Sábado, 21 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

DIRETóRIO ACADêMICO > ENSINO DE JORNALISMO

Empreender, o drama da profissão

Por Márcio Fernandes em 09/10/2007 na edição 454

Se há um drama que não tem desenlace feliz nos cursos de Jornalismo Brasil afora é o do empreendedorismo. Bons ou ruins, conceito alto ou não no Sinaes, os cursos da área simplesmente continuam, em sua maioria, a formar empregados. Vícios de origem (grades curriculares mal elaboradas), professores despreparados (algo comum de Norte a Sul) e estudantes de curta visão são três dos fatores que contribuem para a existência – e mesmo crescimento – desse cenário lamentável, cuja resolução não está, por exemplo, nos livros. Até pelo fato de que muitos docentes ainda utilizam nas salas obras escritas há 20 anos, quando o som das teclas das máquinas de escrever ainda zumbia nas redações.

O fato é que, no instante em que nos preparamos para o final de mais um ano letivo, há muita gente nas faculdades de Jornalismo que continua a propagar as virtudes de uma época em que ser simplesmente empregado era o máximo que alguém podia – e devia – almejar. A cada vez que entro em sala em uma turma de formandos, acabo por recordar as palavras de um jornalista radicado no norte de Santa Catarina, o qual costuma dizer que, em jornalismo, ‘emprego não há, mas trabalho, sim’. Para alunos prestes a pegar o canudo, a frase soa etérea, já que, por desinteresse pessoal ou falta de estímulo das cabeças pensantes do seu curso, empreender é uma condição que cabe somente para outras áreas. E assim ele vai levando a vida até o dia da colação de grau e do baile para, na manhã seguinte, ir ao mercado de trabalho procurar uma vaga.

A mais sonsa das novelas

Despreparado que é, esse novo jornalista por vezes demora a se posicionar no tal mercado e, bingo, passa a culpar a recessão econômica da nação, a concorrência acirrada, a má qualidade da instituição de ensino que freqüentou por quatro anos e por aí vai. E, se nos perguntarmos se temos todos culpa pela situação dele, vale responder que sim.

Um quadro desolador como esse não é possível de ser equacionado por um sujeito somente, mas também é pertinente dizer que a grande parcela de responsabilidade pelo cenário em questão está nas grades curriculares arcaicas, vez por outra mascaradas de contemporâneas por incluírem disciplinas como Tecnologias Digitais. Empreendedorismo não é um tema comum nas matrizes. Políticas Públicas Sociais é outro segmento que padece desse mal.

Difícil mesmo, a vida do estudante que acaba de entrar em uma faculdade de Jornalismo. Não bastasse seu péssimo nível de leitura e de informação geral (não vamos nem nos deter em questões de gramática), encontra na sala professores que nunca ficaram mais do que uma semana em uma redação (ou, caso tenham permanecido um dia, nunca mais voltaram, vivendo da imitação de papagaios) e uma estrutura curricular de chorar.

O ruim mesmo da história é que o drama do empreendedorismo em Jornalismo é diferente da mais sonsa das novelas que, na pior das hipóteses, é tirada do ar quando a audiência decai. Em um curso de Jornalismo, podemos até sacar o personagem principal da história (talvez o professor de uma disciplina prática, por exemplo), mas o folhetim dublado continuará assaltando nossos sentidos.

******

Jornalista e professor universitário no Paraná

Todos os comentários

  1. Comentou em 21/10/2007 Wemerson Augusto

    Concordo plenamente professor Marcio!

    É uma honra encontrá-lo, e ainda mais, discutindo essa questão que parece ser a chave e a mesmo tempo o abismo para milhares de profissionais.

    Valeu Marcião!

  2. Comentou em 11/10/2007 Fernando Schweitzer Schweitzer

    Estou tendo no momento um lampejo. A dias atrás fui a secretaria de minha faculdade me informar de detalhes para trancar ou desistir do curso que hoje faço.
    Após ter feito um semestre de cinema em outra instituição, e ter me transferido de curso, após atritos muitos. Como quando a comunicação Social ( Cinema, Publicidade e Jornalismo ) daquela universidade fez um abaixo assina pedindo a redirada do doutor em Harward, que ao invés de ministrar Sociologia da Comunicação Social, dava aulas de Filosófia Clássica. Em um método que chamo de ultra revolucionário. 1° tempo: 1h30 de leituras de tansparências, seguida de um 2° tempo: 1h30 de debate. Onde somente suas posições prevaleciam.
    Resolvi mudar de curso em busca de algo mais prático, eu que a essa altura já era ator formado em nível técnico, migrei do Cinema para Ed. Física, pois o trabalho e conhecimento do corpo faz parte da cena, enfim. Acabado o dinheiro pra não entrar no SPC e no Serasa, tranquei o curso, que digo me valeu embora não concluso de muito até hoje.
    3 anos após volto ao campus de outra casa, após tentar jornalismo na antiga instiyuição que já havia cursado, me abismei com uma grade de 1996 ( para Jornalismo, creio que muito antiga ). Encontrei na que curso hoje uma grade de 2006, e que já fora modificada em 2004 e antes em 2001.
    Qual será que escolhi?

    Nada é perfeito, mas se tentar já ajuda!

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem