Quinta-feira, 21 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO > DIPLOMA DE JORNALISMO

Apenas um papel pintado

Por Ricardo Faria em 26/08/2008 na edição 500

Não se trata de uma profissão qualquer; requer vocação, garra, independência. Conceito e opinião para resistir aos apelos dos donos da comunicação no planeta, os verdadeiros patrões dos reitores e diretores das universidades e faculdades brasileiras, transformadas, comprovadamente, em grandes senzalas com professores-feitores sempre alerta, a inibir, de chicote na mão, qualquer manifestação que cheire a liberdade de expressão.

Alguém diz isso aos jovens que pretendem abraçar o jornalismo? Claro que não.

Desorientada, a moçada acaba atraída pela mídia formadora de opinião: ‘Todos ao vestibular’ – ‘tudo pelo diploma’. Como se a obtenção do canudo fosse uma espécie de décimo terceiro mandamento, os infelizes acabam ingressando nas unips, fmus, pucs, univaps, uspes, estaduais, federais etc., grandes galinheiros infestados de raposões.

Por melhor formação familiar que tenha a moça ou rapaz, será muito difícil para eles não seguir a orientação dos psicopatas travestidos de mestres orientadores, muitos deles pedófilos.

Compromisso com os fatos

Diploma na mão, número do MTb na carteira assinada com salário fixo. Eureca! Mais um jornalista no cemitério dos sonhos a serviço da informação manipulada. Contra a força não há resistência.

A carta aberta do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo aos ministros do Supremo Tribunal Federal, assinada por Edson Luiz Spenthof, publicada no site4 Congresso em Foco, é mais uma tentativa asquerosa de pressionar o Supremo Tribunal Federal para que aprove a arbitrária obrigatoriedade do diploma para o exercício do jornalismo, tornando-o ainda mais teleguiado e famélico.

Poucos são os comunicadores com credibilidade neste país; as verbas de publicidade se encarregam de azeitar as engrenagens dos veículos controlados pelos monopólios sempre desejosos em nos transformar em imbecis consumidores de bugigangas, religiões e outras porcarias. Basta acompanhar o crescimento da chamada mídia do entretenimento, assinada por jornalistas medíocres, alunos, certamente, dos tais ‘professores’ descompassados moral e intelectualmente.

Para ser exercido, o jornalismo não precisa de nenhum papel pintado da indústria do ensino, mas sim, de gente compromissada com a divulgação dos fatos como ocorre no mundo inteiro.

Em agosto de 2003, o Observatório da Imprensa publicou um texto meu: ‘Diploma de Jornalismo – Titulares da Ilusão‘. Por incrível que pareça, é preciso bater novamente na cangalha.

******

Jornalista, São José dos Campos, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem