Segunda-feira, 25 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO > O FATO E A EDIÇÃO

A diferença entre informar e criar conhecimento

Por Luciano Martins Costa em 04/03/2008 na edição 475

Alguns leitores que dependem do noticiário da imprensa para tomar decisões profissionais se queixam de que os jornais não oferecem material adequado para análises seguras. Não se trata da quantidade de dados, que fluem em profusão pelos sites especializados da internet, mas da informação de base, que permite a formulação de opiniões e a contextualização dos dados.

Como é impossível rastrear tudo que se oferece na rede, mesmo quando o usuário conta com uma seleção de boas fontes sempre fica a sensação de que, no momento de decidir, falta segurança, queixam-se esses profissionais.

Até alguns anos atrás, os jornais costumavam fazer reportagens de atualização sobre temas específicos que sempre estão presentes no noticiário. Eram verdadeiros balanços temáticos, que ajudavam os leitores mais exigentes a manter uma reserva de conhecimento, essencial na contextualização dos dados. Era um recurso de grande valor, principalmente na formação do conhecimento sobre a evolução da economia, dos indicadores sociais e do cruzamento entre dados de natureza diversificada. No noticiário político, por exemplo, esses elementos são essenciais para o entendimento de propostas de legislação e nos debates sobre a formulação das políticas públicas.

Rankings e pesquisas

Essa prática foi progressivamente substituída pela mania dos ‘rankings’ e das consultas de opinião, que os jornais costumam chamar de ‘pesquisas’, apesar de tecnicamente nem sempre ser cabível essa qualificação. Essa mania foi inaugurada e explorada ao máximo pela Folha de S.Paulo, e adotada pelos outros jornais além do limite da responsabilidade.

Pesquisadores acadêmicos e independentes têm trabalho redobrado ao usar informações da imprensa, também porque nem sempre os dados de pesquisas selecionados para compor o noticiário cumprem a função da formação do conhecimento, mas muitas vezes se destinam a justificar manchetes, ou a atender o chamado interesse jornalístico de curto prazo.

As revistas semanais de informação, que teoricamente têm a função de fazer o resumo periódico dos fatos mais relevantes, andaram entusiasmadas com o chamado ‘web design’, e durante certo período da década passada apresentavam nas reportagens uma inflação de quadros coloridos onde cabiam referências que ajudavam o leitor a fazer a ponderação dos números apresentados nos textos. Houve certo exagero no uso desse recurso, principalmente por parte da revista Época, mas ainda assim alguns editores mais preocupados com o longo prazo fizeram bom proveito desse instrumento.

Na verdade, com apoio nas edições online, os profissionais que decidem o que será notícia poderiam oferecer hoje um jornalismo de maior qualidade aos seus leitores, no sentido que tratamos aqui. Mas provavelmente o motivo da queixa de alguns leitores não tem relação com recursos de edição, mas com a estratégia (ou falta dela) da imprensa. O mais provável é que a escolha pela visão de curto prazo e pela criação de manchetes mais atrativas esteja produzindo nos editores certa resignação com a dificuldade, ou a impossibilidade, de conciliar o efeito do imediatismo com a necessária contribuição para a construção do conhecimento.

******

Jornalista

Todos os comentários

  1. Comentou em 04/03/2008 Fabiano Mendes

    Concordo com Felipe também. Tenho um amigo fazendeiro e cafeicultor e a primeira coisa que ele faz depois do sagrado cafezinho da manhã é ligar o computador e verificar como estão as bolsas ao redor do mundo, só depois ele toma suas decisões. Ele é exportador. Não esqueço de uma reportagem da Globo, logo no início da guerra do Iraque, até parece que o rapaz estava de prontidão, em que esse especialista dizia que a guerra terminaria em trinta dias, só esqueceu de dizer de que ano.
    Hoje ouvi o Gabrine dizendo que o apagão que aconteceu em São Paulo foi culpa do Governo Federal que não está fazendo os investimentos necessários. Meu Deus, fico pasmo com tamanho despreparo de certos jornalistas que parecem esquecer que estão falando para todo o Brasil. Aconselharia a ele a pesquisar melhor antes de falar asneiras no ar. Se como disse o Felipe, algum amador acreditar no que ele disse, deixará de implantar uma industria ou coisa semelhante porque não haverá energia para alimenta la.

  2. Comentou em 04/03/2008 José Orair Silva

    Dou razão ao jovem estudante Felipe. Existe uma revista de negócios na praça que é conhecida como pé frio. Quem aparece na sua capa não dura um ano… Um parente meu caiu num belo golpe. Leu numa reportagem dessas revistas tipo …………., uma bela reportagem sobre uma fabricante de máquinas para fabricação de sorvetes. A coisa vinha muito bem embalada e incautos de todo o Brasil encomendaram as tais máquinas. Sugeria-se o pagamento de metade na encomenda e o restante na entrega, mas disseram ao meu crédulo e afoito parente que se ele pagasse a máquina à vista, ele receberia antes dos outros, Querendo ficar rico antes dos outros, ele acreditou… Resultado: ele e milhares de outros incautos cairam literalmente numa fria. Estão até hoje esperando as tais máquinas…

  3. Comentou em 04/03/2008 Felipe Faria

    Luciano, leitores que dependem do noticiário da imprensa para tomar decisões profissionais não são profissionais, são amadores.

  4. Comentou em 21/08/2007 Airton Santos

    Boa Tarde a todos,

    Solicito informações sobre como enviar release para o site.

    Atenciosamente

    Airton Santos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem