Domingo, 25 de Junho de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº946

CÓDIGO ABERTO > Código Aberto

You Tube, a CNN da era digital chega ao Brasil

Por Carlos Castilho em 22/06/2007 | comentários

O site de vídeo You Tube lançou esta semana nove novas edições nacionais, entre elas a brasileira, como um primeiro passo para a globalização do projeto e a consolidação do uso do vídeo como ferramenta de comunicação de pessoas comuns.


 


O You Tube foi criado em fevereiro de 2005 e nestes pouco mais de dois anos de vida teve um crescimento impressionante. O site tem cerca de 35 milhões de visitantes por mês e deve, no mínimo, duplicar este total até dezembro. Nada menos que 65 mil pessoas publicam diariamente novos vídeos no site, que recebe imagens sem censura prévia.


 


O jornal Los Angeles Times comparou o fenômeno You Tube ao surgimento da rede CNN, que nos anos 90, revolucionou os modelos de televisão adotados no mundo ao lançar uma programação baseada apenas em notícias e informações.


O You Tube abriu as portas do mundo da imagem para milhares de cinegrafistas e fotógrafos amadores que passaram a postar imagens, provocando uma mudança radical nos padrões de vídeo jornalístico na imprensa mundial.


 


O telejornalismo praticado por pessoas comuns já é uma realidade e a onipresença de câmeras digitais no quotidiano das pessoas é uma incômoda pedra no sapato de políticos, empresários, personalidades e governantes.


 


A página brasileira do YouTube foi lançada junto com as versões francesa, irlandesa, italiana, japonesa, holandesa, espanhola, polonesa e para a Inglaterra. Em outubro de 2006, o YouTube foi comprado pelo site de buscas Google por 1,65 bilhões de dólares, dois anos depois de ser lançado no mercado com um valor de mercado estimado em no máximo dois milhões de dólares.


 


O objetivo da internacionalização do site é fundamentalmente atrair anunciantes porque a maioria dos jovens e adolescentes brasileiros já vinha postando vídeos na versão norte-americana, superando as barreiras lingüísticas. Agora, estima-se que o YouTube em português vai duplicar de audiência.


 


É uma operação de marketing muito bem elaborada e que vai render muito dinheiro para o Google no Brasil. Mas o efeito YouTube vai mais além da receita.


 


O site está criando um padrão mundial de circulação de imagens e está quebrando o monopólio das TVs na veiculação de vídeos sobre os grandes eventos mundiais. 


 


A visão pasteurizada das emissoras de TV está perdendo cada vez mais espaço para os vídeos amadores, que conseguem quebrar não só a monotonia da agenda da midia mundial como também o controle dos governos e multinacionais sobre o que as pessoas vêem.


 


O voyeurismo jornalístico tornou-se uma norma mundial e todas as personalidades foram obrigadas mudar de hábitos. Que o diga a nossa Daniela Cicarelli, que não conseguiu impedir a publicação de cenas eróticas dela com um namorado numa praia espanhola.


 


O Pentágono trava uma batalha surda com os soldados americanos no Iraque por conta de vídeos sobre a guerra e o governo chinês não consegue engolir as imagens que a todo instante são publicadas no YouTube sobre arbitrariedades cometidas conta os nacionalistas tibetanos.


 


A ubiqüidade do câmera amador obrigou as emissoras a abrir espaços para material fora dos parâmetros de qualidade da TV comercial. Quase todas as grandes redes da Europa e dos Estados Unidos criaram canais especiais para amadores e muitas delas começaram a oferecer treinamento gratuito para os amadores.


 


Até o site da AL Qaeda criou uma página para vídeos amadores chamada Al Sahab (a nuvem) onde publica imagens feitas por seus adeptos, mostrando o outro lado da presença militar norte-americana no Iraque e no Afeganistão.


 

O jornalismo cidadão praticado com imagens tende a ser um fenômeno mundial cada vez mais forte, prevê o site Citizen Midia, criado pelo jornalista e escritor norte-americano Dan Gillmor.  Isto significa também que o bate boca planetário sobre direitos autorais de imagens vai também esquentar cada vez mais.

Todos os comentários

  1. Comentou em 24/06/2007 Ivan Moraes

    Perdao, Carlos, mas vou ter que voltar ao assunto porque nao ficou claro de maneira alguma: a patente aas maos da Microsoft eh uma patente de dinheiro. O dinheiro eletronico foi patenteado.

  2. Comentou em 24/06/2007 Ivan Moraes

    >http://www.freepatentsonline.com/20070136608.html< Patente da Microsoft que lhes da o direito de venderem licensas de 'projetos 50-centavos' que irao custar muito mais do que 50 centavos porque visam o bem da industria, patente que efetivamente tem como alvo direto os pobres e que impossibilizara qualquer projeto 50-centavos que nao seja carissimo ('The off-line economy allows copyright holders and media sellers to optimize pricing by market probing', entre outras). Publicada dia 14 do mez passado. Note que o dinheiro do 'proprietario intellectual' do item, a saber, musica ou texto, eh tirado na fonte, no ato da transacao. Depois entram as percentagens, juros, taxas bancarias, impostos, etc., e em pouquissimos anos, rapidissimo, quem controlara totalmente o seu income e o que voce faz com seu dinheiro eh quem o faz hoje, os donos de sempre. Eh um absurdo...

  3. Comentou em 24/06/2007 Octavio Tostes

    Duas correções ao post abaixo. Guerra do Golfo (2/8/90 a 28/2/91). Al Jazeera.

  4. Comentou em 24/06/2007 Octavio Tostes

    Castilho,
    ótimo post.
    Um detalhe apenas. A CNN foi lançada em 1o. de junho de 1980. Ganhou notoriedade mundial com a cobertura, ao vivo de Bagdá, da Guerra do Golfo (2/8/80 a 28/2/1991). O modelo de TV all news de fato expandiu nos anos 90 (Globonews e Al Jazerra nasceram no mesmo ano de 96). A revolução no modelo de televisão ocorrida nos 90 amadureceu durante uma década na experiência da CNN doméstica.
    Abs,

  5. Comentou em 22/06/2007 Ivan Moraes

    ‘O site está criando um padrão mundial de circulação de imagens e está quebrando o monopólio das TVs na veiculação de vídeos’: na hora errada. A fase caotica ja passou. O desenvolvimento do mundo eletronico daqui pra frente vai seguir de perto a mesma estrutura narrativa do desenvolvimento da computacao nos anos 80, que passou de ‘todo mundo faz’ pra ‘faz quem paga’ pra ‘eh complicado demais pra sua cabecinha, nao faca’, pra ‘nao nos incomode com sua programacao’ pra ‘voce tem alguma ideia que podemos usar pra fazer dinheiro pra nos mesmos? A gente te joga uma migalha ou duas de vez em quando…’. Essa triste noticia que voce nos traz, Carlos, eh so outra noticia que nao eh o que parece ser. Vai adiar o futuro em 30 anos e nao materializar lo, porque essa vai ser a maneira que a veiarada da media vai trazer seus cacos, bugigangas, galinhas, e porcos pra dentro da internet. O futuro foi vendido ao melhor preco.

Código Aberto

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem