Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

DIRETóRIO ACADêMICO > JORNALISMO & MERCADO

A mercantilização do ensino superior

Por Valéria Said Tótaro em 18/12/2007 na edição 464

Tendo em vista os últimos acontecimentos na capital mineira referentes a demissões sumárias de docentes de Jornalismo da Fumec (Fundação Mineira de Educação e Cultura) e do Centro Universitário Newton Paiva, as quais seriam motivadas por interesses mais escusos que acadêmicos, gostaria de relacionar o processo de mercantilização do ensino superior privado de Jornalismo com o desconhecimento da trajetória histórica profissional, bem como sua imediata conseqüência para nós, cidadãos.

A origem filosófica e paradigmática do Jornalismo surge no século 19, quando tem início nossa trajetória, numa democracia. Nesse contexto filosófico, partilhamos uma herança com os ideais do iluminismo (que inclui nomes como John Milton, Rousseau, Montesquieu e Voltaire), que vão influenciar nossos valores profissionais (ethos jornalístico), como: a) a busca da verdade (não a metafísica, mas aquela por meio da exposição de opiniões divergentes, mais conhecida como o Princípio do Contraditório); b) a independência (mais autoral que financeira); c) a objetividade (longe de ser falta de contextualização dos fatos e sinônimo de acurácia, isto é, a exatidão garantida pelo rigor dos procedimentos de apuração e verificação das informações obtidas e narradas de forma a emocionar o cidadão, sem inventar emoções); e d) a noção de serviço público, que define uma relação historicamente adversarial entre o Jornalismo e o establishment político, e uma dupla função social para os jornalistas, segundo a teoria democrática, a saber: 1) serem porta-vozes dos cidadãos em questões socialmente relevantes e, 2) vigilantes do poder político, denunciando os abusos que o poder vigente pode cometer contra os cidadãos, numa democracia.

Desconhecer a trajetória histórica

Eis aí a dimensão intelectual (ideológica) da nossa profissão, que a mercantilização do ensino superior descarta em razão de uma inexplicável antinomia no campo jornalístico contemporâneo: a separação entre o pólo ideológico (a definição do Jornalismo como um serviço público) e o pólo econômico (definição de Jornalismo como um negócio). Destarte, a dimensão econômica do Jornalismo é o pólo mais exaltado pelos empresários da área, o mais enfatizado pela esmagadora maioria das Escolas de Jornalismo e o menos compreendido por todos os envolvidos na mediação diária da informação de relevância pública: estou me referindo à condição de lucro, isto é, ao processo de comercialização que surge no século 19 e que dá constituição ao novo paradigma do jornalismo, presente até os dias atuais em qualquer redação.

E essa falsa contradição entre os dois pólos do ethos jornalístico é resultado de um verdadeiro desconhecimento da própria trajetória histórica da nossa profissão. Aliás, nesse trecho, é pertinente citarmos uma frase do filósofo e político romano Cícero, que escreveu, há mais de dois mil anos, o seguinte: ‘Desconhecer a história é permanecer criança para sempre.’ No que me permito fazer a seguinte contextualização: desconhecer a trajetória histórica do Jornalismo é permanecer inapto e inepto diante da profissão que escolhemos.

Ignorância e negligência

Com efeito, somente aqueles que se dignaram a conhecer nossa história têm capacidade para entender que essa condição de lucro é conseqüência, e não causa, de credibilidade e independência de um jornalismo de qualidade. Em outras palavras, que Jornalismo gera credibilidade porque cumpre sua função social e, conseqüentemente, produz lucro. Donde se conclui que os dois pólos do campo jornalístico se complementam e não se excluem. Mas, infelizmente, para a massa ignara da Comunicação Social (que inclui quase todos os empresários da área, a maioria dos coordenadores de cursos de Jornalismo, um grande número de professores e muitos profissionais de plantão), o discurso do mercado, porcamente mal elaborado, é o que predomina: o de que empresa jornalística, para dar lucro, tem que ser tratada como empresa, e não como Jornalismo.

E essa lógica mercantilista acaba refletindo no ambiente acadêmico, que faz ressonância do mercado, por meio de seus projetos pedagógicos e da implantação da razão cínica nas coordenações para melhor adestrar seus professores: tratamentos meramente comerciais, moralmente indefensáveis e politicamente corruptos. Benefícios para aqueles docentes que jamais, em tempo algum, estão à venda? Demissões sumárias, claro. Troca-se o pecado capital da preguiça (intelectual) pelo pecado do capital (mercantilização da ética). E a lógica cínica dessa razão reservada a seus discentes? A depender do caso, são tratados ora como clientes nada exigentes, ora como futuros profissionais desrespeitados como cidadãos.

Reflexos para a sociedade? Bem, na era da informação e do conhecimento (e, marcadamente, da mercantilização do ensino superior), em escolas de Jornalismo onde há escassa ética por parte de coordenações com seus docentes; onde proliferam alunos(as)-mercadorias que estão sempre à venda e onde grassa em seu ambiente o desconhecimento histórico da nossa profissão, não é difícil concluir que nós, cidadãos, teremos grandes dificuldades para nos informarmos sobre quem está decidindo, em algum lugar do planeta, se vamos viver ou morrer. Isso, se não morrermos antes, por falta de conhecimento e excesso de negligência por parte daqueles que têm a responsabilidade de nos oferecer profissionais eticamente comprometidos com o interesse público, isto é, jornalistas por vocação e por formação.

******

Jornalista e professora universitária, integrante do Fórum Mineiro dos Professores de Jornalismo, Belo Horizonte, MG

Todos os comentários

  1. Comentou em 18/12/2007 Marcelo Cortez

    Boa tarde a todos.
    Valéria, aqui no estado do Rio de Janeiro, comprovei na própria pele o que diz. Depois de reprovar quase uma turma inteira do sétimo período, constatando que eram semi-analfabetos, recebi proposta para afastar-me da turma em troca de outras tarefas. Denunciei tudo aos superiores e simplemente fui demitido.
    Quanto mais facilmente alguém consegue entrar em uma ‘universidade’ desse tipo, mais fácil também é formar(?) um péssimo profissional.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem