Sábado, 25 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO >

Nos bastidores da notícia, nos desafios da reportagem

Por Pedro Santos em 21/04/2009 na edição 534

Depois de dois anos e 48 reportagens especiais para o Fantástico, o Profissão Repórter passa a ser exibido semanalmente em junho de 2008. Há dez anos, a Rede Globo não investia em novos programas jornalísticos. Resolveram apostar no sonho antigo do jornalista Caco Barcellos de coordenar jovens repórteres em um programa de reportagens que se destacasse por elementos que visam a melhor apreender um fato ou acontecimento em suas possíveis angulações. São tais elementos que pretendemos verificar neste trabalho. Para isso, analisamos os quinze programas que foram ao ar entre junho e setembro de 2008.

‘Nos bastidores da notícia, nos desafios da reportagem.’ Essa é a chamada e o mote do Profissão Repórter, proferidos em todo início de programa por Caco Barcellos. Um diferencial importante é justamente a primeira parte da frase acima. Mostrar os bastidores daquilo que a imprensa veicula era comum no Profissão Repórter como quadro do Fantástico. Com a exibição semanal, vieram as grandes reportagens e temas não factuais, como a vida das pessoas que trabalham em baixo da terra ou a indústria do sexo no Brasil.

O ângulo da singularidade

Quando se refere a ‘bastidores da notícia’, Caco Barcellos está também falando do modo de produção do programa, que tem o objetivo de mostrar como a matéria é feita. Normalmente, saem para a rua um repórter e dois câmeras: um que filma do modo como estamos acostumados a ver nos telejornais, e outro que filma o câmera filmando, de modo a explicitar o processo de filmagem e todas as modificações que o aparelho de gravação provoca na cena. É o reconhecimento de que se está fazendo uma produção e de que não existe a propagada objetividade da câmera, que filmaria diretamente os acontecimentos tais como são. Como nos ensina Consuelo Lins: ‘O ato de filmar implica uma metamorfose daqueles que filmam e dos que são filmados, que pode ser assumida ou disfarçadas por convenções estabelecidas’ (2007: 228). Aqui, elas são assumidas, indo contra as convenções do telejornalismo tradicional, mas já bastante difundidas em filmes documentários.

É assim que vemos, por exemplo, a aflição da repórter quando trava o elevador e ela quase perde o momento da cirurgia, no primeiro programa ‘À espera de um coração’. Ou, na reportagem sobre maternidades (programa dez), quando vemos, em dois planos, a repórter chorar em um enterro.

O Profissão Repórter trabalha da seguinte maneira: uma vez definido o objeto da reportagem, a equipe se divide para tentar apreender as diversas partes envolvidas. Tem-se tempo e investimento para acompanhar por um mês ou mais algum entrevistado. E sempre no modelo de buscar no singular elementos que possam ser sugeridos para uma perspectiva universal, como propõe Adelmo Genro Filho (1987). A teoria de Adelmo está baseada na notícia, mas podemos ampliá-la para o tipo de reportagem como a que o programa desenvolve. Para o autor, o jornalismo revela uma modalidade de percepção e conhecimento social da realidade através da sua reprodução pelo ângulo da singularidade.

Quatro mandamentos

É o que acontece no programa seis, sobre a indústria do sexo. A equipe acompanha as gravações de um filme pornográfico, entrevista os donos de um cinema pornô – buscando conhecer o modo de vida dessas pessoas – e vai atrás de algumas prostitutas em beira de estrada. Mas é na singularidade de uma personagem específica que somos levados à sugestão de universalidade proposta por Adelmo. Trata-se de Dona Rosinha, uma senhora de 73 anos que trabalhava como prostituta. Por meio do relato dela, somos levados a questões mais amplas e complexas não abordadas diretamente pelo programa, mas evidenciadas pela sugestão de universalidade no tema tratado e nos dilemas, dúvidas e problemas da profissão de prostituta e da situação do idoso no Brasil.

Ainda nessa matéria sobre sexo, vemos que, apesar da necessária redução de tamanho e complexidade do recorte jornalístico sobre o assunto, o tema é visto como dentro de um sistema integrado, em que as partes se interligam e uma necessariamente se alimenta da outra: o cinema pornô, que não existiria sem a produção de filmes do gênero, ou a distinta realidade do glamour do cinema com a vida de quem trabalha na beira da estrada.

A montagem da maioria das reportagens segue as proposições formuladas por Tom Wolfe a respeito do Novo Jornalismo. O autor defende o jornalismo de exaustão em que absolutamente tudo pode interessar na composição do quadro que o repórter pretende expor. Para tanto, Wolfe desenvolve quatro sugestões ou mandamentos: a) construção cena a cena, como no cinema; b) o uso de diálogos completos; c) o ponto de vista da terceira pessoa, apresentando a cena por intermédio dos olhos de um personagem particular; d) o registro dos gestos, dos hábitos, maneiras, costumes, estilos de mobília, como se comportam com outras pessoas etc.

A operação de Amanda

Wolfe teoriza a partir da imprensa escrita, mas suas idéias são aplicadas em Profissão Repórter no que diz respeito à forma narrativa, com montagens paralelas que imprimem dinamismo e agilidade às histórias que se pretende contar.

Em ‘À espera de um coração’, acompanhamos histórias que tratam sobre transplante de coração no Brasil. Começamos com Amanda, uma criança que espera um coração que possa ser adaptado ao seu organismo. Em uma das tentativas, ‘o coração que não serviu para Amanda serviu para Fábio’, como narra Caco Barcellos. Seguimos com Fábio e logo depois com Roberto, um rapaz que está esperando há sete meses pelo transplante. Vamos, então, ao órgão sendo retirado do doador, ser levado de helicóptero até o Instituto do Coração enquanto Roberto é preparado para o transplante. A tensão do momento é transmitida para o telespectador. A repórter que acompanha o coração liga para o jornalista que está com Roberto e presenciamos as falas apressadas do telefonema até o final feliz.

No segundo bloco, voltamos com Amanda para conhecer a casa dela, o médico que fala sobre falta de perspectivas da menina, as irmãs, além do relato emocionante da enfermeira que diz como é conviver com os pacientes. Seguimos, paralelamente, com a notícia do falecimento do jornalista Delmar Marques.

No final, a operação de Amanda é bem sucedida e é assim que se encerra o programa que, de acordo com o off de Caco Barcellos, foi produzido durante dois meses.

Um jornalismo narrativo

A partir desse esqueleto do programa ‘À espera de um coração’, fica claro que a forma de narrar de Profissão Repórter vai ao encontro do que nos ensina Bird e Dardenne, que, citando Scholes (1982), escrevem: ‘Uma narrativa para se tornar numa estória tem de ser orientada de maneira específica, apresentando habitualmente relações de causa e efeito numa progressão lógica. As explicações devem ser interligadas no tecido narrativo.’

A estética do realismo ou melodrama está presente no programa como meio, também, de criar identificação com os telespectadores. Sobre processos de identificação, Langer assinala:

Fazem-no acentuando o lado comum da vítima, como descrições de particularidades arbitrárias ou detalhes biográficos, e eliminando ou limitando a intervenção humana na ação por uma diversidade de processos discursivos. São exemplos a atribuição de poder a objetos inanimados (‘Carro matou menor’), a evocação expressa do destino ou sorte (‘O infeliz faleceu a caminho do hospital’), a invocação do inexplicável que produz incongruência ente o que sabemos sobre uma vítima e o que lhe aconteceu (‘A queda do avião ceifou a vida do seu experiente piloto’), a chamada de atenção para a rapidez com que ocorreram as circunstâncias que escaparam ao controle quer da vítima quer dos outros (‘Iludindo a vigilância da mãe, a pequena Maria do Céu, de dois anos, ingeriu um frasco de lixívia’), a orientação para eventos e a secundarização das condições sociais ou históricas que estiveram na sua origem (LANGER, apud Ponte, 2004: 39-40).

Tudo isso também para compor o que Barthes chamou de efeito de real, o resultado das estratégias dos discursos realistas, aqueles que, na busca de testemunho para o seu relato, recorrem a uma realidade em cuja construção colaboram.

O fato de Profissão Repórter ter chegado à grade semanal de uma emissora conhecida pelo tradicionalismo nos programas assinala uma demanda do público por reportagens. Espera-se mais do jornalismo. Mais histórias de vida, temas vistos por ângulos diversos e simultâneos. Enfim, um jornalismo narrativo, tendência em que apostam os professores Sergio Vilas Boas, Rodrigo Stucchi, Edvaldo Pereira Lima e Celso Falaschi, criadores da Associação Brasileira de Jornalismo Literários (ABJL).

******

Estudante de Jornalismo da UFSC, Florianópolis, SC

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem