Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

DIRETóRIO ACADêMICO > FORMAÇÃO ACADÊMICA

Humanizar o processo da notícia

Por Reinaldo César em 19/02/2007 na edição 421

Nos cursos de comunicação social das faculdades e universidades de todo o país ensinam-se as técnicas e as normas para a aplicação da informação nos diversos veículos de comunicação – rádio, TV, jornais, revistas, etc. Tudo para colocar o estudante em condições de ingressar no ‘deus mercado’, ditador de regras, modas e conceitos.

Quase tudo o que se fala e se faz numa academia visa – ao menos na teoria – cumprir as exigências de um mercado voraz e seletivo, que absorve somente os mais preparados e competentes.

Mas, preparados como? Para que e para quem? Que competências?

Entendo por preparação e competência, no que diz respeito a exercer o jornalismo e mais do que a aptidão à aprendizagem das regras e técnicas básicas, a aquisição de um imprescindível e amplo conhecimento humanístico e cultural e da engrenagem dos processos comunicacionais. Para tanto, é preciso abraçar com humildade e dedicação a filosofia e a ciência.

Ao menos na graduação dos cursos de comunicação social é preciso ir além do que as faculdades têm proposto, porquanto os cursos de comunicação carecem de humanização. Ao jornalismo, mais que se ater somente aos fatos, acontecimentos e imagens, torna-se premente, isto sim, fazer vislumbrar um horizonte possível de um exercício jornalístico humano e inclusivo.

Muito mais do que preparação e competência, atribuições igualmente importantes, selecionar notícias e produzi-las exige o mínimo de humanidade; humanismo – ‘com manifestações no domínio lógico e no ético’ – e sensibilidade, não pejorativamente, mas na expressão de sentimentos de humanidade, ternura, simpatia e compaixão. Não raras vezes, ouvimos em nossa trajetória no jornalismo fragmentos como: ‘contra fatos não há argumentos’ e ‘a imagem vale mais que mil palavras’. Não pretendo aqui esmiuçar o sentido de ambas, porém ressaltem-se os riscos que corremos a todo o instante quando ingerimos formulações como estas sem, ao menos, refletir à luz da razão e da sabedoria sobre tais afirmações coercitivas, incoerências que podem ser prejudiciais a muitas pessoas.

Valor ético-moral

Vejam-se os fatos e acontecimentos que ocorrem em todo momento em quaisquer partes do mundo! Como são tratados os acontecimentos que a grande imprensa absorve e repassa em forma de notícias e como as recebemos? Como o público, seja ele ouvinte, leitor ou telespectador recebe as informações que chegam? Ficam indiferentes ou ‘fotografam’ com olhar crítico as informações recebidas? De que forma o jornalista trata a notícia escolhida ou selecionada? Como o jornalista escreve ou noticia? O profissional tem liberdade para escolher a informação? Que preparo ou competência possui o jornalista para discernir a notícia que chega até ele? Há interferências da direção da empresa para a qual o jornalista trabalha, ou ele tem liberdade e autonomia própria para atuar com responsabilidade como agente de transformação humana da sociedade?

Mesmo relevando a correria e a pressa do mundo moderno; mais ainda: do mundo da produção da notícia – o que não significa ser conivente –, creio ser possível praticar o bom jornalismo, pautado no valor ético-moral o que, sem dúvida, requer cuidados na leitura que fazemos das notícias, estando a exigir investigação e checagem; fazer um jornalismo proponente da verdade como elemento primordial – comprometido com o público, sem sensacionalismo – para informar e formar o indivíduo, norteando-o para não se deixar seduzir por conteúdos ideologicamente nocivos; enfim, um bom jornalismo feito por seres humanos-jornalistas, e não apenas jornalistas.

******

Jornalista da TV Canção Nova, Cruzeiro, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem