Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Por quem os sinos dobram

Por Luiz Weis em 24/07/2007 | comentários

Sábado de manhã, no apinhado balcão do café de um empório chique dos Jardins, em São Paulo, um bem-apessoado cavalheiro culpava o presidente Lula pela catástrofe de Congonhas. E culpava uma parte dos brasileiros por Lula ser presidente.

“Esperar o quê, se no Brasil analfabeto pode votar?”, perguntava retoricamente o distinto.

A teoria do golpe dos analfabetos equivale à do golpe das elites de que se ouve falar em outros espaços, também ao som do ranger de dentes.

Uma semana depois da catástrofe de Congonhas, a leitura dos periódicos e um giro pela blogosfera deixam claro que o país ficou não apenas mais sofrido, porém pior. Antes de tudo, por reviver, com rancor redobrado, o antagonismo entre lulistas e anti-lulistas que marcou a reta final da eleição de outubro passado.

O “extravasamento” do assessor presidencial Marco Aurélio Garcia e o tom hidrófobo de não poucos ataques ao governo em cartas aos jornais e mensagens na internet parecem anverso e reverso da mesma medalha. É o que dá para dizer também dos defensores esbugalhados de Lula e dos blogueiros de direita da linha mata-esfola.

“A companhia do que há de mais preconceituoso e reacionário no país inibe qualquer crítica a Lula, mesmo as que ele merece”, observou Luis Fernando Veríssimo.

Ele não estaria errado se observasse igualmente: “A companhia do que há de mais troglodita e intolerante no país inibe qualquer crítica à imprensa, mesmo as que ela merece.”

Não pergunte por quem os sinos dobram, escreveu o poeta inglês John Donne. Pois é. Eles dobram por nós.

***

Os comentários serão selecionados para publicação. Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas, que contenham termos de baixo calão, incitem à violência e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

  1. Comentou em 26/07/2007 Washington Ferreira

    Grande Aldemar Filho, conte comigo para o seu site. O nobre articulista do Estadão, ão, ão esquece-se convenientemente que a imprensa golpista é pré-Lula: Vargas, Juscelino e Jango que o digam. E a crítica ao golpismo midiático é bem anterior ao surgimento do PT. Essa patacoada de lulistas x anti-lulistas é papo para boi dormir.

  2. Comentou em 26/07/2007 Luiz Carlos Bernardo

    Os sinos dobram por nós. De fato, vemos muita intolerância de lado-a-lado. Uns acusam de forma ferrenha o presidente Lula. Outros o defendem de maneira apaixonada, excluindo-o de todas as mazelas que acontecem no país. São lados opostos levados por ideologias e paixões que não fazem bem ao Brasil. Os lulistas de um lado, não admitem nenhuma crítica como se estivessem ingessados e com os olhos tapados, citando sempre o passado, mormente o FHC e o PSDB. Esqueceram do bom combate que travaram no pretérito com PMDB, antiga Arena e o PFL. Os opositores combatem o lulismo e o PT com todas as forças, imprimindo-se a eles todas as tragédias brasileiras. São radicalismos que não constroem nada, quer de um lado, quer de outro. Esquecem os críticos contumazes que os sinos dobram por todos nós. Coerência política não faz mal a ninguém. Laranjas podres, são laranjas podres em qualquer lugar. As cestas que as carregam não as tornam melhores. Ou alguém acredita que intolerância de esquerda é melhor que de direita. Ambas são deletérias e desagregadoras.

  3. Comentou em 26/07/2007 Marcelo Ramos

    Na percepção e análise do que está acontecendo, concordo com o Weis. Porém, Weis, é necessário e imperioso dizer que, quem está (re)criando/ acirrando esse clima é a mídia direitista, com essa campanha suja, sórdida, infame. A mídia está, além disso, criando irresponsavelmente, histeria coletiva, com danos e conseqüências físicos e psicológicos para muitas pessoas e instituições. Eu gostaria muito que você falasse sobre esse assunto, seja para corroborar… ou para dizer que estou ‘viajando na maionese’.

  4. Comentou em 26/07/2007 Aldemar Filho

    Depois de ser bastante criticado aqui no OI, o Sr. Weis (que está mais pra Schwartz, na minha opinião) resolveu dar uma de ‘neutro’, ‘em cima do muro’, com esse texto insidioso e falacioso, repleto de sugestões enganosas nas entrelinhas. Percebe-se que é um texto de auto-defesa, como quem diz ‘me acusam de atacar, mas também estou sendo atacado’. Pelo visto os ataques estão incomodando. Que ótimo! Vou montar um site chamado ‘Observatório do Observatório de Imprensa’, aguardem! P.S.: E, mais uma vez, temos um texto que não observa a imprensa…

  5. Comentou em 26/07/2007 Rogério Ferraz Alencar

    ‘O “extravasamento” do assessor presidencial Marco Aurélio Garcia e o tom hidrófobo de não poucos ataques ao governo em cartas aos jornais e mensagens na internet parecem anverso e reverso da mesma medalha. É o que dá para dizer também dos defensores esbugalhados de Lula e dos blogueiros de direita da linha mata-esfola. ‘ Má-fé pouca é bobagem. O editorialista do Estadão, que não quer ser chamado de editorialista do Estadão, vem dizer que não são poucos os ataques ao governo ‘em cartas aos jornais’. A desfaçatez de Luiz Weis é incrível. Ele, por acaso, não leu a coluna de Francisco Daudt, na Folha? Não leu, na mesma Folha, as colunas de Clóvis Rossi e Eliane Cantanhêde? Não leu o artigo de Gilson Caroni Filho, aqui mesmo, no OI, comentando matéria do Globo? Por que vem falar em ataques feitos por leitores? Isso é covardia, safadeza, golpismo.

  6. Comentou em 26/07/2007 Sergio Azevedo

    Caro Weis, O bem-apessoado cavalheiro de Jardins, os defensores esbugalhados de Lula e os blogueiros de direita têm todo o direito de matar e esfolar. O mesmo não se pode dizer da grande mídia que tem por obrigação respeitar a sociedade como um todo e, mesmo com o inalienável direito de criticar quem quer seja, não pode de forma alguma manipular/esconder informações com objetivos outros que não o de informar/denunciar. A defesa intransigente, pela sociedade, da liberdade de expressão para a imprensa deve ter como contra partida a responsabilidade dessa última.

  7. Comentou em 26/07/2007 João Marques

    Concordo com a comentarista professora Maria Izabel L. Silva. A grande responsável por essa situação de confrontação é essa mídia golpista do Brasil. A partidarização pró-direita (PSDB, DEM) é escandalosa. Para nós que observamos diariamente o comportamento dessa mídia (Veja, Folha de São Paulo, Estadão, Globo, etc.), fica evidente que o que ela realmente quer é sangrar o Presidente Lula e o seu governo para impedir que nas eleições municipais do ano que vem e principalmente nas eleições de 2010 ele consiga, em se mantendo o alto grau de aprovação dele e de seu governo junto à população, atrair uma grande massa de votos para os candidatos apoiados por ou identificados com ele. E com o intuito de sangrar o Presidente Lula para essa mídia vale qualquer coisa! Como foi a cobertura da cratera da linha 4 do metrô? Como foi a cobertura da queda do avião da TAM (um Fokker) em 1996, quando morreram 99 pessoas, no governo FHC? A imprensa em massa saiu culpando FHC pelo acidente? E os vários escândalos no governo de São Paulo (CDHU, entre outros) como são noticiados? Por que essa imprensa não noticia sistematicamente, inclusive nos noticiários de televisão, os problemas por que passam os usuários de transportes coletivos na cidade de São Paulo e em outros grandes centros urbanos? E assim por diante . . . É essa parcialidade e esse partidarismo escancarados que mais revoltam as pessoas.

  8. Comentou em 26/07/2007 Teo Ponciano

    É de doer que um jornalista do teu naipe enxergue tudo como uma cisão entre lulistas e anti-lulistas. Eu vejo as coisas como a defesa do estado de direito em confronto com os que não se sentem inibidos em aniquilar o estado de direito em defesa dos seus interesses pessoais. Outra: pode acreditar que há muita gente letrada que votou no Lula; faça uma pesquisa nas principais universidades do Brasil. Apesar do colunista possuir a arte da escrita (afinal é um jornalista), o que escreve possui um ‘que’ de pura idiotice na minha opinião.

  9. Comentou em 25/07/2007 Mateus Toledo Gonçalves

    Belo artigo.
    No entanto não me parece que seja esta sua visão, acho que há um aproveitamento do discurso de Veríssimo .
    Há de se criticar Lula, há de se criticar também a mídia que não me parece ter esse comportamento raivoso contra o governo por civismo, mas por preconceito e divergência ideológica contra o governo atual.

    No caso do texto de Verissimo não há espaço para ampliações em seu discurso.
    O argumento de Verissimo é valido porque é restrito, é valido apenas nas conjecturas que o formam.
    Como o comportamento da mídia de oposição sistemática ao governo Lula (não considero veículos de pouca circulção ou meios como a internet, tampouco os dissidentes que existem na mídia impressa como voçê, Janio de Freitas, Cony,Wolff , o proprio Veríssimo…)

    Verissimo não defende que se cessem as críticas à Lula, ele na verdade defende apenas o seu direito de não critica-lo.

    Não imagino como válido o mesmo comportamento de Verissímo em uma hipotética complacência generalizada da mídia em relação às falcatruas do governo federal.
    Como filho de Érico que é, imagino um comportamento diametralmente oposto.

    Abraço.

  10. Comentou em 25/07/2007 Maria Izabel L. Silva Silva

    Conta outra Luiz Weis. Porém, antes, me explica quem começou essa guerra?? A midia deveria ser racional, isenta, qualificada e democratica. Mas o que temos?? Uma ‘jagunçada’ irracional, hipocrita, partidarizada e desqualificada, imolando o Presidente e as autoridades diariamente como num ritual morbido de flagelação do país … A guerra esta em curso meu caro jornalista! E parece que vocês estão perdendo … o juizo. Sim. Os sinos dobram por nós.

  11. Comentou em 25/07/2007 Luis Alberto Da Silva

    O que o pretenso senhor bem apessoado quer é o redirecionamento da responsabilidade para as classes sociais que não andam de avião e nem tomam café nos ‘Jardins’. O responsável é o Lula que foi eleito por parte dos brasileiros, dentre eles os eleitores analfabetos; está solucionada a questão, não tem nada a ver com ele, posto que excluiu-se do contingente de brasileiros, ao menos não é cidadão brasileiro, posto que não é eleitor. Acredito que enquanto não encararmos o Brasil como nosso e não como colônia de exploração de senhores bem apessoados, não vamos melhorar. O problema não é analfabeto votar, o problema é pessoas bem apessoadas e alfabetizadas não entenderem a importância do voto. Pode parecer piegas ou romântico, mas eu acredito que o papel da ‘classe dominante’ é trabalhar e influir para o progresso dos demais e não explorar e extorquí-los. E, apesnasmente para jogar gasolina na questão das vivandeiras de quartel: qual foi a real contribuição da aeronáutica para o progresso do pais e das instituições desde, e inclusive, a ‘República do Galeão’???

  12. Comentou em 25/07/2007 Marco Antônio da Costa

    Independente do indivíduo ser de bairro ‘nobre’ ou de bairro não nobre, o ser humano é um tremendo de um brucutu na forma de caracterizar o seu semelhante. O preconceito esta arraigado no comportamento do brasileiro, aqui selecionamos às pessoas pela ‘beleza’ física, condição social, cultural, etc. Saiu desse padrão, o homem pobre é burro, feio, gordo, baixinho, careca, vesgo e similares. Entretanto, aquele que vê o outro com olhar de desprezo e preconceito nada mais é que um estúpido desprezível e sofre de complexo de inferioridade.

  13. Comentou em 25/07/2007 Ivan Moraes

    ‘Guarde o seu proselitismo para ocasiões mais nobres do ponto de vista dos moradores dos jardins’: uai, Kleber, e eles sao bem apessoados tambem? Entao quem vive em jardins eh fino e quem vive em pomar eh vagabundo, como diria e ainda diz Fernandinho?

  14. Comentou em 25/07/2007 Luis Neubern

    Já que eles são uns dos nossos então fechemos os olhos aos crimes cometidos. Só posso lamentar. O tempo passa e pensamos que aquilo que escandalizou no passado está morto e sepultado. Esquecido. Observo que não. O general da reserva Jarbas Passarinho na reunião da qual resultou o AI-5 tascou: ‘às favas os escrúpulos de consciência”. Depois justificou: “Mandei às favas meus escrúpulos, exatamente porque eu os tinha”. Sua justificativa era o comunismo. Aqui as justificativas são os preconceituosos, reacionários, trogloditas e intolerantes. Às favas a consciência.

  15. Comentou em 25/07/2007 Gabriel Ko. Freitag

    Caro Luiz,

    Os comentários deste post são a prova cabal da precisão da tua análise!

    Um abraço de um novo leitor fiel.

  16. Comentou em 25/07/2007 Arlindo Almeida Junior

    O autor esqueceu ainda a cisão entre norte (pobre-atrasado) e sul(rico-desenvolvido) provocada pela última eleição. Esses fatos só demonstram a urgência da reforma política no país; uma divisão mais representativa de poderes entre executivo e legislativo e mais controle da sociedade sobre a responsabilidade de ambos. Tais brigas relatadas serão a eterna ameaça de sermos governados ou pelo populismo demagogo e eleitoreiro ou o retorno de um novo regime autoritário.

  17. Comentou em 25/07/2007 Kleber Carvalho

    Quem toma café num empório chique dos jardins é um bem-apessoado cavalheiro, e quem toma café numa birosca vagabunda lá num tal de capão redondo o que é para o articulista? Um bandido, um vagabundo como disse o boca de sovaco FHC? Weis menos tá? Guarde o seu proselitismo para ocasiões mais nobres do ponto de vista dos moradores dos jardins e adjacências.

  18. Comentou em 25/07/2007 Patrick Lucas

    Aguardo seu comentário sobre as charges contra o Príncipe de Asturias censuradas na Espanha. Por coerência, imagino que a crítica à censura será nos mesmos termos das críticas feitas à reação da comunidade árabe em relação às charges de Maomé.

  19. Comentou em 25/07/2007 Rogerio Vorace

    Que me desculpem, mas do jeito que tenho visto a coisa eu só me lembro de um tal Conselho de Imprensa… A cada dia que passa me convenço mais de que ele é necessário.

    Podem achar monstruoso o que vou dizer e talvez eu até seja censurado, mas eu lamentei que no avião não estivesse 176 jornalistas (Rede Globo, Estadão, Ultimo Segundo, Bandeirantes, SBT… Quem mais heim?

    Se não podem ajudar, poderiam pelo menos não atrapalhar o país. Não fariam falta…

  20. Comentou em 25/07/2007 Severo Soares

    Por quem os sinos dobram não sei e nem me preocupa os canastrões que fazem discursos nos elegantes balcões de café nos Jardins, mas me preocupa muitíssimo, sim, quando a coisa toma vulgo e sai da boca de um ministro do Superior Tribunal Militar, um tal de Olympio Pereira da Silva Junior, segundo quem, diante da conjuntura: “PESSOAS DE BEM VÃO SE PRONUNCIAR COMO JÁ FIZERAM EM UM PASSADO NÃO MUITO DISTANTE” (que saudades da “redentora”, heim?!) ou, entregando espadins aos alunos das academias militares, que: “TAIS CIDADÃOS DE BEM, VÃO SE APRESENTAR E AÍ SIM, AS COISAS VÃO MUDAR, O SOL DA DEMOCRACIA E DA JUSTIÇA BRASILEIRA VAI VOLTAR A BRILHAR”, citações que fizeram o Sr. Clóvis Rossi ter orgasmos múltiplos a ponto de transcrevê-las em sua coluna de ontem. Se isso não é golpe ou no mínimo um atentado contra a ordem constitucional (não é demais lembrar que o presidente Lula foi eleito por larga maioria de votos em pleito livre e democrático), então não sei mais o que é ser subversivo ou golpista.

  21. Comentou em 25/07/2007 José Paulo Badaro

    Perfeita a observação do Weis quanto a ser uma posição o reflexo ou anverso da outra. Todavia, merece um doce quem adivinhar quem, no mais das vezes dá (e no caso deu), início a essa divisão, a esse braço de ferro. São os que elegeram o Lula e que tomam café na canequinha, ou os inconformados e derrotados nas últimas eleições, que agora fazem discursos nos elegantes balcões de café dos Jardins, repetindo feito papagaios o que lêem na mídia conservadora ou tucanopeefelista ?!?

  22. Comentou em 25/07/2007 José Paulo Badaro

    Perfeita a observação do Weis quanto a ser uma posição o reflexo ou anverso da outra. Todavia, merece um doce quem adivinhar quem, no mais das vezes dá (e no caso deu), início a essa divisão, a esse braço de ferro. São os que elegeram o Lula e que tomam café na canequinha, ou os inconformados e derrotados nas últimas eleições, que agora fazem discursos nos elegantes balcões de café dos Jardins, repetindo feito papagaios o que lêem na mídia conservadora ou tucanopeefelista ?!?

  23. Comentou em 25/07/2007 Dante Caleffi

    Os sinos dobram conclamando à sanidade.Nesta semana, em particular,
    a mídia golpista, esmerou-se em promover histeria coletiva.Só não conseguiu, por que as manchetes foram dividas com os eventos dos jogos pan americanos.As’ quatro famílias’,se esmeram. A emissora que possui 60% da audiência nacional, martela o dia inteiro, as mais variadas versões sobre o acidente.Nenhuma favorável ao governo federal, muito pelo contrário.Percebe-se,uma indiferença gradual ,pela saturação.Ninguém suporta , o negativismo cotidiano, o tempo todo.Por ultimo e mais grave,propõem um golpe na auto-estima e uma bofetada institucional,ao defenderem a intervenção externa ,nos serviços de segurança de vôo.

  24. Comentou em 24/07/2007 Cid Elias

    É…a Paula ficará sem´profissão ou sem trabalho por muito tempo. Eu, lendo as incoerentes e inverídicas estultices postadas, nem se tivesse apenas ela como candidata à uma vaga na minha empresa, jamais a contrataria. Para esta sumidade, os formadores de(não sei qual) opinião e a mídia foram muito ´´benevolentes´´ com o Lula e os seus, POR ISTO ele foi eleito. Sinceramente, não é possível ler uma aberração dessas e não falar nada. Sra Paula, se informe, leia, pesquise antes de expelir um troço destes. Tenho certeza que a nobre sem profissão leu várias vezes a pesquisa Doxa/IUPERJ, não é verdade? Mas o apogeu da falta de apego à realidade dos fatos acontece quando esta senhora afirma que ocorria exatamente o contrário, os casos do outro governo eram ‘insignificantes mas ganhavam proporções alarmantes’, tudo capitaneado pelos ‘petistas da imprensa’. Paula, queres que eu cite dezenas, aliás, centenas de fatos que reduzem tua afirmação a meros devaneios? Começarei devagar, devagarinho: Tua imprensa foi a mesma que deu proporções alarmantes ao caso do filho extra do fhc com a jornalista da globo miriam dutra? Se conseguires uma, uma só matéria da época sobre o assunto ‘insignificante’, nas globos, folhas, estadões, vejas e pares, as galinhas criarão dentes. Só Caros Amigos noticiou, e o fez depois de investigar muito, numa matéria estarrecedora. A tua mídia, fez estrondoso silêncio!

  25. Comentou em 24/07/2007 Fernanda Ferreira

    Para a imprensa (golpista) e seus articulistas, peritos em aviação ,recomendo lerem entrevista no Estadão , concedida às jornalistas Flávia Tavares e Laura Greenhalgh, do analista em aviação CHARLIE LEBLANC do ASI Group.
    Quando se fala em atrazo no Brasil, no estrangeiro é normal e não é uma hora duas, são horários variados. A matéria foi publicada em 22/07 no Estadão. A mídia (golpista) coloca nos aeroportos reporteres perguntando quanto tempo está atrasados o voo.
    Para os críticos do governo, e seus porta-vômitos deveriam comentar essa entrevista.
    , mas já iniciaram o terceiro turno e o povo vai dar a resposta.

  26. Comentou em 24/07/2007 alfredo sternheim

    Esse apessoado cavalheiro que culpava Lula pelo acidente aéreo e parte do povo por Lula ser presidente é um ignorante que se deixou influenciar por boa parte da imprensa sensacionalista que insiste (inclusive aqui no Observatório) em fazer pré-julgamento, em só tratar de questões que respingam no governo federal. Mas o cavalheiro bem pessoado provavelmente fez uso várias vezes do aeroporto de Congonhas, mesmo sabendo de suas pistas exíguas. O cavalheiro nunca protestou com o desprezo por Viracopos que foi construído para dar vazão a Congonhas e depois, foi abandonado. O cavalheiro nunca protestou e nem se indignou em 1996 quando do acidente da TAM no mesmo aeroporto e que matou cerca de 90 pessoas. Nem culpou o presidente FHC e nem os governantes que nada fieram para alterar a insegurança que cerca Congonhas. O cavalheiro bem apessoado que le O Estado ou a Folha não se indignou com a ausência de notícias sobre as chacinas (sete ou oito) que só em 2007 mataram dezenas de jovens pobres e queainda não foram esclarecidas pela polícia de SP. Os sinos também dobram por eles, Weis. Em vão, porque a tragédia sumiu da imprensa escrita. Por que será? Quantas colunas a respeito da tragédia do avião da TAM foram publicadas aqui no Observatório? Mais de dez, quase todas sentenciosas. E tendenciosas como esta. O Observatório da Imprensa está deixando de observar melhor a imprensa. Pena.

  27. Comentou em 24/07/2007 Rikene Fontenele

    LFV estaria certo se não fosse ele próprio um intolerante e implacável com governos alheios. Ser preconceituso e reacionário na visão do escritor gaúcho é não compartilhar da sua ideologia, é ser adepto incondicional do governo do turno, para quem todos os erros são perdoáveis porque outros também erraram. Se esses são os tolerantes, estamos perdidos…

  28. Comentou em 24/07/2007 Paula Abreu

    Rene Guedes, só para lembrar que o presidente que foi eleito democraticamente teve voto de uma maioria expressiva da população também por causa dos formadores de opinião que sempre foram muito benevolentes com o PT e muitas vezes se submeteram, voluntariamente por razões de simpatias ideológicas históricas da classe jornalística, ou involuntariamente às pressões da militância desse partido e suas pautas. A imprensa não foi menos rigorosa com outros governos do que está sendo com o governo Lula/PT. Pelo contrário. Casos por vezes insignificantes ganhavam proporções alarmantes, resultando na queda de ministro. Hoje, baixarias que nunca se assistia antes, por mais críticas que possa fazer de governos passados, seja lá o que for, desde dólares circulando em cuecas até assessor da presidência que deveria, se não por educação de berço, por dever de ofício, manter algum decoro e compostura, fazendo gestos no mínimo de um descaso e deboche insultuoso para com a tragédia que se assistiu e, com sua arrogância primitiva peculiar, colocando a culpa na imprensa, que tudo acaba em pizza, vira ‘golpe da mídia burguesa’ e, por fim, cai no esquecimento… Quantos escândalos já não sucederam antes do acidente da semana passada levantar suspeitas na imprensa de que a irresponsabilidade do governo tenha sido determinante para mais essa tragédia?

  29. Comentou em 24/07/2007 Afonso Caramano

    Pior: em momentos como esse (de dor e angústia) diante de uma série interminável de erros e irresponsabilidades, a expressão rasteira e mesquinha do pensamento mais tacanho costuma aflorar com mais força – expressão reveladora da mediocridade ‘subterrânea’ do senso comum – quando o que mais precisamos é de clareza crítica.

  30. Comentou em 24/07/2007 ana maria almeida

    Certeiro, Weis.

    Só uma correção. Não é de Hemingway a célebre frase ‘Não perguntes por quem os sinos dobram. Eles dobram por ti’. É do poeta, prosador e pregador inglês John Donne, um contemporâneo de Shakespeare e talvez o mais ´metafísico´ dos autores ingleses.

    Hemingway abre seu livro, ‘Por quem os sinos dobram’, com a citação da frase completa de Donne. Este trecho faz parte do mais famoso texto de John Donne: ‘Nenhum homem é uma ilha…’, intitulado Reflexão XVII.

  31. Comentou em 24/07/2007 Rene Guedes

    Weis,

    seu comentário é oportuno…e é ‘quase’ perfeito. Permita-me dizer que a imprensa, ou uma parte considerável dela, é grande responsável por este clima de atiçamento político. Esta mesma imprensa, que o Dines insiste em proteger como se ela fosse indefesa e proba, insufla corações e mentes de uma certa classe média, e esta reage em fúria. Não são raros intermináveis bate-bocas entre amigos e até familiares por causa deste clima insuportável de tensão. As pessoas exercem o seu democrático direito de criticar o governo. Mas esta crítica, muitas vezes, vem carregada de ódio de classe, selvagem e estúpido. Eu sinceramente concordo que certos editoriais dos jornalões chegaram muito perto de incentivar uma revolta, ou um golpe, ou algo que ‘resolva o problema’. E o problema, para esta gente, é não aceitar plenamente o julgo democrático. O Presidente foi eleito pela expressiva maioria da população. E os jornais ignoram ou querem ignorar isso.

    Abraços

  32. Comentou em 24/07/2007 Odracir Silva

    Caro Weis, a questao nao ee por quem os sinos dobram, mas pq.

  33. Comentou em 24/07/2007 Ivan Bispo

    Os sinos dobram na mídia pela, pela TAM, TAM, TAM…

  34. Comentou em 24/07/2007 Marco Antônio da Costa

    Os sinos dobram de tanto bater com o badalo na cabeça dura do povão, o qual não aprende nem a base de pancadas. No primeiro mandato do anjo da guarda dos miseráveis, elle prometeu tirar a população do fundo do poço e levá-la ao mais alto degrau do pódio dos jogos das maravilhas que o sistema capitalista oferece. Entretanto, nada disso aconteceu, muito ao contrário, o trabalhador ficou mais pobre, bem como abandonado ao relento desse sistema desalmado. O que assistimos durante o primeiro mandato e nesses meses de segundo mandato, é um governo gerenciando o patrimônio dos ricos a ponto de deixá-los mais ricos ainda, enquanto nós, os pobres estamos ficando cada vez mais paupérrimos. Já o sino esta todo torto de tanto bater em nossas cabeças.

  35. Comentou em 24/07/2007 Paula Abreu

    O texto é perfeito na constatação de q, se há reacionários profundamente preconceituosos de um dos lados,tb há do outro. Contudo, eu adicionaria q o q venho observando é que os preconceituosos do time q o Veríssimo teme hj têm papel meramente marginal e não estão representados por nenhum grupo organizado forte q se imponha. As sociedades são dinâmicas. Os problemas do passado não são os mesmos de hj. Eu sempre me considerei de esquerda, mas não gosto de ver a maneira como a cultura sindicalista prevaleceu,embotando a capacidade de análise das pessoas.Acho que, para haver um equilíbrio,o caminho a ser percorrido ainda é muito maior do que sugere. Quando Weis fala em blogs de ‘direita’ do tipo mata-esfola, eu não consigo pensar em mais que 1/2 dz de gatos pingados. Mas exemplos de blogs petistas do tipo mata-esfola, em compensação, há as pencas!Sem falar que tb tenho notado jornalistas q se vendem como isentos estarem se transformando em articulistas chapa-branca,ocupados em fazer ‘auto-crítica’ d mídia para eximir o governo de suas responsabilidades e fazem isso junto a um público cativo c/propensões notadamente autoritárias,q vivem a defender a censura, que vivem de nutrir a crença de que todos os jornalistas têm seu preço, de que nossos jornalistas estão a soldo da CIA, entre outros folclores q foram construídos ao longo de anos p/panfletagem q ainda domina muitos espaços.

  36. Comentou em 24/07/2007 Marco Antônio da Costa

    Quando tudo vai bem na política governamental, méritos para o presidente Lulla. Isto no anverso da moeda, já no reverso, quando tudo vai mal na esfera Federal, porque não culpar o senhor Lulla pelas desgraças que ora vem ocorrendo. Essa culpa não esta ligada diretamente com o fato em si, mas indiretamente o Lulla pode ser responsabilidade, isto em função de ter virado às costas para a falta de infra-estrutura nas mais simples necessidades que uma sociedade merece, ou seja, segurança, saúde com saúde, habitação decente, cultura e educação de qualidade para termos um povo que não seja feito de otário pôr políticos inescrupulosos entre outras necessidades básicas. Hoje no país tudo esta um caos, na aviação falta de tudo, estradas de rodagens em péssimas condições de segurança, estrada de ferro sucateada, etc. Enquanto o senhor Lulla esta preocupado somente em governar para os ricos, banqueiros, empresários de todas às áreas, FMI, multinacionais que suga o sangue do trabalhador brasileiro, e leva o nosso dinheiro para suas matrizes nos países de origem. E para o povão tome PAN de hora em hora que você se manterá na calmaria e no conformismo.

  37. Comentou em 24/07/2007 Flavio Ramos

    […]O símile feito com a frase do Veríssimo é descabido, porque o Lula não é das piores coisas do Brasil. Mas a imprensa certamente é.

  38. Comentou em 24/07/2007 valter silva

    o país não está pior, o brasil é pior … coloca-se em questão, por alguns próprios brasileiros, o fato de ser capaz de vender até vaia … vai fazer escola pois ´país do futuro´ significa ´no futuro todos os países vão ser iguais ao brasil´ . viva o pan-demônio !

  39. Comentou em 24/07/2007 tony knopp

    Sim, os sinos REALMENTE dobram para todos nós, brasileiros, mas alguns têm mais culpas do que outros – o elitista tomador de café é responsável por onde o país estava quando o voto ‘foi dado’ a todos. As elites políticas, econômicas e sociais brasileiras – aqueles que sabem ler mas que protegem interesses pessoais/familiares são o que (mudando de matáfora) há de podre nesse nosso ‘reino da Dinamarca’… Eu confiaria antes num analfabeto esfomeado em contato com a realidade do que num bem nutrido(a) granfino(a) precupado(a) em fazer compras em Miami ou Paris.

  40. Comentou em 24/07/2007 Carolina Trevisan

    Prezado Luiz, me pego – ainda – capaz de indignar-me diante da frase absurda ouvida da boca de um ‘bem-apessoado cavalheiro’. Me faz pensar no significado real do que é ser ignorante. Generalizar é sempre ruim, mas possivelmente um monte de gente da elite brasileira atestaria tamanha bobagem, para não dizer nojeira. Não se trata de estar de um lado ou de outro. Trata-se de buscar de novo o sentido de ser cidadão no Brasil e o direito de encontrar informações fiáveis na imprensa (e de não ouvir tamanha imbecilidade no sábado de manha), independente de visões políticas. Porque nessa disputa, do jeito que tá, todos perdemos.

  41. Comentou em 24/07/2007 Ivan Moraes

    ‘em São Paulo, um bem-apessoado cavalheiro culpava o presidente Lula pela catástrofe de Congonhas. E culpava uma parte dos brasileiros por Lula ser presidente’: a enquete de capa no Estadao pergunta ‘qual eh a marca do governo Lula’. O que parece ser o subtitulo, imediatamente abaixo dessa ‘enquete’ eh ‘Deixe suas condolências para as famílias das vítimas’.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem