Sábado, 16 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CÓDIGO ABERTO > Desativado

Sem medo de parecer tímido

Por Luiz Weis em 03/12/2007 | comentários

Prudência deve ser a terceira palavra mais detestada no jornalismo, depois de censura e retratação.

Mas às vezes, em situações escorregadias, paga a pena ser prudente para não dar por líquido e certo, antecipadamente, algo que tem tudo para acontecer, mas de repente não acontece.

Resultado de votação, por exemplo. Jornalistas costumam cobrir decisões eleitorais, esquecendo no fundo da gaveta o ditado “barriga de mulher, cabeça de juiz e urna, nunca se sabe o que tem dentro”.

Daí a traulitada que os fatos deram no Estado, que saiu hoje com a manchete “Referendo aumenta poderes de Chávez” e com um sub-título onde se lê que ele “terá direito de tentar a reeleição quantas vezes quiser”.

Ou seja, agarrado às três pesquisas de boca-de-urna que davam a vitória do sim no referendo venezuelano, o jornal apostou as calças nesse desfecho.

No meio da noite, deu não – um resultado “atordoante”, anunciou lá pela 1:30 da manhã, hora local, o New York Times.

No Brasil, sensata foi a Folha, com “Boca-de-urna dá vitória a Chávez em referendo” e “Vice-presidente, porém, admite disputa apertada em votação que pode instituir reeleições sem limite”.

Mas a palma da manchete do dia vai para o Globo, que não teve medo de parecer tímido:

“Resultado apertado põe a Venezuela em alerta”. E ainda, no sub, “Apuração inicial contradiz boca-de-urna que dava vitória a Chávez”.

P.S. E por falar em Globo, a especialidade da casa – séries de reportagens – continua no ponto. A que começou ontem, “Dimenor”, pelos números aparentemente impossíveis que conseguiu garimpar, é de aplaudir em cena aberta.

Todos os comentários

  1. Comentou em 05/12/2007 Evandro Trigueiro Tavares

    ERRATA. Aos administradores deste sítio, gostaria que retificassem minha última mensagem, onde se lê:

    Há, sim,(…), corrija-se para:

    Ah, sim, etc.

    Obrigado.

    de pen

  2. Comentou em 04/12/2007 Evandro Trigueiro Tavares

    ‘Para mudar uma constituição democraticamente deveria no mínimo se exigir metade do eleitorado mais um. Bem menos do que precisa nas câmaras legislativas.’

    Senhor Bandarra, além de médico é também jurista? Donde o sr. tirou essa ‘lei’ de que uma constituição para ser alterada necessita de 50% dos votos do eleitorado mais um em referendos? Trata-se de uma ‘lei natural’ ou uma convenção humana como o absolutismo e o parlamentarismo? Ressalta-se que até hoje a humanidade não chegou a um sistema eleitoral perfeito, sempre há alguma margem de distorção. Além disso, o sr. mistura domocracia direta (referendos) com democracia representativa (parlamentos).

    ‘Quanto a vitória dos comunistas, na Rússia tiveram apenas onze por cento dos votos! Parece que quem já viveu uma educação marxista por gerações não quer voltar mais a viver numa novamente! Pelo menos quando lhe é dado o direito de escolha!’

    Há, sim, os russos hodiernos vivem numa democracia VIP, ao contrário dos venezuelanos, os quais inclusive não são obrigados a comparecer às urnas. A propósito, se dermos valor aos relatos dos observadores internacionais, as eleições russas, ao contrário do referendo chavista, foram fraudulentas e nem deveriam servir como exemplo de soberania popular. Obs.: longe de mim querer defender o PC russo, nem sei que plataforma defende.

  3. Comentou em 04/12/2007 Ismael Manzotti

    Gostaria que o Senhor Marcelo Pereira explicasse onde ele enxergou que o povo venezuelano concordou com o Rei da Espanha quando votou no ‘NÃO’. Parece-me que escolher democraticamente alterações na Constituição do seu País é muito mais abrangente do que concordar ou discordar de um monarca que não dá a mínima para o que acontece com o pobre povo da América do Sul, acho que até os venezuelanos sabem disso…

  4. Comentou em 04/12/2007 Marco Antônio Leite

    Caro Ibsen, não escrevi sobre à distribuição de renda, esse tema deveria ser automático. Porém, democracia é um regime de governo onde o poder de tomar decisões políticas está com os cidadãos(povo), direta ou indiretamente. Democracia é o ‘governo do povo, pelo povo e para o povo’. Muita gente imagina que democracia é somente ser livre em suas expressões de pensamento, ou escrever umas mal traçadas linhas neste generoso espaço que aceita a nata dos comentários, gatos, lagartos e sapos com ou sem barbas! Ademais, nossas vozes não tem eco, bem como a elite dominante não é caixa de ressonância, não dão a mínima para nossos lamentos?

  5. Comentou em 03/12/2007 Ibsen Marques

    Marco Antonio, você acredita mesmo que há distribuição de renda equitativa na Venezuela? Pois eu acho que além de distribuição equitativa é preciso muito mais para se considerar livre e pertencente a uma democracia. Poder se expressar sem medo de retaliação por exemplo. Pelo menos uma coisa o Chavéz tem em comum com o Bush. Ambos investem em confrontos externos para varrer a própria sujeira e as crises internas para debaixo do tapete. O socialismo deveria implicar na força de um povo e não na astúcia e opressão de um ditador (ou quem sabe um quase futuro ditador). A manchete do Estadão espelha a preguiça e prepotência do jornalismo brasileiro. Aliás, o jormalismo precisa tomar o mesmo cuidado dos políticos e da polícia brasileira. Imputar excessão ao que vem se tornando regra geral.

  6. Comentou em 03/12/2007 Maria Izabel L. Silva Silva

    Caro Weis. Cadê a pesquisa do DataSerra … ops, digo Datafolha, sobre os índices de avaliação do governo??? 80 a 85% de aprovação! É isso mesmo???O povo esta tomado pelo espirito natalino?? Por essa o PIG não esperava … A TV Globo inventa uma ‘crise’ e uma ‘tragédia’ todo dia, geralmente no nordeste, geralmente nos grotões do Pará ou da Bahia … Enquanto isso, na Sala de Justiça, Lula ganha todas! E a população vai às compras natalinas … a proposito, vou passar o revelion em Buenos Aires … São as delícias da politica economica do Lula … Viva a democracia burguesa!

  7. Comentou em 03/12/2007 arnaldo boccato

    A gente faz a pluralidade do OI também nos comentários. Marco Antônio Leite, coerente, apóia Chávez desde criancinha, tem seus argumentos e deve ser respeitado por isso. Marcelo P. Pereira: falar em vetar venda de petróleo aos EUA é blefe, jogo de cena para o público interno. Talvez não seja o bicho-papão pintado pela mídia, talvez as fanfarronices visando o exterior sejam apenas mais uma forma de fazer política em casa. Ubirajara Sousa, é claro que o nosso quintal é mais importante: a preocupação da imprensa é justa, afinal, se você tivesse um vizinho disposto a dar as cartas na sua rua ou no seu condomínio, inclusive dando um golpe para se eleger e se perpetuar síndico, o que você faria? O Itamaraty faz de conta que não se preocupa, mas deve ser um pesadelo ter um vizinho desbocado e que gosta de tanques e jatos soviéticos para fazer valer seu bolivarianismo. Paulo Bandarra: pelo menos uma parte da população da Venezuela parece ter acordado, indo às urnas – quem sabe isso sirva pra acordar os políticos venezuelanos que “largaram mão” de representar seus eleitores. Agora não há como reclamar do “golpismo” da RCTV, ainda que as manchetes de hoje dos jornais de lá pareçam comemorar o resultado e alguns dos textos buscam demonstrar que Chávez está, sim, preocupado com o futuro de seu projeto de poder. Já os nossos matutinos… deveriam descontar dias assim da conta da assinatura.

  8. Comentou em 03/12/2007 Renato Santos Passos

    Post típico de seu blog. Ponderado. Está cada vez mais difícil encontrar blogs políticos equilibrados, racionais. O que mais há é paixão, quando não baixaria.
    Parabéns. Torço para que sua audiência seja grande. Será uma luzinha de esperança no final da Internet.

  9. Comentou em 03/12/2007 Valdemar Froner

    A vitória do Náo na Venezuela coloca um balde de água fria nos planos expansionistas de Chaves. Agora é aguardar que medidas, que chaves vai tomar em represalia a sua derrota. O caudilho Venezuelano não vai se dar por vencido. Mas é mais do que certo que esse revez politico, índica o declínio de Chaves, bem como o seu possivel afastamento do governo. Chaves sabe que seus dias no governo estarão contados, ou toma uma decisão, a fim de evitar a desestatabilização, pois sente em seu encalço o fortalecimento da oposição ao seu governo. Não podemos deixar de considerar a influência que os planos de Chaves teriam numa possivel desestabilização politica na nas jovens democracias da América Latina. O início da queda da populareidade de Chaves junto a seus correligionários, deu-se quando o Rei de Espanha mandou que se calasse. Nesse momento chaves foi executado públicamente. A corte de Espanha que tanto descerviço prestou a Amérca Hispanica, redimiu-se com a atitude do Rei. Colocou um freio nos planos mirabolantes de um Caudilho. No caminho tinha uma pedra, no de Chaves tinha um Rei.

  10. Comentou em 03/12/2007 Marco Antônio Leite

    Na eleição Russa houve fraude, já na Venezuela o sistema democrático funcionou de acordo com a Constituição daquele país, a qual foi construída pelo governo Chávez. Senhor anticomunista radical, apreciador da miséria alheia, não se alegre tanto assim, o GRANDE Comandante Hugo Chávez perdeu um ínfima batalha, a guerra contra a escol continuará pôr muito tempo, Outrossim, o Chávez tem muita bala na agulha, com certeza, o Comandante vai virar esse placar, se bem que em nove anos de Governo teve apenas se pequenino revés. Não se iluda com o seu discurso pouco esclarecedor, o socialismo necessita de homens com muita paciência para impor sua ideologia, veja bem, sem machucar um cidadão sequer. Durma bem senhor [ ]! Democracia não significa votar, mas sim, uma distribuição eqüitativa de poderes para o povo brasileiro! Certo ou errado, a consciência é vossa?

  11. Comentou em 03/12/2007 Carlos N Mendes

    Sabe, o Paulo Henrique Amorim tem razão : nossa imprensa usa Hugo Chavez porque podem dizer sobre ele aquilo que gostariam de dizer sobre Lula, mas tem medo (às vezes perde-se o medo – vide as notícias dos 5 dias seguintes ao desastre da TAM em julho). A Argentina, bem mais importante para nós economica e historicamente, não recebeu um décimo da atenção – mesmo tendo passado por um processo eleitoral atípico; pode ser que nossa imprensa ache semelhanças entre Kirchner e FHC e não queira tocar em tal assunto, não sei. Agora resta observar se Chavez acatará o resultado. Se acatar, cadê a ditadura ?

  12. Comentou em 03/12/2007 Marco Tognollo

    Vão dizer o que agora? Que Chavez saiu perdedor no referendo, agora a Veezuela será uma democracia. Se ele tivesse ganho, o país seria uma ditadura….
    os jornais brasileiros sao um lixo mesmo. Nem para forrar gaiola servem por causa do chumbo presente na tinta…..

    Por que não se comenta a ‘entrevista’ do Serra ontem na Gazeta? Dos 10 ou 15 minutos que vi, sequer fizeram alguma pergunta que o desagradasse. Somente ficaram tecendo loas ao rapaz….isso é jornalismo?

  13. Comentou em 03/12/2007 Edilson Luiz da Silva

    *Enquanto os jornais tentando advinhar a notícia fico tranqüilo. Pior se tentassem influenciar nas notícias do dia seguinte, induzindo a população a votar de acordo com seus interesses. Erros desse tipo mostram o interesse por uma matéria de repercussão, sem nenhuma preocupação com o conteúdo.
    *A qualquer momento estou em meu quintal.
    QUINTALDOPROFETA.BLIG.IG.COM.BR

  14. Comentou em 03/12/2007 Paulo Bandarra

    O impressionante nesta farsa fascista toda é que o referendo daria bem menos de um terço de votos para modificar a constituição MAIS UMA VEZ na Venezuela! Contando com o desinteresse de grande parte da população, se modifica para um estado totalitário e se muda o dever das forças armadas para servirem aos interesses do presidente e não de garantias institucionais! Para mudar uma constituição democraticamente deveria no mínimo se exigir metade do eleitorado mais um. Bem menos do que precisa nas câmaras legislativas. Quanto a vitória dos comunistas, na Rússia tiveram apenas onze por cento dos votos! Parece que quem já viveu uma educação marxista por gerações não quer voltar mais a viver numa novamente! Pelo menos quando lhe é dado o direito de escolha!

  15. Comentou em 03/12/2007 Rafael Costa

    Agora o PIB(partido da imprensa bolivariana) vai atacar a imprensa livre e independente com o argumento de que a Venezuela goza de uma democracia invejável.

  16. Comentou em 03/12/2007 ubirajara sousa

    Senhor Weis, adivinhar o que tenta, quase sempre, a nossa imprensa. Mas, não só ela. Veja um dos comentários já expendidos: já está antecipando o comportamento futuro do Chávez. E o que acho mais engraçado pe essa preocupação com a Venezuela. Será que os venezuelanos vivem preocupados com o Brasil e com o presidente Lula? Será que não está na hora de a nossa imprensa buscar assuntos nacionais nossos para analisar/divulgar? Perguntar não ofende.

  17. Comentou em 03/12/2007 TACIANA OLIVEIRA

    QUER DIZER QUE O DIABO NÃO É TÃO FEIO QUANTO O PINTAM! PERDEU E ADMITIU A DERROTA, NÃO MATOU NINGUÉM, NÃO DEU GOLPE ( A MESMA CONSTITUIÇÃO QUE JÁ EXISTIA ANTES E ERA CUMPRIDA ,CONTINUA VALENDO). INTERESSANTES SÃO AS MANCHETES DE ALGUNS JORNAIS ‘VENCEU A DEMOCRACIA!’. ONDE? NÃO DIZIAM QUE LÁ NÃO EXISTIA ISSO? ONDE ELA ESTAVA ESCONDIDA? VIVA A DEMOCRACIA!!! A QUE EU CONHEÇO. NÃO ESSE MONTE DE PRECONCEITOS CONTRA POBRE, MESTIÇO, EX-COLONIA ETC. QUE NÓS LATINO AMERICANOS REPETIMOS FEITO PAPAGAIOS, COMO SE NÃO ESTIVÉSSEMOS FALANDO DE NÓS MESMOS. ENQUANTO ISSO NO BRASIL………..APROVAMOS OU NÃO, A CPMF?

  18. Comentou em 03/12/2007 Marco Antônio Leite

    Senhor [ ] de plantão, ele perdeu uma pequena batalha, porém a guerra continua. Com certeza, o grande Chávez irá tirar da manga mais uma carta que definirá quem será o vencedor dessa guerra contra um povo que pôr muitos anos foi violentado e roubado pela elite local. Não fique feliz, essa derrota faz parte do jogo democrático, o qual foi instalado pelo próprio Chávez, não seja simples, o grande Chavéz ainda tem muita bala na agulha. Há espera é uma virtude dos inteligentes!

  19. Comentou em 03/12/2007 Marcelo P. Pereira

    Taí! O povo venezuelano concordou com o rei da Espanha! E não adiantou toda a pressão do governo contra a campanha do “NÃO”… Agora estamos esperando o bufão cumprir a promessa feita, antes do resultado, e vetar a venda de petróleo para os EUA. Tem a outra também: nacionalizar as empresas espanholas se o rei não se desculpar! Acho que ele vai calar de novo, e fingir de morto… Enquanto isso, os chavistas da imprensa brasileira ficam sem palavras (‘ai, que decepção!’) e fazem o quê? Atacam a imprensa, lógico…

  20. Comentou em 03/12/2007 Marco Antônio Leite

    Os direitista estão felizes com o resultado final do referendo realizado na vizinha Venezuela, onde Hugo Chávez foi derrotado pôr apenas 2% dos votos. Essa margem significa que seus poderes pouco mudou, Chávez continuará dando às cartas e, quem sabe numa próxima eleição ele fará seu candidato a presidente do país mais importante desta pobre América do Sul. Viva o grande Comandante Hugo Chávez! Estamos necessitando de um Chávez para encostar na parede essa escol desumana com a maioria da população!

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem