Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

DESENHOS FALADOS > PROFISSÃO PERIGO

Sessenta e cinco jornalistas foram assassinados em 2005

Por Jorge Arbach em 17/04/2006 na edição 377

Segundo o informe anual do Instituto da Imprensa Internacional (IPI), publicado nesta quinta-feira em Viena, 65 jornalistas foram assassinados no mundo em 2005 – 13 a menos do que em 2004 – e a liberdade de imprensa esteve ameaçada em vários países.

O Iraque, onde 23 jornalistas foram mortos no ano passado, ‘continua sendo o lugar mais perigoso do mundo para a profissão’, constatou esta organização de defesa dos jornalistas e da liberdade de imprensa em seu informe intitulado ‘Guerras midiáticas: ano zero’, que examina 175 países.

Na América Latina, Brasil (2), Colômbia (2), México (2), Equador (1), Nicarágua (1) e Haiti (3) são os países onde se registraram vítimas entre os profissionais da informação.

Ao contrário, o IPI comemora a revogação no Chile, Panamá, Honduras e Guatemala de leis restritivas à liberdade de imprensa e a diminuição na Venezuela de atos violentos contra os jornalistas.

No ano passado, nove jornalistas morreram nas Filipinas, três em Bangladesh e no Haiti, e 27 em outros 18 países, acrescentou o IPI que, fundado em 1950 nos Estados Unidos, está presente em cerca de 120 países.

Cada vez mais os governos tentam limitar o trabalho dos meios de comunicação com leis de imprensa restritivas, detenções arbitrárias ou violência física e intimidações, indica o informe.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem