Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1055
Menu

CONJUNTURA NACIONAL >

“Fora, Dilma” ou “Fora, Cunha” ?

Por Alberto Dines em 01/08/2015 na edição 861

Ao perfil do presidente da Câmara dos Deputados, (PMDB-RJ) faltam dados sobre suas relações com o cinema e, principalmente, seu convívio com os filmes de faroeste.

Parece que em alguma fase da adolescência, juventude ou mesmo mais tarde, o parlamentar deixou-se impressionar pelos enredos do tipo bangue-bangue, tantas são as semelhanças entre suas atitudes e os estereótipos do gênero. No seu desempenho político, sobretudo a partir da temporada de protagonismo iniciada em fevereiro, percebe-se nítida inclinação para o papel de herói-vingador, o valentão calado, solitário, lacônico, que sai das sombras e liquida todos os adversários.

Dono de um dos currais do Poder Legislativo, Cunha vem mandando e desmandando na república como se a coisa fosse dele. É pública. Ele se imagina invulnerável, imbatível, chuta a portinhola do saloon e entra atirando sem piscar. Não sobra um.

Na realidade, Cunha é um tremendo canastrão: o script que montou para si mesmo é uma fantasia onipotente, delirante, que por acaso teve alguns sucessos iniciais por conta da mediocridade do elenco que pretendeu enfrenta-lo. De lacônico nada tem, é um falastrão abusado que imaginava sequestrar a frágil mocinha que tanto o incomodava, mas acaba de ser desmascarado por uma charmosa, competente e corajosa criminalista que deixou de calças curtas aquele que se imaginava Zorro.

O depoimento da advogada Beatriz Catta Preta ao repórter Cesar Tralli no “Jornal Nacional” desta quinta-feira não muda o rumo da Operação Lava Jato, ao contrário, só reforça e engrossa uma das mais sinistras tramas da história penal brasileira.

A gangue de delinquentes que privatizou a Petrobrás e assaltou os seus cofres ficou visivelmente ampliada com as sutis denúncias da advogada que conseguiu transformar nove réus em preciosos colaboradores da investigação. Agora ela joga os refletores sobre o ocupante de um dos cargos mais eminentes do Estado brasileiro (segundo na linha da sucessão presidencial), colocando-o de maneira irreversível no papel de suspeito de cometer múltiplas prevaricações e malfeitorias. As principais: usar o cargo público em benefício pessoal e embaraçar o andamento da justiça.

Já não era sem tempo: o deputado Eduardo Cunha precisa de limites. Está exorbitando e até agora não apareceu quem enfrentasse suas molecagens. O presidente do seu partido, o PMDB, é também vice-presidente da República e teme confrontá-lo abertamente de modo a perenizar uma ambiguidade que a legenda traz gravada no seu DNA. Os partidos da oposição, por sua vez, não têm qualquer interesse em moderar a ferocidade do mais encarniçado inimigo do PT e da Presidente, sempre dispostos a pegar carona nos seus surtos beligerantes.

A convocação da criminalista Beatriz Catta Preta para depor na CPI da Petrobrás e o tipo de questionário a que seria submetida pelos comparsas de Eduardo Cunha é visivelmente intimidador, portanto ilegal. O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, fez bem em conceder uma liminar autorizando a advogada a calar-se diante de perguntas relativas à sua atividade profissional. Ao mesmo tempo, condena a tentativa da CPI de “transformar defensores em investigados”.

A convocação da multinacional Kroll para vasculhar as contas bancárias de 12 delatores da Operação Lava Jato é tão aberrante e despropositada que o aliado de Cunha e presidente da CPI, deputado Hugo Mota (PMDB-PB), tomou a iniciativa de reduzi-la para quatro. Qualquer que seja o número dos investigados trata-se de uma truculência institucional: os delatores, bem como os indiciados e suspeitos, estão sendo investigados pela Policia Federal e pelo Ministério Público Federal.

Beatriz Catta Preta não abandonaria uma carreira até agora muito bem sucedida se não tivesse graves razões para isso. Os contra-ataques imediatos dos aliados de Cunha são autoexplicativos: o bando começa a assustar-se com repercussão da entrevista. A entrada em cena de uma advogada destemida, articulada e comprometida com o combate à impunidade tem condições de reverter o resto do filme. De repente, o pistoleiro vacila, sua camiseta com a inscrição “Fora, Dilma”, está esgarçada e pode ser substituída pela camiseta elegantemente lançada na quinta-feira pela advogada: “Fora, Cunha”.

A imprensa chocou os ovos da serpente

Parte da ousadia de Cunha origina-se na fascinação da grande mídia por suas façanhas. Uma rajada de manchetes seria suficiente para deixa-lo fora de combate ou, pelo menos, controlar seus maus instintos. Para isso, precisaríamos contar uma imprensa mais vigilante, mais responsável e mais preocupada com a estabilidade de República do que com uma eventual bagunça na base aliada.

O esperto Cunha sempre contou com a leviandade da grande imprensa e com a sua própria capacidade de chamar atenção. Sem falar numa afinidade doutrinária que só não é mais intensa porque o lobby midiático é majoritariamente católico e o presidente da Câmara, evangélico radical.

Se a escalada de truculência comandada pelo Presidente da Câmara, tivesse sido devidamente neutralizada pela imprensa, o país poderia estar enfrentando as mesmas dificuldades econômicas, porém livre dos sobressaltos causados pela sabotagem institucional promovida pela milícia de Cunha.

A hora da verdade deve soar dentro de poucas semanas quando Eduardo Cunha for formalmente enquadrado na Operação Lava Jato. Convém preparar-se.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem