Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Peter Drucker, jornalista

Por Mauro Malin em 12/11/2005 | comentários

Espera-se que os jornais de amanhã tragam obituários competentes de Peter Drucker. Hoje (12/11) a Folha foi a única a noticiar sua morte, numa nota curta. O The New York Times deu um artigo mais alentado em que considera as visões de Drucker sobre grandes empresas e organizações sem fins lucrativos “a inovação que define o século XX”.


Drucker”, ensina o dicionário de alemão, significa “impressor, tipógrafo, gráfico”. Ele não teve esse ofício, mas deu trabalho a muita gente na cadeia de edição, com mais 30 livros que tiveram dezenas de milhões de exemplares, sem contar suas contribuições para a imprensa.


Mas o que importa aqui é que Drucker, nascido em Viena em 1909 [obrigado, leitor que corrigiu], começou como jornalista na Alemanha, de onde saiu após a ascensão de Hitler. Em seu livro Reminiscências – de Viena ao Novo Mundo, publicado no Brasil em 1982, há várias passagens em que ele oferece reflexões sobre o jornalismo.


Para começar, escapa da vaidade, tão comum nessa profissão:


Não sei se as coisas teriam sido diferentes se a geração de liderança da Europa não houvesse sido trucidada (….) Só me dei conta desse fato alguns anos mais tarde, quando com vinte e poucos anos tornei-me editor sênior de um grande jornal – não porque fosse tão bom, mas porque toda uma geração antes de mim deixara de existir. Não havia pessoas de 30 anos quando eu tinha 20; estavam todos enterrados nos cemitérios de oficiais em Flandres e Verdun, na Rússia e em Izonzo. Os sobreviventes permaneceram aleijados para o resto da vida – fisicamente apenas se tivessem tido sorte, mas quase sempre espiritualmente também”.


O livro é imperdível.


Modelo de editor


Drucker, como se sabe, foi morar nos Estados Unidos. Num capítulo sobre Henry Luce [1898-1967] e a TimeLifeFortune, menciona a recusa de um artigo seu sobre revistas e jornais americanos, que lhe deu muito trabalho, e explica a razão: os editores do jornal britânico para o qual escrevia “ainda se atinham à velha e honrosa norma de que os jornais não escrevem sobre si mesmos”.


Diz que é difícil “repórteres-pesquisadores” fazerem “a distinção entre jornalismo de pesquisa [provavelmente no Brasil a tradução hoje seria “jornalismo investigativo”] e maledicência gratuita”.


Dá uma definição de editor que deixará babando de felicidade muito Gêngis Khan de pacotilha:


Todo editor de primeira linha de quem já ouvi falar lê, arruma e reescreve cada palavra que sai publicada”. (Cita vários, entre eles Harold Ross na New Yorker e Walter Bagehot no The Economist, nos anos de 1870.) “Os bons editores não são ´permissivos´; não permitem que seus colegas ´se expressem´, mas obrigam todos a ´expressar´ aquilo que é do jornal ou da revista. Um bom editor, para não falar num que seja grande, é um autocrata obsessivo, com uma vontade de ferro, um caprichoso que reescreve e reescreve, que corta, suprime, vergasta e oblitera até que cada frase saia exatamente do modo como ele acha que deve sair”.


“Jornalismo grupal”


E critica Henry Luce: “Porém, o ´jornalismo grupal´ de Luce procurava tornar as notícias impessoais submetendo cada uma à homogeneização mecânica. E isso, pensava eu, era garantia de parcialidade e inexatidão. Uma invenção da qual Luce se ufanava era a ´pesquisadora´ – naqueles tempos sempre uma mulher – cuja função é desencavar e conferir todos os fatos, mas que não redige a matéria. Isso significa que o redator – naqueles tempos quase sempre um homem – nunca desencava nem confere nada. Como resultado, o redator na realidade não compreende os fatos, e a pesquisadora não compreende a matéria, dando fatalmente origem a imprecisões grosseiras. Vi uma boa demonstração disso alguns anos depois, em 1950, quando a Time preparou uma reportagem de capa sobre mim e um livro meu, A Nova Sociedade. A reportagem nunca chegou a aparecer; foi suplantada pela eclosão da Guerra da Coréia. Mas quando fui ler a matéria, nosso cãozinho bigle manco, meio cego e senil aparecia como um ´feroz pastor alemão´; e um velho piano de armário de segunda mão que tínhamos na sala de jantar passou a ser ´um piano de cauda na sala de música dos Druckers´. A pesquisadora notara o cachorro e me perguntara sua raça. Disse-lhe que era um cão de caça; o redator interpretou ´cão de caça´ na ficha da pesquisadora como ´feroz pastor alemão´. O divórcio entre pesquisa e redação transmutou da mesma forma nosso piano e nossa sala de jantar. Isso é o que inevitavelmente acontece no ´jornalismo grupal´”. (Páginas 233/4.)


O sonho socialista


Na mesma página 121 em que comenta sua ascensão a editor-sênior, Drucker dá um diagnóstico do socialismo que merece meditação aqui, agora:


Pois o socialismo realmente morreu com os canhões de agosto de 1914, quando as massas socialistas rejeitaram a solidariedade proletária e entusiasticamente abraçaram o nacionalismo e uma guerra fratricida. Não foi o fim do marxismo enquanto teologia; as teologias sobrevivem à fé. Nem foi o fim do socialismo como força política. Mas foi o fim do socialismo como sonho – para uma geração e talvez para sempre. (….) Desde 1914 apenas uma cabeça de primeira grandeza na Europa se preocupou com o socialismo: a do italiano Antonio Gramsci, que pôde manter sua inocência dos tempos de antes da guerra porque Mussolini o manteve encarcerado, protegendo-o do contato com a realidade. (….) Os partidos socialistas europeus foram bem votados no período entre as duas guerras. Mas votos foram tudo o que obtiveram – e estes não fazem a menor diferença. Pois haviam perdido a visão, a convicção, o compromisso, a fé e a credibilidade. Na triste farsa que foi a política européia nos vinte anos entre Versalhes e a Segunda Guerra, foi como se o socialismo houvesse desaparecido do cenário principal. (….) E o ressurgimento do ´socialismo´ como credo após a Segunda Guerra não trouxe de volta o verdadeiro socialismo, mas sim uma tirania nacionalista e uma luta desbragada pelo poder oculta nos slogans e nas palavras de ordem de outrora”.

Todos os comentários

  1. Comentou em 25/11/2005 Norberto Figueiredo Nicory

    Tudo se resume nisso: Peter Drucker foi um gênio! Detalhe: só o Observatório da Imprensa para dar o merecido destaque! Se depender dos jornais… só corrupção e sangue interessam.

  2. Comentou em 15/11/2005 maria luciene souza SOUZA

    Peter Drucker é um sábio na área do management. Se preciso de saberes sobre marketing, finanças, empreendedorismo, administração no terceiro setor, custeio por processo, biogenética, liderança e tudo que diz respeito a negócios e sociedade encontro nos escritos de ‘meu pai’ Peter Druker.

  3. Comentou em 15/11/2005 Orides Adair Baza

    A pouca notícia a respeito de sua morte advém de nossa fraca cultura – para entender suas idéias???

  4. Comentou em 15/11/2005 Tarcísio Pinto

    Muito digna essa sua referência a Peter Drucker. Uma das mentes questionadoras de nosso tempo, Drucker foi o teórico que ao concentrar-se na importância do Management Science ajudou a consolidar um sólido pilar para o aprimoramento do capitalismo. Uma triste perda.

    http://www.cgu.edu/pages/357.asp?EventID=176

  5. Comentou em 14/11/2005 walmon lage novaes

    Peter F. Drucker nasceu em 1909, e não em 1905, pelo que li de seus próprios livros. Assim, salvo engano meu, êle foi colocado 4 anos mais velho.

  6. Comentou em 13/11/2005 Alexandre alexandre_atm@hotmail.com

    Exelente nota sobre o pai da administração. Este merece.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem