Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº974

DIRETóRIO ACADêMICO > CASO MARCELO SILVA

Época, Veja e o dramalhão de novela

Por Luciano Martins Costa em 15/12/2008 na edição 515

As duas principais revistas de informação do Brasil, pelo menos aquelas que alcançam mais leitores, escolheram para suas capas o episódio da morte de um ex-policial que foi casado com uma atriz de televisão.


As duas publicações dedicam ao tema páginas e páginas relatando o relacionamento conturbado entre a mulher famosa e o típico galã de subúrbio, quase trinta anos mais jovem. E é assim mesmo que a revista Época trata o ex-policial que morreu de overdose de cocaína no estacionamento de um hotel: ‘galã de subúrbio’. Chama-o também de ‘anônimo que tirou a sorte grande casando-se com uma estrela da TV’.


Não é o caso de se gastar o tempo com análises sobre o evidente preconceito presente nas afirmações, mas observar como a imprensa que se pretende relevante gasta papel com temas de importância duvidosa, em detrimento das questões que poderiam contribuir para melhorar o nível de suas relações com o público.


Banalidade pura


O relacionamento entre publicações que se pretendem influentes e seu público se constrói pela partilha dos temas relevantes, que ajudam esse público a fazer escolhas e formar opiniões.


Para se ter uma idéia, Época dedica quatro vezes mais espaço para a morte do ex-policial do que para o caso de assassinato que envolve o empresário Constantino de Oliveira, dono da empresa aérea Gol. Outro tema relevante, o caso que envolve magistrados acusados de vender sentenças mereceu apenas uma página.


Veja também preferiu dar amplo espaço para a psicologia ligeira sobre o relacionamento entre a atriz famosa e o anônimo suburbano do que a questões como o pacote do governo contra a crise econômica, ou a pesquisa que mostra o hábito de empresários brasileiros de distribuir propinas a agentes públicos.


As chamadas revistas semanais de informação são supostamente importantes pela capacidade de resumir os principais fatos do período e oferecer aos leitores a oportunidade de refletir sobre questões importantes para suas escolhas do dia-a-dia. Quando dedica a capa e muitas páginas a temas que são a marca das revistas de banalidades, a imprensa que pretende ser influente está apenas afirmando que não quer ser levada a sério.

Todos os comentários

  1. Comentou em 15/12/2008 Caíque Pinheiro

    Ah! Mas ainda falta cobrir o processo que a família do sujeito falecido vai mover contra a Ana Maria Braga. E, na rebarba, vem a disputa judicial pela honra/desonra do morto. O final é reservado ao editores, por hora.

    início de novela quente, não?

  2. Comentou em 15/12/2008 sammantha Fabricia

    Quantas são as Suzana por este País ?
    Que acreditam nos pobrezinhos, nas declarações falsas de amor….
    que acreditam que podem ajudar quem está precisando delas….
    eu sou uma destas suzanas e existem muito mais outras….

  3. Comentou em 15/12/2008 Ivan Moraes

    ‘Outro tema relevante, o caso que envolve magistrados acusados de vender sentenças mereceu apenas uma página’: gratidao pura e simples. A media brasileira inteira movimenta bilhoes de dolares, mas foi condenada a pagar somente 80 mil dolares de indenizacao na justica em todo o ano de 2006. A media brasileira ja tem lado, e eh o lado da corrupcao.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem