Quinta-feira, 21 de Março de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1029
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO >

Editor discorda da direção do jornal

Por Fernando de Barros e Silva em 24/02/2009 na edição 526

Certamente não é a primeira vez que um colunista da casa diverge de uma posição expressa pelo jornal em editorial.


Mas é a primeira vez que este colunista se sente compelido a tornar pública sua discordância, inclusive em nome do que aprendeu durante 20 anos nesta Folha.


O mundo mudou um bocado, mas ‘ditabranda’ é demais.


O argumento de que, comparada a outras instaladas na América Latina, a ditadura brasileira apresentou ‘níveis baixos de violência política e institucional’ parece servir, hoje, para atenuar a percepção dos danos daquele regime de exceção, e não para compreendê-lo melhor.


O que pretende ser um avanço analítico parece, mais do que um erro, um sintoma de regressão.


Algumas matam mais, outras menos, mas toda ditadura é igualmente repugnante. Devemos agora contar cadáveres para medir níveis de afabilidade ou criar algum ranking entre regimes bárbaros?


Por essa lógica, chega-se à conclusão absurda de que o holocausto nazista não passou de um ‘genolight’ perto do extermínio de 20 milhões promovido por Stálin.


Ora, se é verdade que o aparelho repressivo brasileiro produziu menos vítimas do que o chileno ou o argentino, isso se deu porque a esquerda armada daqui era menos organizada e foi mais facilmente dizimada, não porque nossos militares tenham sido ‘brandos’.


Quando a tortura se transforma em política de Estado, como de fato ocorreu após o AI-5, o que se tem é a ‘ditadura escancarada’, para falar como Elio Gaspari. Seria um equívoco de mau gosto associar qualquer tipo de ‘brandura’ até mesmo ao que Gaspari chamou de ‘ditadura envergonhada’, quando o regime, entre 64 e 68, ainda convivia com clarões de liberdade, circunscritos à cultura.


Brandos ou duros, o fato é que os regimes autoritários só mobilizam a indignação de grande parte da esquerda quando não vêm acompanhados da retórica igualitarista.


Muitos intelectuais se assanham agora com a tirania por etapas que Chávez vai impondo à Venezuela sob a gosma ideológica da revolução bolivariana. Isso para não lembrar o fascínio que o regime moribundo mas terrível de Fidel Castro ainda exerce sobre figurões e figurinhas da esquerda nativa.


É bem sintomático, aliás, que, ao protestar contra a ‘ditabranda’ em carta à Folha, o professor Fábio Konder Comparato, guardião do ‘devido respeito à pessoa humana’, tenha condenado os autores do neologismo a ficar ‘de joelhos em praça pública’ para ‘pedir perdão ao povo brasileiro’.


Que coisa. Era assim, obrigando suas vítimas a ajoelhar em praça pública, submetendo-as à autêntica ‘tortura chinesa’, que a polícia política maoísta punia desvios ideológicos durante a Revolução Cultural. Quem sabe, como a ‘ditabranda’, seja só um palpite infeliz.


 


Leia também


Direita, volver! – Luiz Antonio Magalhães


Os limites do ombudsman – Celso Lungaretti


A ‘ditabranda’ e a culpa de Fidel – Gilson Caroni Filho

******

Editor de “Brasil” da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem