direito de não citá-los para não censurarem meu comentario. Digo apenas que os textos de Venicio não estão entre eles): ‘Olhar de Pirata’. Sim, existe um simbolismo profundo nessa expressão. Primeiro pelo sentido objetivo: alguem desonesto olhando para tirar vantagem. Ha tambem a significação subjetiva: coisa falsa, ou seja, é um observador fake que observa nada, mentiroso. Há também a caracterização da parcialidade: usa aquele olho (tapado) que nada ve para certas coisas e para outras usa a luneta. Há também a simbolização da qualidade: o observador é um perna de pau. Por fim, mostra como o observador carrega o papagaio nos ombros e repete tudo o que ele lhe assopra, ou seja, concorda com tudo que diz a midia(branca e golpista) que é o papagaio. A midia é o papagaio repetindo o que manda o capital e o observador ‘pirata’ vai repercutindo a pauta. O GUSTAVO MORAIS analisou com precisão a resposta que lhe foi dada e recebeu outra de Weis. Ele chamou a atençaõ para o fato de que aqui, nesse observatório, eles escrevem estas coisas por vontade, não recebem delegação da rainha e, isso é a mais pura verdade, fosse assim, seria ‘Olhar de Corsário’.Ok

  33. Comentou em 27/09/2007 João Motta

    A hipocrisia come solta, tucanos falam barbaridades tentando defender o seu indefensável valerioduto. Parece um replay da época do mensalão só que agora com o PSDB protagonizando o papelão. Dizer que Azeredo pode se safar porque Lula conseguiu se safar…que nome dar a esse tipo de raciocínio?

  34. Comentou em 27/09/2007 Octavio Hollemberg

    Corroborando o raciocínio da psicologa Alexandra Garcia – SP, lembro que no mesmo programa o JO enalteceu o Artur Virgílio e ridicularizou a Edeli Salvatti; criticou o Mercadante e enalteceu o Heráclito Fortes. Ou seja, o pau que bate em Lula é o mesmo que bate em Luiz Ignácio da Silva.

  35. Comentou em 27/09/2007 Sérgio Pestana

    Agora as coisas começam a ficar mais claras. Não era possivel o que vínhamos acompanhando pela imprensa conservadora, que só imputava ao PT os demandos na política. Sabe-se que tudo isso já era do conhecimento dos bem informados, porém essa imprensa conservadora montou um escudo de proteção ao PSDB e aos seus aliados como é o PFL (recuso-me a dizer Democratas). Se não fosse o procurador geral a corrupção, caixa dois e quejandos estariam ainda ocultos. Assim, chega-se a conclusão que é preciso democratizar a grande imprensa e fazê-la mais republicana, o que não é, embora muitos de seus representantes teimam em dizer e afirmar sua pluralidade e independência. Só rindo. Vamos a purar a compra de votos para a reeleição de FHC, a corrupção no BANESTADO, Cacciola (Banco Marka-Sidan), PROER, SIVAM, nepotismo, etc. Veja, quantas irregularidades dos chamados moralistas e fariseus. Na vwerdade terámos de apurar desmandos de 500 anos atrás, porque essa quadrilha é mesma. Mudam os nomes, mas a prática se repete ad nauseam.

  36. Comentou em 27/09/2007 Leonor Corrêa

    ‘A explicação é simples. Além dos tucanos implicados no episódio, nada menos que 34 petistas mineiros figuram na lista de Nilton Mourão em poder da PF. Em sua maioria, dirigentes do partido em Minas.’

    Este trecho deveria ser colocado em destaque – de preferência em negrito e letras garrafais – porque tem gente que não leu (ou finge que não leu) essa importante afirmação.

  37. Comentou em 27/09/2007 Rogério Ferraz Alencar

    ‘Ao contrário: Jefferson disse que falou a Lula do mensalão e ele chorou. Pode ser verdade, pode não ser. Mas que ele disse, disse.’ Quando RJ disse isso, também disse que Lula mandou investigar, e que o esquema havia parado. Dedução: se houve mensalão, Lula não sabia. Quando soube, mandou investigar. E a investigação redundou em nada. Roberto Freire, no Jô, foi interpelado sobre se sabia ou não do mensalão. E disse que, quando começou a circular o boato de que havia mensalão, muito antes da denúncia de RJ, pediu que amigos dele, jornalistas do Correio Braziliense e do Estdadão, apurassem o fato. E, dois meses depois. eles disseram não ter descoberto nada. O fato é que, quando RJ fez a denúncia, todos, jornalistas e deputados, perguntavam se Lula não sabia, mas ninguém perguntou aos deputados, e aos jornalistas, se eles também não sabiam. Ao que parece, só Roberto Jefferson sabia. E não conseguiu provar, junto ao Conselho de ética, a existência do esquema. Esse foi um dos quatro motivos pelos quais RJ foi cassado.

  38. Comentou em 27/09/2007 Fabiana Tambellini

    Vejo muita diferença entre as coberturas dos valeriodutos petista e tucano. Cadê a saudável contundência que os jornalistas exibiam quando os envolvidos eram petistas? Sumiu… Azeredo e seu valerioduto estão sendo claramente poupados. Também é muito irônico ver os tucanos repetindo os mesmos argumentos e desculpas furadas que os petistas usavam…quem te viu, quem te vê!

  39. Comentou em 27/09/2007 Max Suel

    Ao Sr. Ricardo Camargo:
    Eu quis dizer que o Duda Mendonça, marqueteiro do pres. Lula, confessou na CPI, no seu 1º depoimento, ter recebido o pagamento de seus serviços prestados na campanha do pres. Lula, através de depósitos efetuados em sua conta em banco no exterior, segundo ele, conforme solicitado pelo Marcus Valério. Ou seja, a campanha do pres. Lula pagou serviços do marqueteiro através de depósitos feitos no exterior. De onde a campanha do pres. Lula tirou o dinheiro no exterior para pagar o marqueteiro não se sabe. O fato é que o marqueteiro, como aliás muitos petistas, chorou. É um fato, como choram os petistas: chorou Genoíno, chorou Dirceu, chorou Silvinho, chorou Delúbio, chorou Lula, choraram os petistas honestos que saíram do PT quando do depoimento do Duda… é muito choro. Como choram os petistas (daria até um poema)
    Mas quem devia chorar (de raiva) seríamos nós, brasileiros que trabalham, que não vivem mamando no governo, ou parasitando no poder legislativo e executivo, no imenso cabidão de cargos comissionados, sem concurso.
    Como choram os petistas ……
    Em tempo, sempre lembrando o nosso déspota nada esclarecido: ‘quem é de esquerda depois de uma certa idade tem problema (mental?) (não me xinguem, a frase é do pres. Lula mesmo)

  40. Comentou em 27/09/2007 Luciano Prado

    Dicionário do Aurélio:
    -Desequilíbrio: ausência de equilíbrio;
    -Desequilíbrio (psicol): anomalia psíquica em que há variabilidade de humor e emotividade excessiva, e que leva a não adaptação social.
    Dicionário do Mário Magalhães, ombudsman da Folha:
    -Desequilíbrio Editorial: chamar o valerioduto mineiro (ou valerioduto tucano) de ‘Caso Walfrido’.
    E tem gente que ainda acha que os insanos somos nós, leitores.

  41. Comentou em 27/09/2007 Marco Antônio Leite

    Senhores brigões, não é nem mensalão mineiro e nem mensalão do Lulla, é corrupção nua e crua mesmo? Todos os envolvidos são secreção nasal da mesma narina, não se iludam, este é o Brasil heróico!

  42. Comentou em 27/09/2007 Marcelo Ramos

    Não, bicho, tem comentários hilários. Wilson de Carvalho, ótima a relação visual Serra/Mr. Burns, demais. Vou até fazer um cartoon. Ricardo Camargo, a acusação de Veja sobre o financiamento de Cuba à campanha do PT foi aquela em que acusou um sujeito de trazer dólares em garrafas de whiski de Cuba? Conforme o tempo passa, mais isso soa como piada. E a nossa inocente mídia, coitada, fez de tudo para cumprir com seu dever de bem informar… como diz o dito (sic) seria cômico se não fosse trágico.

  43. Comentou em 27/09/2007 Leila Jinkings

    Em primeiro lugar, que eu saiba, foi montada uma quadrilha. Não foi o que o ilustre procurador escreveu e afirmou?
    E até tinha um chefe.
    Agora, se esclareceu (na verdade estava se tentando abafar, não é) que a quadrilha foi criada em Minas Gerais, em ninho tucano e tinha até chefe. Só falta dizer o nome dele: não temos certeza se afinal é o Azeredo ou o Fernado Henrique Cardoso FFHH.
    Estamos aguardando senhor procurador

  44. Comentou em 27/09/2007 Alexandra Garcia

    Pau que bate em PT é o mesmo que bate em PSDB? – Nunquinha! – Só para exemplificar, no Meninas do Jô de ontem a noite, ao desfilar a pauta de assuntos o apresentador, como já havia feito programas antes, disse que também falariam do caso Azeredo ou MENSALÃO TUCANO. Esperei inutilmente até o final do programa e nada. Não disseram uma só palavra a respeito, mas a pancadaria sobre o pt comeu solta, como sempre, a ponto da comentarista Lucia Hipolito chamar o ex- ministro Palocci de CRIMINOSO em pleno ar, momento em que o apresentador puxou uma salva de palmas do seu fiel auditório, endossando o insulto lançado pela jornalista. Não tenho procuração para defendê-lo, não sei se ele já foi condenado por algum crime ou até mesmo pelas razões que determinaram a sua saída do poder para merecer ofensa tão grave e grosseira, mas é esse o o nível, a tônica, a agulha magnética que norteia a mídia em geral quando se trata de falar de PT e qualquer outro partido, ainda mais em se tratando de PSDB, sem falar que lá pelas tantas o apresentador disse que o ex-ministro Serra, apesar de não ser médico, foi o melhor ministro da Saúde que este país já teve. Fatos como esse estão nas páginas dos jornais, nos noticiários da tv todos os dias. Só um cego não percebe a discriminação ou enfase que se dá a um e a outro, como bem lembrou abaixo o jornalista Ricardo Feltrin Costa /RJ

  45. Comentou em 27/09/2007 Washington Ferreira

    Nada como um baiano ‘porreta’ como o Gustavo Morais para responder a uma médica mineira que, definitivamente, deveria se mudar para São Paulo, terra de gente que engole tudo o que a imprensa conservadora e golpista noticia. Aliás sou de Ubá, terra de Ary Barroso, que entendia tanto da alma mineira como da alma baiana. […]

  46. Comentou em 27/09/2007 Marcelo Ramos

    Felipe Faria, infelizmente não é fosse fácil como você descreve. Quando a mídia e alguns políticos tentaram vincular o Mensalão ao Lula, não conseguiram. Só o Weis acredita no Roberto Jefferson quando este diz que falou ao Lula sobre a negociata. No caso Azeredo/FHC, o primeiro já falou publicamente e pra todo mundo ouvir que FHC sabia do dinheiro que ajudou na sua reeleição. Ninguém botou palavras na boca de Azeredo ou deduziu a partir de alguma declaração. Ele falou com todas as letras. Isso é um jogo de xadrez. Quando PSDB/PFL/mídia golpista atacaram, não conseguiram derrubar o Lula. E olha que chegaram a consultar muitas instituições consideradas reserva moral do país, como OAB, ABI, só pra citar as mais importantes. Como a investigação já tem mais de um ano, o peso da declaração de Azeredo é muito maior, pois aponta a possibilidade de queimar de vez todas as candidaturas tucanas para presidencia em 2010. E com o aprofundamento da investigação dos Sanguessuga/Vedoin, vão chegar no Serra. O que pode salvar o Aécio é a hipótese de pingar menos lama nele. Mas a mídia no Brasil não vai querer perder seus ‘paladinos’. Ainda vamos assistir à muitas não-notícias do FHC. Serra, Aécio e Azeredo. Mas duas coisas podem rolar nesse meio tempo: CPI da Veja/telefônica e depoimento do Cacciola. Esses dois acontecimentos vão interferir nas prioridades da mídia.

  47. Comentou em 27/09/2007 Luciano Prado

    ‘De qualquer forma, a presença de Aécio, Azeredo e, por tabela, Fernando Henrique, no noticiário do dia sobre o mensalão 1.0 tira gás da teoria de que a mídia só fala de Walfrido – para atingir Lula, de quem é ministro, e proteger a tucanada, de quem seria cúmplice.’ Tira gás coisa nenhuma. Acrescenta. Porque fica clara a proteção que a imprensa dispensa aos tucanos e demos. Vergonhosamente partidárizada a grande imprensa brasileira, mesmo sendo obrigada pelos fatos (escancarados) a publicar algo sobre os tucanos e demos (daqui a pouco ela sossega), o faz de maneira dissimulada e atravessada na tentativa de confundir o leitor mais apressado. Não é raro a imprensa incluir o PT e Lula nos assuntos que dizem exlusivamente respeito ao Valeioduto TUCANO. Manobra antiga e ultrapassada, mas que a ‘grande’ imprensa brasileira adota como estratégia inovadora e esperta. E ainda tem aqueles que vêm em defesa de tal prática com explicações doutrinadoras. Tenha dó!

  48. Comentou em 27/09/2007 Ricardo Camargo

    Ao sr. Max Suel, sem tomar a defesa do Partido hoje no poder e até 2002 na oposição, até onde sei, não é ainda tão certo que o PT tenha recebido dinheiro do exterior, porque, a ser isto verdade, o que ocorreria não seria apenas a cassação do registro do aludido Partido e do mandato do Presidente da República: até mesmo uma guerra com o país que supostamente teria interferido no processo eleitoral brasileiro poderia ser cogitada, porque, neste caso, teria ocorrido o equivalente financeiro a uma invasão. As conseqüências, pois, são mais graves do que se pode imaginar, a menos que o sr. julgue que uma guerra contra tal país seja um dever do Brasil para com a humanidade – algo que nem mesmo Bush deseja, pois devemos estar lembrados do seu pronunciamento quando foi aventada pela Veja a hipótese do financiamento proveniente de Cuba para a campanha presidencial -. Normalmente, quem deseja a guerra é quem nunca esteve no campo de batalha ou nunca presenciou combates ou nunca esteve num país que tivesse recém saído de uma guerra. Não é por outro motivo que a matéria está em debate perante o Judiciário paulista, que saberá decidir de acordo com as provas que cada uma das partes trouxer a respeito de suas alegações.

  49. Comentou em 27/09/2007 Wilson de Carvalho

    Será que ninguém percebeu ainda ou todo mundo está disfarçando que não sabe?
    Minha história escrita de maneira simples:

    Recebo, semanalmente, a revista Isto É Dinheiro há 2 anos. NUNCA recebi qualquer gracejo da editora e, curiosamente, na edição em que tratava do ‘Mensalão Mineiro’, a revista Isto É veio junto de brinde e com a foto do Aécio Never (digo, Aécio Neves). Dá pra ver que existem 3 coisas:
    1- Querem puxar o tapete do Aécio, que tem sido exibido como um bom candidato às eleições presidenciais de 2010. Desta forma, o caminho fica livre para o Serra (Sr. Burns);
    2- Fazendo o nome ‘Mensalão Mineiro’ ficar na mente do público (principalmente o paulista), o repúdio ao possível candidato tucano mineiro será inconsciente e todos serão lembrados pela ‘Mineirada que rouba’.
    3- A Isto É, que sempre foi tucana, está dando uma de ‘boa moça’ fazendo uma denúncia que, é claro, não coloca o substantivo ‘Tucano’ e troca por ‘Mineiro’. Desta forma, dá uma força e tanto pro Serra (alguém vai ganhar com isso).

    É isso aí. Não votei no Aécio e não estou aqui pra defender, mas que tem alguma coisa por trás disso, ah tem!

  50. Comentou em 27/09/2007 Felipe Faria

    Marcelo Ramos, sua pergunta tem resposta simples. Se o mensalão mineiro é mensalão tucano, o mensalão petista se torna Mensalão do Lula.

  51. Comentou em 27/09/2007 Rogério Ferraz Alencar

    ‘Uma aliança tácita entre o PSDB e o PT mineiros conteve a repercussão em Minas Gerais, durante a semana, do inquérito da Polícia Federal que apura o caixa 2 na eleição estadual de 1998. O tema foi ignorado pelos principais jornais do Estado e pelos parlamentares da Assembléia Legislativa. A explicação é simples. Além dos tucanos implicados no episódio, nada menos que 34 petistas mineiros figuram na lista de Nilton Mourão em poder da PF. Em sua maioria, dirigentes do partido em Minas.’ Então a aliança tácita não envolveu só PT e PSDB, mas a mídia também, e os outros partidos. Esse acordo, se existiu, era para ser um escândalo à parte. Seria muito interessante saber porque o PSDB resolveu desviar dinheiro público para ajudar, também, o PT.

  52. Comentou em 27/09/2007 Francisco Bezerra

    O que é que tem asas, um bicão maior que o corpo, o corpo coberto de penas, é amarelo e azul, mas não é tucano? O mensalão mineiro.

  53. Comentou em 27/09/2007 adriana rezende

    Realmente esta imprensa é de dar dor na canela.

    Olha aí a manchete no portal Folha/UOL agora 07h de 27/09: ‘Há provas ‘muito boas’ do valerioduto, diz procurador’.

    Quem ler a manchete fica saber que o valerioduto do qual fala a Folha é tucano.

    Engraçado como são as coisas.

    A mesma mídia que cunhou o termo ‘Mensalão’ agora está se vendo obrigado a usá-lo para se referir aos seus aliados.

    Dizem que o mundo dá muitas voltas, não é?

    Outros dizem que um dia é da caça e o outro do caçador.

    Como se vê, o feitiço virou contra o feiticeiro.

    Diz, de forma truncada, a Folha: ‘O procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, 58, disse ontem considerar ‘muito boas as provas’ que compõem o inquérito no qual é investigado o valerioduto mineiro, o suposto esquema de desvio recursos -inclusive públicos- destinados ao caixa dois da campanha em que o hoje senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) tentou se reeleger governador mineiro em 1998.’

    Aqui o link para assinantes

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2709200702.htm

  54. Comentou em 27/09/2007 Flávio Perina

    Tem uma grande diferença no tratamento da mídia em relação a Chico e a Francisco. No caso do PT eles fazem tudo para relacionar com o Governo Lula e no caso da tucanada, publicam suas desculpas e desmentidos, tentando fazer uma defesa prévia. Você mesmo sugere isso em sua matéria acima quando cita o caso de Walfrido e de FHC. Além disso, por que um é o ‘mensalão do PT’ e o outro virou, de imediato na mídia, o ‘mensalão mineiro’ e não do PSDB ou tucano (ou por que não, de FHC e Aécio Neves)? O tratamento da mídia é diferenciado, queiram ou não e sempre favorecendo tucanos e demos.

  55. Comentou em 26/09/2007 Luciano Prado

    ‘Quando o mensalão mineiro emergiu pela primeira vez, em 2005, Fernando Henrique foi o primeiro a pedir a saída de Azeredo da presidência do PSDB, que então ocupava.’ A afirmação do senhor Weis não condiz com os fatos. Quando o mensalão tucano (tucano sim, não nos esqueçamos) emergiu pela primeira vez, em 2005, Fernando Henrique veio em defesa de Azeredo. Ficou famosa a tal defesa. FHC afirmara para toda a imprensa que os crimes cometidos no passado deveriam ficar para a história. Portanto, a memória do senhor Weis é convenientemente falha.

  56. Comentou em 26/09/2007 iza souza

    Vamos deixar a coisas claras, bem cristalinas!
    O MENSALÃO É DO PSDB! Não existe mensalão mineiro!
    Por acaso eu não recebi um único centavo! E sou mineira!
    Até quando a mídia vai achar que somos otários, bestas?
    Queremos ver o mesmo tratamento dado ao PT nas TVs e jornais agora com o PSDB!
    Se a imprensa não fizer isso, perderá o restante de credibilidade que ainda tem!
    Começaram muito mau!
    Usando esse termo ‘mensalão mineiro’ a imprensa já mostra como será tratado o roubo do PSDB em Minas!

  57. Comentou em 26/09/2007 Esdras de Castro Almeida

    É muito importante ser noticiado o caso do ‘Mensalão Mineiro’, uma vez que, apesar de ter iniciado a era ‘Mensalão’, quase não se falou no caso do Eduardo Azeredo, que foi abafado pelos Tucanos, PSDB. O que temos aqui em Minas é um evidente caso de censura da imprensa local, pois o Governo do PSDB, leia-se Aécio Neves, mostra-se nos jornais veiculados aqui, cada vez melhor, sem nenhum tipo de erro ou corrupção, sendo tratado como um governo perfeito e o Governador como próximo Presidente da República. Este é o momento para que se mostre a verdade que acontece em Minas Gerais e não é divulgada para sua própria população.

  58. Comentou em 26/09/2007 Júlia couto

    Alô imprensa, por acaso é o povo mineiro que fez mensalão ? Digam, mensalao tucano – TU CA NO. o próprio Eduardo Azeredo já disse que o dinheiro serviu ao PSDB. inclusive a FHC. Vocês imprensa depois que sao pressionados pela opinião pública dâo uma disfarçada com matérias deste tipo, mas na verdade continuam com a cobertura desigual.

  59. Comentou em 26/09/2007 Cério S dos Santos

    Sr. Luiz Weis, perceptivelmente o nobre articulista não ficou a vontade para falar sobre o assunto que se propôs. Não queira forçar a sua natureza. Quando o senhor fala contra o PT, o faz de forma mais contundente, ao contrário da superficialidade e do melindre neste artigo demonstrados.

  60. Comentou em 26/09/2007 Gustavo Morais

    Deixa-me ver se eu entendi a resposta do Sr. Weis ao Sr. Washinton Ferreira. Quer dizer que no caso do chamado “Mensalão do PT”, embora envolvesse políticos de outros partidos, inclusive do DEMO (ex-PFL), a nomenclatura foi apropriada. No que tange ao “Mensalão Tucano”, a nomenclatura não é apropriada, em virtude do eventual envolvimento de petistas. Que contorcionismo é esse ??? Que sandice é essa ??? Diante da evidente parcialidade da mídia não me surpreenderei se esta resolver adotar a denominação “Mensalão de Mares Guia e dos 34 do PT”. O certo é que o termo “Mensalão Mineiro” é inapropriado, visto que ofende o povo daquela terra. Isso é uma desfaçatez, ou seja, uma estratégia sórdida para poupar o partido protegido pela grande mídia !!! Ao Sr. Weis, por questão de justiça e equidade, caberia dispensar um tratamento ao caso semelhante ao que fora aplicado ao PT. Esperamos que o articulista, neste caso, seja mais incisivo e que apresente a mesma veemência e indignação com que tratou o outro “mensalão”. Ocorre que o Sr. Weis deixou-me a impressão de estar “com o freio de mão puxado”. Entretanto, já existe um progresso, visto que antes a mídia insistia em reportar o fato como um singelo “caixa dois mineiro”. Depois não quer ser chamada de mídia golpista e perniciosa. Acredito que foi o Sr. Dines que delegou ao Sr. Weis que falasse sobre esse assunto tão espinhoso para aquele.

  61. Comentou em 26/09/2007 Webbert Caldeira

    Prezado Weis: sugiro que leia os jornais mineiros da semana e verifique a ‘repercusão’ que esse escândalo de corrupção ativa do PSDB vem recebendo. Nem na ditadura a imprensa mineira foi tão cerceada. Será por quem?

    Webbert

  62. Comentou em 26/09/2007 maria natalia lebedev martinez moreira

    Então fica assim, não dá pra processar os mensaleiros sem processar o Azeredo e o mensalão tucano. Não dá pra processar o Azeredo sem processar o Lula.Não d´a prá processar o Lula sem processar o FHC. Não dá pra processar o FHC sem processar devidamente o Sarney,.Não da pra processar o Sarney sem processar os militares… a familia real, Portugal, a Inglaterra… E assim não processesmos ninguem confirmando a ‘íncrivel’vocação pra brasileiros cordiais que o Sérgio Buarque não só diagnosticou como parece a nossa sentença.
    E o cara pálida que convoca os mineiros?!Os mineiros são gado por acaso pra terem uma opinião só?

  63. Comentou em 26/09/2007 Washington Ferreira

    ‘Além dos tucanos implicados no episódio, nada menos que 34 petistas mineiros figuram na lista de Nilton Mourão em poder da PF. Em sua maioria, dirigentes do partido em Minas.’ Uma boporém orexplicação para a alcunha de ‘mensalão mineiro’, adotada pela mídia conservadora e golpista. Ora, se o operador era o Marcos Valério que, como se sabe, iniciou carreira neste episódio; se os principais beneficiários eram FHC e Eduardo Azeredo, que levaram o grosso da grana para as suas campanhas; se o PT levou 880 mil na brincadeira e PSDB-PFL levaram, juntos, mais de dois milhões de reais; e se o repasse para TODOS OS PARTIDOS EM MINAS somou cerca de dez milhões, de um total de dinheiro sujo de cerca de 100 milhões, sendo o resto para as campanhas de Azeredo e FHC; e se os principais envolvidos são Azeredo, seu então vice Mares Guia e FHC, meu caro Weis, porque mensalão mineiro?

  64. Comentou em 26/09/2007 Felipe Faria

    O que se vê neste embate entre os sociais-democratas e os sociais-trabalhistas é briga de familia. Todos mil vezes mais corruptos que aqueles que acusaram, que aqueles que preenderam suceder.

  65. Comentou em 26/09/2007 C Barbbosa

    O comentário do ex-ministro Paulo Renato segue a linha de defesa adotada por Renan Calheiros no discurso que antecedeu a absolvição: não me deixem só. Esta linha, por sua vez, nos remete a Fernando Collor de Melo. Aliás, Renan Calheiros apoiou Collor, foi Ministro da Justiça do FHC e presidente do Senado (sob as bençãos do PT) no governo Lula.

    Resumo da ópera: ‘se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão…’

  66. Comentou em 26/09/2007 ricardo feltrin costa

    quanta ingenuidade, meu caro Luiz Carlos Bernardo. ingenuidade demais para um advogado criminalista… como a própria matéria de Weis demonstra, a informação contra os tucanos está na Folha — mas NÃO FOI para a MANCHETE PRINCIPAL. como dizia Paulo Francis, a manipulação no jornalismo não está no conteúdo veiculado, mas na ÊNFASE dada a ele. é possível noticiar ambos sem dar destaques proporcionais à importância dos fatos. no caso de FHC, me parece claro que o ‘príncipe dos sociólogos’, chamado pela revista Veja de ‘melhor presidente da história do país’ (depois falam do Lula) CONFIA PLENAMENTE na atuação de seus colegas na imprensa. ele SABE, por experiência própria, que no caso dele o batom na cueca pode aparecer que ninguém pedirá o impeachment (vide caso dos grampos do BNDES em que a VOZ de FHC estava registrada, combinando a negociata com seu ministro Mendonção – que caiu sozinho).

  67. Comentou em 26/09/2007 Rogério Ferraz Alencar

    Querer envolver Lula é brincadeira. 1º: se houve mensalão, Lula não sabia. Quem disse foi o próprio Roberto Jefferson. Aliás, parece que só Roberto Jefferson sabia do mensalão. 2º: Denise Frossard, nos primórdios do escândalo disse, no Jô, que o mensalão, tal e qual descrito por RJ não existia e que não havia desvio de dinheiro público. Ela integrante da CPI. Portanto, aos tucanos o que é dos tucanos. E sobre ‘tirar o gás’ da teoria que a mídia é tucana: hoje, 26/09, na Folha online, há breve matéria com Aécio Neves. Mas não para importuná-lo, apenas para que ele defenda Azeredo, ‘um homem de bem’.

  68. Comentou em 26/09/2007 Jose Paulo Badaro

    Em se tratando de imprensa brasileira o pau que dá em Chico não é o mesmo que dá em Francisco.

    Em face da declaração do Azeredo, de que o ex-presidente também se beneficiou com o dinheiro espúrio do Marcos Valério, por que a nossa querida e imparcial imprensa não perguntou ao Fernando Henrique Vaidoso SE ELE SABIA OU NÃO SABIA das coisas que presidente do seu partido, e demais 156 tucanos, tramavam na sala ao lado?

    Ninguém que adore tanto o patrão, como o jornalista brasileiro, vai ser doido de perguntar uma coisa dessas. Ademais, o que será da Veja, Estadão, Globo, Folha, Hebe Camargo, Jô Soares, cansados e reacionários em geral, se não puderem mais jogar pra torcida e dizerem com ar de deboche: “Ele não sabia de nada…”

  69. Comentou em 26/09/2007 Nelson Efraim

    Eu diria: pau que bate em Nano, bate em Fernando…

  70. Comentou em 26/09/2007 Eduardo Oliveira

    Parabéns Luiz Weis, são artigos assim que toda a sociedade deseja da mídia, crítica a qualquer custo sem objetivação partidária, e sim, o fortalecimento político num todo.
    O fato mais crítico, sobre as poucas notícias que vêm sendo anunciado sobre o Mensalão Mineiro ‘MENSALÃO DO PSDB’, e a forma light que a imprensa vem informando, até pouco tempo atrás, toda a mídia estava de plantão (24 horas) em frente ao STF, cobrindo as denúncias do Procurador Geral da República, contra as 40 pessoas envolvidos e berrando em todas suas matérias como Mensalão do PT. E agora como fica à mídia, totalmente quieta e quase omissa. Parabéns a você, e desejo desde já, que todos aqueles que um dia a exercer a função de jornalista tome como exemplo suas ações como exemplo, porque há muito tempo você vêm fazendo um trabalho independente e sem aquela paixão partidária que muitos jornalistas e repórteres assumem nas suas matérias e artigos.

  71. Comentou em 26/09/2007 Washington Ferreira

    Caro Douglas Puodzius, ‘olhar de pirata’ foi uma das expressões cunhadas pelos excelentes debatedores deste OI mais felizes até hoje. Levando ao pé da letra o termo usual nos dias de hoje,’pirata’, ou seja, falsificação grosseira, é como podemos qualificar a atuação destes observadores que enxergam apenas o que os patrões lhe mandam. Como atentos leitores deste OI, sabemos que o verdadeiro papel de observador da imprensa é exercido de verdade por profissionais como Venício A. de Lima, Luciano Martins Costa e outros. Dines e Weis estão aí apenas, como já disseram alguns, ‘para ofender a nossa inteligência’. Que fiquem apenas nisso.

    Quanto ao sr. Weis, francamente, convoco todos os mineiros que navegam por aqui a demonstrarem todo o seu repúdio ao termo ‘mensalão mineiro’, por sinal, largamente usado pela imprensa conservadora e golpista. Por que não ‘mensalão tucano’?

  72. Comentou em 26/09/2007 Marcelo Ramos

    Engraçado, um leitor do jornal O Globo comentou algo que vale a pena repercutir. A pergunta que não quer calar é: porque o nome do novo escândalo é ‘Mensalão Mineiro’ e não ‘Mensalão Tucano’? O próprio senador Azeredo está falando alto e claro. Tudo bem, a gente sabe que a mídia vai blindar o FHC, (‘A Esperança Branca e Culta’) e o PSDB. Eu quero ver jornalistas perguntando ao Arthur Virgílio e ao Tasso o que eles acham do fato de que o partido que criticou o Mensalão do governo agora se vê envolvido na gênese do escândalo. Em uma coisa concordo com o Weis: Pau que dá em Chico dá em Francisco.

  73. Comentou em 26/09/2007 Luiz Carlos Bernardo

    Se o FHC foi o primeiro a pedir a saída do Eduardo Azeredo da presidência do PSDB, torna-se aceitável concluir que ele não tem culpa no cartório com referência ao mensalão mineiro, pois na política é assim, um amigo protege o outro porque se cair um cai todos. É o denominado ‘rabo preso’. A espécie necessita ser melhor analisada por quem de direito, eis que outras vertentes podem aparecer. Todas as possibilidades são possíveis – até uma trairagem do sr. Azeredo. De qualquer maneira, nada mais me surpreende. Política é uma coisa malcheirosa. No entanto, entendo pouco provável a conclusão do sr. Weis, após o estabelecimento das premissas. E o motivo é simples: FHC, inconformado, pediu a saída de Azeredo, então presidente do PSDB. O presidente Lula, mesmo diante de tantas evidências, não pediu a saída de Delúbio e de outros caciques do PT, quando entrou em erupção os casos mensalão e sanguessugas. A política é cruel com a população que produz nesse país, mas é benevolente e fiel com os companheiros de partido. E tal não seria diferente com o PSDB. A matéria do Luiz Weis merece reflexão.

  74. Comentou em 26/09/2007 Renato Silva

    Eu acho natural que a mídia fale do Walfrido, afinal de contas ele tem uma posição de destaque no governo atual, e o que ele andou fazendo antes disso é de interesse nacional. Não sei se a imprensa deixa de falar da ‘tucanada’ por ser cúmplice, mas até agora ela não tem dado tanto destaque ao Azeredo, que é um senador e ex-presidente do PSDB, quanto dá ao Renan ou ao Walfrido e isso é fato. Como vc mesmo note, é estranho que uma declaração dessas do Azeredo não tenha sido dado o devido destaque como dão ao Walfrido. É só pensar se o Genoíno tivesse dado uma declaração dessas sobre o Lula. Ela não estaria na manchete da primeira página de todos os jornais? PS.: mensalão mineiro não, né, Weis. A partir da própria declaração do Azeredo já dá pra dizer que é mensalão tucano. Abraços

  75. Comentou em 26/09/2007 Marco Antônio Milk

    FHC, Lulla, Azeredo, Aécio, Mares Guia, mensalão do FHC, mensalão do Lulla, operação isso, operação aquilo, operação aquilo outro e congêneres são dejeto da mesma vaca. Se o Brasil fosse um país sério, aja o que “ajar”(esta frase é de um filosofo do povo) toda essa canalhice estaria atrás das grades na pior masmorra que possa existir no Brasil, como colega de cela teriam a companhia dos Mariolas da vida, do xará do FHC-Fernandinho Beira Mar, que não tem nenhum parentesco com o Mares Guia, entre outros nobres bandidos de renomes internacional. Cara impressa, se milagre existisse de fato e é essa gente fosse encarcerada de verdade, muitas empresas de comunicação cerrariam suas portas, justamente pôr falta de notícias ou então teriam que trabalhar com receitas de bolos e comidas salgadas?

  76. Comentou em 26/09/2007 José A. Matelli

    Porque o termo ‘mensalão mineiro’ ao invés de ‘mensalão tucano’? Reciprocamente, porque o termo ‘mensalão petista’ ao invés de ‘mensalão paulista’?

  77. Comentou em 26/09/2007 Antonio Carlos Silva

    Tirou o gás da mídia golpista que só mira o Governo Petista ? ABSOLUTAMENTE NÃO, esta podre mídia golpista só ficará mais ou menos limpa, se der total e profunda cobertura sobre esta QUADRILHA TUCANA QUE ROUBOU DOS COFRES DO GOVERNO DE MINAS GERAIS, esclarecendo quais pessoas pertenceram a esta quadrilha, como foi executado o roubo, se o esquema foi montado só em Minas Gerais, se o dinheiro serviu também para enriquecimento de figurões da República etc…Esta divulgação deverá ser feita em hotário nobre nos canais abertos de tv e rádios AM e FM .

  78. Comentou em 26/09/2007 Edmilson Fidelis

    Só o fato de batizarem o caso de ‘mensalão mineiro’ já dá uma idéia de como será o comportamento da mídia de uma forma geral. Porque não ‘Mensalão Tucano’?

  79. Comentou em 26/09/2007 Sidnei Brito

    Pois é, Weis, só que você mesmo admite que a Folha, por exemplo, poderia ter sido mais explícita na primeira página e ter falado que FHC também estava no rolo… Quanto ao ministro Walfrido, o fato de ele estar sendo chamado pelo próprio nome e não pelo epíteto ‘ministro de Lula’, como ocorreu no caso Silas Rondeau, já é um grande progresso. Melhor que isso, só se a mídia passasse a chamar esse imbroglio de ‘mensalão tucano’ ou ‘mensalão do PSDB’, em vez do ´vago´ ‘mensalão mineiro’.

  80. Comentou em 26/09/2007 Avelino de Oliveira

    Caro Luiz
    Espero ansioso para que Salvatore Cacciola, fale tudo o que sabe, assim como Eduardo Azeredo e ainda, Renan, mas acredito que por mais que eles falem, pouco ou nada sairá e quando sair, irão procurar vincular ao PT. Como agora, dos 159 ganha destaque Walfrido, ministro do governo Lula.
    Mas, ‘Como é mesmo o ditado? Pau que bate em Chico ‘(PT) não’ bate em Francisco ‘PSDB’?!
    Saudações

  81. Comentou em 26/09/2007 Agostinho Rosa

    Weis, a grande imprensa, decididamente, optou pelo ‘2 pesos e 2 medidas’. A mídia só começará a esboçar lampejos mais arrojados, quando as evidências ganharem mais corpo. É perceptível a resistência dos meios de comunicação em dar vazão a esta notícia, da forma que foi veiculada quando do ‘mensalão do PT’. Um exemplo claro é quando ainda adotam o verbete ‘mensalão mineiro’ ao invés de ‘mensalão tucano’ ou mensalão do PSDB’, se é que existe alguma coerência na mídia. A estratégia, por enquanto, é malhar o Walfrido e aliviar os membros do tucanato. O problema do Azeredo é que a documentação é farta contra ele e assinada pelo próprio. No caso do FHC e do Lula, a situação é inversa.

  82. Comentou em 26/09/2007 Max Suel

    Então que se cumpra a Lei: devem ser indiciados todos: Azeredo, FHC e Lula, e que os processos cheguem ao fim, com a punição de todos os culpados após a devida investigação, com amplo direito de defesa etc.
    Não esquecer que na campanha de Lula do PT, seu marqueteiro recebeu dinheiro do exterior o que obrigaria a justiça a cassar a licença do partido, ou seja o PT acabaria (o que seria uma bênçao para o Brasil).
    Insisto: houve Caixa 2 em 1998 no valerioduto MG , como houve Caixa 2 em 2002 e 2004 no Valerioduto Federal; mas em 2002 e 2004 houve também o Mensalão: Compra de partidos e parlamentares para compor a chapa do Lula com o PL , e obter a maioria no Congresso, sendo que o dinheiro veio de desvios de Estatais: Correios, BB, Petrobrás etc, com empréstimos fajutos intermediados pelos bancos BMG e Rural.
    Imaginem se não houvesse a privatização que aconteceu nos governos Itamar e FHC (toda de acordo com a legislação): as estatais todas estariam nas mãos / garras desta escumalha / quadrilha; desviando dinheiro do povo para seu projeto de poder.
    Sempre lembrando o pres. Lula (é dele a frase): quem é de esquerda depois de uma certa idade tem problema (mental ?)

  83. Comentou em 26/09/2007 Marcelo Ramos

    É, bem fez o Lula. No início do escândalo disse ‘Investiguem’. Agora, as coisas vão começar a exalar um certo cheiro. É não é só o Eduardo Kattah que acha que a referência é uma cobrança. Vai ser no mesmo estilo Bob Jeff. ‘Se não me ajudarem, muitos vão cair comigo.’ A imprensa protelou o quanto pode a exposição do nome do Azeredo. E agora que o nome do Azeredo entrou na roda, (pra usar uma gíria carioca) ele aproveitou para ‘compartilhar responsabilidades’. A manobra do Paulo Renato é fraca. Ao dizer levianamente que não se pode indiciar Azeredo sem se indiciar o Lula, ele espera ter ‘levantado a bola’ para a mídia golpista ‘chutar’, coisa que ela vem fazendo há tempos. Mas parece que a classe média, que provê a credibilidade para essa mídia golpista, começa a ficar de saco cheio com essa estratégia. Esse efeito foi constatado na época da reeleição do Lula, em Brasília. Pesquisa do Ibope constatou que, na hora do programa do Alckmin as pessoas mudavam de canal ou desligavam. Ou seja, falar mal o tempo todo acaba produzindo efeito contrário. Na época, só um integrante do PSDB constatou isso. Foi o Eduardo Paz, do Rio. Mas os marketeiros do Alckmin não pediram opinião do Paz… e deram com os burros no brejo. Esse ditado é meu.

  84. Comentou em 26/09/2007 Mateus Toledo Gonçalves

    Acho que discutir a parcialidade da mídia me parece inócuo, visto o grau de ideologia presente neste debate.
    No entando, não posso aceitar como prova da imparcialidade da mídia a referência à Aécio e Azeredo em um escândalo de corrupção.
    Para configurar-se como tal, é necessário que hajam frequencia e veemência em grau semelhante aos destilados contra petistas, o que até agora não aconteceu, vide o estranho fato revelado por voçê, da noticia mais importante do dia não ter recebido destaque merecido, fato este indubitável.
    A parcialidade e a manipulação da imprensa podem se expressar não apenas no que elas noticiam, mas nos diferentes destaques recebidos pelas noticias quando estão em jogo diferentes agentes políticos.
    O fato de as acusações contra FHC não terem recebidos o merecido destaque não significa que houve um erro na organização das manchetes, ao contrario, ele escancara os críterios de seleção e destaque de noticias dentro do jornal.

  85. Comentou em 26/09/2007 douglas puodzius

    Aí vem ele de novo. Nosso observador e seu olhar de Pirata tecendo comentários e concluindo coisas para nos salvar da possibilidade de gente petê, essa racinha, estar com a razão quando mete pau na nossa ‘ tão imparcial’ midia (branca e golpista). Agora já se quedou demonstrado que, ao citar, por tabela, de escanteio, por ilação, em sussurro, o nosso saudoso e culto ex-presidente Fhc, o pessoal da imprensa(branca e golpista) já fez a sua parte: Mostrou as entranhas do mensalão do Psdb do mesmo modo como foi atrás do mensalão anterior(ou posterior). Ele viu isto com o Olho da Luneta e repetiu o que o papagaio lhe cantou no ouvido, mas, não se indgnou, como fazia antes. Não! A sua indgnação seletiva não lhe permitiu fazer os discursos inflamados em favor da ética com os quais fomos brindados nos bons tempos de cpis, de caseiros e de dinheiros das farcs. Não! Ele preferiu a distancia para observar melhor. Observar assim… friamente e concluir, escorado pela racionalidade de seu distanciamente, o que está acontecendo com a nossa midia. Só, o Olho do tapa olho, não viu as analises, a falta dos discursos éticos, a ausencia dos organogramas monstrando que o gari recebendo a propina era sim ligado ao presidente. Ele era amigo de alguem que citara um conhecido que conhecia a atendente de portaria que viu o assessor do vereador que esteve numa inauguração na qual presidente faltou. Ops!

  86. Comentou em 26/09/2007 José Augusto Zague

    prezado Weis sua analise sobre a questão é bastante pertinente e a imprensa precisa empreender maiores esforços para apurar essa questão do ‘mensalão tucano’ nos seus pormenores em função da existencia da chamada ‘lista de furnas’ que foi considerada autentica pela PF !
    Existe um assunto pendente e espero que seja melhor esclarecido,trata-se do artigo do jornalista Ali Kamel que possui varias imprecisões como o fato do livro ter sido adotado no governo FHC,a falta de referencias aos trechos criticos a Mao e Stalin e o mais grave, Kamel sabia ou não que o livro saiu da lista do MEC em Abril desse ano ? Se não sabia porque não ouviu o MEC ?

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem