Terça-feira, 19 de Março de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1028
Menu

DESINFORMAçãO > Reação em rede

Canais do YouTube como resistência contra fake news e revisionismo histórico e científico

Por Ricardo Missão em 26/02/2019 na edição 1026

Há pelo menos dois meses, uma mobilização de canais do YouTube estabeleceu uma frente de luta e questionamento para combater canais e youtubers que disseminam conteúdo falso, pautado pelo obscurantismo e ataques às instituições educacionais. Juntos eles formam os Canais da Resistência e estão empenhados a produzir conteúdos relevantes para responder, com fontes e embasamento científico, a crescente onda de teorias da conspiração e revisionismo científico e histórico do país.

A plataforma de vídeos só cresce no país e dados apresentados em um relatório da Google, o YouTube Insights, em 2017, já traçava o perfil da população que consumia conteúdos pelo site. Acessado por 95% da população brasileira, a maior parcela desse público tem entre 18 e 35 anos. A prevalência de conteúdos em vídeos em relação àqueles oferecidos em formato de texto era a maioria e representava 79% dos pesquisados, que concordavam ser melhor assistir a tutoriais, por exemplo, do que ler instruções escritas. Além disso, cada vez mais o YouTube deixa de ser “um site de vídeos” para se tornar uma fonte de informação. Isso porque 59% afirmaram que preferem se atualizar pelo YouTube do que ver notícias.

Em 2018, a pesquisa da Video Viewers, consolida ainda mais a preferência dos brasileiros por vídeos. Em quatro anos, o consumo da web cresceu 135%, enquanto que no mesmo período o consumo de TV aumentou 13%. O YouTube entrou de vez na vida do brasileiro e a pesquisa mostrou que a plataforma é campeã da preferência das pessoas, além de ser o 2º maior destino para o consumo desse formato no país, ficando apenas 3 pontos percentuais atrás da líder, a TV Globo. A plataforma já é maior, segundo o levantamento, que os demais canais de TV aberta, se somados em número de vídeos assistidos.

Por anos, o YouTube foi um campo aberto para disseminar ideias e pensamentos. Muitos conteúdos e informações, sem justificativas de fontes, nasceram ou se disseminaram pela plataforma, ganhando abrangência e seguidores engajados no hype do momento, ou seja, o que está na moda e em alta. A política, o anti-petismo, a ameaça comunista e o marxismo cultural, além da disseminação do ódio se tornaram o auge para que canais de youtubers brasileiros investissem na produção de vídeos para refutar temas ou afirmar o contrário, somando, ainda, na elaboração de narrativas de teorias da conspiração, muitas vezes importada de outros canais conspiratórios americanos. Agora, imagine que esses assuntos, por quase uma década, surgiram sem ao menos serem contestados ou respondidos por especialistas.

Formado por professores de história, física, advogados, filósofos e escritores, que já produziam conteúdos relativos às suas áreas, os Canais da Resistência se uniram para criar uma rede de informação e compartilhamento de ideias para elevar o debate e esclarecer conteúdos obscuros e sem fontes de informação, que há anos circulam nas redes sociais e repercutem para fora delas em proporções devastadoras. Trata-se do início de um trabalho do que acontecia e víamos em portais de notícias falsas, ou nos compartilhamentos das correntes de WhatsApp e outras redes sociais. Agora, o embate contra o fake news acontece, também, pela plataforma de vídeos e é protagonizado por profissionais e especialistas que cansaram de assistir as barbaridades sendo disseminadas sem embasamento.

Talvez o leitor já tenha ouvido falar que a Terra é plana, que Isaac Newton é um charlatão ou que Albert Einstein plagiou a teoria da relatividade restrita, em 1905. Ou então, sobre uma marca de refrigerante de cola feito de células de fetos abortados e que o Nazismo, de Adolf Hitler, foi um movimento de esquerda.

Não para por aí. Há ainda os que concentram o discurso no anti-petismo, como por exemplo, em eventos mais recentes, em janeiro de 2019, que vinculou a culpa do estouro da barragem de Brumadinho (MG) a um decreto da ex-presidente Dilma Roussef (PT), assinado em 2015, e que supostamente teria alterado a responsabilidade de tragédias, incluindo a de Mariana, para que esse tipo de evento fosse considerado fenômeno natural e, com isso, eximindo a responsabilidade dos órgãos competentes. Além de impossibilitar os atingidos pelas tragédias de sacar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Há também, a teoria de que o Partido dos Trabalhadores possui uma estratégia para incendiar o país, literalmente. Alegando que a responsabilidade do incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo, que resultou em 10 mortes no Rio de Janeiro, e outras tragédias ocorridas no Brasil, após a prisão de Lula em 2018, é culpa do partido e seus dirigentes que estão colocando o plano em prática.

Já a mais recente surgiu com a notícia da indicação de Lula para o Nobel da Paz, e provocou imediatamente uma tremenda confusão ao relativizar a notícia ao afirmar que Joseph Stalin teria ganhado duas vezes o Prêmio Nobel da Paz.

Aliás, os Canais da Resistência têm intensificado o combate ao fake news, com publicações diárias logo depois da eleição do Governo Bolsonaro, em outubro do ano passado. Isso ocorreu por que os mesmos youtubers que já produziam conteúdos disseminando ódio, racismo, revisionismo histórico e outras teorias da conspiração, foram creditados e indicados pelo atual presidente do país como fonte confiável de informação.

Refrigerante feito de células de fetos abortados, Einstein plagiou a teoria da relatividade restrita e Isaac Newton Charlatão

Respondida pelo Canal do Pirula, em 2012, a informação rende discussão até hoje. Disseminada por Olavo de Carvalho, um dos youtubers indicados pelo atual presidente como fonte confiável, o comentário dava conta de que a Pepsi utilizava em suas fórmulas, células de fetos abortados. Uma questão de interpretação e falta de conhecimento científico, transformou uma simples notícia da manifestação ocorrida nos Estados Unidos, na época, por uma associação pró-vida, em algo literal e supostamente verdadeiro aqui no Brasil. Pirula é um canal focado em divulgação científica e aborda assuntos da área de biologia. Possui, inclusive, o selo Science Vlogs Brasil, que reúnem youtubers colaborativos divulgadores de ciência mais confiáveis do Youtube Brasil.

O mesmo aconteceu em outro vídeo sobre uma suposta fraude de Albert Einstein, que dispensa comentários, e que teria copiado e plagiado a teoria da relatividade restrita. Caio Gomes, físico formado pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo, produtor de conteúdo para o Canal Físico Turista, respondeu e esclareceu alguns pontos sobre as afirmações do tal plágio e apontou, ainda, os erros básicos históricos do artigo, além de esclarecer a teoria do ponto de vista da Física. Isaac Newton, que foi chamado de charlatão em um artigo escrito em 2006 pelo youtuber, foi analisado e respondido pelo Canal Físico Turista.

O revisionismo científico de teorias não justificadas são as que mais repercutem nas redes sociais. Em janeiro desse ano, o UOL precisou responder outro vídeo de Olavo de Carvalho sobre um questionamento de a terra orbitar ou não o sol, inclusive, lançando dúvida sobre o heliocentrismo. O vídeo foi publicado originalmente em 2012.

Stalin recebeu dois prêmios Nobel da Paz e Nazismo movimento de esquerda

Em 30 de janeiro deste ano, o produtor e professor de música, Nando Moura, um dos canais indicados pelo atual presidente do país como fonte confiável, afirmou que o político soviético Joseph Vissarionovich Stalin ganhou duas vezes o Nobel da Paz. Imediatamente, a informação repercutiu no seu canal do YouTube, com mais de 3 milhões de inscritos, e em seguida, largamente disseminada no Twitter.

Em 3 de fevereiro, o canal do filósofo e escritor, Henry Bugalho, foi um dos primeiros a perceber a informação incorreta e responde. Dias depois, em um novo vídeo, o filósofo publica o segundo vídeo em seu canal e expõe a precariedade e ausência da fonte de informação da notícia. Em seis dias o vídeo do professor de música tomou proporções gigantescas e chegou ao topo das notícias mais comentadas no Twitter, e chegou a ser desmentida pela equipe de fact-checking do UOL. Eles verificaram a informação e publicaram o artigo Soviético Joseph Stalin não ganhou prêmio Nobel da Paz duas vezes, no dia 6 de fevereiro. Outros Canais da Resistência também começaram a criar vídeos e a comentar a notícia falsa, um deles foi o do professor e especialista em filosofia contemporânea, Clayson Felizola.

Em outra situação protagonizada pelo produtor de música, em 2017, foi a de afirmar que o Nazismo foi um movimento de esquerda e que a fonte dessa informação, inclusive, estaria no livro Mein Kampf, cujo autor é Adolf Hitler. Uma primeira resposta sobre isso feita pelo casal Leon Oliveira Martins, formado em Relações Internacionais pela PUC de Minas e mestre em Estudos Europeus pela Universität Flensburg, na Alemanha, e Syddansk Universitet da Dinamarca, e Nilce Moretto, jornalista formada pela Unesp, respectivamente dos canais Coisa Nerd e Cadê a Chave.

Por 20 minutos, Leon e Nilce apontaram diversas convergências de ideias e interpretação de texto ao comentar sobre o Nazismo e, ainda, colocaram em cheque a veracidade das supostas fontes. O vídeo resposta, na época, foi um dos assuntos mais comentados na rede social. Um ano depois, em 2018, o assunto voltou às discussões nas redes sociais e alguns veículos de comunicação apresentaram a polêmica, como foi o caso da Jovem Pan ao trazer a tona o tema. Isso ocorreu em setembro de 2018, logo após o episódio de brasileiros, que não acreditam no holocausto Nazista, garantir que o nazismo era uma ideologia de esquerda, protestando, inclusive, a história divulgada pelo Governo alemão.

Não bastasse isso e um mês depois, o assunto voltou para a plataforma do YouTube e o canal O Historiador, do professor de história Carlito Neto, entra em cena para contestar a fonte de Nando Moura e o mito de que o partido Nazista foi de esquerda. Ao apresentar argumentos acadêmicos e históricos, Carlito Neto gravou um novo vídeo, em 10 de fevereiro, para apresentar a suposta fonte de pesquisa de Nando Moura e que outros canais de youtubers disseminam para dizer que o nazismo foi de esquerda: o Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo, de Leandro Narloch. Carlito, inclusive, contesta o conteúdo ideológico e o contexto das informações do livro, apontado por ele como base de teorias das conspirações e revisionismo histórico.

Tragédias CT do Flamengo e Brumadinho e a culpa do PT

O sentimento anti-petismo é pauta frequente dos canais de direita e um deles é o de Bernardo Küster, também indicado pelo presidente do país como fonte confiável de informações. Em 12 de fevereiro desse ano, ele fez um vídeo para apresentar a teoria de que o Partido dos Trabalhadores (PT) e seus dirigentes possuem uma estratégia para incendiar o país, literalmente. De forma subjetiva, o youtuber construiu uma narrativa baseada em declarações de dirigentes do partido, incluiu áudios do ex-presidente Lula, e relacionou notícias de tragédias que ocorreram no Brasil, desde a prisão do ex-presidente. Bernardo alegou que há em andamento um plano para “incendiar o país” e responsabilizou a culpa das tragédias ao partido, inclusive, ao incêndio que atingiu o Centro de Treinamento do Flamengo, no Rio de Janeiro, em janeiro desse ano.

O Canal Dead Consense, administrado por um advogado contestou o limite da liberdade de opinião ao atribuir publicamente crimes ao partido. Dead Consense também esclareceu sob o aspecto legal da informação falsa que circulou nas redes sociais sobre a que vinculou a culpa do estouro da barragem de Brumadinho (MG) a um decreto de Dilma Roussef (PT), assinado em 2015, e que supostamente teria alterado a responsabilidade de tragédias, incluindo a de Mariana, para que esse tipo de evento fosse considerado fenômeno natural e, com isso, não ser de responsabilidade dos órgãos competentes. Além de impossibilitar os atingidos pelas tragédias de sacar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Nos vídeos publicados nos Estados Unidos, o YouTube já começou a se mexer e percebeu que conteúdos conspiratórios, como por exemplo, aqueles que dizem que os ataques de 11 de setembro, que a Terra é plana ou que vacinas causam autismo, por exemplo, são uma farsa. Uma mudança de algoritmo para os canais americanos já está valendo desde janeiro de 2019, e fará diminuir a recomendação de vídeos que promovem teorias de conspiração e desinformação. Esse é um esforço para evitar que o serviço seja usado para potencializar o alcance de conteúdo extremista.

Enquanto isso no Brasil, a plataforma tem passado por caso parecido com a propagação coordenada de informações falsas e teorias da conspiração e outras obscuridades. Só que dessa vez, a contribuição para a produção de vídeos e conteúdos na luta contra a desinformação e disseminação de fake news tem crescido por iniciativa dos canais. Um movimento que avança, somente agora, à sociedade acadêmica e estendida aos especialistas e produtores de conteúdos qualificados. Eles sabem que chegaram tarde para o debate e estão engajados intelectualmente para a batalha.

***

Ricardo Missão é jornalista.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem