Domingo, 18 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

CÓDIGO ABERTO >

Uma sombra sobre a mídia

Por Luiz Weis em 18/11/2005 | comentários

Quem primeiro teve a má idéia – para um jornal que passou a vida fazendo praça de sua seriedade – foi O Estado de S.Paulo.

Como desgraça pouca é bobagem, dois outros jornais de circulação nacional e pelo menos um blogueiro, que se ofenderiam se alguém dissesse que são menos sérios do que aquele, passaram a imitá-lo fazendo o que qualquer manual de jornalismo, em nome da ética do ofício, há de proibir expressamente.

A má idéia foi praticamente ignorar que o suspeito de ter encomendado a eliminação do prefeito de Santo André, Celso Daniel, tem nome – Sérgio Gomes da Silva – e se referir a ele, sempre ou quase, pelo apelido.

Pela única e vergonhosa razão de ser o apelido “Sombra”. Se o apelido fosse, por hipótese, “Narigudo”, “Pé-de-moleque”, “Gogô” – ou qualquer outro sem a pesada conotação daquele – não haveria hipótese de ser encampado pelos que encamparam a tese do Ministério Público paulista de que a morte de Daniel foi “crime de mando” e não crime comum – e assim fazem justiça pelas próprias palavras antes que a Justiça o faça.

Digo mais: se ficar provado que Gomes fez o que se lhe atribui, nem assim a imprensa que outrora se intitulava sadia terá o direito de chamá-lo por uma expressão que ele rejeita e não é unânime no seu círculo, diferentemente de Fernandinho Beira-Mar, por exemplo.

Leia-se o que informa hoje, sob o título “Gomes da Silva é questionado por depósitos”, a Folha de S.Paulo – o único dos três grandes diários brasileiros que não atropelou a ética, no caso:

“Logo no início do seu depoimento [à CPI dos Bingos], Gomes da Silva fez questão de explicar que é conhecido pelo apelido de “Chefe”, inclusive usado por Celso Daniel para se refeir a ele. Segundo o empresário, o apelido “Sombra” só surgiu […] a partir dos depoimentos do Ministério Público de Santo André. “Esse nome é sugestivo. É quase uma encomenda”, afirmou.”

E adiantou alguma coisa a sua versão?

O Estadão – que no começo não gostava de ser chamado assim, por sinal, mas depois se apropriou do superlativo, a ponto de usá-lo em anúncios e na Internet – tascou o termo Sombra em dois títulos e 14 vezes nos respectivos textos, três das quais num híbrido “Sérgio Sombra”.

Além disso, publicou uma foto dele – que autor e editores devem ter achado o fino da bossa – com a própria sombra.

Se algo do gênero saísse na primeira página de um tablóide de esgoto como o londrino Sun, o de maior circulação na Europa, os jornalistas brasileiros bem-pensantes balançariam a cabeça, torceriam o nariz e diriam, à maneira dos personagens de quadrinhos, “tsk, tsk, tsk”.

E o Globo, que tem no jornalista e articulista Luiz Garcia o seu primeiro e implacável leitor? Numa materiola de 384 palavras sobre a sessão da CPI em que ele foi ouvido, Sombra aparece cinco vezes. Gomes, uma.

Até o Valor, tão austero, embarcou nessa, no título – no qual, de resto, ficou faltando a palavra “que” e tem um “foi” sobrando – “Sombra diz foi também foi vítima”.

Fechando o círculo dos textos que tive tempo de ler agora cedo, o blog “Nos bastidores do poder”, de Josias de Souza – da mesma Folha de S.Paulo que se distingue pelo contraste com a concorrência e que talvez possa ensinar ao seu jornalista uma coisa ou duas nesse particular – é Sombra a não poder mais: do título ao pé do texto, 10 menções.

Isso se chama linchamento moral.

***

Serão desconsideradas as mensagens ofensivas, anônimas e aquelas cujos autores não possam ser contatados por terem fornecido e-mails falsos.

Todos os comentários

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem