Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

CONJUNTURA NACIONAL > O fator militar

O agravante que faltava para a tempestade perfeita

Por Alberto Dines em 31/10/2015 na edição 874

Fenômeno estritamente meteorológico, a extraordinária conjunção de sinergias ocorrida em Outubro de 1991 produziu tal tormenta na costa leste da América do Norte que desobedeceu ao rito e sequer foi batizada. Passou a ser conhecida como “Sem Nome” até que o jornalista Sebastian Junger, apontado como um herdeiro de Hemingway, nomeou-a através de um best-seller publicado em 1997 e transformado em filme, logo depois (2000).

A previsibilidade das mutações atmosféricas tal e qual as sucedidas na esfera social, facilita o trânsito das “tempestades perfeitas” da meteorologia à ciência econômica. Onde parece definitivamente ancorada.

Assim, ao descaso fiscal acrescentou-se a traumática eleição presidencial de 2014 que pretendia disfarçar o tsunami legal na maior empresa brasileira ambos reforçados pelo súbito aparecimento de um terremoto institucional no primeiro escalão da administração. A fadiga dos materiais acirrou o conflito partidário na base de sustentação do governo e entre o Legislativo e o Executivo. A incapacidade da classe política em discernir os malefícios e a periculosidade das impugnações propostas (do presidente da Câmara dos Deputados e da presidente da República) estabeleceu um fogo cruzado que impede a formação de vetores ou atores mais sólidos, todos igualmente vulneráveis.

Faltava um ingrediente raramente mencionado mas sempre presente nos pesadelos: a turbulência militar escancarada ontem através da exoneração de um general quatro-estrelas, chefe do Comando Militar do Sul, Hamilton Martins Mourão que, além de vocalizar publicamente as críticas ao governo do qual faz parte, tomou a truculenta decisão de autorizar homenagem póstuma a um dos mais conhecidos e ferozes chefes da repressão durante a ditadura: o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do DOI-CODI paulista na sua fase mais sinistra, primeiro torturador reconhecido pela justiça, inspirador até seus derradeiros momentos da paranoia antidemocrática, claramente fascistóide, que se espalha à sombra da insatisfação gerada pelo o aumento do desemprego e da carestia.

E isso no exato momento em que se rememoram os quarenta anos do assassinato do jornalista Vladimir Herzog nos cárceres do DOI-CODI paulistano lembrados em tocante cerimônia no último domingo na Catedral da Sé e apoiada por oito confissões religiosas irmanadas contra a violência.

Espera-se que a inesperada agregação do fator militar às crises concêntricas que nos afligem possa ser atenuada através das negociações entre o Ministro da Defesa, Aldo Rebelo, o comandante do Exército, o próprio exonerado (agora aparentemente cônscio dos seus erros) e do substituto, o general Edson Leal Pujol que comandou a missão pacificadora no Haiti.

A desgraça é o nosso desconhecimento da mecânica e da dinâmica das tempestades perfeitas. Este tipo de “perfeição” não tem parâmetros, sujeita a sucessivas potencializações é imponderável, imprevisível e interminável. Só amainará quando os náufragos se persuadirem que não há vencidos nem vencedores.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem