Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

Pesquisa avalia transparência na imprensa internacional

Por Carlos Castilho em 07/08/2007 | comentários

O jornal inglês The Guardian e o telejornal SkyNews estão nos dois extremos da lista de 25 veículos pesquisados pelo Centro Internacional para Mídia e Agenda Pública (ICMPA) Escola de Jornalismo Phillip Merrill, da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.


 


O The Guardian obteve 4,8 pontos numa escala de cinco enquanto o Skynews ficou com míseros 0,4 pontos, o pior desempenho de todos os veículos pesquisados.


 


O estudo ganhou relevância mundial não apenas pelas suas conclusões e sua metodologia, mas principalmente porque é uma das primeiras iniciativas de trazer a questão da transparência para a agenda de discussões sobre a imprensa.


 


É um tema-chave para que os leitores logrem contextualizar as informações publicadas através da identificação de interesses e políticas editoriais seguidas pelas empresas jornalísticas.


 


A pesquisa do ICMPA utilizou cinco parâmetros para avaliar a transparência nos principais jornais, revistas e emissoras de TV dos Estados Unidos e da Inglaterra: correção de erros, propriedade, políticas de pessoal, políticas editoriais e interatividade com leitores.


 


Os resultados seriam ainda mais reveladores se tivessem incluído também itens como: dívidas com governos e bancos, dependência de anunciantes públicos e privados e vínculos com outras empresas, só para citar alguns mais reveladores.


 


Mas mesmo assim o estudo norte-americano mostrou, por exemplo, que apenas 8 dos 25 veículos pesquisados têm uma política clara de admitir erros em informações publicadas. Só em cinco deles é possível identificar facilmente quais são as normas que adotam em matéria de administração de pessoal nas redações.


 


O item propriedade foi onde os veículos pesquisados obtiveram as melhores notas, o que não chega a ser uma grande conquista, porque a lei norte-americana é muito severa no que se refere à identificação dos principais acionistas e controladores.


 

No Brasil, este seria talvez o item menos transparente, caso fosse feita uma pesquisa semelhante. No quesito interatividade, apenas os jornais Miami Herald e o inglês Financial Times obtiveram nota máxima.

Todos os comentários

  1. Comentou em 19/09/2007 Roseamr falcao falcao

    hisingen.se

  2. Comentou em 10/08/2007 arnaldo arantes

    É preciso que se faça no Brasil, também. Imaginem a nota da maioria da mídia? Algo em torno de 2,6.

  3. Comentou em 09/08/2007 JOSE ORAIR Silva

    Quando as nossas escolas de jornalismo serão capazes de fazer uma pesquisa semelhante sobre a mídia brasileira? O fato é que dispomos de mais informações sobre a mídia internacional, especialmente a mídia americana, do que sobre a mídia brasileira que, embora goste muito de posicionar câmeras para espionar os outros, é muito ciosa dos seus bastidores e intimidades…

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem