Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CONJUNTURA POLíTICA > Eleições 2016 / segundo turno

É matar ou morrer

Por Alberto Dines em 07/10/2016 na edição 922
Texto também publicado no Correio Popular , Campinas/SP

O brasileiro acordou num país mais azul, sem zonas vermelhas, que ecoa até hoje o silêncio do povo nas urnas , a maior abstenção desde 1996. Um país que se reinventa sob uma nova direção que só promete espinhos na reformulação econômica. Nem dá para chiar porque o inverso seria o caos.

É matar ou morrer , aguentar ou correr, adaptar ou berrar no vazio . Acordamos noutro Brasil , este país varreu a mão que embalava o berço , só que em direção ao precipício. Ganhou punhos de ferro como alternativa e só pode apostar que em quatro, cinco anos , a estratégia vai dar certo. Nada explica a rejeição de 65% de Temer pelos brasileiros , já que o contrário levaria ao padrão falido da economia venezuelana. E Temer diz que nem liga para índices de popularidade porque, segundo ele , não é candidato a reeleição. Está mais preocupado em passar no plenário a PEC que limita os gastos públicos nos próximos 20 anos.

João Doria vai encolher as ciclovias de Fernando Haddad sobre as calçadas de São Paulo, e privatizar alguns símbolos da cidade, o estádio do Pacaembu,  o autódromo de Interlagos e o sambódromo junto com o Parque do Anhembi.  Garante que vai arrecadar R$ 7 bilhões  a serem encaminhados para Saúde e Educação.  Já lançou o presidente do PSDB para 2018, o governador Geraldo Alckmin, seu padrinho. Como dizia o slogan de sua campanha, o João é trabalhador e quer repetir a façanha do prefeito milionário que governou Nova York entre 2002 e 2013, Michael Bloomberg. A torcer para dar certo na vida real as promessas feitas por quem fez a carreira na TV apresentando um “reality show”.

O PSDB elegeu 46% dos seus candidatos a prefeito , sinal de que o banco traseiro ocupado pelo PT e o PMDB vai ficar quase vazio. A cúpula dissidente do PSDB foi a que mais cresceu num partido rachado e tenta se reunificar. Enquanto Alckmin quer aumentar sua influência , o presidente do partido Aécio Neves – que viu sua carreira presidencial ameaçada com a ascensão do recém-chegado João trabalhador – admite o racha , dilui o efeito Doria e tenta passar a impressão de que o mérito da guinada foi dele.

Fica clara a falácia dos partidos, a desconfiança aos políticos, a revolta surda da população que permanecerá apática nas próximas semanas à espera do que está por vir .

A incógnita carioca

Agora os olhos se voltam para a disputa dos Marcelos no Rio, Crivella e Freixo. Sem paciência para ideologias como aconteceu em São Paulo –  onde até a periferia castigou a esquerda e elegeu o que a cidade chama de ” mauricinho” contra o descontraído Haddad –  o brasileiro aguarda o segundo turno das eleições no Rio de Janeiro, no próximo dia 30. O economista carioca Sergio Besserman tem razão quando diz que Doria nunca seria eleito no Rio de Janeiro que é o avesso de São Paulo, detesta formalidades e as griffes do prefeito paulista eleito.

Mas qual será a cara do Rio com o novo prefeito?

O Rio , se o PSOL de Freixo vencer, pode ser uma saída para a minguada esquerda brasileira depois do duelo com o partido da Igreja Universal do Reino de Deus. Sem perder tempo , Freixo se aproxima dos líderes religiosos.

Será um segundo round animado, já que ambos buscam neste meio tempo apoios contra e a favor do Planalto . As esperanças estão depositadas nos votos cariocas da centro-direita, laica ou não. Freixo, que com minguados 11 segundos de TV derrotou o PMDB de Eduardo Paes, Pezão e Sergio Cabral, pode dar um ao PT embora o PSOL não se equipare ao partido de Lula.  Agora Freixo terá 20 minutos no ar.

Freixo foi afetado em cheio pela decisão do TSF garantindo que condenados em segunda instância podem ir para a cadeia  , o que torna Lula preso em potencial pelo Lava Jato, além de investigado em outros três processos.  A decisão arrasta parte do poder do governo Lula-Dilma. O resultado veio rápido. Apareceu na última pesquisa DataFolha, Crivella na frente com 44%  dos votos, contra 27% de Freixo, que vai cair de boca nos 18% de votos nulos e brancos, e nos 10% de eleitores que não responderam. Dá para perceber que o Rio segue a norma eleitoral, no primeiro turno o eleitor escolhe,  no segundo, rejeita. Agora depende dos votos dos conservadores contra os não conservadores.

Enquanto caçam os votos úteis -e os inúteis, anulados – Crivella finge se descolar da Igreja do bispo Macedo e de Garotinho  , e ameaça dar ao Rio o governo da vitória da religião num evidente vale tudo da desacreditada política nacional.

***

Alberto Dines é jornalista, escritor e cofundador do Observatório da Imprensa.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem