Quinta-feira, 27 de Julho de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº951

COMUNICAçãO SOCIAL > Redes sociais

A exploração do desespero como ferramenta de marketing

Por Luís Alberto Caldeira em 01/12/2016 na edição 927

Há muito tempo que o Facebook se tornou um grande passatempo eletrônico. Se num passado não muito distante a opção era gastar a tinta da esferográfica naquelas revistinhas com palavras cruzadas, hoje escorregamos o dedo na tela do celular (ou no scroll do mouse) matando preciosos minutos de vida nesta vasta rede onde todos gozam do direito de expressão.

Durante a minha faculdade de Jornalismo, na época em que nem o Orkut existia e quando profissional de mídia era chamado de “o carinha da internet”, meus professores previam que, quando todo mundo pudesse falar ao mesmo tempo, ninguém seria ouvido. Antes, os meios de comunicação de massa eram os únicos emissores, e nós, meros receptores. Hoje, temos facilmente a ferramenta nas mãos para iniciar qualquer transmissão.

E daí todo mundo virou jornalista. Não é necessário mais diploma nem os ensinamentos da universidade. Se um corpo está no chão, vamos fotografar, postar e espalhar via zap. De que importam a ética, a filosofia, a sociologia e outras ciências chatas…

E nesse meio de sobressair na multidão recorremos ao marketing de conteúdo para angariar audiência e curtidas. É fácil perceber o número de posts sobre comportamento e dicas para o dia-a-dia sem muita profundidade espalhados por aí. Publicação com mais de dois parágrafos é textão – que ninguém lê, inclusive este aqui (se vc leu isso, dá um joinha).

Exploração do desespero

E no vale tudo para ganhar direcionamentos para sua página, tira-se proveito daquilo que é o quente do momento e de assuntos mais buscados. Isso é marketing e não há nada de errado nisso, até você passar por cima de valores humanitários como o respeito ao outro e à vida. O caso do Catraca Livre, que pegou carona no acidente aéreo com o time do Chapecoense para postar links com dicas sobre como lidar com o medo de voar, fotos de pessoas em seus últimos dias de vida e imagens de pânico de passageiros, ainda na manhã em que a população buscava informações sobre a tragédia, lembrou a exploração daqueles comerciantes que aumentaram o preço da água mineral em cidades atingidas pela lama da barragem de Fundão em Mariana. A miséria de uns é o lucro de outros. E isso me faz seriamente repensar se a raça humana deu certo ou se devemos entregar logo nosso planeta aos ETs.

Não passou do meio-dia para que as postagens estourassem protestos contra a página no Facebook. Um paraíso para os haters. Não igual, mas uma atitude semelhante à crítica do apresentador Zeca Camargo sobre a repercussão da morte do sertanejo Cristiano Araújo. A opinião é dele – você pode ou não concordar –, mas exposta ao público na hora errada, quando a consternação e o luto ainda tomavam conta do país.

A página pediu desculpas. Tá bom. É nobre reconhecer o erro. Ficou a reflexão. Que estamos errando demais.

***

Luís Alberto Caldeira é jornalista e pós-graduado em Comunicação Digital. Trabalha atualmente como assessor de Comunicação e Marketing

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem