Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

Repórter escolhe estudante e sessentão para cobertura jornalística em áreas conflagradas na África

Por Carlos Castilho em 24/12/2010 | comentários

O repórter Nicholas Kristof criou um dos mais originais modelos de tutoria de jovens jornalistas e entre todos os surgidos na profissão na última década. Desde 2006, ele promove em seu blog, no jornal The New York Times, um concurso para escolher um estudante de jornalismo que o acompanhará durante uma viagem de quase duas semanas pelas zonas pobres de algum país africano.foto de Will Okun, publicada originalmente no site http://www.ajws.org/home


Este ano, pela primeira vez desde a criação do premio, além do estudante, Kristof levará também uma pessoa com mais de 60 anos, escolhida entre os candidatos que se inscreverem até o dia 18 de janeiro. O concurso é exclusivo para norte-americanos e os candidatos terão todas as despesas pagas pelo jornal e patrocinadores.


O original nesta iniciativa é uma combinação inédita de objetivos que vão desde a tutoria de um estudante de jornalismo num trabalho de campo em condições muito difíceis, até a produção colaborativa de reportagens envolvendo indivíduos com experiências completamente diferentes, passando pela tentativa de dar transparência ao trabalho de um correspondente estrangeiro.


A abertura de uma vaga para uma pessoa da terceira idade foi uma exigência deste segmento de leitores do blog On the Ground (No local) que escreveram para Kristof criticando a opção pelos mais jovens. Agora até avós podem viver uma aventura jornalística em zonas de guerra na África, junto a um repórter que cobre o continente há mais de 20 anos.


Alguns dirão que se trata de uma tentativa de criar um reality show em torno da atividade jornalística em países pobres. Mas o fato concreto é que o contato com realidades dramáticas tem feito com que muitos dos acompanhantes de Kristof desde 2006 tenham dado um giro radical em seus projetos de carreira, depois de concluída a viagem.


Das três jovens e do rapaz que ganharam prêmios anteriores, dois foram trabalhar em jornais comunitários na periferia de grandes cidades norte-americanas e um optou pela atividade filantrópica.


O projeto On The Ground tem obviamente uma parte comercial, pois os patrocinadores querem associar suas marcas a projetos humanitários. Mas a proposta bem que poderia ser repetida por outros jornais, inclusive aqui no Brasil. Seria uma forma de tentar reverter a tendência da esmagadora maioria dos estudantes de jornalismo de sonhar com um emprego na TV Globo.


O público já não se contenta mais com o jornalismo engravatado e deseja ver a realidade como ela é. Só que quando as empresas jornalísticas resolvem sair das redações, elas acabam optando pelo show pirotécnico, estilo tomada da favela do Alemão, no Rio de Janeiro. Os grandes protagonistas da cobertura são os repórteres e os personagens que eles escolheram como heróis ou super-homens. A realidade dos moradores de favelas merece apenas flashes esporádicos e depois é totalmente esquecida.


Os escolhidos para a viagem deste ano serão anunciados em fevereiro e seu destino ainda não é conhecido.


P.S. Gostaria de desejar um Feliz Natal a todas os amigos e amigas que visitaram este blog ao longo de 2010. O espaço virtual é muito interessante e atrativo, mas o olho no olho ainda é insubstituivel. Um dia espero conhecê-los pessoalmente. Um abraço a todos e todas, e mais uma vez, Feliz Natal.

Todos os comentários

  1. Comentou em 28/12/2010 Ney José Pereira

    A Folha de Notícias Populares de S. Paulo também ‘tutora’ (tutora ou tutela?) ‘jovens’ aprendizes do jornalismo!. Quem for o vencedor ou a vencedora de um tal concurso de memória folháctica ganhará um… ‘lap top’!. A Folha de Notícias Populares de S. Paulo também ‘recruta’ jovens aprendizes do jornalismo, mas, quem paga o ‘recrutamento’ e o ‘aprendizado’ são: A Oi e a Syngenta e a Philip Morris Brasil e a Odebrecht!. Observação: Na última campanha eleitoral o sinecurista e abstrato conselheiro acácio, porém alcândor, pois folháctico Janio de Freitas teve a coragem (!) de xingar o então candidato José Serra de ‘bandeirante’. Mas, não teve a coragem (?) de xingar o então candidator (aquele que impõe a sua candidata -a candidatária-) o companheiríssimo Lula de ‘lampião’!. Então, se o tal Janio de Freitas tutorar ou tutelar algum futuro folhactiquinho que o ensine a não xingar ninguém ou que o ensine a xingar a todos, né!.

  2. Comentou em 28/12/2010 Jorge Castilho

    Pena que seja apenas para norte-americanos, caso contrário
    concorreria. Tenho 61 anos, dos quais 42 como jornalista
    profissional. Participei na Guerra Colonial em Angola e fiquei
    apaixonado por África, onde regresso sempre que posso. Acho uma
    excelente ideia a de aliar o ímpeto da juventude à experiência de um
    sénior, pois a experiência será benéfica para ambos e para o trabalho
    que desenvolverem, Aproveito para agradecer e retribuir os gentis
    votos do meu ilustre homónimo Castilho (seremos primos afastados?)
    que sempre leio com muito interesse e a quem desejo um excelente
    2011, repleto de saúde e paz para si e todos os que lhe são queridos.

  3. Comentou em 26/12/2010 Andréia Pereira

    Bem verdade que o jornalismo brasileiro ainda precisa abrir os olhos para várias vertentes.Como estudante de jornalismo que sou, me preocupo com alguns colegas que almejam a rede globo de jornalismo e o jornalismo esportivo como se estas fossem o que há de melhor na aréa, além dos espetáculos que a imprensa tem protagonizado.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem