Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

DESENHOS FALADOS > MÍDIA CHINESA

Multa para quem noticiar crises e catástrofes

Por Jorge Arbach em 11/07/2006 na edição 389


Os meios de comunicação chineses poderão ser punidos com multas de US$ 5.100 a 10.200 se revelarem informações sobre emergências sem autorização, caso seja aprovado o projeto de lei do comitê permanente da Assembléia Nacional Popular (ANP), informou o jornal South China Morning Post.


Segundo o jornal, a imprensa também será punida se informar, sem ser autorizada, sobre a administração das crises de emergência ou se publicar informações consideradas falsas sobre catástrofes ou desastres.


Segundo o projeto de lei, os funcionários responsáveis pela administração das crises de emergência deverão proporcionar a informação na hora adequada.


A nova lei abrange situações como desastres naturais, acidentes, crises de saúde pública e de segurança na sociedade, protestos e confrontos entre camponeses e autoridades.


O jornal citou um catedrático de Jornalismo da Universidade de Ciências Políticas, Zhan Jiang. Ele se disse surpreso pela idéia.


‘Não sei quem pensou em impor sanções econômicas. É preocupante. Espero que os membros da ANP tenham algo a dizer’, afirmou Zhan.


Normalmente, a imprensa chinesa tem que esperar a agência oficial Xinhua oferecer o seu relatório das emergências e crises, produzido com informações do departamento de Propaganda do Partido Comunista da China. Mas não há uma lei estabelecendo multas para quem apurar suas próprias informações.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem