Domingo, 21 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1033
Menu

DILEMAS DA IMPRENSA > ‘Biologismos’ no contexto político

Sobre cientistas e jornalistas

Por Marcelo M. S. Lima em 02/04/2019 na edição 1031

O uso de termos de consagrado emprego biológico começou a ganhar destaque em função de coberturas jornalísticas da política nacional. Analistas, articulistas e repórteres em geral acostumaram-se a propagar uma série de adjetivos qualificadores das práticas políticas impróprias, ou mesmo delituosas, que recheiam, diariamente, o noticiário que recebemos. Essa quase catacrese, no entanto, pode soar estranha para um cientista, tornando alguns desses termos alvo de uma breve reflexão. Cito aqui alguns que sempre me chamaram a atenção e até estranhamento ao vê-los nesse novo (agora nem tanto) contexto: infecção, degeneração, desnaturamento, paroxismo, e para mim o pior de todos, fisiologismo. Vou me debruçar um pouco sobre esse último. Como neurofisiologista não gosto desse termo por se tratar de uma derivação da palavra ‘fisiologia’ acrescida de um sufixo carregado de significado político e/ou religioso, sendo, nesse contexto, utilizado para exprimir um controverso tipo de relação de poder político, a de troca de favores escusos.

A fisiologia é, por definição (segundo a Sociedade Americana de Fisiologia – APS), a ciência que estuda a vida, especialmente como as células, tecidos e organismos funcionam. Sendo assim, algumas perguntas chave são feitas por essa ciência, por exemplo, como se dá o funcionamento e a interação entre células e seus tecidos, até o ponto de organismos inteiros, populações inteiras, interagirem mutuamente formando o mundo como o conhecemos. Nesse sentido, porque não atribuir também um papel filosófico advindo dessa ciência que se propõe a explicar o funcionamento, biológico, de nossas vidas.

Voltando; essa dinâmica depende de um fenômeno, que emergiu em 1860, fruto de estudos do notável fisiologista francês Claude Bernard (pai da fisiologia moderna), que descreveu que todo e qualquer organismo, de uma célula individual a uma pessoa, deva possuir mecanismos fisiológicos de manutenção da constância de funcionamento de seus ‘meios internos’. Essa dinâmica foi conceitualizada pelo termo ‘homeostase’ que foi originalmente introduzido em uma publicação (1) de 1926 cuja autoria foi do igualmente brilhante fisiologista norte americano Walter Cannon. Em resumo, a homeostase se aplica para indicar a manutenção de um equilíbrio frente as mais diversas e, aparentemente, imponderáveis interações que um organismo possa ser ou estar submetido. No entanto, essas interações célula/célula, célula/ambiente, pessoa/pessoa, pessoa/ambiente, podem, em algum momento, se desequilibrar e com isso estaremos diante de um contexto favorável ao aparecimento de doenças. Nasce aí um importante ramo da fisiologia, a fisiopatologia, que tem por missão investigar como, quando e porque as doenças surgem.

O jornalismo tem se dedicado com a mesma avidez que a ciência para investigar, apresentar e discutir semelhantes desequilíbrios, estes, porém, muito mais ligados à esfera ética, moral e legal, propriamente. Ou seja, essa esfera de desequilíbrios observadas frente as mais diversas interações: pessoa/pessoa, pessoa/empresa, pessoa/governo, empresa/governo, empresa/empresa, governo/governo deveria ser mais bem exprimida, à luz da fisiologia, dentro de uma lógica fisiopatológica e não fisiológica como tanto propagado em discursos, textos, reportagens, etc. Insisto; ao evitarmos o uso do termo ‘fisiologismo’ ou ‘fisiológico’ para definir essas práticas ancoradas em deturpações morais e/ou legais, talvez substituindo por ‘quebra de homeostase’ (política, ética ou moral), estaremos sendo mais fiéis ao fenômeno em si, sem ferir qualquer percepção de uma ciência tão fundamental como é a fisiologia.

Ofereço aqui algumas possíveis explicações para entendermos a origem de tais ‘biologismos’. A primeira fundamenta-se numa observação que tomei conhecimento pela primeira vez, ainda quando criança, por intermédio de meu pai (João), que foi professor de língua portuguesa por mais de 35 anos na rede pública de ensino. Quando nos deparávamos com os neologismos de Guimarães Rosa, variantes regionais (ele adorava a caipira) ou mesmo anglicismos (que ele, de fato, não gostava muito), ponderava ele: ‘a língua é um ser vivo’. Entendo essa ideia como sendo o resultado da originalidade inata do ser humano sendo exercida na forma de um emprego engenhoso de palavras ou mesmo na criação de novos vocábulos. Ao usarmos esses recursos de linguagem estamos exercendo o poder de escolha, conferido por nosso fantástico córtex pré-frontal, para que assim deixemos uma marca provocativa em nossos interlocutores.

Convenhamos, uma ideia que possua em seu escopo uma provocação semântica marcante chamará muito nossa atenção, função esta também dependente do córtex pré-frontal. Ao atingirmos esse nível de recrutamento atencional, invariavelmente, iremos detonar respostas de emocionalidade das mais diversas, como raiva, medo, repulsa, alegria, etc (todas relacionadas a um complexo circuito cerebral chamado de sistema límbico). O que define esse espectro de deflagração emocional frente a um mesmo conjunto de palavras, com potencial instigante, é função da variabilidade de experiências pregressas de seus interlocutores, resultado, portanto, de suas memórias afetivas, memórias episódicas (envolve eventos e experiências) e memórias semânticas (relaciona fatos e conceitos). É inegável que esse mecanismo, como um todo, seja moldado por um vasto espectro cultural, social e econômico a que todos estamos expostos, nos ajudando a entender com mais clareza a infinidade de impactos e reações que as palavras produzem nas pessoas. Sendo assim, o uso criativo da língua parece ser um elemento intrínseco para entendermos a aceitarmos o uso desses ‘biologismos’.

A outra explicação que apresento para a ressignificação desses termos biológicos recai sobre a natureza muito semelhante de abordagem, método e meios de comunicação que cientistas e jornalistas possuem. Se não vejamos; vou citar algumas características que julgo serem fundamentais em um bom cientista e que podem ser aplicadas, sem restrições, para um bom jornalista, são elas: (i) curiosidade incessante, (ii) grande poder de observação, (iii) senso crítico aguçado, (iv) método investigativo baseado na eliminação de fatores, um a um, (v) capacidade de enxergar o todo mesmo a partir de detalhes específicos, (vi) redação precisa, com argumentação assertiva e desprovida de paixões (esse último quase impossível), (vii) saber absorver e sobreviver as constantes frustrações, (viii) ética profissional permeando todas as anteriores.

Essas características, se sumarizadas, traduzem um forte espírito de busca por explicações de fatos e fenômenos. Pelo lado jornalístico é possível citar alguns filmes que tentam ilustrar um pouco desse espírito, como, por exemplo: ‘Todos os Homens do Presidente’, ‘Spotlight – Segredos Revelados’ e meu favorito, ‘The Post – A Guerra Secreta’. Do lado da ciência, a sétima arte já retratou essa essência com os ótimos ‘Uma Mente Brilhante’, ‘A Vida Imortal de Henrietta Lacks’ e ‘O Jogo da Imitação’. Descontadas as hipérboles presentes nessas obras creio que todas ilustram algumas dessas características compartilhadas por cientistas e jornalistas.

Sendo assim, tamanha sobreposição tornaria ambos formados por uma mesma essência de inconformismo e crítica, porém que se distingue nos cientistas, quanto à linguagem, pela aplicação hermética de um jargão e de terminologias que acabam por tolher uma possível liberdade poética ou uso mais criativo das palavras. Nós cientistas, em nossas atividades e publicações, não podemos aceitar que um conceito ou um termo específico seja aplicado incorretamente, pois a definição dele, comumente, foi produto de anos de elaboração experimental e teórica, sendo que o conhecimento, naquela área, agora parte desse novo degrau e não do anterior. Esse ordenamento é necessário para que não entremos numa torre de babel a qual produziria uma anarquia improdutiva e paralisante para a geração do conhecimento.

Por outro lado, jornalistas parecem se divertir bem mais com a linguagem e a comunicação em geral do que os cientistas que recheiam suas publicações com gráficos acinzentados e textos quase ininteligíveis para seus pares de outras áreas do conhecimento (tamanha a verticalização temática). Essa maior ludicidade jornalística torna um ensaio como este aqui quase como um parquinho (para não dizer playground) para um cientista como eu. Portanto, concluo que a rigidez terminológica, essencial para a ciência, não precisa ser aplicada, com a mesma magnitude, em textos informativos, haja vista que na grande maioria dos casos o leitor não se importará com ‘biologismos’ ou mesmo outras aplicações criativas da língua. Porém, é preciso salientar que tamanha liberdade (sempre desejável), pode, por vezes, ser um convite a distorções conceituais ou mesmo incorreções mais graves, trazendo um inerente prejuízo ao leitor. Logo, o antídoto para isso me parece estar contido nas características que elenquei a pouco, particularmente na redação precisa e com argumentação assertiva assim como na conduta ética e cuidadosa frente ao que é apresentado.

***

Marcelo M. S. Lima é Professor Associado, do Departamento de Fisiologia e Coordenador Laboratório Neurofisiologia. Universidade Federal do Paraná.

___

1 CANNON, W. B. 1926. “Physiological Regulation of Normal States: Some Tentative Postulates Concerning Biological Homeostasis. Paris, Edition Medicale.

 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem