Sexta-feira, 22 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

CONJUNTURA POLíTICA > Cenário de incertezas

Crise política e indefinição no Brasil

Por Ariel Goldstein em 20/02/2018 na edição 975

A impossibilidade de Lula, o candidato com as maiores intenções de voto, para competir no concurso eleitoral deste ano, introduz uma tensão entre a opção escolhida de forma majoritária e a sua exclusão como possibilidade viável. Isso aumenta a incerteza num cenário político cuja situação já se caracterizava pela falta de definição.

A persistência na imaginação popular do veterano líder, apesar das acusações de corrupção e dos ataques da mídia, é explicada pela sua obra política. As transformações que ocorreram no cotidiano de milhares de brasileiros imersos na pobreza. Sua “revolução” de que os brasileiros possam comer três vezes ao dia.

A ação arbitrária do Poder Judicial na condenação de Lula mostra uma ausência de equanimidade e acrescenta a instabilidade em vez de atuar como fator de equilíbrio. O princípio de que a justiça é universal e a lei é aplicada da mesma maneira para cada cidadão é questionado quando o julgamento do ex-presidente é analisado.

Esta nova condição crítica é adicionada à desconfiança tradicional em relação à classe política, reforçada pelas irregularidades entre as grandes empresas e o Estado reveladas pela investigação do Lava Jato, bem como o impeachment de duvidosa legitimidade que os políticos do PMDB-PSDB promoveram a Dilma Rousseff — denunciado como “golpe” pela esquerda brasileira — e as acusações de corrupção sitiando o governo de Michel Temer.

A desconfiança do eleitorado em relação aos atores políticos tradicionais é o que explica que dois dos principais candidatos potenciais são pessoas de fora da classe política: o ex-militar de direita Jair Bolsonaro e o animador da Globo, Luciano Huck.

Por sua vez, o alto perfil assumido pelo empresário João Doria, atual prefeito de São Paulo, é também uma expressão da crise vivida pela classe política tradicional, que levou ao surgimento de novos personagens de fora dos partidos. Isso ocorre num contexto de fragmentação partidária e alta personalização da política, que no Brasil tem avançado nos últimos anos.

Assim como nos Estados Unidos, o discurso racista e anti-elite de Washington exercido pelo Donald Trump expressou a insatisfação daqueles prejudicados pelo modelo econômico diante da sociedade multicultural e bem-pensada, no Brasil a insatisfação com uma situação econômica dolorosa desde 2015 e a desconfiança dos políticos levou ao crescimento do discurso racista e demagógico de Bolsonaro.

Poucos meses após as eleições, os principais candidatos não são definidos ou consolidados. Isso contrasta com o recorde de eleições entre 1994 e 2014, onde se apresentaram dois candidatos fortes dos principais partidos, PSDB e PT, que então se polarizaram e competiram em um segundo turno para a presidência. É difícil imaginar esse cenário para as eleições de outubro deste ano.

**
Ariel Goldstein é pesquisador e professor Universitário na Argentina. Autor do livro Imprensa tradicional e lideranças populares no Brasil (A Contracorriente, 2017).

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem