Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

CÓDIGO ABERTO >

PCC na TV: o que não se deve esquecer

Por Luiz Weis em 17/05/2006 | comentários

No começo da noite de ontem, numa livraria paulistana, o jornalista Paulo Henrique Amorim, apresentador do Domingo Espetacular da TV Record, foi cobrado e cumprimentado.

De uma pessoa ele ouviu que o modo como o seu programa tratou a guerra deflagrada pelo PCC deu o tom para a atitude da emissora no dia seguinte.

Segundo a interlocutora de Paulo Henrique, se uma TV inglesa tivesse feito o que fez a Record, teria sido tirada do ar.

De outra pessoa, ele ouviu que o modo como o seu programa tratou a guerra deflagrada pelo PCC colocou no devido lugar a questão dos direitos humanos no combate à criminalidade.

Segundo o interlocutor de Paulo Henrique, direitos humanos são os das vítimas da bandidagem e das pessoas ordeiras em geral.

Para registro: quaisquer que tenham sido as qualidades ou defeitos daquele Domingo Espetacular, o seu apresentador não interfere no resto da programação da Record, nem lhe foi dito isso. Agora, que pode ter dado o exemplo, mesmo sem querer, lá isso pode.

De todo modo, a questão essencial que não deve ser esquecida é esta:

A cobertura da crise de segurança na emissora, segunda-feira, só pode ser considerada jornalística se se der ao termo um novo e degradante significado.

O que ali se fez, objetivamente, foi pior do que sensacionalismo. Foi aterrorizar uma população inteira.

[Veja a nota “Síndrome de pânico em SP”.]

Como lembra oportunamente a coluna Painel, na Folha de hoje:

“No vale-tudo da segunda-feira, houve emissora de televisão exibindo às 15h, por minutos a fio, as imagens de um ônibus incendiado no início da manhã. Com a inscrição “ao vivo”.

Enquanto isso, o governador Claudio Lembo, em vez de requisitar as rádios e televisões paulistas, o que a lei lhe faculta, como apontou ontem, também na Folha, o articulista Demétrio Magnoli, produzia uma pérola atrás da outra:

O controle é total.”

Não somos desvairados. Tínhamos informações.”

Não temos a menor preocupação com o futuro.”

Nada deu errado.”

***

Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem