Sábado, 20 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

CÓDIGO ABERTO >

Pentágono bloqueia YouTube e outros nove sites participativos

Por Carlos Castilho em 17/05/2007 | comentários


A partir desta semana, os militares norte-americanos no exterior, especialmente os destacados para o Afeganistão e Iraque, não terão mais acesso à uma lista de 10 sites cujo conteúdo é basicamente criado por usuários.


O Pentágono explicou que a medida visa economizar largura de banda, mas o jargão técnico não esconde a clara intenção de evitar que soldados vejam, através do YouTube, cenas filmadas por amadores mostrando o drama das populações civis afetadas pela ocupação norte-americana no Iraque e no Afeganistão.


A censura disfarçada nivela o Pentágono a vários outros países do mundo onde as autoridades tentam controlar o acesso à internet temendo as conseqüências políticas da diversidade de opiniões e posicionamentos publicados na rede. Os Estados Unidos sempre criticaram a China pela censura à internet e agora usam o mesmo expediente.


Há pouco mais de um mês, o comando militar norte-americano limitou severamente a possibilidade de soldados nos fronts de guerra publicarem blogs e participarem de debates ou fóruns pela internet. Até mesmo o correio eletrônico dos soldados e oficiais passou a ser controlado pelo Pentágono.


Curiosamente, a media do Pentágono coincide com a enorme popularidade alcançada na Web pelo site HomeTown Bagdad , produzido por três jovens da classe media iraquiana que mostram através de vídeos, publicados quase que diariamente, como é a vida no seu país ocupado.


Os vídeos são produzidos pela empresa Chat The Planet , de Nova Iorque, e foram oferecidos, sem sucesso, às redes de televisão da Europa e dos Estados Unidos, durante quase seis meses.


No YouTube, os episódios da série Hometown Bagdad já foram vistos por mais de três milhões de pessoas no mundo inteiro e geraram quase 50 fóruns de discussão, comunidades Orkut e páginas no MySpace, onde internautas, em sua maioria jovens, discutem sobre o Iraque.


Paradoxalmente, o Pentágono está publicando, desde o início deste ano, no mesmo YouTube, vídeos mostrando ações militares contra insurgentes iraquianos, como parte de um esforço de propaganda.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem