Terça-feira, 18 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

CÓDIGO ABERTO >

Requião manipula TV pública

Por Mauro Malin em 21/02/2006 | comentários

As relações do governador Roberto Requião com a mídia do Paraná se tornariam, em São Paulo, no Rio de Janeiro e em outros estados, um escândalo de proporções consideráveis. Requião provocou a demissão de jornalistas, torceu o dedo de um deles durante uma entrevista, chamou a revista Época de canalha, publicou matéria paga para dizer que a Exame e a Gazeta do Povo, de Curitiba, mentem, e, diante a proposta de fazer um jantar de pacificação com a categoria, disse que fazia questão de convidá-los, nestes termos: “Tudo bem, mas eu pago a conta. Vou trazer ração Bonzo para a cachorrada miúda”.


O governador usa sem a menor cerimônia a TV Paraná Educativa, emissora pública, como órgão de propaganda do governo. (Ver, neste Observatório, ‘Requião intimida‘.) Ontem, um jornalista da emissora fez o que chamou de reportagem repetindo a passantes, no Centro de Curitiba, a pergunta: “Você acredita que tudo o que a Gazeta do Povo publica é verdade?” Isso porque o jornal publicou um rotineiro relatório sobre a má qualidade das praias paranaenses, que recebem esgotos. Não é a primeira vez que a fúria do governador Requião se converte em campanha, numa emissora pública.


O diretor de Defesa Corporativa do Sindicato dos Jornalistas do Paraná, Aurélio Munhoz, falou hoje ao Observatório da Imprensa sobre a dificuldade de articular um enfrentamento a ações truculentas contra jornalistas feitas pelo governador ou sob sua orientação.


“As empresas, muitas vezes, não tiveram interesse em levar a coisa adiante. O sindicato acabou ficando sozinho na luta”, disse Munhoz. “Ou então a própria imprensa local repercutiu de alguma forma, mas não houve uma ação coordenada mais efetiva no estado. Por isso eu reivindico engajamento de outros setores da sociedade. Que haja solidariedade do sindicato patronal, da API, da OAB, de outros órgãos de classe”.


O Sindicato dos Jornalistas do Paraná elaborou a seguinte lista de agressões e conflitos de Requião com jornalistas


Abril de 2003 – O governador, insatisfeito com críticas que recebia, “pede a cabeça” do jornalista Pedro Ribeiro, do jornal O Estado do Paraná. O presidente da empresa, Paulo Pimentel, na época presidente da Copel (empresa de economia mista do governo do Estado) atendeu ao pedido.


Setembro de 2003 – Em intervalos da programação da emissora pública RTVE é apresentada o tape de uma matéria dos jornalistas Zeca Marquetti e Carolina Wolf, da TV Paranaense (Grupo RPC) sobre os efeitos do fechamento das casas de bingo, promovido pelo governo do Estado. A matéria era taxada como “jornalisticamente mal conduzida”. Em declaração ao Sindijor, o secretário de Comunicação, Ayrton Pisseti, afirmou que o governo iria se manter em “estado permanente contra tudo o que o governo considerar como material jornalisticamente mal conduzido”.


Dezembro de 2003 – Governo abre espaço na RTVE para revidar a matéria “O homem do ano”, do jornalista Ricardo Sabbag, publicada na Gazeta do Povo no dia 9/10/2003. A matéria criticava o uso da TV pública para a promoção política e o culto da personalidade do governador. Para dizer que não há ingerência política na TV, o governador apela para aquilo que a matéria denuncia.


Janeiro de 2004 – A Folha de S. Paulo, após ter mostrado que o governo anterior (de Jaime Lerner), era pródigo na nada ética prática de compra de matérias não identificadas em jornais, mostrou em matéria que Requião, em sua primeira administração, em 1991, havia feito o mesmo. Requião tratou de desqualificar a matéria.


Janeiro de 2004 – A jornalista Norma Sueli Correa de Paula, que trabalhava na Comunicação Social do governo do Estado, foi demitida por telefone. O motivo: procurar o Sindicato dos Jornalistas para reclamar dos três meses de salários atrasados. A situação de muitos jornalistas que trabalham no governo é incerta e precária. Na RTVE, dezenas de profissionais trabalham sem qualquer vínculo formal, sendo remunerados por cachê.


Fevereiro de 2004 – O governo faz publicar – sem explicar quem pagou – na capa de alguns jornais do Estado um anúncio sobre “As sete mentiras da Gazeta do Povo sobre o Plano de Carreira dos Professores do Paraná”, dizendo que eram “mentiras” informações publicadas no jornal. O governo não faz nenhum “esclarecimento” sobre eventuais equívocos que o jornal possa ter cometido na cobertura, apenas trata de desrespeitar profissionais. Na mesma ocasião, jornalistas da Gazeta do Povo disseram que estariam sendo boicotados no atendimento da Comunicação Social do governo do estado, o que foi negado pela assessoria.


Março de 2004 – Após publicar uma matéria mostrando que investidores internacionais criticam a anulação pelo governo paranaense do leilão do capital da empresa de saneamento do estado (Sanepar), firmado pelo governo anterior, a revista Época foi classificada pelo governador como “canalha”.


Abril de 2004 – Ao ser questionado pelo jornalista Fábio Silveira, do Jornal de Londrina (do Grupo RPC, o mesmo da Gazeta do Povo), Requião, que participava de uma inauguração no município de Centenário do Sul, desligou o gravador do profissional e torceu-lhe o dedo. Diante da intervenção de uma colega, que tentou pôr fim à agressão, Requião respondeu “Não quebro o seu, minha flor, mas homem eu trato como homem”. A agressão física ao jornalista parecia a culminação da série de hostilidades, que, no entanto, continuou.


Dezembro de 2004 – Nova diatribe contra a revista Época: reações destemperadas numa entrevista à CBN a uma matéria da revista que mostrou os exageros da comitiva que o acompanhou numa viagem a Nova York. Voltou a chamá-la de “canalha”.


Setembro de 2005 – Em reunião com prefeitos, ofende o jornalista Luiz Geraldo Mazza, comentarista da Rádio CBN Curitiba e do jornal Folha de Londrina. Diz que o jornalista, um crítico de ações do governo, é senil e incapaz de saber o que dizia.


Outubro de 2005 – Cria o “antiprêmio” Severino Cavalcanti, uma grotesca chacota com a imprensa não-alinhada no Estado. Trata-se de uma escultura com um corpo de rato e a cabeça do ex-deputado Severino Cavalcanti que seria dada ao “pior da imprensa” no Estado; o primeiro indicado foi o Grupo RPC.


Outubro de 2005 – No mesmo dia (25 de outubro), Requião foi extremamente ríspido e grosseiro com os profissionais que o entrevistavam após a reunião com o secretariado e, em Cascavel, no Oeste do Estado, ao ver os profissionais da imprensa cumprindo seu papel, perguntou: “O que está cachorrada quer aqui?”. Comentou que os jornalistas “só fazem perguntas idiotas” e disse que gostaria de devolver seu diploma de jornalista (Requião é formado pela PUC-PR).


Outubro de 2005 – Diante do mal-estar criado pela declaração de Requião, houve uma proposta de se promover um “jantar de pacificação” entre o governador e os jornalistas de Cascavel. Requião respondeu: “Tudo bem, mas eu pago a conta. Vou trazer ração Bonzo para a cachorrada miúda”.


Novembro de 2005 – A revista Exame publica matéria sobre a situação no Porto de Paranaguá, onde haveria problemas gerenciais. Requião sugeriu publicamente a seu irmão Eduardo, superintendente do porto, que mandasse a revista ao inferno. [Requião fez publicar em jornais e revistas de São Paulo matéria paga contra a Exame.]


Fevereiro de 2006 – O governador, durante reunião com o secretariado, declarou que suspenderia a verba publicitária para o jornal Gazeta do Povo, como retaliação a uma matéria (“Praias do PR são as mais sujas do Sul”, do repórter Breno Baldrati), que comparava a balneabilidade das costas dos cinco Estados mais ao Sul do país e mostrava que a situação no Paraná era a pior.


Fevereiro de 2006 Out-doors do PMDB espalhados por Curitiba advertem que “a Gazeta do Povo mente”.


# # #


O mais recente episódio foi uma manifestação, na sexta-feira passada (17/2), promovida por filiados ao PMDB, partido do governador, diante da sede da Gazeta do Povo.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem